Sport Club Corinthians Paulista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de SC Corinthians)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Corinthians" redireciona para este artigo. Para outras acepções, veja Corinthians (desambiguação).
Corinthians
Sport Club Corinthians Paulista
Nome Sport Club Corinthians Paulista
Alcunhas Timão
Time do Povo
Coringão
Todo Poderoso
Alvinegro do Parque São Jorge
Campeão dos Campeões
República Popular do Corinthians[1]
Torcedor/Adepto Corintiano[nota 1]
Fiel
Mascote Mosqueteiro
Principal rival Palmeiras
Santos
São Paulo
Fundação 1 de setembro de 1910 (107 anos)
Estádio Arena Corinthians e Estádio Alfredo Schürig
Capacidade 47 605 (oficial)[2] e 18 500[3]
Localização São Paulo, Brasil
Presidente Brasil Roberto de Andrade [4]
Treinador Brasil Fábio Carille [5]
Patrocinador Brasil Minds[6]
Brasil Universidade Brasil[7]
Brasil Foxlux[8]
China Alcatel[9]
Sérvia Ultra Energy Drink[10]
Espanha Estrella Galicia[11]
Itália Iveco
Japão Konami
Alemanha Henkel
Estados Unidos Matrix Fitness[12]
Estados Unidos New Era
Suécia Spotify[13]
Material (d)esportivo Estados Unidos Nike
Competição São Paulo Campeonato Paulista
Flags of South American Conmebol Members.gif Copa Libertadores
Brasil Copa do Brasil
Brasil Campeonato Brasileiro
São Paulo A1 2018
Flags of South American Conmebol Members.gif CL 2018
Brasil CB 2018
Brasil A 2018
A disputar
A disputar
A disputar
A disputar
São Paulo A1 2017
Flags of South American Conmebol Members.gif CS 2017
Brasil CB 2017
Brasil A 2017
Campeão
Oitavas-de-final
Quarta Fase
Campeão
São Paulo A1 2016
Flags of South American Conmebol Members.gif CL 2016
Brasil CB 2016
Brasil A 2016
Semifinal
Oitavas-de-final
Quartas-de-final
7° Colocado
Ranking nacional Baixa 4.º lugar, 14 328 pontos[14]
Website corinthians.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Sport Club Corinthians Paulista (mais conhecido como Corinthians, e pelo apelido de "Timão") é um clube multiesportivo brasileiro sediado na cidade de São Paulo. Atualmente disputa a Série A1 do Campeonato Paulista, a Série A do Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil e a Copa Libertadores da América.

Foi fundado como uma equipe de futebol no dia 1 de setembro de 1910 por um grupo de operários do bairro Bom Retiro. Seu nome foi inspirado no Corinthian FC de Londres, que excursionava pelo Brasil, sendo chamado pela imprensa brasileira da época de Corinthian's team.

Embora tenha atuado em outras modalidades esportivas ao longo dos anos, seu reconhecimento e suas principais conquistas foram alcançados no futebol.[15] O clube é um dos mais bem sucedidos do Brasil e das Américas nos últimos anos.[16] Sendo o segundo maior campeão nacional, com onze conquistas, ficando atrás somente do Palmeiras. Tendo conquistado dois Mundiais de Clubes da FIFA (recordista na América do Sul, sendo superado mundialmente, somente pelo Barcelona e Real Madrid), uma Copa Libertadores da América invicta, uma Recopa Sul-Americana, sete Campeonatos Brasileiros,[17] três Copas do Brasil,[18] uma Supercopa do Brasil (recordista, ao lado do Grêmio), cinco Torneios Rio-São Paulo (recordista, ao lado de Palmeiras e Santos) e 28 Campeonatos Paulistas (atual recordista).

Suas cores tradicionais são o branco e o preto. Desde 2014, manda suas partidas de futebol na Arena Corinthians. Seus rivais históricos são o Palmeiras, com quem disputa o Derby Paulista, o São Paulo, com quem disputa o Majestoso, e o Santos, com quem disputa o Clássico Alvinegro. Sua torcida é conhecida como "Fiel"[19] e seus torcedores são estimados em aproximadamente 30 milhões espalhados por todo o Brasil e pelo mundo, atrás nacionalmente somente do carioca Flamengo,[20][21] além de ser o primeiro na Região Sudeste.[22] É considerada também uma das maiores torcidas do mundo.[23][24]

De modalidades esportivas importantes ao longo da história corintiana,[25] destacam-se o basquete, onde o clube desfrutou de relativo sucesso, especialmente durante as décadas de 1950 e 1960, com a conquista de títulos paulistas, brasileiros e até sul-americanos, além de um vice-campeonato mundial em 1966,[26] a natação que rendeu quatro conquistas do Troféu Brasil de Natação, atual Troféu Maria Lenk, e o futsal, a partir da década de 1970, que rendeu conquistas em torneios estaduais e nacionais. A influência do remo na história do clube modificou o escudo original, que aludia meramente ao futebol, com o acréscimo do par de remos e da âncora como aparecem até os dias de hoje.[27]

Índice

História

Fundação (1910-1912)

Ver artigo principal: Corinthian Football Club
O Corinthian Football Club (em foto do período 1896-1897), que inspirou a criação do Sport Club Corinthians Paulista.

Em 1 de setembro de 1910, um grupo de cinco operários (Joaquim Ambrósio, Antônio Pereira, Rafael Perrone, Anselmo Correa e Carlos Silva) do bairro paulistano Bom Retiro, sob a luz de um lampião, às oito e meia da noite, decidiram criar um novo time de futebol, além de mais oito pessoas que contribuíram com 20 mil réis e também foram considerados sócios-fundadores.[28] A ideia surgiu depois de assistirem à atuação do Corinthian FC,[29][30] equipe inglesa de futebol fundada em 1882, que excursionava pelo Brasil. Os ingleses eram chamados pela imprensa da época de "Corinthian's Team", mas o time brasileiro só seria batizado "Sport Club Corinthians Paulista" depois de muita discussão e algumas reuniões. O presidente escolhido por eles foi o alfaiate Miguel Battaglia, que já no primeiro momento afirmou, "O Corinthians vai ser o time do povo e o povo é quem vai fazer o time". Da primeira arrecadação de recursos à compra da primeira bola de futebol do clube pouco tempo se passou, na verdade, apenas uma semana. Um terreno alugado na Rua José Paulino foi aplainado e virou campo, e foi lá que, já no dia 14 de setembro, o primeiro treino foi realizado diante de uma plateia entusiasmada que garantiu: "Este veio para ficar". De partida em partida o time foi se tornando famoso, mas era ainda um time de várzea.[31]

Primeiros títulos (1913-1919)

Equipe do Corinthians em 1914, ano em que o clube conquistou seu primeiro título do Campeonato Paulista.

Em 1913, uma dissidência entre três clubes que disputavam o Campeonato Paulista abriu a oportunidade para que clubes de origem popular, conhecidos à época como "varzeanos", disputassem a competição organizada pela LPF, e o Corinthians ganhou o direito de disputar pela primeira vez essa competição após vencer uma seletiva contra o Minas Gerais, representante do bairro do Brás, e o FC São Paulo, do bairro do Bixiga.

A estreia corintiana no Campeonato Paulista foi contra o Germânia, no dia 20 de abril de 1913, em duelo que terminou com vitória adversária, pelo placar de 3–1. Nos quatro jogos seguintes, foram três derrotas (para Internacional, Americano e Santos) e um empate (Ypiranga). A primeira vitória ocorreu no dia 7 de setembro, um 2–0 contra o Germânia. Nas três partidas seguintes, mais três empates (com Internacional, Ypiranga e Americano). Ao final do Paulista de 1913, o Corinthians terminou na quarta colocação, com seis pontos ganhos (uma vitória, quatro empates e três derrotas, oito gols a favor e 16 contra).[32][nota 2] De positivo, o time revelaria dois futuros ídolos: Neco e Amílcar.

A temporada seguinte seria marcante para a história corintiana. Com apenas quatro anos de existência, o time conquistou seu primeiro título, o Campeonato Paulista de 1914 (organizado pela LPF).[33] O Corinthians sagrou-se campeão de forma invicta, com 10 vitórias em 10 partidas, 37 gols marcados e 9 gols tomados.[34][nota 3] Com 12 gols, Neco foi o artilheiro da competição.[35][36] A equipe que conquistou o primeiro título da história corintiana era formada por: Sebastião, Fúlvio, Casimiro II, Police, Bianco, César, Américo, Peres, Amílcar, Aparício, Neco, entre outros. Ainda naquele ano, o Corinthians realizou sua primeira partida contra uma equipe estrangeira, o Torino. Os italianos venceram por 3–0.[37]

Duas décadas vitoriosas (1920-1940)

Amílcar tornou-se o primeiro jogador do Corinthians a ser convocado para a Seleção Brasileira
Neco (com a camisa da Seleção Brasileira, em foto de 1920) é tido como o primeiro grande ídolo corintiano e foi o primeiro jogador do Corinthians a ser homenageado com um busto no Parque São Jorge.

Nas décadas de 1920 e 1930, o Corinthians firmou-se como uma das equipes mais importantes de São Paulo, rivalizando com o Clube Atlético Paulistano e a Societá Sportiva Palestra Itália (futuro SE Palmeiras). No período, o clube arrematou nove títulos paulistas (sendo três tricampeonatos, feito jamais alcançado por outro clube paulista). Além de Neco, que jogou no clube até 1930, Rato,[38] Del Debbio[39] Tuffy,[40] Grané,[41] Teleco,[42][43] Brandão,[44] e Servílio de Jesus[45] despontaram como grandes ídolos do clube no período.

Tempos de jejum (1941-1950)

Em 1941, o Corinthians novamente conquistou o Campeonato Paulista. O título só não foi de maneira invicta por conta de uma derrota, na última rodada, contra o Palestra Itália. O time era ótimo, e a linha média, Jango, Brandão e Dino, impecável. A festa do título corintiano foi realizada no recém-inaugurado estádio do Pacaembu.

Contudo, nos nove anos seguintes, o Corinthians viveu um jejum de títulos paulistas. Sem conquistas estaduais, o clube do Parque São Jorge consolou-se em levar por quatro vezes a Taça São Paulo (em 1942, 1943, 1947 e 1948) - torneio que reunia os três primeiros colocados do ano anterior. Sem ter a disposição seu poderio técnico dos últimos cinco anos, o Corinthians foi vice-campeão paulista cinco vezes, sendo três delas seguidas, entre 1942 e 1950, numa época de ascensão do São Paulo, liderado pelo atacante Leônidas da Silva, como nova força no futebol paulista.

