Coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de SARS-CoV-2)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o vírus. Para a doença, veja COVID-19. Para a pandemia atualmente em curso, veja Pandemia de COVID-19.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCoronavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave 2
Classificação científica
Grupo: Grupo IV ((+)ssRNA)
Sem classificação: Vírus
Ordem: Nidovirales
Família: Coronaviridae
Gênero: Betacoronavirus
Distribuição geográfica
  Provável origem (China continental)   Países com presença confirmada do vírus
  Provável origem (China continental)
  Países com presença confirmada do vírus

O coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2) (em Inglês: Severe acute respiratory syndrome coronavirus 2),[1][2] inicialmente denominado provisoriamente de "2019-nCoV" (em Inglês: 2019 novel coronavirus),[3][4][5] por vezes denominado "coronavírus de Wuhan",[6] ou "vírus da COVID-19",[7] é um vírus ARN de cadeia simples positiva (genoma linear).[8][9] É contagioso entre seres humanos e é a causa da doença COVID-19, da qual existe uma pandemia em curso.[10][11]

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que morcegos são o reservatório natural mais provável do vírus,[12] embora algumas diferenças entre os vírus encontrados em morcegos e os encontrados em seres humanos sugiram que os humanos foram infetados através de um hospedeiro intermédio.[13] As primeiras infeções conhecidas foram descobertas na cidade de Wuhan (província de Hubei, China) em dezembro de 2019.[14] Devido a descoberta ter sido em Wuhan,[14] é por vezes denominada "vírus de Wuhan" ou "coronavírus de Wuhan",[6][15][16][17] embora a Organização Mundial de Saúde (OMS) desaconselhe a utilização de nomes baseados na localização.[18] Para evitar confusão com a doença síndrome respiratória aguda grave (SARS), em comunicados públicos a OMS por vezes refere-se ao vírus como "vírus responsável pela COVID-19" ou "vírus da COVID-19".[7] Tanto o vírus como a doença são muitas vezes denominados "coronavírus" ou "novo coronavírus"[19] pelo público em geral, embora cientistas usem termos mais precisos.[20]

História[editar | editar código-fonte]

Origem[editar | editar código-fonte]

As evidências atuais indicam uma origem através de um salto zoonótico.[21] A estirpe foi primeiro descrita em Wuhan,[14] mas ainda não é claro qual foi a exata localidade geográfica da transmissão viral para os seres humanos, nem quando é que a estirpe se tornou patogénica (começou a produzir doenças infecciosas nos hospedeiros).[22][23][24][25] O vírus da COVID-19 apresenta proximidade genética com os coronavírus encontrados em morcegos, dos quais provavelmente originou-se.[14][26][27] Uma sequência de ácido nucleico em morcegos da espécie Rhinolophus affinis recolhida na província de Yunnan, também na China, revelou uma semelhança de 96% em relação ao SARS-CoV-2.[14][28] Mas, pensa-se que antes de ser introduzido aos seres humanos tenha também estado envolvido um reservatório animal intermédio, como o pangolim.[29][30] Do ponto de vista taxonómico, este vírus está classificado como estirpe da espécie de coronavírus relacionado com a síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV),[1] porém seu domínio ligante do receptor (RBD) da proteína spike, é diferente e, portanto, sua ligação com o receptor ACE2 da célula humana não seria efetiva.[31]

Em 7 de fevereiro de 2020, investigadores na cidade de Guangzhou (província de Guangdong, China) descobriram uma amostra de pangolim com uma sequência de ácido nucleico 99% idêntica ao SARS-CoV-2,[32] com a diferença apenas de um aminoácido.[33] Embora a lei chinesa proteja esses mamíferos, ainda é comum seu comércio ilegal para uso na medicina tradicional chinesa.[34] Também no estado do Texas (Estados Unidos), microbiólogos e geneticistas encontraram evidências de rearranjo em coronavírus, o que sugere o envolvimento de pangolins na origem do SARS-CoV-2.[35] No entanto, os coronavírus em pangolins encontrados até hoje partilham apenas 92% do genoma com o SARS-CoV-2, o que é insuficiente para provar que os pangolins sejam o hospedeiro intermédio. Em comparação, o vírus SARS responsável pelo surto de 2002-2004 partilhava 99,8% do seu genoma com os coronavírus da civeta.[13]

Assim como a origem, também não existe consenso para a seleção natural do vírus: não se sabe se foi realizada antes ou junto ao transbordamento zoonótico, no hospedeiro intermediário ou nos humanos, respectivamente.[36]

Virologia[editar | editar código-fonte]

Infecção[editar | editar código-fonte]

A transmissão do SARS-CoV-2 entre seres humanos foi confirmada pela primeira vez durante a pandemia de coronavírus de 2019-20.[11] A principal forma de transmissão são gotículas produzidas no sistema respiratório e expulsas ao tossir ou espirrar até um raio de 1,8 m.[37][38] Outra possível causa de infeção é o contacto indireto através de superfícies contaminadas.[39] A investigação preliminar sugere que o vírus possa permanecer ativo em plástico e aço até três dias, embora não consiga sobreviver em cartão mais do que um dia ou em cobre mais do que quatro horas.[40] Foi também observado ARN viral em fezes de pacientes infectados.[41]

