Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de SAMU)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o serviço francês e seus similares, veja Serviço de Atendimento Médico de Urgência.
Profissionais do SAMU realizando um atendimento de urgência.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) é um serviço de atendimento as urgências pré hospitalares, brasileiro, utilizado em casos de urgência e emergência. Foi idealizado na França, em 1986 como Service d'Aide Médicale d'Urgence — que faz uso da mesma sigla "SAMU" — e é considerado por especialistas como o melhor do mundo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Os serviços de atendimento pré-hospitalar móvel, denominados Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), e acionados por telefonia de discagem rápida (número 192), conhecidos como Samu 192, foram normatizados no Brasil a partir de 2004 pelo decreto presidencial nº º 5.055, de 27 de abril de 2004[2]. Caracterizam-se por prestar socorro às pessoas em situações de agravos urgentes, nas cenas em que esses agravos ocorrem, garantindo atendimento precoce, adequado ao ambiente pré-hospitalar e ao acesso ao Sistema de Saúde [3].

O SAMU 192 não se caracteriza apenas por um Serviços de Atendimento Pré Hospitalar Móvel mas por ser um Serviços complexo onde uma Central de Regulação de Urgência e Emergência composta por médicos reguladores atendem toda a demanda do Sistema telefônico 192 e definem uma hipótese diagnóstica e a complexidade assim como a prioridade do atendimento podendo ser fornecido apenas uma Orientação Médica ou se necessário um recurso mais complexo , liberam as diferentes viaturas - Suporte Básico ou Suporte Avançado .

Após o atendimento do paciente também será definido o destino do paciente podendo ser uma Unidade de Pronto Atendimento - UPA ou um Hospital Terciário . Assim, esse serviço de atendimento móvel foi criado para organizar os diferentes níveis de situações de saúde , encaminhando os quadros de menor complexidade ou fase diagnóstica ou ainda para uma situação de estabilização clínica ( UPAS ) e os quadros de maior complexidade que necessitam de especialidades ( politraumatizados , Infartos , Trauma de craneos , Acidentes Vasculares Encefálicos , Abdome Agudo ) .

É importante ressaltar que , antes da existência do SAMU 192 , muitos pacientes morriam nas residências , nos acidentes de transito , em vários locais sem a existência do atendimento pré hospitalar mas posterior essa criação , a maioria destes pacientes começaram a ter um acesso mais fácil , pois basta uma pessoa ligar para o telefone 192 e estando dentro dos critérios estabelecidos de urgência e emergência , serão atendidos em suas residências ou vias públicas , e sendo posteriormente levados aos serviços de melhor atendimento para a sua necessidade e complexidade .

Assim antes da criação do SAMU , os Serviços de Urgência , principalmente os Serviços Terciários estavam frequentemente lotados com todos os quadros de saúde possíveis em uma mesma unidade , num mesmo pronto socorro , causando uma superlotação desorganizada evoluindo então para serviços mais organizados quanto ao perfil da doença e do doente entretanto a superlotação continua progressivamente aumentando .

Com a modificação do perfil epidemiológico da morbi-mortalidade devido ao crescimento das causas externas, esses atendimentos ganham maior relevância, causando forte impacto ao setor saúde e sua resposta a tal demanda é fundamental para minimizar as sequelas decorrentes desse quadro. [4].

Coma a organização das gravidades e complexidades conseguimos visualizar melhor que realmente existe a necessidade de mais leitos hospitalares e infelizmente o investimento financeiro não é suficiente para o aumento dos hospitais e seus respectivos leitos mantendo o atendimento de Urgência e emergência caótica em todo o País.

O projeto SAMU 192 foi o primeiro produto do Plano Nacional de Atenção as Urgências criado pelo Governo Federal em 2003 e existe recurso financeiro para a manutenção dos Serviços . Durante esse processo foi definido que esse custeio seria tripartite sendo 50% do Governo Federal , 25% do Governo do Estado e 25% dos municípios entretanto , alguns serviços tem 50% do Governo Federal e o Estado assume o restante do custeio e infelizmente alguns serviços tem o custeio do Governo Federal e os municípios acabam tendo que acatar com o custeio do restante do custo do serviço , sem nenhum apoio do Governo Estadual dificultando a Regionalização do SAMU 192 e da participação de cidades menores de 50.000 habitantes conseguirem custearem proporcionalmente a sua parte dentro do grupo de cidades regionalizadas .

O Serviço[editar | editar código-fonte]

Unidade de socorro aquático do SAMU na cidade de Salvador.