Mesmo com a contratação de nomes de peso no futebol nacional, como a do zagueiro Domingos da Guia, aos 32 anos, em 1944, ou dos atacantes Milani e Hércules em anos seguintes, o Corinthians amargaria quase uma década sem conquistas importantes. A situação só começaria a mudar a partir de 1949, quando uma nova geração de pratas-da-casa foi conduzida pelo técnico Rato (o mesmo Rato campeão como jogador na década de 1920) ao time principal. Os frutos seriam colhidos na primeira metade da década seguinte.

Era de Ouro (1951-1960)

Gilmar, considerado o maior goleiro da história do Corinthians, defendeu o clube durante 10 anos, de 1951 a 1961 (à direita na foto, com Pelé, após a vitoriosa final da Copa do Mundo de 1958).

Após um período sem grandes êxitos futebolísticos, o clube renovou sua equipe para a década de 1950. Jovens formados nas "categorias de base" do Corinthians, como Luizinho,[46][47] Cabeção, Roberto Belangero e Idário,[48] juntaram-se a jogadores como Baltazar,[49][50] Carbone,[51] Cláudio[52][53] e Gilmar,[54][55] formando um dos melhores times da história corintiana e do Brasil .[56][57] Essa equipe foi campeã do Campeonato Paulista (1951 e 1952), do Torneio Rio-São Paulo (1950, 1952 e 1953) e da Pequena Taça do Mundo de 1953.

Foi também com essa geração que o clube saiu do Brasil pela primeira vez em sua história, tendo vencido um amistoso no Uruguai contra um combinado local, por 4–1, em junho de 1951. No ano seguinte, o time excursionou pela primeira vez à Europa, com partidas amistosas na Turquia, Suécia, Dinamarca e Finlândia (o saldo foi de nove vitórias, um empate e uma derrota).[58] Em 1953, o time deixou a disputa do Campeonato Paulista daquele ano, preparando-se para o torneio do ano seguinte, que celebraria o "IV Centenário da Fundação" da cidade de São Paulo. Naquele ano, o clube disputou a Pequena Taça do Mundo, torneio que acabou por conquistar, sendo este o primeiro título internacional do clube.[59]

Em 1954, o Campeonato Paulista daquela temporada despertou grande interesse em todos os clubes e torcedores, porque comemorava o "IV Centenário da Fundação" da cidade de São Paulo. Para a época, era considerado o título paulista mais importante da história.[56] Um empate contra o Palmeiras garantiu a conquista de um dos títulos mais importantes da história alvinegra, que coroou a geração vitoriosa dos anos cinquenta.[60] A década de 1950 ainda marcou internacionalmente o clube. Entre 1951 e 1959, o Corinthians disputou 64 partidas contra equipes estrangeiras, com 47 vitórias, dez empates e apenas sete derrotas. Ficou invicto por 32 jogos, de 1952 e 1954.[61]

No final da década de 1950, assumiu a presidência do clube por voto direto dos associados Vicente Matheus, que comandou o Corinthians durante oito mandatos.[62]

Um incômodo jejum e a era Rivellino (1961-1975)

Embora tenha conquistado apenas um título pelo Corinthians, Rivellino é considerado por muitos como o maior jogador da história do clube.

No Campeonato Paulista de 1961, o time fez uma campanha tão pífia que foi apelidado por torcedores rivais de "Faz-Me-Rir".[63] O clube apostou na contratação de craques que chegavam ao Parque São Jorge como "salvadores da pátria", mas que acabaram não vingando no time (como Almir Pernambuqinho em 1960[64] e Mané Garrincha em 1966).[65] Mas aquela década também marcava o surgimento de Roberto Rivellino, "O Reizinho do Parque".[66][67] Embora tenha vencido apenas um grande título pelo Timão[68] (o Torneio Rio-São Paulo de 1966), é considerado o maior jogador da história corintiana.

Em 1966, na tentativa de acabar com o "jejum" de títulos no Campeonato Paulista, a diretoria corintiana contratou o zagueiro Ditão e o volante Nair, que vieram da Associação Portuguesa de Desportos, além do atacante Garrincha, que chegou ao Parque São Jorge com 32 anos de idade. Na época, a verba destinada ao departamento de futebol foi recorde e o jornal "A Gazeta Esportiva" passou a tratar o time como o "Timão do Corinthians", e assim nasceu o apelido que acompanha o clube até hoje.[65] Ainda no final da década, o Corinthians venceria o Santos, após quase 11 anos sem vitórias sobre a equipe de Pelé em edições do Campeonato Paulista.[69] Paulo Borges e Flavio fizeram os gols dessa vitória corintiana.[70]

Em 1970, depois de uma conturbada negociação com a Portuguesa, o Corinthians contratou o lateral Zé Maria.[71][72] O jogador havia sido campeão mundial com o Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo de 1970, no México, na reserva de Carlos Alberto Torres. Para sair da fila, a diretoria corintiana trouxe nos anos seguintes nomes como Vaguinho (em 1971)[73] e Geraldão,[74] além de promover jogadores da base como Wladimir.[75][76] Além da interminável fila de grandes conquistas, o Corinthians também não conseguia chegar, com frequência, a finais de grandes torneios. Ficou de 1957 a 1974 sem decidir o Campeonato Paulista. Em 1974, havia grande esperança de se quebrar o jejum na final estadual contra o Palmeiras. Mas o rival acabou vencendo os corintianos, o que precipitou a saída de Rivellino para o Fluminense.[68]

A "Invasão corintiana" e o fim da angústia (1976-1980)

Taça do título paulista de 1977 no Memorial do Parque São Jorge. (Imagem: Alessandra A.)

Corinthians e Rivellino acabariam encontrando-se na semifinal do Campeonato Brasileiro de 1976, contra o Fluminense, em 5 de dezembro, naquela que é uma das partidas mais marcantes da história corintiana. Dezenas de milhares de torcedores alvinegros viajaram para o Rio de Janeiro para assistir o duelo no Estádio do Maracanã, que acabou dividido entre os corintianos e fluminenses. Aquele momento acabou conhecido como "A invasão corintiana ao Maracanã".[77] A consagração daquele dia célebre para os corintianos veio como a vitória sobre o clube carioca nos pênaltis, após empate de 1–1 no tempo regulamentar. Na decisão do Brasileiro, o Internacional derrotou o Corinthians em Porto Alegre.

No começo de 1977, o presidente corintiano Vicente Matheus trouxe Palhinha, do Cruzeiro, por uma quantia recorde para a época: 7 milhões de cruzeiros. O jogador tornaria-se um dos ídolos da "Fiel" naquele período.[78] Menos de um ano depois de "invadir" o Maracanã, o Corinthians viveria uma de suas noites mais inesquecíveis em 13 de outubro, com a conquista do Campeonato Paulista, que se tornou um dos títulos mais importantes da história corintiana, pois representava o fim de quase 23 anos sem ganhar competições oficiais. Na última das três partidas, contra a Associação Atlética Ponte Preta, o título veio com o gol de Basílio, no segundo tempo.[79][80]

Para 1978, a diretoria do clube contratou Sócrates, que pertencia ao Botafogo de Ribeirão Preto e acabaria por ser considerado um dos maiores craques da história do alvinegro.[81][82] Outro que chegava naquele ano ao clube e seria ídolo no Timão era Biro-Biro.[83][84] Em 1979, o Corinthians voltaria a vencer o Campeonato Paulista contra a mesma Ponte Preta.[85]

A Era da Democracia Corintiana (1981-1984)

Ver artigo principal: Democracia Corintiana
O ídolo Sócrates, idealizador da democracia corintiana.

No início de 1981, o presidente Vicente Matheus foi buscar pessoalmente na Arábia Saudita o meio-campo Zenon, que havia se destacado no Guarani Futebol Clube em temporadas anteriores e assumiria a camisa 10 do Corinthians, no lugar de Palhinha.[86] Mas após não conseguir um bom desempenho no Campeonato Paulista daquele ano (que era classificatório para o Campeonato Brasileiro do ano seguinte), o clube teve de jogar a Taça de Prata, espécie de "segunda divisão" do Campeonato Brasileiro, em 1982.[87]

Os resultados ruins em campo levaram a mudanças na diretoria com a saída de Vicente Matheus, e os jogadores passaram a ter papel ativo nas decisões do clube. Tudo era resolvido pelo voto, das contratações ao local de concentração.[81] O período ficou marcado como a "Democracia corintiana".[88] As mudanças surtiram efeito. Em 1982, quando liderados pelos ídolos Sócrates, Wladimir, Casagrande,[89] Biro-Biro e Zenon, o clube conquistou o Campeonato Paulista em cima do São Paulo, que tentava o tricampeonato na competição.[33][81] No ano seguinte, o Corinthians repetiria a final contra o rival e uma vez mais conquistaria o torneio. Ainda naquele ano, o Corinthians havia aplicado a maior goleada da história do Campeonato Brasileiro, um acachapante 10–1 sobre o Tiradentes, do Piauí, com quatro gols de Sócrates.

No ano seguinte, a equipe corintiana não conseguiu o seu quarto tricampeonato paulista, tendo perdido o título para o Santos. Já pelo Campeonato Brasileiro, o time do Parque São Jorge fez sua melhor campanha desde o vice-campeonato da edição de 1976 e chegou à semifinal. O plantel alvinegro foi eliminado pelo Fluminense, mas a campanha é também lembrada pela goleada por 4–1 sobre o Flamengo de Zico e companhia.

Aposta na base e primeiro título brasileiro (1985-1992)

Conhecido como Xodó do Fiel, Neto foi o grande ídolo dos corintianos entre as temporadas de 1989 e 1993.

Em 1985, já sem Sócrates em seu plantel[90] e com o fim da Democracia Corintiana, a nova diretoria corintiana apostou na consolidação de uma grande equipe, com as contratações de De León, que deixou o Grêmio como o jogador mais caro do futebol brasileiro até então, Serginho Chulapa e Dunga, que se somavam a reforços do ano anterior, como Carlos, Édson e Juninho, contratados da Ponte Preta, e aos bem estabelecidos Wladimir, Biro-Biro, Zenon e Casagrande.[91] O grande time, porém, só ficou no "papel": no Campeonato Brasileiro, o Timão foi eliminado antes das semifinais, e no Campeonato Paulista, a equipe ficou apenas em quinto lugar.[91]

Nos anos seguintes, o clube renovou-se com um elenco de jogadores como o volante Wilson Mano,[92] e o zagueiro Marcelo,[93] além de apostar em jogadores formados nas categorias de base corintiana, como o goleiro Ronaldo,[94] o volante Márcio Bittencourt e o atacante Viola. Assim, o Corinthians voltaria à conquista do Campeonato Paulista.[95]

Em 1990, o Corinthians conquistaria um dos títulos mais importantes de sua história. Com uma equipe dirigida pelo técnico Nelsinho e liderada em campo por Neto (que se consagraria como grande ídolo corintiano), o clube faturou seu primeiro Campeonato Brasileiro, vencendo na decisão o São Paulo.[96][97]

No final de 1991, Vicente Matheus deixava a presidência corintiana. Sua esposa, Marlene Matheus, assumiu o clube e ficaria no cargo até 1993.