Ainda não é claro se o vírus é infecioso durante o período de incubação.[42] Em 1 de fevereiro de 2020 a OMS indicava que "a transmissão a partir de casos assintomáticos provavelmente não é uma das principais formas de transmissão".[43] Acredita-se que a maior parte das infeções em seres humanos seja o resultado de transmissão entre pessoas que manifestam sintomas de COVID-19. No entanto, um modelo epidemiológico do início do surto na China sugere que a transmissão pré-sintomática pode ser típica entre as infeções documentadas.[44]

Um estudo publicado em janeiro de 2021, indica que mais de metade dos contágios pelo novo coronavírus poderá ser provocado por transmissão assintomática. Apesar de não ser possível obter números exatos, é estimado que 59% dos contágios podem ser provocados quer por pessoas antes de desenvolverem sintomas (35%), quer por pessoas que, embora infetadas, nunca vêm a ter sintomas.[45]

O SARS-CoV-2 não é encontrado no leite materno de mães infetadas, enquanto anticorpos específicos contra o vírus estão presentes.[46] Portanto o SARS-CoV-2 não é transmitido através do leite materno.[46] A indicação da OMS em caso de infeção materna é não interromper a amamentação, mas usar uma máscara, lavar as mãos com frequência e desinfetar superfícies regularmente.[47] A instituição ainda alerta sobre os riscos decorrentes de separar recém-nascidos das mães.[48]

Reservatório[editar | editar código-fonte]

Micrografias eletrónicas de SARS-CoV-2 (a amarelo) a emergir de células humanas (coloração digital)

A OMS considera serem os morcegos o mais provável reservatório natural de SARS-CoV-2,[12] embora algumas diferenças entre os coronavírus dos morcegos e o SARS-CoV-2 sugiram que os seres humanos foram infetados através de um hospedeiro intermédio.[13] Embora já se tenha determinado que a estirpe é de origem natural.[25] A investigação do reservatório natural da estirpe de vírus que causou a pandemia de SARS em 2002-2004 permitiu a descoberta de diversos coronavírus semelhantes à SARS em morcegos, a maior parte com origem no género Rhinolophus dos morcegos-de-ferradura, e duas sequências de ácido nucleico encontradas em amostras de Rhinolophus sinicus revelaram uma semelhança de 80% em relação ao SARS-CoV-2.[27][49][50] Outra sequência de Rhinolophus affinis recolhida em Yunnan revelou uma semelhança de 96%.[14][28]

Um estudo metagenómico publicado em 2019 concluiu que o SARS-CoV, a estirpe que causa a SARS, era o coronavírus com maior distribuição entre uma amostra de pangolins-malaio.[51] Em 7 de fevereiro de 2020, foi anunciado que investigadores de Guangzhou tinham descoberto uma amostra de pangolim com uma sequência de ácido nucleico 99% idêntica ao SARS-CoV-2,[32] com a diferença apenas de um aminoácido.[33]

Em paralelo, microbiólogos e geneticistas no Texas encontraram evidências de rearranjo em coronavírus, o que sugere o envolvimento de pangolins na origem do SARS-CoV-2.[35] No entanto, os coronavírus em pangolins encontrados até hoje partilham apenas 92% do genoma com o SARS-CoV-2, o que é insuficiente para provar que os pangolins sejam o hospedeiro intermédio. Em comparação, o vírus SARS responsável pelo surto de 2002-2004 partilhava 99,8% do seu genoma com os coronavírus da civeta.[13]

Filogenética e taxonomia[editar | editar código-fonte]

O SARS-CoV-2 pertence a uma grande família de vírus denominada coronavírus. É um vírus ARN de cadeia simples positiva (+ssRNA). Os coronavírus têm a capacidade de causar várias doenças em seres humanos, desde a simples constipação até doenças mais graves como a síndrome respiratória do Médio Oriente (MERS). O SARS-CoV-2 é o sétimo coronavírus conhecido a poder infetar seres humanos, sendo os restantes o 229E, NL63, OC43, HKU1, MERS-CoV e o SARS-CoV original.[52]

Tal como a estirpe que causou o surto de SARS em 2003, o SARS-CoV-2 é um membro do sub-género Sarbecovirus (betacoronavírus linhagem B).[53][54][55] A sua sequência de ARN tem o comprimento de aproximadamente 30 000 nucleobases.[9] No entanto, o SARS-CoV-2 é o único dos coronavírus a incorporar um local de clivagem polibásico, uma característica que se sabe aumentar a patogenicidade e ritmo reprodutivo de outros vírus.[25][56][57]

A partir de um número suficiente de genomas sequenciados, é possível reconstruir a árvore filogenética do historial de mutações de uma família de vírus. A árvore filogenética consiste basicamente em uma espécie de mapa genético ou árvore genealógica do vírus, permitindo avanços em termos de estudo, de entendimento do processo de contaminação ou mesmo de formas de tratamento derivados de linhagens suficientemente próximas.[58][59]

Em 12 de janeiro de 2020 foram isolados em Wuhan cinco genomas de SARS-CoV-2.[9][60] Em 30 de janeiro de 2020 eram conhecidos 42 genomas.[61] Uma análise filogenética dessas amostras revelou estarem relacionados até sete mutações com um ancestral comum, o que significa que a primeira infeção em seres humanos ocorreu em novembro ou dezembro de 2019.[61] Em 13 de março de 2020 estavam já amostrados e disponíveis publicamente 410 genomas de SARS-CoV-2.[62]