O primeiro SAMU 192 criado foi em Campinas em junho de 1995 obedecendo claramente as características de Regulação Médica clínica , traumática , obstétrica e psiquiátrica e somente em 24 de junho de 1999 foi apresentada a primeira Portaria Ministerial nº 824 . Em 02 de junho de 2001 ocorre uma atualização e foi transformada em Portaria Ministerial nº 814 de em onde definia a função de cada profissional e suas atribuições mas não definia ainda o número de Postos de Trabalho ou número de ambulâncias .

Mais uma atualização ocorreu , criando a Portaria 2048 em 05 de novembro de 2002 que define agora responsabilidades, atribuições de profissionais e também caracterizando cada serviço de urgência e seus dimensionamentos quanto ao atendimento .

Em 2003 o Governo Federal cria o Plano Nacional de Atenção às Urgência iniciando um projeto tripartite ( Governo Federal , Estadual e Municipal ) com custeio financeiro no Sistema de Urgência e Emergência mas iniciando pelo Sistema SAMU 192 e a Portaria nº 1864/GM Em 29 de setembro de 2003 tenta dimensionar o número de viaturas e equipes relacionado a população da cidade .

Em 2005, o SAMU-192 funcionava em 784 municípios brasileiros de 25 Estados, com 101 centrais de regulação, atuando com equipes especializadas, em sintonia com centrais de controle de leitos nos hospitais. Seu atendimento pode ser do tipo primário, quando oriundo do cidadão, ou do tipo secundário, também conhecido como remoção, quando a solicitação parte do serviço de saúde onde o paciente já tenha recebido os primeiros cuidados para estabilização do quadro de urgência ou emergência, mas necessite ser conduzido a outro serviço de maior complexidade para a continuidade do tratamento.[5]

Nesse serviço é recomendado que se utilizem os dados de urgência e emergência na elaboração de uma base descritiva que possibilite a caracterização dos serviços de saúde e dos perfis epidemiológicos. Entretanto, isso é dificultado devido à inexistência de um instrumento oficial de armazenamento das informações das ocorrências atendidas. [6]

Após o levantamento de dados, foi constatado que as solicitações de atendimento pelo SAMU ocorreram, em sua maioria, devido a agravos clínicos. Essa característica foi identificada em cidades brasileiras como: Campinas - São Paulo 65% , Ribeirão Preto – São Paulo, correspondendo a 54,9%, em Olinda – Pernambuco, 57% e em Porto Alegre – Rio Grande do Sul, com 64,8% do total de atendimentos. Os dados têm sintonia com os indicadores de morbidade e mortalidade e fatores de risco nacionais, que evidenciam que os agravos clínicos são os mais prevalentes e responsáveis por altos índices de doença e morte. [7]


As ligações são atendidas por telefonistas que anotam dados do local da demanda, emergência médica ou acidente.Toda ligação é gravada. O caso então é passado ao médico que faz a regulação médica e este presta orientações relativas aos primeiros socorros e decide o tipo de ambulância a ser enviada (USA, USB ou VT).

Nas cidades brasileiras onde o serviço é disponibilizado, o telefone para solicitá-lo é o 192 (ligação gratuita). As ambulâncias do SAMU são divididas em viaturas:

  • USA – Unidades de Suporte Avançado (UTIs móveis), usadas em casos mais graves
  • USB – Unidades de Suporte Básico
  • VT – Veículos de Transporte, são usadas em casos mais simples
  • VIR - Veículo de intervenção rápida, são viaturas 4x4 (geramente pickups ou SUV) compostas por equipe médica e material para suporte avançado de vida, mais ágeis e com capacidade de acessar locais de difícil trânsito , onde a ambulância normal poderia demorar a chegar.
  • MOTOLÂNCIA: Veículos de intervenção rápida. Usada para fazer um pré-atendimento.
  • AMBULANCHA: Unidade de Socorro Aquático.
  • HELICÓPTERO: Unidade de Socorro aéreo.

Referências

  1. - Samu
  2. DECRETO Nº 5.055, DE 27 DE ABRIL DE 2004. (Institui o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU, em Municípios e regiões do território nacional, e dá outras providências.). Palácio do Planalto. Acesso em 19 de outubro de 2015.
  3. [http:www.scielo.br/pdf/icse/v12n26/a16 - Educação em serviço para profissionais de saúde do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): relato da experiência de Porto Alegre-RS]
  4. - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): análise da demanda e sua distribuição espacial em uma cidade do Nordeste brasileiro
  5. [http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v11n4/01.pdf - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): análise da demanda e sua distribuição espacial em uma cidade do Nordeste brasileiro]
  6. - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): análise da demanda e sua distribuição espacial em uma cidade do Nordeste brasileiro
  7. - Agravos clínicos atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Porto Alegre - RS
Ícone de esboço Este artigo sobre Saúde é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.