Era Dualib, o período das parcerias (1993-2006)

Marcelinho Carioca foi o grande ídolo dos corintianos entre as temporadas de 1994 e 2001.

Em 1993, em nova eleição, o presidente escolhido seria Alberto Dualib, e o clube conquistaria nos anos seguintes o Campeonato Paulista de 1995 e o seu primeiro título da Copa do Brasil, de forma invicta.[98] O meia-atacante Marcelinho Carioca foi um dos grandes destaques dessas conquistas e despontaria a partir dali como grande ídolo do clube.

A Era Dualib foi marcada por parcerias com grupos privados: Banco Excel (1997), Hicks, Muse, Tate & Furst Incorporated (de 1999 a 2001) e MSI (de 2005 a 2007), que levaram muitos recursos financeiros ao clube, conquistas e polêmicas.[99][100] Entre grandes nomes que defenderam o clube, destacam-se Gamarra, Rincón, Vampeta, Edílson, Ricardinho, Kléber e Dida no elenco entre 1998 e 2000 e Carlitos Tevez, Mascherano e Nilmar no time de 2005 e 2006, entre outros nomes.

Já em relação a títulos, o clube conquistou mais três Campeonatos Brasileiro (1998, 1999 e 2005), quatro Campeonatos Paulistas (1997, 1999, 2001 e 2003), uma Copa do Brasil (em 2002), além do primeiro Campeonato Mundial de Clubes (em 2000), a maior conquista desse período. Primeiro torneio do gênero organizado pela FIFA, o Corinthians superou os rivais de chave Raja Casablanca, Real Madrid e Al Nassr, e venceu a final contra o Vasco da Gama, na disputa por penais, sagrando-se o primeiro campeão mundial pela FIFA.[101][102][103][104]

Fim das parcerias, o rebaixamento e a volta por cima (2007-2010)

Ronaldo, principal nome entre 2009 e 2010.

Em 2007, a MSI deixou o clube, juntamente com seus principais jogadores: Tevez, Mascherano, Roger e Gustavo Nery. Pressionado, Alberto Dualib, que ocupava a presidência corintiana havia mais de uma década, também deixou o cargo.[105] Após eleição ainda naquele ano, Andrés Sanchez foi eleito o novo presidente.[nota 4] A saída do MSI criou-se um período de instabilidade, que culminou do clube para a Série B do Campeonato Brasileiro.[107][108]

Com investimentos em projetos de marketing, reformulação da equipe de futebol e comissão técnica (comandada por Mano Menezes),[109] o Corinthians deu a volta por cima com o vice-campeonato da Copa do Brasil[110][111] e o título da Série B, que garantiu a volta para a divisão principal do futebol do país.[112]

No final daquele ano, a diretoria corintiana acertou a contratação de Ronaldo Fenômeno, que se tornou o principal atleta do elenco nas duas temporadas seguintes, marcado pelos títulos Paulista (invicto) e da Copa do Brasil de 2009, além do centenário do clube, em setembro de 2010, quando foi anunciada a construção de seu novo estádio, no bairro de Itaquera.

A conquista da América, o segundo Mundial e um novo estádio (2011-presente)

Elenco corintiano celebra a conquista do Mundial de Clubes da FIFA 2012.

A temporada 2011 começou com uma eliminação precoce na Copa Libertadores da América, mas o clube se recuperou com um vice-campeonato no Campeonato Paulista e sua quinta conquista no Campeonato Brasileiro de 2011.[113]

Com a manutenção do elenco base do título nacional, o Corinthians fez uma das mais importantes temporadas de sua história, ao se sagrar pela primeira vez campeão da Copa Libertadores - e de maneira invicta, vencendo o Boca Juniors na final[114][115] - e do Campeonato Mundial de Clubes da FIFA pela segunda vez, com uma vitória contra o campeão europeu Chelsea, com um gol de Paolo Guerrero.[116][117][118]

Apesar da conquista do Campeonato Paulista[119] e da Recopa Sul-Americana (ao bater o São Paulo),[120][121] ganhando também o título honorífico da Tríplice Coroa Internacional de Futebol.[122] O alvinegro não foi bem nos principais torneios da temporada 2013, sendo eliminado nas oitavas-de-final da Libertadores,[123][124][125][nota 5][129][130][131][132] nas quartas de final da Copa do Brasil[133] e terminado apenas uma décima colocação no Campeonato Brasileiro. Ao final daquele ano, com a saída de Tite, Mano Menezes foi contratado como novo treinador e com a missão de reformular o elenco corintiano consagrado de 2012.[134]

O grande acontecimento do ano de 2014 foi a inauguração do novo estádio de futebol alvinegro, construído no bairro de Itaquera,[135] com uma partida entre Corinthians e Figueirense pelo Campeonato Brasileiro.[136] Logo depois, o estádio foi entregue a FIFA, onde foi palco da abertura da Copa do Mundo daquele ano e outros cinco duelos.[137] O time encerrou a temporada sem títulos, tendo sido eliminado ainda na primeira fase do Paulista,[138] nas quartas-de-final da Copa do Brasil[139] e terminado em quarto lugar no Brasileiro.

Para a temporada de 2015, o técnico Tite retorna ao clube pela terceira vez.[140] Inicia a preparação para a temporada disputando a primeira edição do torneio amistoso internacional Florida Cup, nos Estados Unidos. Destaque para a vitória por 2 a 1 sobre o clube alemão Bayer Leverkusen. No Campeonato Paulista foi eliminado nas semifinais,[141] pela Copa Libertadores[142] e Copa do Brasil[143] ficou nas oitavas-de-finais. Já no Campeonato Brasileiro, sagrou-se campeão pela sexta vez.[144]

No ano de 2016 o alvinegro iniciou a preparação da temporada disputado a segunda edição da Florida Cup, destaque para a vitória de 3 a 2 sobre a equipe ucraniana Shakhtar Donetsk. Com o desmanche do elenco campeão brasileiro do ano anterior[145] e a saída do técnico Tite[146] para a Seleção Brasileira, foi eliminado nas semifinais do Campeonato Paulista,[147] eliminado nas oitavas-de-finais da Copa Libertadores[148] e nas quartas-de-finais da Copa do Brasil.[149] No Campeonato Brasileiro ficou na sétima posição, cuja classificação assegurou vaga na Copa Sul-Americana do ano seguinte após dez anos de ausência na competição.[150]

O ano de 2017 iniciou com um vice-campeonato no torneio amistoso internacional da Florida Cup.[151] Ainda no primeiro semestre ficou na quarta fase da Copa do Brasil,[152] além da 28° conquista do Campeonato Paulista. No segundo semestre ficou nas oitavas-de-finais na Copa Sul-Americana[153] e encerrando o ano com a sétima conquista do Campeonato Brasileiro[154].

Cores e símbolos

A evolução do uniforme corintiano, em 1910, camisa bege, shorts e meias brancas. Em 1920, camisa branca, short preto e meias brancas, em 1950, o segundo uniforme na cor preta com finas listras brancas e calções pretos, que é o usado até os dias de hoje. As cores oficiais são o branco e o preto.

Uniforme

Jogo disputado pelo Corinthians usando o segundo uniforme.

Oficialmente, a primeira camisa do Corinthians teria a cor bege, em homenagem ao time inglês homônimo. A camisa de 1910 tinha detalhes em preto nas mangas, barra e gola. Os calções eram brancos e feitos com sacos de farinha.[155] Entretanto, para o jornalista Celso Unzelte, pesquisador da história do time, seria muito improvável que o clube, na época pobre e humilde, tivesse recursos financeiros para comprar uniformes que não fossem brancos, e mesmo a fotografia mais antiga do time, do Campeonato Paulista de 1913, mostra os jogadores vestindo camisas e calções brancos.[156]

Incontroverso é o fato de que, a partir de 1920, o Corinthians passou a jogar com camisa branca e calção preto, quando a diretoria conseguiu dinheiro para comprá-los. Desde então, tornaram-se o uniforme oficial.[155][157] A partir deste modelo, encontra-se registro das primeiras versões alternativas do uniforme, utilizadas em partidas específicas.[155] Somente em 22 de dezembro de 1946 os atletas do clube entrariam em campo com camisas numeradas, em um amistoso contra o Club Atlético River Plate, no Estádio do Pacaembu.[158] Em 1949, o clube usou uma camisa grená em um amistoso contra a Portuguesa de Desportos, como uma forma de prestar homenagem ao elenco do Torino Football Club da Itália, que foi vitimado em um acidente de avião contra a Basílica de Superga, em Turim.[155][159]

No final de agosto de 2010, o Corinthians lançou no Parque São Jorge a camisa em comemoração ao centenário do clube, que foi utilizada como uniforme titular nas partidas em casa até o final do Campeonato Brasileiro daquele ano. A camisa remete ao suposto primeiro uniforme utilizado pelo Corinthians em 1910, com as camisetas na cor bege e no escudo as lestras "CP", fazendo referência ao primeiro símbolo utilizado pelo clube.[160]

Uniforme dos jogadores

  • Uniforme Titular: Camisa branca, calção preto e meias brancas.
  • Uniforme Reserva: Camisa preta, calção branco e meias pretas.
  • Uniforme Alternativo: Camisa preta, calção preto e meias pretas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Escudo

Ao contrário da camisa, o escudo do Corinthians passou por várias alterações ao longo dos anos. Enquanto o time disputava apenas amistosos e torneios de futebol de várzea, a camisa não tinha distintivo. O primeiro foi criado às pressas para o jogo contra o Minas Gerais, válido pela eliminatória para a Liga Paulista de Foot-Ball de 1913, e levava apenas as letras "C" e "P" (de Corinthians e Paulista) enlaçadas.[161] Esse escudo seria usado até o ano seguinte, quando Hermógenes Barbuy, litógrafo e irmão do jogador Amílcar, criou o primeiro escudo oficial, elaborando uma moldura para as letras e acrescentando o "S" (de Sport), que estreou no amistoso contra o Torino (Itália), em São Paulo.[162]