Em 11 de fevereiro de 2020, o Comité Internacional de Taxonomia de Vírus anunciou que, de acordo com as regras vigentes que determinam as relações hierárquicas entre os coronavírus com base nas sequência conservadas dos ácidos nucleicos, as diferenças entre o SARS-CoV-2 e o SARS-CoV responsável pelo surto de SARS eram insuficientes para serem classificados como duas espécies virais diferentes. Desta forma, o SARS-CoV-2 foi classificado como estirpe dos coronavírus associados à síndrome respiratória aguda (SARS-CoV).[1]

Variantes[editar | editar código-fonte]

No contexto da pandemia de COVID-19, ficou mais explícita a indistinção entre "variante", "cepa" e "linhagem", em vista que, conforme o Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, não há um conceito consolidado na comunidade científica para definir ou distinguir cada um dos termos.[63] Ainda assim, conforme o Instituto Butantan, do Brasil, a mutação predominante no mundo em abril de 2021 se chamava D614G.[64] Em meados de 2021, a Organização Mundial da Saúde simplificou as designações das variantes atribuindo letras do alfabeto grego e dirimindo a associação com um país ou lugar.[65]

Em 31 de maio de 2021 havia quatro variantes de preocupação e seis variantes de interesse[65] e, em meados de setembro, a variante Delta havia se tornado prevalente, correspondendo a 99% de todos os casos no mundo, conforme a OMS.[66]

Em 26 novembro de 2021, a Ômicron foi considerada pela OMS como sendo de "alto risco" para infecções,[67] tendo Israel reportado que ela já havia superado as outras variantes na África do Sul, onde foi primeiro relatada.[68] O Instituto Robert Koch da Alemanha escreveu neste dia: "até o momento, existem cerca de 70 registros em Gauteng, que inclui também a cidade de Joanesburgo. Outros genomas B.1.1.529 foram relatados até agora em Botswana (4), bem como casos individuais em Israel (histórico de viagens para o Malaui) e Hong Kong (histórico de viagens para a África do Sul)".[69]

Linhagem Pango Rótulo da OMS Linhagem/clado GISAID Clado Nextstrain Primeira documentação Data de designação
B.1.1.7 Alpha GRY (anteriormente: GR/501Y.V1) 20I/S:501Y.V1 Reino Unido setembro de 2020 18 de dezembro de 2020 (de preocupação)
B.1.351 Beta GH/501Y.V2 20H/S:501Y.V2 África do Sul maio de 2020 18 de dezembro de 2020 (de preocupação)
P.1 Gamma GR/501Y.V3 20J/S:501Y.V3 Brasil novembro de 2020 11 de janeiro de 2021 (de preocupação)
B.1.617.2 Delta G/452R.V3 21A/S:478K Índia outobro de 2020 4 de abril de 2021 (de interesse)
11 de maio de 2021 (de preocupação)
P.2 Zeta GR 20B/S.484K Brasil abril de 2020 11 de março de 2021 (de interesse)
P.3 Theta GR 20B/S:265C Filipinas janeiro de 2021 24 de março de 2021 (de interesse)
B.1.525 Eta G/484K.V3 20A/S484K - dezembro de 2020 17 de março de 2021 (de interesse)
B.1.526 Iota GH 20C/S:484K Estados Unidos novembro de 2020 24 de março de 2021 (de interesse)
B.1.427/B.1.429 Epsilon GH/452R.V1 20C/S.452R Estados Unidos março de 2020 5 de março de 2021 (de interesse)
B.1.617.1 Kappa G/452R.V3 21A/S:154K Índia outubro de 2020 4 de abril de 2021 (de interesse)
B.1.1.529 Ômicron África do Sul novembro de 2021 26 de novembro de 2021[70][71]

A mutação D614G é comum às linhagens B.1.1.28 e B.1.1.33.[64] Da primeira linhagem se originaram as variantes P.1 e P.2 (com detecção inicial associada à transmissão comunitária no Brasil), enquanto que a variante N.9 tem origem na segunda linhagem mencionada.[64] Há ainda as linhagens B.1.1.7, B.1.351 e B.1.318 associadas a detecções iniciais da transmissão comunitária no Reino Unido, na África do Sul e Suíça respectivamente.[64] Devido à capacidade transmissão alta e adoecimento severo, B.1.1.7, B.1.351 e P.1 foram classificadas internacionalmente como variantes de preocupação, enquanto B.1.427 e B.1.429 (ambas com detecção inicial associada à transmissão comunitária nos Estados Unidos) eram variantes de interesse em meados de abril de 2021.[72][73]

Biologia estrutural[editar | editar código-fonte]

Ilustração de um virião de coronavírus

Cada virião de SARS-CoV-2 mede aproximadamente 50–200 nanómetros de diâmetro.[74] Tal como outros coronavírus, o SARS-CoV-2 tem quatro proteínas estruturais, conhecidas como proteínas S (spike), E (envelope), M (membrana) e N (nucleocapsídeo). A proteína N contém o genoma ARN e em conjunto as proteínas S, E e M criam o envelope viral.[75] A proteína S é a proteína que permite ao vírus ligar-se à membrana celular de uma célula hospedeira.[75]