Pouco tempo depois a moldura fica maior, e a partir de 1919 o distintivo começa a ganhar o formato atual, com a bandeira do Estado de São Paulo ao centro. Em 1937, o presidente Getúlio Vargas baixou o Estado Novo e fez uma cerimônia pública com a queima das bandeiras de todos os Estados da federação, pois queria um governo forte e centralizado. A bandeira paulista só sobreviveu dentro do escudo do Corinthians. Após a queda do regime, o uso de símbolos regionais foi liberado.[161] Em 1939, o escudo ganhou uma boia rodeando o círculo, além de um par de remos e a âncora, em alusão ao sucesso do clube nos esportes náuticos. O desenho foi criado pelo pintor modernista Francisco Rebolo, que foi jogador do segundo quadro do Corinthians na década de 1920. Depois disso, o símbolo corintiano passou por pequenas alterações ao longo do tempo, como na bandeira e na moldura.[161]

Em 1990, foi adicionada a primeira estrela em referência ao primeiro título brasileiro. O mesmo foi feito com as conquistas de 1998, 1999 e 2005, além de uma estrela maior com contorno prateado posta acima das demais, em homenagem à conquista do Mundial da FIFA de 2000. Em 2011 a diretoria do Corinthians resolveu deixar de lado todas as estrelas do distintivo do clube, relevando a importância do seu próprio símbolo.[163] Abaixo, a evolução dos escudos, desde a fundação até os dias atuais:

Evolução do Escudo do Sport Club Corinthians Paulista
1913 1914 1915 1915 1916-1919 1919-1939 1939-1979 1980-Presente
SCCorinthians Paulista 1910.png SCCorinthians Paulista 1914.png Corinthians Paulista 1914-16.png Corinthians Paulista 1916.png Corinthians Paulista 1916-19.png Corinthians Paulista 1919-39.png Corinthians Paulista 1970-79.png Corinthians simbolo.png

O mosqueteiro e São Jorge

O mosqueteiro, o mascote do Corinthians (foto de uma estátua de D'Artagnan em Maastricht).
São Jorge, o santo padroeiro do Corinthians.

O Corinthians adotou o "mosqueteiro" como seu mascote. Há duas versões sobre a origem do mascote corintiano.[161][164] A primeira seria por conta do clube ter pleiteado uma vaga na Liga Paulista de Futebol em 1913, da qual apenas participavam Americano, Germânia e Internacional (como os personagens Athos, Porthos e Aramis, do romance "Os Três Mosqueteiros", escrito pelo francês Alexandre Dumas, em 1844).[161] Como havia outros pretendentes à vaga, o Corinthians teve de disputar uma seletiva contra o Minas Gerais (do Brás) e o FC São Paulo (do Bixiga), outros dois grandes da várzea paulistana. Após ter vencido as duas equipes, o Corinthians garantiu o direito de disputar a Divisão Especial da Liga, ganhando da imprensa o apelido de D'Artagnan, o quarto mosqueteiro.[161][164]

Uma segunda versão para a utilização do "mosqueteiro" como mascote corintiano surgiu em 1929, quando o Corinthians venceu o Barracas (Argentina), por 3–1.[164] Foi a primeira vitória do clube paulista em partidas internacionais e que ganhou destaque nas páginas do jornal "A Gazeta", com o título dado pelo jornalista Tomás Mazzoni: "O Corinthians venceu com 'fibra de mosqueteiro'". Esta versão é adotada oficialmente pelo clube e pelos historiadores, como Celso Unzelte.[161]

Além do mascote, o Corinthians tem bastante apego a São Jorge. Depois de comprar o campo do Parque São Jorge, em 1926, o Corinthians adotou o santo como seu padroeiro. O clube construiu uma capela em homenagem a São Jorge dentro de sua sede social.[165]

Oração de São Jorge


Eu andarei vestido e armado, com as armas de São Jorge.
Para que meus inimigos tendo pés não me alcancem,
tendo mãos não me peguem,
tendo olhos não me enxerguem,
nem pensamentos eles possam ter para me fazerem mal.
Armas de fogo o meu corpo não alcançarão,
facas e lanças se quebrem sem ao meu corpo chegar,
cordas e correntes se quebrem sem ao meu corpo amarrar.

Patrocinadores

A partir da década de 1980, a publicidade estava liberada nas camisas de futebol, mas o Corinthians não conseguia encontrar patrocinadores. Era o período da Democracia Corintiana, e a camisa estampou nas costas a frase "Dia 15, vote!", embalado pelas eleições diretas para governador em 1982.[155] Naquele mesmo ano, a empresa de material esportivo Topper exibia o seu logo no lado direito da camisa e, na final do Campeonato Paulista, contra o São Paulo, exibiu nas costas (como exigia a legislação da época) o patrocínio da Bombril. Em 1983, a Cofap foi a primeira marca a ocupar também a frente da camisa, a partir do Campeonato Paulista. Em 1984, para renovar o contrato do ídolo Sócrates, o clube contou com ajuda da empresa Corona, conseguindo assim mantê-lo e tendo que pintar, em troca, um chuveiro na parte frontal da camisa.[155]

A partir de 1985, passou a ser patrocinado pela Kalunga, em acordo que perdurou até 1994. Desde então, o clube mudou de patrocínio constantemente. Na era Ronaldo, o clube manteve um contrato com o "Grupo Hypermarcas", além de ter vendido outros espaços da camisa para outras empresas. Atualmente, o banco estatal brasileiro Caixa é o principal patrocinador do clube, após ter fechado um acordo em novembro de 2012 para estampar sua logomarca até dezembro de 2014 além de ter a Nike como fornecedora de material esportivo até 2022.[166]

Patrimônio

Estádios

Arena Corinthians
Mosaico 3D da Fiel Torcida na Arena Corinthians
Nomes
Nome Arena Corinthians
Apelido Itaquerão[167][168]
Características
Local Radial Leste, Itaquera, São Paulo, Brasil[169]
Gramado (105 x 68 m)
Capacidade 47 605 (oficial)[2][nota 6]
Construção
Data 30 de maio de 2011 a 15 de abril de 2014
Custo R$ 1,150 bilhão (incluso juros bancários)[171][172]
Inauguração
Data 18 de maio de 2014
Partida inaugural Corinthians 0–1 Figueirense
Primeiro gol Giovanni Augusto
Recordes
Público recorde 63 267
Data recorde 9 de julho de 2014
Partida com mais público Países Baixos 0(2)–(4)0 Argentina [173]
Outras informações
Arquiteto Aníbal Coutinho

Arena Corinthians

Ver artigo principal: Arena Corinthians
Arena Corinthians possui o melhor sistema de iluminação do Mundo[174]

Desde que o Parque São Jorge havia se tornado uma casa modesta demais para comportar o grande número de torcedores do Corinthians, sempre houve muitos projetos,[175] mas nunca foram levados à frente.[176]

Em 27 de agosto de 2010 foi anunciada a construção de um novo estádio com capacidade prevista para 48 000 pessoas e um valor estimado em 350 milhões de reais.[177] Seu projeto foi de autoria de Aníbal Coutinho.[nota 7] Localizado em uma propriedade de 197 095,14 metros quadrados,[180] a área construída é de 189 mil metros quadrados.[169]

Construído pela Odebrecht entre 2011 e 2014, tinha previsão de custo inicial em 820 milhões de reais.[181] Porém, seu preço final atingiu R$ 985 milhões, ressaltasse que nesta conta não estão incluídos os gastos com as arquibancadas móveis (custeadas pelo governo de São Paulo em parceria com a AmBev), as estruturas complementares da FIFA, que fizeram parte do projeto Copa do Mundo FIFA de 2014, e os gastos com pagamento de juros dos empréstimos bancários, ampliaram os custos para R$ 1,15 bilhão.[182]

O estádio está localizado a 19 quilômetros a leste do centro da cidade e a 21 km de distância do Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos. A estação de metrô mais próxima é a Corinthians-Itaquera, a 500 metros do estádio. Ela se conecta a uma estação de trem com o mesmo nome. A estação de metrô Artur Alvim está a 800 metros de distância. Se todos os usuários embarcaram em trens para deixar o estádio, ele estaria vazio em 30 minutos.[183] Durante os jogos do Mundial de 2014, um trem expresso ligou a Luz e a Estação Corinthians-Itaquera da CPTM, fazendo a viagem em 17 minutos.[184]

A Arena Corinthians foi inaugurada oficialmente em 19 de maio de 2014 com uma partida oficial entre Corinthians e Figueirense, válida pelo Campeonato Brasileiro, que terminou com vitória por 1 a 0 da equipe catarinense.[136]

Dias depois, sediou a abertura da Copa do Mundo FIFA de 2014 entre Brasil e Croácia e outras cinco partidas da principal competição entre seleções nacionais do mundo, incluindo uma semifinal. Durante o Mundial, a Arena Corinthians teve excepcionalmente 19 800 assentos temporários a mais para atender exigência da FIFA.[185][186][187] As arquibancadas móveis foram retiradas após o fim da Copa.[188][189]

A Arena Corinthians foi uma das sedes do futebol olímpico no RIO 2016. O estádio recebeu 10 jogos, incluindo uma semifinal do masculino e a decisão da medalha de bronze no feminino.[190] É atualmente o 12º maior estádio do Brasil e o segundo maior do Estado de São Paulo.

Estatísticas de jogos, público e renda do Corinthians em sua Arena

*Atualizado até 26 de novembro de 2017

Quadro geral
J V E D GP GC SG AP
121 82 30 09 220 76 144 76,03%

*Atualizado até 26 de novembro de 2017.