As primeiras experiências de modelação de proteínas na proteína S do vírus sugeriram que o SARS-CoV-2 tinha suficiente afinidade com os receptores de Enzima conversora da angiotensina 2 (ACE2) nas células humanas para as usar como mecanismo de penetração celular.[76] Em 22 de janeiro de 2020, um grupo chinês e um grupo norte-americano, de forma independente, conseguiram demonstrar experimentalmente que a ACE2 podia ser o receptor do SARS-CoV-2.[14][77][78][79][80][81] Vários estudos têm demonstrado que o SARS-CoV-2 tem uma maior afinidade com a ACE2 humana do que a estirpe de SARS original.[82] O SARS-CoV-2 pode também usar a proteína basigina para penetrar nas células do hospedeiro.[83] Para a penetração do SARS-CoV-2 também é fundamental o priming inicial da proteína S através de TMPRSS2.[84] O SARS-CoV-2 produz pelo menos três fatores de virulência que promovem a libertação de novos viriões das células hospedeiras e inibem a resposta imunitária.[75]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19
Micrografia por MET de viriões de SARS-CoV-2 (a vermelho) isolados de um paciente.

Com base na baixa variabilidade verificada entre as sequências genómicas conhecidas de SARS-CoV-2, pensa-se que a estirpe tenha sido detectada pelas autoridades apenas poucas semanas após ter emergido entre a população humana no fim de 2019.[22][85] O caso mais antigo de infeção humana de que se tem conhecimento data de 17 de novembro de 2019.[86] Posteriormente, o vírus espalhou-se para todas as províncias da China e mais de cem países em todos os continentes.[87] Em todos os continentes foram confirmadas transmissões entre seres humanos.[11][88][89][90][91][92] Em 30 de janeiro de 2020, a OMS declarou o SARS-CoV-2 uma Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional,[10][93] e em 11 de março uma pandemia.[94][95]

À data de 1 de dezembro de 2021 a pandemia tinha resultado em 262 857 019[87] casos confirmados de infeção em todo o mundo, dos quais 5 216 780[87] tinham resultado em morte e [87] tinham recuperado. Embora a proporção de infeções que resulta em infeções confirmadas ou que evolui para doença diagnosticável permaneça incerta,[96] um modelo matemático estimou que o número de pessoas infetadas apenas em Wuhan em 25 de janeiro de 2020 tenha sido de 75 815, data em que as infeções confirmadas eram bastante inferiores.[97]