Jogos Oficiais Copa Libertadores Copa Sul-Americana Camp. Brasileiro Copa do Brasil Camp. Paulista Amistoso Número de Pagantes Média de Pagantes Renda Total (R$) Renda Média (R$) Ticket Médio (R$/pag.)
121 9 3 70 8 29 2 3.934.339 32.515 230.579.657 1.905.617 58,60
Lista de Jogos
Jogo Data Time mandante Placar Time visitante Competição Público pagante Renda (em reais) Referência
1 18 de maio de 2014 Corinthians 0–1 Figueirense Brasileirão 2014 36 694 3 029 801,70 [8]
2 1 de junho de 2014 Corinthians 1–1 Botafogo Brasileirão 2014 37 119 2 616 819,50 [9]
3 17 de julho de 2014 Corinthians 2–1 Internacional Brasileirão 2014 32 644 2 556 385,50 [10]
4 23 de julho de 2014 Corinthians 3–0 Bahia Copa do Brasil 2014 24 252 1 389 973,50 [11]
5 27 de julho de 2014 Corinthians 2–0 Palmeiras Brasileirão 2014 31 031 2 206 184,00 [12]
6 16 de agosto de 2014 Corinthians 1–1 Bahia Brasileirão 2014 30 819 2 096 056,00 [13]
7 21 de agosto de 2014 Corinthians 5–2 Goiás Brasileirão 2014 26 486 1 465 164,00 [14]
8 31 de agosto de 2014 Corinthians 1–1 Fluminense Brasileirão 2014 34 889 2 519 703,00 [15]
9 3 de setembro de 2014 Corinthians 3–1 Bragantino Copa do Brasil 2014 27 817 1 497 128,00 [16]
10 11 de setembro de 2014 Corinthians 1–0 Atlético Mineiro Brasileirão 2014 24 784 1 335 654,50 [17]
11 18 de setembro de 2014 Corinthians 1–1 Chapecoense Brasileirão 2014 25 537 1 359 473,00 [18]
12 21 de setembro de 2014 Corinthians 3–2 São Paulo Brasileirão 2014 34 688 2 405 986,50 [19]
13 1 de outubro de 2014 Corinthians 2–0 Atlético Mineiro Copa do Brasil 2014 27 457 1 495 296,00 [20]
14 4 de outubro de 2014 Corinthians 3–0 Sport Recife Brasileirão 2014 29 238 1 650 086,50 [21]
15 1 de novembro de 2014 Corinthians 2–2 Coritiba Brasileirão 2014 28 099 1 601 342,50 [22]
16 9 de novembro de 2014 Corinthians 1–0 Santos Brasileirão 2014 31 089 1 886 861,00 [23]
17 23 de novembro de 2014 Corinthians 1–0 Grêmio Brasileirão 2014 36 307 2 644 690,00 [24]
18 6 de dezembro de 2014 Corinthians 2–1 Criciúma Brasileirão 2014 38 044 2 753 362,50 [25]
19 24 de janeiro de 2015 Corinthians 3–0 Corinthian-Casuals (ING) Amistoso 22 572 974 904,95 [26]
20 1 de fevereiro de 2015 Corinthians 3–0 Marília Paulistão 2015 25 582 1 116 056,85 [27]
21 4 de fevereiro de 2015 Corinthians 4–0 Once Caldas (COL) Libertadores 2015 35 757 2 436 745,75 [28]
22 14 de fevereiro de 2015 Corinthians 2–1 Botafogo-SP Paulistão 2015 27 060 1 203 003,70 [29]
23 18 de fevereiro de 2015 Corinthians 2–0 São Paulo Libertadores 2015 38 029 3 528 236,00 [30]
24 1 de março de 2015 Corinthians 3–0 Mogi Mirim Paulistão 2015 29 442 1 449 441,65 [31]
25 11 de março de 2015 Corinthians 1–0 São Bernardo Paulistão 2015 23 484 926 987,45 [32]
26 14 de março de 2015 Corinthians 0–0 Red Bull Brasil Paulistão 2015 31 471 1 569 799,20 [33]
27 24 de março de 2015 Corinthians 2–0 Portuguesa Paulistão 2015 20 050 1 008 915,95 [34]
28 26 de março de 2015 Corinthians 5–3 Penapolense Paulistão 2015 27 175 1 113 002,95 [35]
29 1 de abril de 2015 Corinthians 4–0 Danubio (URU) Libertadores 2015 38 471 3 283 955,50 [36]
30 5 de abril de 2015 Corinthians 1–1 Santos Paulistão 2015 32 199 1 833 746,95 [37]
31 11 de abril de 2015 Corinthians 1–0 Ponte Preta Paulistão 2015 32 438 2 283 546,00 [38]
32 16 de abril de 2015 Corinthians 0–0 San Lorenzo (ARG) Libertadores 2015 40 744 3 329 516,50 [39]
33 19 de abril de 2015 Corinthians (5)2–2(6) Palmeiras Paulistão 2015 38 457 3 194 302,50 [40]
34 13 de maio de 2015 Corinthians 0–1 Guaraní (PAR) Libertadores 2015 39 806 3 327 731,50 [41]
35 31 de maio de 2015 Corinthians 0–2 Palmeiras Brasileirão 2015 29 479 1 784 531,76 [42]
36 13 de junho de 2015 Corinthians 2–1 Internacional Brasileirão 2015 27 270 1 488 978,75 [43]
37 27 de junho de 2015 Corinthians 2–1 Figueirense Brasileirão 2015 24 786 1 252 246,25 [44]
38 2 de julho de 2015 Corinthians 2–0 Ponte Preta Brasileirão 2015 26 649 1 308 449,00 [45]
39 9 de julho de 2015 Corinthians 2–0 Atlético Paranaense Brasileirão 2015 32 442 1 861 072,76 [46]
40 18 de julho de 2015 Corinthians 1–0 Atlético Mineiro Brasileirão 2015 36 280 2 376 803,50 [47]
41 29 de julho de 2015 Corinthians 3–0 Vasco da Gama Brasileirão 2015 30 340 1 608 159,76 [48]
42 12 de agosto de 2015 Corinthians 4–3 Sport Brasileirão 2015 30 941 1 671 129,76 [49]
43 23 de agosto de 2015 Corinthians 3–0 Cruzeiro Brasileirão 2015 41 014 2 671 941,50 [50]
44 26 de agosto de 2015 Corinthians 1–2 Santos Copa do Brasil 2015 37 338 2 353 824,50 [51]
45 2 de setembro de 2015 Corinthians 2–0 Fluminense Brasileirão 2015 29 328 1 553 141,50 [52]
46 9 de setembro de 2015 Corinthians 1–1 Grêmio Brasileirão 2015 30 126 1 635 173,50 [53]
47 13 de setembro de 2015 Corinthians 3–0 Joinville Brasileirão 2015 41 809 2 679 187,00 [54]
48 20 de setembro de 2015 Corinthians 2–0 Santos Brasileirão 2015 41 748 2 649 100,00 [55]
49 15 de outubro de 2015 Corinthians 3–0 Goiás Brasileirão 2015 40 925 2 561 055,50 [56]
50 25 de outubro de 2015 Corinthians 1–0 Flamengo Brasileirão 2015 43 515 2 747 175,00 [57]
51 7 de novembro de 2015 Corinthians 2–1 Coritiba Brasileirão 2015 43 688 2 772 735,00 [58]
52 22 de novembro de 2015 Corinthians 6–1 São Paulo Brasileirão 2015 44 976 2 939 497,50 [59]
53 6 de dezembro de 2015 Corinthians 1–1 Avaí Brasileirão 2015 43 389 2 678 940,00 [60]
54 31 de janeiro de 2016 Corinthians 1–0 XV de Piracicaba Paulistão 2016 30 945 1 643 455,00 [61]
55 11 de fevereiro de 2016 Corinthians 2–1 Capivariano Paulistão 2016 23 143 1 113 209,00 [62]
56 14 de fevereiro de 2016 Corinthians 2–0 São Paulo Paulistão 2016 36 378 2 050 496,50 [63]
57 27 de fevereiro de 2016 Corinthians 1–0 Oeste Paulistão 2016 28 717 1 460 902,00 [64]
58 2 de março de 2016 Corinthians 1–0 Santa Fé (COL) Libertadores 2016 38 818 2 438 460,00 [65]
59 16 de março de 2016 Corinthians 2–0 Cerro Porteño (PAR) Libertadores 2016 42 403 2 751 709,00 [66]
60 19 de março de 2016 Corinthians 4–0 Linense Paulistão 2016 31 334 1 711 408,00 [67]
61 26 de março de 2016 Corinthians 1–0 Ituano Paulistão 2016 28 491 1 442 312,00 [68]
62 30 de março de 2016 Corinthians 2–1 Ponte Preta Paulistão 2016 22 029 1 023 757,50 [69]
63 10 de abril de 2016 Corinthians 3–0 Novorizontino Paulistão 2016 30 475 1 580 493,50 [70]
64 16 de abril de 2016 Corinthians 4–0 Red Bull Brasil Paulistão 2016 36 957 1 948 897,50 [71]
65 20 de abril de 2016 Corinthians 6–0 Cobresal (CHI) Libertadores 2016 41 710 2 635 754,50 [72]
66 23 de abril de 2016 Corinthians (1)2–2(4) Audax Osasco Paulistão 2016 41 313 2 574 271,00 [73]
67 4 de maio de 2016 Corinthians 2–2 Nacional-URU Libertadores 2016 43 098 2 888 299,19 [74]
68 15 de maio de 2016 Corinthians 0–0 Grêmio Brasileirão 2016 31 533 1 627 511,00 [75]
69 26 de maio de 2016 Corinthians 3–0 Ponte Preta Brasileirão 2016 35 573 2 059 840,00 [76]
70 1 de junho de 2016 Corinthians 1–0 Santos Brasileirão 2016 30 187 1 460 047,00 [77]
71 4 de junho de 2016 Corinthians 2–1 Coritiba Brasileirão 2016 26 958 1 312 962,00 [78]
72 19 de junho de 2016 Corinthians 3–1 Botafogo Brasileirão 2016 34 747 2 023 396,50 [79]
73 25 de junho de 2016 Corinthians 2–1 Santa Cruz Brasileirão 2016 25 501 1 384 144,00 [80]
74 3 de julho de 2016 Corinthians 4–0 Flamengo Brasileirão 2016 32 577 2 025 123,50 [81]
75 17 de julho de 2016 Corinthians 1–1 São Paulo Brasileirão 2016 42 099 2 620 166,00 [82]
76 23 de julho de 2016 Corinthians 1–1 Figueirense Brasileirão 2016 38 507 2 513 051,50 [83]
77 22 de agosto de 2016 Corinthians 2–1 Vitória Brasileirão 2016 20 207 930 524,00 [84]
78 8 de setembro de 2016 Corinthians 3–0 Sport Brasileirão 2016 24 360 1 163 355,50 [85]
79 18 de setembro de 2016 Corinthians 0–2 Palmeiras Brasileirão 2016 39 879 2 344 829,00 [86]
80 21 de setembro de 2016 Corinthians 1–0 Fluminense Copa do Brasil 2016 20 614 1 103 889,50 [87]
81 25 de setembro de 2016 Corinthians 0–1 Fluminense Brasileirão 2016 18 838 914 005,50 [88]
82 28 de setembro de 2016 Corinthians 2–1 Cruzeiro Copa do Brasil 2016 18 796 961 342,00 [89]
83 5 de outubro de 2016 Corinthians 0–0 Atlético-MG Brasileirão 2016 17 135 760 443,00 [90]
84 16 de outubro de 2016 Corinthians 2–0 América-MG Brasileirão 2016 25 741 1 285 708,00 [91]
85 29 de outubro de 2016 Corinthians 1–1 Chapecoense Brasileirão 2016 25 064 1 247 140,00 [92]
86 21 de novembro de 2016 Corinthians 1–0 Internacional Brasileirão 2016 19 493 907 362,50 [93]
87 26 de novembro de 2016 Corinthians 0–0 Atlético-PR Brasileirão 2016 24 701 1 291 293,00 [94]
88 1 de fevereiro de 2017 Corinthians 1–0 Ferroviária-SP Amistoso 21 956 365 603,00 [95]
89 11 de fevereiro de 2017 Corinthians 0–2 Santo André-SP Paulistão 2017 18 046 798 997,30 [96]
90 14 de fevereiro de 2017 Corinthians 1–0 Novorizontino-SP Paulistão 2017 11 708 473 376,10 [97]
91 22 de fevereiro de 2017 Corinthians 1–0 Palmeiras Paulistão 2017 30 727 1 535 887,00 [98]
92 4 de março de 2017 Corinthians 1–0 Santos Paulistão 2017 36 111 1 991 856,80 [99]
93 16 de março de 2017 Corinthians 1–1 Luverdense Copa do Brasil 2017 25 082 941 324,10 [100]
94 23 de março de 2017 Corinthians 1–1 Red Bull Brasil Paulistão 2017 16 861 675 886,90 [101]
95 29 de março de 2017 Corinthians 3–1 Linense Paulistão 2017 12 159 471 297,90 [102]
96 5 de abril de 2017 Corinthians 2–0 Universidad de Chile Sul-Americana 2017 22 661 982 780,90 [103]
97 9 de abril de 2017 Corinthians 1–0 Botafogo-SP Paulistão 2017 33 491 1 681 481,10 [104]
98 19 de abril de 2017 Corinthians (3)1–1(4) Internacional Copa do Brasil 2017 32 352 1 639 381,20 [105]
99 23 de abril de 2017 Corinthians 1–1 São Paulo Paulistão 2017 43 008 2 667 936,30 [106]
100 7 de maio de 2017 Corinthians 1–1 Ponte Preta Paulistão 2017 46 017 2 667 936,30 [107]
101 13 de maio de 2017 Corinthians 1–1 Chapecoense Brasileirão 2017 31 470 1 477 730,80 [108]
102 3 de junho de 2017 Corinthians 2–0 Santos Brasileirão 2017 40 169 2 110 601,50 [109]
103 11 de junho de 2017 Corinthians 3–2 São Paulo Brasileirão 2017 42 443 2 386 356,40 [110]
104 14 de junho de 2017 Corinthians 1–0 Cruzeiro Brasileirão 2017 30 465 1 462 205,40 [111]
105 22 de junho de 2017 Corinthians 3–0 Bahia Brasileirão 2017 34 250 1 504 387,20 [112]
106 02 de julho de 2017 Corinthians 1–0 Botafogo Brasileirão 2017 40 341 2 235 726,00 [113]
107 08 de julho de 2017 Corinthians 2–0 Ponte Preta Brasileirão 2017 32 877 1 974 902,30 [114]
108 15 de julho de 2017 Corinthians 2–2 Atlético-PR Brasileirão 2017 41 201 2 403 003,90 [115]
109 26 de julho de 2017 Corinthians 2–0 Patriotas-COL Sul-Americana 2017 34 472 1 593 595,90 [116]
110 30 de julho de 2017 Corinthians 1–1 Flamengo Brasileirão 2017 44 682 2 823 378,80 [117]
111 05 de agosto de 2017 Corinthians 3–1 Sport Brasileirão 2017 41 279 2 580 574,90 [118]
112 19 de agosto de 2017 Corinthians 0–1 Vitória Brasileirão 2017 42 075 2 446 519,40 [119]
113 26 de agosto de 2017 Corinthians 0–1 Atlético-GO Brasileirão 2017 40 581 2 405 425,90 [120]
114 13 de setembro de 2017 Corinthians 1–1 Racing-ARG Sul-Americana 2017 25 451 1 309 947,50 [121]
115 17 de setembro de 2017 Corinthians 1–0 Vasco da Gama-RJ Brasileirão 2017 41 235 2 436 134,70 [122]
116 12 de outubro de 2017 Corinthians 3–1 Coritiba Brasileirão 2017 36 439 1 872 944,00 [123]
117 18 de outubro de 2017 Corinthians 0–0 Grêmio Brasileirão 2017 40 008 2 231 124,40 [124]
118 5 de novembro de 2017 Corinthians 3–2 Palmeiras Brasileirão 2017 46 090 2 908 847,00 [125]
119 11 de novembro de 2017 Corinthians 1–0 Avaí Brasileirão 2017 42 732 2 739 920,00 [126]
120 15 de novembro de 2017 Corinthians 3–1 Fluminense Brasileirão 2017 45 775 2 882 688,00 [127]
121 26 de novembro de 2017 Corinthians 2–2 Atlético-MG Brasileirão 2017 46 030 2 892 594,00 [128]
. . TOTAL 296 gols . . 3 934 339 230 579 657,20