Estima-se que o número básico de reprodução () do SARS-CoV-2 seja de entre 1,4 e 3,9.[98][99] Isto significa que é esperado que cada infeção pelo vírus resulte em 1,4 a 3,9 novas infeções quando nenhum membro da comunidade é imune e não é tomada nenhuma medida preventiva.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Gobalenya AE, Baker SC, Baric RS, et al. (março de 2020). «The species Severe acute respiratory syndrome-related coronavirus: classifying 2019-nCoV and naming it SARS-CoV-2». Nature Microbiology: 1–9. PMID 32123347. doi:10.1038/s41564-020-0695-z 
  2. «Coronavirus disease named Covid-19». BBC News Online. 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2020 
  3. World Health Organization (2020). Surveillance case definitions for human infection with novel coronavirus (nCoV): interim guidance v1, January 2020 (Relatório). World Health Organization. hdl:10665/330376. WHO/2019-nCoV/Surveillance/v2020.1 
  4. «Healthcare Professionals: Frequently Asked Questions and Answers». United States Centers for Disease Control and Prevention (CDC). 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2020 
  5. «About Novel Coronavirus (2019-nCoV)». United States Centers for Disease Control and Prevention (CDC). 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 25 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2020 
  6. a b Huang P (22 de janeiro de 2020). «How Does Wuhan Coronavirus Compare with MERS, SARS and the Common Cold?». NPR. Consultado em 3 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2020 
  7. a b «Naming the coronavirus disease (COVID-2019) and the virus that causes it». World Health Organization. Consultado em 24 de fevereiro de 2020. From a risk communications perspective, using the name SARS can have unintended consequences in terms of creating unnecessary fear for some populations.... For that reason and others, WHO has begun referring to the virus as "the virus responsible for COVID-19" or "the COVID-19 virus" when communicating with the public. Neither of these designations are [sic] intended as replacements for the official name of the virus as agreed by the ICTV. 
  8. «New-type coronavirus causes pneumonia in Wuhan: expert». Xinhua. Consultado em 9 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2020 
  9. a b c «CoV2020»Registo grátis requerido. GISAID EpifluDB. Consultado em 12 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2020 
  10. a b Wee SL, McNeil Jr. DG, Hernández JC (30 de janeiro de 2020). «W.H.O. Declares Global Emergency as Wuhan Coronavirus Spreads». The New York Times. Consultado em 30 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2020 
  11. a b c Chan JF, Yuan S, Kok KH, To KK, Chu H, Yang J, et al. (fevereiro de 2020). «A familial cluster of pneumonia associated with the 2019 novel coronavirus indicating person-to-person transmission: a study of a family cluster». The Lancet. 395 (10223): 514–523. PMID 31986261. doi:10.1016/S0140-6736(20)30154-9 
  12. a b «Report of the WHO-China Joint Mission on Coronavirus Disease 2019 (COVID-19)» (PDF). World Health Organization (WHO). 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 5 de março de 2020 
  13. a b c d Cyranoski D (26 de fevereiro de 2020). «Mystery deepens over animal source of coronavirus». Nature. 579 (7797): 18–19. PMID 32127703. doi:10.1038/d41586-020-00548-w 
  14. a b c d e f g Zhou P, Yang XL, Wang XG, Hu B, Zhang L, Zhang W, et al. (fevereiro de 2020). «A pneumonia outbreak associated with a new coronavirus of probable bat origin». Nature. 579 (7798): 270–273. PMID 32015507. doi:10.1038/s41586-020-2012-7 
  15. Fox D (24 de janeiro de 2020). «What you need to know about the Wuhan coronavirus». Nature. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/d41586-020-00209-y 
  16. Yam K (12 de março de 2020). «GOP lawmakers continue to use 'Wuhan virus' or 'Chinese coronavirus'». NBC News. Consultado em 19 de março de 2020 
  17. Dorman S (11 de março de 2020). «McCarthy knocks Dems after they claim saying 'Chinese coronavirus' is racist». Fox News. Consultado em 12 de março de 2020 
  18. World Health Organization (2015). World Health Organization best practices for the naming of new human infectious diseases (Relatório). World Health Organization. hdl:10665/163636. WHO/HSE/FOS/15.1 
  19. «Estudo aponta 3 tipos do novo coronavírus». G1. Globo 
  20. Harmon A (4 de março de 2020). «We Spoke to Six Americans with Coronavirus». The New York Times. Consultado em 16 de março de 2020 
  21. Holmes, Edward C; Goldstein, Stephen A; Rasmussen, Angela L; Robertson, David L; Crits-Christoph, Alexander; Wertheim, Joel O; Anthony, Simon J; Barclay, Wendy S; Boni, Maciej F (7 de julho de 2021). «The Origins of SARS-CoV-2: A Critical Review». Consultado em 8 de julho de 2021 
  22. a b Cohen J (janeiro de 2020). «Wuhan seafood market may not be source of novel virus spreading globally». Science. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.abb0611 
  23. Eschner K (28 de janeiro de 2020). «We're still not sure where the Wuhan coronavirus really came from». Popular Science. Consultado em 30 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2020 
  24. Yu WB, Tang GD, Zhang L, Corlett RT (21 de fevereiro de 2020). «Decoding evolution and transmissions of novel pneumonia coronavirus using the whole genomic data». doi:10.12074/202002.00033 (inativo 26 de fevereiro de 2020) 
  25. a b c Andersen KG, Rambaut A, Lipkin WI, et al. (17 de março de 2020). «Correspondence: The proximal origin of SARS-CoV-2». Nature Medicine. doi:10.1038/s41591-020-0820-9. Consultado em 18 de março de 2020 
  26. Perlman S (fevereiro de 2020). «Another Decade, Another Coronavirus». The New England Journal of Medicine. 382 (8): 760–762. PMID 31978944. doi:10.1056/NEJMe2001126 
  27. a b Benvenuto D, Giovanetti M, Ciccozzi A, Spoto S, Angeletti S, Ciccozzi M (abril de 2020). «The 2019-new coronavirus epidemic: Evidence for virus evolution». Journal of Medical Virology. 92 (4): 455–459. PMID 31994738. doi:10.1002/jmv.25688 
  28. a b «Bat coronavirus isolate RaTG13, complete genome». National Center for Biotechnology Information (NCBI). 10 de fevereiro de 2020. Consultado em 5 de março de 2020 
  29. World Health Organization (2020). Novel Coronavirus (2019-nCoV): situation report, 22 (Relatório). World Health Organization. hdl:10665/330991 
  30. Shield C (7 de fevereiro de 2020). «Coronavirus: From bats to pangolins, how do viruses reach us?». Deutsche Welle. Consultado em 13 de março de 2020 
  31. Zhou, Peng; Yang, Xing-Lou; Wang, Xian-Guang; Hu, Ben; Zhang, Lei; Zhang, Wei; Si, Hao-Rui; Zhu, Yan; Li, Bei (março de 2020). «A pneumonia outbreak associated with a new coronavirus of probable bat origin». Nature (em inglês) (7798): 270–273. ISSN 1476-4687. PMC PMC7095418Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 32015507. doi:10.1038/s41586-020-2012-7. Consultado em 16 de julho de 2021 
  32. a b Cyranoski D (7 de fevereiro de 2020). «Did pangolins spread the China coronavirus to people?». Nature. doi:10.1038/d41586-020-00364-2 
  33. a b Xiao K, Zhai J, Feng Y (fevereiro de 2020). «Isolation and Characterization of 2019-nCoV-like Coronavirus from Malayan Pangolins». bioRxiv (preprint). doi:10.1101/2020.02.17.951335 
  34. Kelly, Guy (1 de janeiro de 2015). «Pangolins: 13 facts about the world's most hunted animal». The Telegraph. Consultado em 9 de março de 2020 
  35. a b Wong MC, Cregeen SJ, Ajami NJ, Petrosino JF (fevereiro de 2020). «Evidence of recombination in coronaviruses implicating pangolin origins of nCoV-2019». bioRxiv (preprint). doi:10.1101/2020.02.07.939207 
  36. Andersen, Kristian G.; Rambaut, Andrew; Lipkin, W. Ian; Holmes, Edward C.; Garry, Robert F. (abril de 2020). «The proximal origin of SARS-CoV-2». Nature Medicine (em inglês) (4): 450–452. ISSN 1546-170X. PMC PMC7095063Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 32284615. doi:10.1038/s41591-020-0820-9. Consultado em 16 de julho de 2021 
  37. Edwards E (25 de janeiro de 2020). «How does coronavirus spread?». NBC News. Consultado em 13 de março de 2020. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2020 
  38. «How COVID-19 Spreads». U.S. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). 27 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2020 
  39. «Getting your workplace ready for COVID-19» (PDF). World Health Organization. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 3 de março de 2020 
  40. van Doremalen N, Bushmaker T, Morris DH, et al. (17 de março de 2020). «Correspondence: Aerosol and Surface Stability of SARS-CoV-2 as Compared with SARS-CoV-1». The New England Journal of Medicine. PMID 32182409. doi:10.1056/NEJMc2004973 
  41. Holshue ML, DeBolt C, Lindquist S, et al. (março de 2020). «First Case of 2019 Novel Coronavirus in the United States». The New England Journal of Medicine. 382 (10): 929–936. PMID 32004427. doi:10.1056/NEJMoa2001191 
  42. Kupferschmidt K (fevereiro de 2020). «Study claiming new coronavirus can be transmitted by people without symptoms was flawed». Science. doi:10.1126/science.abb1524 
  43. World Health Organization (2020). Novel Coronavirus (2019-nCoV): situation report, 12 (Relatório). World Health Organization. hdl:10665/330777 
  44. Li R, Pei S, Chen B, et al. (16 de março de 2020). «Substantial undocumented infection facilitates the rapid dissemination of novel coronavirus (SARS-CoV2)». Science: eabb3221. PMID 32179701. doi:10.1126/science.abb3221. Consultado em 17 de março de 2020 
  45. «Estudo revela que mais de metade dos contágios poderá ser causado por assintomáticos» 
  46. a b «Characterization of SARS-CoV-2 RNA, Antibodies, and Neutralizing Capacity in Milk Produced by Women with COVID-19». mBio (em inglês). PMC PMC7885115Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 33563823 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1128/mbio.03192-20. Consultado em 7 de julho de 2021 
  47. «Breastfeeding and COVID-19». www.who.int (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2021 
  48. «New research highlights risks of separating newborns from mothers during COVID-19 pandemic». www.who.int (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2021 
  49. «Bat SARS-like coronavirus isolate bat-SL-CoVZC45, complete genome». National Center for Biotechnology Information (NCBI). 15 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  50. «Bat SARS-like coronavirus isolate bat-SL-CoVZXC21, complete genome». National Center for Biotechnology Information (NCBI). 15 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  51. Liu P, Chen W, Chen JP (outubro de 2019). «Viral Metagenomics Revealed Sendai Virus and Coronavirus Infection of Malayan Pangolins (Manis javanica)». Viruses. 11 (11). 979 páginas. PMC 6893680Acessível livremente. PMID 31652964. doi:10.3390/v11110979 