Parque São Jorge

Ver artigo principal: Parque São Jorge
Estádio Alfredo Schürig do Corinthians, no Parque São Jorge em SP.

O Estádio Alfredo Schürig, mais conhecido como Fazendinha e Parque São Jorge, é um estádio de propriedade do Corinthians. Construído entre 1926 e 1928 através da ajuda financeira dos sócios do clube,[165] foi inaugurado em um amistoso entre Corinthians e América-RJ.[40] Em 1961, ganhou um novo sistema de iluminação, que estreou em uma partida contra o Flamengo, que resultou em uma vitória alvinegra por 7 a 2. A última partida da equipe profissional corintiana no Parque São Jorge ocorreu no dia 3 de agosto de 2002, em um amistoso contra o Brasiliense. Com capacidade atualmente para receber cerca de 18 000 espectadores, o Parque São Jorge tem sido utilizado para receber jogos do time de Futebol Americano do clube, o Corinthians Steamrollers, e também é usado para treinamentos e partidas das categorias de base corintianas.[165]

Com o grande crescimento da torcida do Corinthians, o Parque São Jorge ficou pequeno demais para receber partidas do clube, que passou a mandar suas partidas mais importantes para estádios maiores. O principal deles foi o Estádio Paulo Machado de Carvalho, mais conhecido como Estádio do Pacaembu, que pertence ao município de São Paulo e desde sua inauguração, em 1940, era considerado como a "casa" do Corinthians.[191] Entre as décadas de 1940 e 1960, o clube mandou quase todas suas principais partidas no Pacaembu, que viu o clube alvinegro ser campeão do Campeonato Paulista por três vezes na década de 1950.[192] A partir da década de 1970, o Corinthians também passou a usar como mandante o Estádio Cícero Pompeu de Toledo, mais conhecido como Estádio do Morumbi e de propriedade do São Paulo Futebol Clube.[192] Embora o clube alvinegro mantivesse o Pacaembu como estádio principal, o Morumbi, por ter uma capacidade maior, foi quase sempre o palco dos grandes clássicos e decisões corintianas (como finais do Campeonato Paulista e do Campeonato Brasileiro) entre meados dos anos setenta e fim da década de 2000.[192] Por conta de um desentendimento com Juvenal Juvêncio, então presidente do São Paulo, sobre o número de ingressos para uma partida do clássico Majestoso em 2009, a diretoria corintiana decidiu que nunca mais mandaria jogos no Morumbi, e o Pacaembu voltou a receber as principais decisões corintianas, como a do Campeonato Brasileiro de 2011 e da Copa Libertadores de 2012, até a inauguração da Arena Corinthians.[192][193]

CT Joaquim Grava

Ver artigo principal: CT Joaquim Grava

O centro de treinamento da equipe profissional foi inaugurado em setembro de 2010. Seu nome de batismo é uma homenagem ao médico Joaquim Grava, principal idealizador do projeto. O CT corintiano é considerado um dos mais modernos do mundo.[194] Ele foi utilizado pela Seleção Iraniana durante a Copa do Mundo em 2014.[195]

Ao lado do CT Joaquim Grava, o Corinthians pretende construir um centro de treinamento para os atletas formados na base. O projeto prevê três campos oficiais (105x68m) com grama natural e um campo menor de grama sintética, um alojamento para 152 atletas e ainda refeitório e cozinha, além de uma mini escola com duas salas de aula e um auditório.[196]

Memorial

Inaugurado em janeiro de 2006, pouco tempo depois da conquista do quarto campeonato brasileiro pelo clube, o Memorial do Corinthians está localizado na sua sede social, no Parque São Jorge. O espaço apresenta a história do time através de vídeos, fotos e espaços que mostram ambientes reais do mundo do futebol.[197] Além das diversas taças expostas, o local possui espaços temáticos para as conquistas do Paulista de 1977, da Libertadores invicta de 2012 e das duas taças do Mundial da FIFA.

Situação financeira

Em 2012, com os títulos da Libertadores e do Mundial, a receita anual corintiana atingiu a expressiva marca de 358 milhões de reais.[198] Em abril de 2015, um relatório oficial revelou que a receita total do Corinthians foi de 258,2 milhões de reais em 2014, uma queda de 18% em relação aos R$ 316 milhões de 2013, e as dívidas do clube atingiram 313 milhões de reais.[199] Se incluídos os débitos para quitar a Arena Corinthians, o endividamento passava de 1 bilhão de reais, valor dez vezes maior de quando Andrés Sanchez assumiu o clube no fim de 2007.[198]

A dívida do Corinthians aumentou drasticamente a partir de 2008, principalmente pelas despesas com futebol profissional (que fez do time do Parque São Jorge aquele que mais gastou com pagamentos de salário e contratações entre 2009 e 2014, com 1,2 bilhão de reais, uma média de 200 milhões por ano), por impostos atrasados entre 2007 a 2010 (o que gerou um débito de 94 milhões de reais para a atual seguinte, de Mário Gobbi, que pôde quitar pouco mais que metade relativa aos impostos sonegados pela gestão Sanchez) e ainda pelo pagamento da construção da Arena Corinthians, que, entre juros e obra, custou 1,15 bilhão de reais.

Apesar do alto endividamento, de 2010 e 2014, o Corinthians foi um dos clubes mais valiosos do futebol brasileiro, liderando o ranking da consultoria BDO por cinco anos consecutivos e sendo o primeiro a ultrapassar a marca de 1 bilhão de reais, chegando em 2014 a 1,2 bilhão.[200][201][202][203] Em 2013, o ranking dos 20 clubes mais valiosos do mundo da revista Forbes colocava o Corinthians na 16ª posição, com renda avaliada no valor de 358 milhões de reais, sendo o único não europeu a constar na lista.[204][205] O Corinthians também liderou o ranking de 2014 dessa mesma revista sobre os 30 clubes mais valiosos da América, sendo avaliado em 579,9 milhões de dólares.[206]

Torcida

Torcida do Corinthians no Pacaembu.