  52. Zhu N, Zhang D, Wang W, et al. (fevereiro de 2020). «A Novel Coronavirus from Patients with Pneumonia in China, 2019». The New England Journal of Medicine. 382 (8): 727–733. PMID 31978945. doi:10.1056/NEJMoa2001017 
  53. Hui DS, I Azhar E, Madani TA, et al. (fevereiro de 2020). «The continuing 2019-nCoV epidemic threat of novel coronaviruses to global health — The latest 2019 novel coronavirus outbreak in Wuhan, China». International Journal of Infectious Diseases. 91: 264–266. PMID 31953166. doi:10.1016/j.ijid.2020.01.009  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  54. «Phylogeny of SARS-like betacoronaviruses». nextstrain. Consultado em 18 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2020 
  55. Wong AC, Li X, Lau SK, Woo PC (fevereiro de 2019). «Global Epidemiology of Bat Coronaviruses». Viruses. 11 (2). 174 páginas. PMC 6409556Acessível livremente. PMID 30791586. doi:10.3390/v11020174 
  56. Walls AC, Park YJ, Tortorici MA, et al. (9 de março de 2020). «Structure, function and antigenicity of the SARS-CoV-2 spike glycoprotein». Cell. PMID 32155444. doi:10.1016/j.cell.2020.02.058 
  57. Coutard B, Valle C, de Lamballerie X, et al. (fevereiro de 2020). «The spike glycoprotein of the new coronavirus 2019-nCoV contains a furin-like cleavage site absent in CoV of the same clade». Antiviral Research. 176. 104742 páginas. PMID 32057769. doi:10.1016/j.antiviral.2020.104742 
  58. Ge, Xing-Yi; Li, Jia-Lu; Yang, Xing-Lou; Chmura, Aleksei A.; Zhu, Guangjian; Epstein, Jonathan H.; Mazet, Jonna K.; Hu, Ben; Zhang, Wei (novembro de 2013). «Isolation and characterization of a bat SARS-like coronavirus that uses the ACE2 receptor». Nature (em inglês) (7477): 535–538. ISSN 0028-0836. PMC PMC5389864Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 24172901. doi:10.1038/nature12711. Consultado em 2 de junho de 2021 
  59. Cui, Jie; Han, Naijian; Streicker, Daniel; Li, Gang; Tang, Xianchun; Shi, Zhengli; Hu, Zhihong; Zhao, Guoping; Fontanet, Arnaud (outubro de 2007). «Evolutionary Relationships between Bat Coronaviruses and Their Hosts». Emerging Infectious Diseases (10): 1526–1532. ISSN 1080-6040. PMC PMC2851503Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 18258002. doi:10.3201/eid1310.070448. Consultado em 2 de junho de 2021 
  60. «Initial genome release of novel coronavirus». Virological. 11 de janeiro de 2020. Consultado em 12 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2020 
  61. a b Bedford T, Neher R, Hadfield N, et al. «Genomic analysis of nCoV spread: Situation report 2020-01-30». nextstrain.org. Consultado em 18 de março de 2020 
  62. Hodcroft E, Müller N, Wagner C, et al. «Genomic analysis of COVID-19 spread: Situation report 2020-03-13». nextstrain.org. Consultado em 18 de março de 2020 
  63. «Implications of the Emerging SARS-CoV-2 Variant VOC 202012/01». US Centers for Disease Control and Prevention (CDC). 29 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2021 
  64. a b c d Cruz, Elaine Patricia (27 de abril de 2021). «Butantan confirma três novas variantes do coronavírus em São Paulo». São Paulo: Agência Brasil. Consultado em 29 de abril de 2021 
  65. a b «OMS anuncia nomenclaturas simples e fáceis de pronunciar para variantes de interesse e de preocupação do SARS-CoV-2 - OPAS/OMS | Organização Pan-Americana da Saúde». www.paho.org. Consultado em 12 de julho de 2021 
  66. «WHO: Delta Now Dominant COVID Variant Globally». VOA (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2021 
  67. «Classification of Omicron (B.1.1.529): SARS-CoV-2 Variant of Concern». www.who.int (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2021 
  68. «דברי ראש הממשלה בנט בהצהרה לתקשורת». GOV.IL (em hebraico). Consultado em 27 de novembro de 2021 
  69. «RKI - Coronavirus SARS-CoV-2 - Information des RKI zur neuen besorgniserregenden Virusvariante Omicron (B.1.1.529)». www.rki.de. Consultado em 27 de novembro de 2021 
  70. «Classification of Omicron (B.1.1.529): SARS-CoV-2 Variant of Concern». www.who.int (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2021 
  71. https://g1.globo.com/saude/noticia/2021/11/26/oms-declara-a-b11529-como-variante-de-preocupacao-e-da-o-nome-de-omicron.ghtml.   Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  72. «Brasil, um possível celeiro de novas variantes do coronavírus». Veja Saúde. Consultado em 29 de abril de 2021 
  73. «Fiocruz detecta mutação associada a variantes de preocupação no país». Fiocruz. Consultado em 29 de abril de 2021 
  74. Chen N, Zhou M, Dong X, et al. (15 de fevereiro de 2020). «Epidemiological and clinical characteristics of 99 cases of 2019 novel coronavirus pneumonia in Wuhan, China: a descriptive study». The Lancet. 395 (10223): 507–513. PMID 32007143. doi:10.1016/S0140-6736(20)30211-7 
  75. a b c Wu C, Liu Y, Yang Y, et al. (fevereiro de 2020). «Analysis of therapeutic targets for SARS-CoV-2 and discovery of potential drugs by computational methods». Acta Pharmaceutica Sinica B. doi:10.1016/j.apsb.2020.02.008 
  76. Xu X, Chen P, Wang J, et al. (março de 2020). «Evolution of the novel coronavirus from the ongoing Wuhan outbreak and modeling of its spike protein for risk of human transmission». Science China Life Sciences. 63 (3): 457–460. PMID 32009228. doi:10.1007/s11427-020-1637-5 
  77. Letko M, Munster V (janeiro de 2020). «Functional assessment of cell entry and receptor usage for lineage B β-coronaviruses, including 2019-nCoV». bioRxiv (preprint). doi:10.1101/2020.01.22.915660 