A torcida do Corinthians é chamada carinhosamente de "Fiel". De acordo com uma série de institutos de pesquisas, como Ibope e Datafolha, além da Revista Placar, o Timão possui entre 27 e 33 milhões de torcedores(as) espalhados(as) pelo país, levando-se em conta, nas dadas pesquisas, brasileiros a partir de 10 ou 16 anos de idade,[207] tendo a segunda maior torcida no Brasil, atrás nacionalmente somente do Flamengo.[208] Todavia, pesquisas de abrangência nacional mais recentes apontam um forte crescimento da torcida corintiana nos últimos anos, reduzindo a distância em relação aos rubro-negros cariocas.[21] Pelos dados do Datafolha, em 2014, que considera torcedores(as) a partir de 16 anos de idade (em um universo de 202,9 milhões de brasileiros), são 28,4 milhões de corintianos em todo o Brasil, sendo que na faixa de renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos, o Corinthians lidera com 17,6% dos brasileiros(as), bem acima do Flamengo que possui 10,9% nesta faixa e o São Paulo que possui 9,2% da população mais rica.[209] O crescimento alvinegro é percebido ao comparar a última pesquisa do Ibope, em 2010, que levava em conta torcedores com 10 anos ou mais e estimava 21,7 milhões de alvinegros espalhados pelo país.[207]

Analisando-se desde a primeira pesquisa do Instituto Datafolha, realizada em 1993, até os dias atuais, chega-se à conclusão de que neste período a torcida corintiana foi a única que cresceu consideravelmente entre as equipes do Brasil. Em 1993, o instituto indicou que o Corinthians tinha 10% dos torcedores do país, com margem de erro de dois pontos para mais ou para menos. Ou seja, a equipe do Parque São Jorge teria entre 8% e 12% dos fãs. Já na última pesquisa, em 2014, o clube paulista aparece com 14% dos torcedores. Pela margem de erro, 12% ou 16%. Com esses números, o Corinthians foi o único time que conseguiu crescer acima da margem de erro em relação à primeira pesquisa. Em termos de comparação, o Flamengo tinha 17% em 1993 e 18% em 2014. Portanto, ficou dentro do margem de erro e não apresentou crescimento.[210] Somente no Estado de São Paulo estão concentrados cerca de 15,6 milhões de corintianos, com isso, o time do Parque São Jorge supera o número de torcedores somados de São Paulo e Palmeiras (os seus dois maiores rivais).[211] Outros 13 milhões de "fiéis" estão espalhados pelo resto do Brasil. Os corintianos lideram na região Sudeste.[212][213] Em Minas Gerais, o "Timão" tem 900 mil torcedores e é a terceira maior torcida nesse Estado - atrás somente de Atlético-MG e Cruzeiro.[214] No Sul do país, os corintianos só ficam atrás das torcidas de Grêmio e Internacional, inclusive no Rio Grande do Sul, onde conta com mais de 60 mil torcedores.[21][215][216] No Paraná a presença é grande, estado no qual o Corinthians possui mais de 1,5 milhões de alvinegros.[217][218]

"Bando de Loucos", um dos apelidos da torcida corintiana. (Imagem: Alessandra A.)

Fora das regiões Sul/Sudeste, o Corinthians consolida-se como segundo time mais popular do país.[215] Na soma das regiões Centro-Oeste e Norte, os corintianos também ficam com o segundo posto de torcida mais popular.[215] O mesmo acontece no Nordeste brasileiro.[215] Os corintianos têm forte presença de torcedores em Estados como Pernambuco (segundo pesquisa o Ibope, são quase 700 mil torcedores, que só perdem para os dois times locais: Sport Recife e Santa Cruz; já o Datafolha coloca como a segunda maior torcida do Estado).[219][220] Já no Ceará, o Timão tem mais de 700 mil torcedores e fica atrás de Fortaleza, Ceará e Flamengo.[217][221] Na Bahia, o Corinthians conta com mais de 1,1 milhão de torcedores, sendo superado somente por Bahia, Vitória e Flamengo.[217] No Distrito Federal o Timão possui 122 mil torcedores(as), sendo a terceira maior torcida da região.[222]

Um dos momentos mais marcantes protagonizados por seus torcedores ocorreu em 1976, na semifinal do Campeonato Brasileiro daquele ano, quando dezenas de milhares de corintianos foram ao Rio de Janeiro para assistir ao jogo válido pelas semifinais do Brasileirão, contra o Fluminense, até então conhecido como "A Máquina Tricolor" devido a imensa qualidade de seu escrete, no Estádio do Maracanã. O acontecimento ficou registrado na história como a "Invasão Corintiana".[223] Este também foi o maior público registrado em uma partida envolvendo o alvinegro no maior estádio do Brasil.[224] Outro evento marcante que contou com forte apoio de torcedores corintianos foi o Mundial de Clubes da FIFA de 2012, quando mais de 40 mil "fiéis" foram acompanhar o clube em Yokohama, no Japão.[225][226][227][228][229][230]

O recorde de público nos dois principais estádios do Estado de São Paulo, o Morumbi e o Pacaembu, foram registrados em partidas com a presença do Corinthians. No dia 9 de outubro [231] de 1977, mais de 146 mil pessoas assistiram ao duelo entre Corinthians e Ponte Preta, o segundo das finais do Campeonato Paulista daquele ano, que encerraria o tabu do "Timão" de 23 anos sem títulos oficiais.[232] Pelo Campeonato Brasileiro, o maior público no estádio também é corintiano e a marca foi estabelecida em 6 de maio de 1984, no duelo entre Corinthians e Flamengo, válido pelas quartas-de-final da competição.[233] No Pacaembu, o Corinthians reina soberano com nove dos dez maiores públicos da história do estádio.[234] O recorde de público do Pacaembu foi no clássico entre Corinthians e São Paulo, em 1942, que teve mais de 70 mil espectadores e contava com a estreia do astro Leônidas da Silva pelo time tricolor.[235]

Torcidas organizadas

Torcida Organizada do Corinthians em Florianópolis, Santa Catarina. (Imagem: Alessandra A.)

O Corinthians tem como principais Torcidas Organizadas a Gaviões da Fiel, a Camisa 12, a Pavilhão 9 e a Estopim da Fiel. Fundada em 1969, a Gaviões da Fiel é a maior delas e possui mais de 100 mil sócios.[236][237] Gaviões e Camisa 12 têm rivalidade histórica, pois a segunda nasceu de uma divisão entre diretores da primeira, dois anos depois da fundação dos Gaviões.[238] Hoje, existe uma divisão por razões políticas dentro da própria Gaviões da Fiel. Em jogos do clube como mandante, as quatro maiores torcidas corintianas cantam geralmente suas próprias músicas. As letras cantadas pelos integrantes da Gaviões da Fiel sobressaem-se sobre as demais torcidas uniformizadas, devido ao maior número de integrantes, e costumam ser acompanhadas pelos outros torcedores, normalmente desvinculados a qualquer facção, espalhados pelo estádio.

Fora do estádio, as organizadas têm participado efetivamente da vida político-administrativa do Corinthians, mesmo que por vezes de maneira um tanto radical. Um dos casos mais notórios desta participação ocorreu na queda de Alberto Dualib, na década de 2000, que estava há mais de 15 anos no poder corintiano.[224] Outros episódios já incluíram pressão e até ameaças sobre jogadores, entre os quais hostilidades contra atletas e invasão do Parque São Jorge durante a reapresentação do time após a queda na Copa Libertadores da América de 2000,[239][240] além de um protesto que culminou em agressões contra funcionários e ameaças a atletas em uma invasão ao CT Joaquim Grava em 2014.[241]

Rivalidades

Ver artigo principal: Trio de Ferro

O Corinthians possui uma rica história diante de seus rivais históricos: contra o Palmeiras, São Paulo e Santos, sendo que os dois primeiros mais o Corinthians fazem parte do chamado Trio de Ferro do futebol de São Paulo. O alvinegro paulistano é o único clube brasileiro a decidir títulos do Campeonato Brasileiro e confrontos em Copa Libertadores contra seus principais rivais.

No Campeonato Brasileiro, conquistou seu primeiro título na competição ao derrotar o São Paulo em 1990. Em 1994 e 2002 perdeu o título para Palmeiras e Santos respectivamente.

Pela Copa Libertadores, enfrentou o Palmeiras em seis oportunidades, com três vitórias cada, onde foi eliminado em 1999 e 2000 nas quartas-de-finais e semifinais respectivamente. Diante do Santos, ocorreram dois confrontos em 2012 nas semifinais, com uma vitória Corintiana e um empate. Contra o São Paulo foram dois confrontos em 2015 pela fase de grupos, com uma vitória cada.

Durante o ano de 2014, primeiro ano da nova casa Corintiana, a Arena Corinthians, o Corinthians obteve três êxitos diante dos rivais nos primeiros clássicos em sua arena. Vitória sobre o Palmeiras por 2 a 0,[242] vitória sobre o São Paulo por 3 a 2[243] e vitória por 1 a 0 sobre o Santos.[244] Todos os confrontos válidos pelo Campeonato Brasileiro do respectivo ano.

Derby Paulista

Ver artigo principal: Derby Paulista
Derby 355 entre Corinthians e Palmeiras na Arena Corinthians pelo Campeonato Brasileiro de 2017. Partida válida pela 32° rodada vencida pelo Corinthians por 3 a 2.

O Derby Paulista é o nome do clássico disputado entre Corinthians e Palmeiras, considerado o mais tradicional da capital paulista e uma das maiores rivalidades mundiais. O nome do clássico foi dado pelo jornalista Tommaso Mazzoni, numa referência à mais importante corrida de cavalo do mundo, o Derby de Epsom, no qual sempre foi difícil de apontar o vencedor. Em virtude da clássica corrida de cavalos, o nome Derby acabou sendo identificado mundialmente para os confrontos relevantes em todos os esportes.

Em 6 de maio de 1917, ocorreu o primeiro confronto entre os clubes, onde foi vencido pelo Palmeiras (na época, tinha o nome de Palestra Itália) pelo placar de 3 a 0, partida disputada no estádio Palestra Itália.

Uma das particularidades desta rivalidade, se deve ao fato de ambos os clubes evitarem as cores do rival. O lado do Corinthians evita a cor verde assim como o Palmeiras evita a cor preta em suas dependências, em alusão ao arquirrival.[245]

Os anos de ouro da rivalidade foi na década de 1990, onde decidiram Campeonatos Paulista e o Campeonato Brasileiro de 1994, além dos confrontos épicos pela Copa Libertadores, nos anos de 1999 e 2000, pelas quartas-de-finais e semifinais respectivamente, figurando como uma das rivalidades que mais decidiram no Brasil. [246][247][248]

Rival J V E D GP GC
Palmeiras 355[249] 123 107 125 476 514

Majestoso

Ver artigo principal: Majestoso
Majestoso 325 entre Corinthians e São Paulo na Arena Corinthians pelo Campeonato Brasileiro de 2015. Jogo válido pela 36º rodada com vitória do Corinthians por 6 a 1, com a entrega do troféu de campeão nacional.