  78. Letko M, Marzi A, Munster V (fevereiro de 2020). «Functional assessment of cell entry and receptor usage for SARS-CoV-2 and other lineage B betacoronaviruses». Nature Microbiology. PMID 32094589. doi:10.1038/s41564-020-0688-y 
  79. El Sahly HM. «Genomic Characterization of the 2019 Novel Coronavirus». The New England Journal of Medicine. Consultado em 9 de fevereiro de 2020 
  80. Gralinski LE, Menachery VD (janeiro de 2020). «Return of the Coronavirus: 2019-nCoV». Viruses. 12 (2). 135 páginas. PMID 31991541. doi:10.3390/v12020135 
  81. Lu R, Zhao X, Li J, Niu P, Yang B, Wu H, et al. (fevereiro de 2020). «Genomic characterisation and epidemiology of 2019 novel coronavirus: implications for virus origins and receptor binding». The Lancet. 395 (10224): 565–574. PMID 32007145. doi:10.1016/S0140-6736(20)30251-8 
  82. Wrapp D, Wang N, Corbett KS, Goldsmith JA, Hsieh CL, Abiona O, et al. (fevereiro de 2020). «Cryo-EM structure of the 2019-nCoV spike in the prefusion conformation». Science. 367 (6483): 1260–1263. PMID 32075877. doi:10.1126/science.abb2507 
  83. Wang K, Chen W, Zhou YS, et al. (2020). «SARS-CoV-2 invades host cells via a novel route: CD147-spike protein». bioRxiv (preprint). doi:10.1101/2020.03.14.988345 
  84. Hoffman M, Kliene-Weber H, Krüger N, et al. (16 de abril de 2020). «SARS-CoV-2 Cell Entry Depends on ACE2 and TMPRSS2 and Is Blocked by a Clinically Proven Protease Inhibitor». Cell. 181: 1–10. PMID 32142651. doi:10.1016/j.cell.2020.02.052 
  85. Oberholzer M, Febbo P (19 de fevereiro de 2020). «What We Know Today about Coronavirus SARS-CoV-2 and Where Do We Go from Here». Genetic Engineering and Biotechnology News. Consultado em 13 de março de 2020 
  86. Ma J (13 de março de 2020). «Coronavirus: China's first confirmed Covid-19 case traced back to November 17». South China Morning Post. Consultado em 16 de março de 2020 
  87. a b c d «Coronavirus COVID-19 Global Cases by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University (JHU)». ArcGIS. Johns Hopkins CSSE. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  88. Rothe C, Schunk M, Sothmann P, Bretzel G, Froeschl G, Wallrauch C, et al. (março de 2020). «Transmission of 2019-nCoV Infection from an Asymptomatic Contact in Germany». The New England Journal of Medicine. 382 (10): 970–971. PMID 32003551. doi:10.1056/NEJMc2001468 
  89. Molteni M (30 de janeiro de 2020). «The Coronavirus Is Now Infecting More People Outside China». Wired. Consultado em 13 de março de 2020 
  90. Khalik S (4 de fevereiro de 2020). «Coronavirus: Singapore reports first cases of local transmission; 4 out of 6 new cases did not travel to China». The Straits Times. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2020 
  91. «Ecuador confirms five new cases of coronavirus, all close to initial patient». Reuters. 2 de março de 2020. Consultado em 5 de março de 2020 
  92. «Algeria confirms two more coronavirus cases». Reuters. 2 de março de 2020. Consultado em 5 de março de 2020 
  93. «Statement on the second meeting of the International Health Regulations (2005) Emergency Committee regarding the outbreak of novel coronavirus (2019-nCoV)». World Health Organization (WHO) (Nota de imprensa). 30 de janeiro de 2020. Consultado em 30 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2020 
  94. McKay B, Calfas J, Ansari T (11 de março de 2020). «Coronavirus Declared Pandemic by World Health Organization». The Wall Street Journal. Consultado em 12 de março de 2020 
  95. «WHO Director-General's opening remarks at the media briefing on COVID-19 - 11 March 2020». World Health Organization (WHO) (Nota de imprensa). 11 de março de 2020. Consultado em 12 de março de 2020 
  96. Branswell H (30 de janeiro de 2020). «Limited data on coronavirus may be skewing assumptions about severity». STAT. Consultado em 13 de março de 2020. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2020 
  97. Wu JT, Leung K, Leung GM (fevereiro de 2020). «Nowcasting and forecasting the potential domestic and international spread of the 2019-nCoV outbreak originating in Wuhan, China: a modelling study». The Lancet. 395 (10225): 689–697. PMID 32014114. doi:10.1016/S0140-6736(20)30260-9 
  98. Li Q, Guan X, Wu P, Wang X, Zhou L, Tong Y, et al. (janeiro de 2020). «Early Transmission Dynamics in Wuhan, China, of Novel Coronavirus-Infected Pneumonia». The New England Journal of Medicine. PMID 31995857. doi:10.1056/NEJMoa2001316 
  99. Riou J, Althaus CL (janeiro de 2020). «Pattern of early human-to-human transmission of Wuhan 2019 novel coronavirus (2019-nCoV), December 2019 to January 2020». Euro Surveillance. 25 (4). PMC 7001239Acessível livremente. PMID 32019669. doi:10.2807/1560-7917.ES.2020.25.4.2000058 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Brüssow H (março de 2020). «The Novel Coronavirus – A Snapshot of Current Knowledge». Microbial Biotechnology. 2020: 1–6. PMID 32144890. doi:10.1111/1751-7915.13557 
  • Habibzadeh P, Stoneman EK (fevereiro de 2020). «The Novel Coronavirus: A Bird's Eye View». The International Journal of Occupational and Environmental Medicine. 11 (2): 65–71. PMID 32020915. doi:10.15171/ijoem.2020.1921 
  • World Health Organization (2 de março de 2020). Laboratory testing for coronavirus disease 2019 (COVID-19) in suspected human cases: interim guidance, 2 March 2020 (Relatório). World Health Organization. hdl:10665/331329. WHO/COVID-19/laboratory/2020.4. License: CC BY-NC-SA 3.0 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikispecies Diretório no Wikispecies