O clássico Majestoso é a rivalidade entre Corinthians e São Paulo. O nome do clássico foi idealizado pelo jornalista Tommaso Mazzoni.

O primeiro encontro entre os clubes ocorreu em 25 de maio de 1930, no estádio Parque São Jorge, com vitória do Corinthians por 2 a 1.

O auge da rivalidade, deu início nos anos 90, onde os dois clubes mediram forças pelas semifinais da extinta Copa Conmebol em 1994, semifinais de Campeonatos Brasileiros e decisões de Campeonatos Paulistas. Os grandes duelos se estenderam nos anos 2000, com decisão de Torneio Rio-São Paulo em 2002 e semifinal de Copa do Brasil.

Em decisões, Corinthians e São Paulo decidiram inúmeros Campeonatos Paulistas, a nível nacional decidiram o Campeonato Brasileiro de 1990, já a nível internacional decidiram a Recopa Sul-Americana de 2013. Figurando como a rivalidade brasileira que mais decidiu em números de torneios.[250]

Rival J V E D GP GC
São Paulo 334 125 107 102 485 457

Clássico Alvinegro

Ver artigo principal: Clássico Alvinegro
Clássico 321 entre Corinthians e Santos na Arena Corinthians pelo Campeonato Brasileiro de 2015. Partida válida pela 27º rodada vencida pelo Corinthians por 2 a 0.

O Clássico Alvinegro é disputado entre Corinthians e Santos, o clássico possui este nome em alusão as cores dos dois clubes.

O primeiro duelo entre as equipes ocorreu em 6 de março de 1913, partida realizada no antigo estádio Parque Antarctica, onde a equipe do litoral venceu a equipe da capital por 6 a 3.

Um dos fatos mais marcantes da história desta rivalidade, foram os tabus sem vitórias dos rivais. O Corinthians ficou sem vencer o rival por 11 anos em campeonatos paulistas, enquanto o Santos ficou sem vencer o Corinthians por 7 anos considerando todos os campeonatos.

Em decisões de campeonatos, os alvinegros já decidiram alguns Campeonatos Paulista e decidiram o Campeonato Brasileiro de 2002. Em torneios internacionais se enfrentaram em uma oportunidade, pelas semifinais da Copa Libertadores de 2012 onde o Corinthians avançou para a decisão do torneio.

Rival J V E D GP GC
Santos 327 130 92 105 580 502

Outros confrontos

Títulos oficiais

Troféu do Mundial da FIFA de 2012 exposto no Memorial do Clube. (Imagem: Victor Oliveira)
MUNDIAIS
Competição Títulos Temporadas
Trofeu mundial fifa01.svg Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2 2000Cscr-featured.png e 2012Cscr-featured.png
CONTINENTAIS
Competição Títulos Temporadas
CONMEBOL - Liberators Cup.png Copa Libertadores da América 1 2012Cscr-featured.png
Medical Article Trophy.svg Recopa Sul-Americana 1 2013Cscr-featured.png
NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Cbf brazilian championship trophy 02.svg Campeonato Brasileiro 7 1990, 1998, 1999, 2005, 2011, 2015 e 2017
CBF Brazilian Cup.png Copa do Brasil 3 1995Cscr-featured.png, 2002 e 2009
Supercopa do Brasil.png Supercopa do Brasil 1 1991Cscr-featured.png
B Series Brazilian Championship Trophy.png Campeonato Brasileiro - Série B 1 2008
INTERESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Rio-SãoPaulo.png Torneio Rio-São Paulo 5 1950Cscr-featured.png, 1953, 1954, 1966 e 2002
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Paulista Championship Trophy.png Campeonato Paulista 28 1914Cscr-featured.png, 1916Cscr-featured.png, 1922, 1923, 1924, 1928, 1929Cscr-featured.png, 1930, 1937, 1938Cscr-featured.png, 1939, 1941, 1951, 1952, 1954, 1977, 1979, 1982, 1983, 1988, 1995, 1997, 1999, 2001, 2003, 2009Cscr-featured.png, 2013 e 2017

Cscr-featured.png Campeão Invicto

Estatísticas

Participações

Ver artigo principal: Temporadas do Corinthians
Participações em 2018
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
São Paulo Campeonato Paulista 105 Campeão (28 vezes) 1913 2018
Brasil Campeonato Brasileiro 50 Campeão (7 vezes) 1967 2018 1
Série B/Taça de Prata 2 Campeão (2008) 1982 2008 2
Copa do Brasil 23 Campeão (1995, 2002 e 2009) 1989 2018
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América 14 Campeão (2012) 1977 2018
Copa Sul-Americana 5 Quartas de final (2005) 2003 2017
Recopa Sul-Americana 1 Campeão (2013) 2013 2013
Flag of the United Nations.svg Mundial de Clubes 2 Campeão (2000 e 2012) 2000 2012

Retrospecto em competições oficiais

Retrospecto do Sport Club Corinthians Paulista em competições oficiais de futebol.[251][252]

Última atualização: 08 de dezembro de 2017.

Torneios nacionais e regionais
Competição P T J V E D GP GC
Brasil Campeonato Brasileiro Unificado 50 7 1 368 595 397 376 1 833 1 440
Brasil Copa do Brasil 22 3 138 72 33 33 239 134
São Paulo Campeonato Paulista 105 28 2 513 1 417 620 476 5 137 2 698
São PauloRio de Janeiro Torneio Rio-São Paulo 15 5 219 94 46 79 371 371
Torneios internacionais
Competição P T J V E D GP GC
FIFA Logo (2010).svg Mundial de Clubes da FIFA 2 2 6 4 2 0 8 2
Flags of South American Conmebol Members.gif Copa Libertadores da América 13 1 112 59 26 27 196 111
Flags of South American Conmebol Members.gif Copa Sul-Americana 5 0 20 7 7 6 19 23
Flags of South American Conmebol Members.gif Recopa Sul-Americana 1 1 2 2 0 0 4 1

P Participações, T Títulos, J Jogos, V Vitórias, E Empates, D Derrotas, GP Gols Pró e GC Gols Contra

Maiores artilheiros da história do clube

Jogadores que mais marcaram com a camisa do Corinthians.[253][254]

 
Goleadores
Brasil 1. Cláudio (1945-1957) 305
Brasil 2. Baltazar (1945–1957) 269
Brasil 3. Teleco (1934-1944) 256
Brasil 4. Neco (1913-1930) 236
Brasil 5. Marcelinho Carioca (1994-1997/1998-2001/2006/2010) 206
Brasil 6. Servílio (1938-1949) 200
Brasil 7. Luizinho(1948-1960/1964-1967/1996) 175
Brasil 8. Flávio (1964-1969) 172
Brasil 8. Sócrates (1978-1984) 172
Brasil 10. Paulo (1954-1960) 146

Jogadores que mais vestiram a camisa do clube

Jogadores que mais vezes atuaram com a camisa do Corinthians.[255]

 
Mais Jogos
Brasil 1. Wladimir (1972-1987) 805
Brasil 2. Luizinho (1948-1962 / 1964-1967 / 1996) 606
Brasil 3. Ronaldo (1988-1998) 602
Brasil 4. Zé Maria (1970-1983) 598
Brasil 5. Biro-Biro (1978–1988) 590
Brasil 6. Vaguinho (1971-1981) 551
Brasil 7. Cláudio (1945-1957) 550
Brasil 8. Olavo (1952-1961) 506
Brasil 9. Rivellino (1965-1974) 474
Brasil 10. Idário (1949-1959) 469

Treinadores

Os dez técnicos corintianos que mais comandaram jogos da equipe principal.[256][257][258]
(Última atualização em 20 de maio de 2017)

 
Mais Jogos
Brasil 1. Oswaldo Brandão (1954-1957 / 1964-1966 / 1968 / 1974-1978 / 1980-1981) 435
Brasil 2. Tite (2004-2005 / 2010-2013 / 2015-2016) 378
Brasil 3. Mano Menezes (20082010 / 2014) 248
Brasil 4. Amílcar Barbuy (1915-1920 / 1934-1935 / 1937 / 1943) 239
Brasil 5. Rato (1937 / 1942-1943 / 1951-1954) 227
Brasil 6. Nelsinho Baptista (1990-1991 / 1992-1993 / 1996-1997 / 2007) 192
Brasil 7. Armando Del Debbio (1939-1942 / 1947-1948 / 1963) 178
Brasil 8. Jorge Vieira (1979-1980 / 1983-1984 / 1986-1987) 146
Brasil 9. Vanderlei Luxemburgo (1998 / 2001) 135
Brasil 10. Sylvio Pirillo (1959-1960 / 1974-1975) 124

Ídolos e grandes jogadores

Lista com os ídolos e grandes jogadores da história do Sport Club Corinthians Paulista.[259] [260][261][262][263][264][265][266][267][268][269][270]

Legenda:

Goleiros
Brasil Ado
Brasil Cabeção Prata da casa
Brasil Cássio Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Dida
Brasil Felipe
Brasil Gilmar
Brasil Júlio César Prata da casaFarm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Ronaldo Prata da casa
Brasil Tobias
Brasil Tuffy
Defensores
Brasil Alessandro
Paraguai Balbuena
Brasil Célio Silva Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Chicão
Brasil Del Debbio
Brasil Ditão
Brasil Domingos da Guia Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Édson
Brasil Fábio Luciano
Brasil Fábio Santos
Brasil Fagner
Brasil Felipe
Paraguai Gamarra
Brasil Gil
Brasil Grané
Brasil Henrique
Brasil Homero
Brasil Idário Prata da casa
Brasil Kléber Prata da casa
Brasil Leandro Castán
Brasil Marcelo Prata da casaFarm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Olavo
Brasil Oreco Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Sylvinho Prata da casaFarm-Fresh award star silver 3.png
Brasil William
Brasil Wladimir Prata da casa
Brasil Zé Maria
Meio-campistas
Brasil Alex
Brasil Basílio
Brasil Biro-Biro
Brasil Brandão
Brasil Carbone
Brasil Danilo
Brasil Dino Sani
Brasil Douglas
Brasil Edu Prata da casaFarm-Fresh award star silver 3.png
Brasil Elias
Brasil Ezequiel
Brasil Guimarães
Brasil Jadson
Brasil Luizinho Prata da casa
Brasil Marcelinho Carioca
Brasil Márcio Prata da casa
Brasil Neto
Brasil Paulinho
Brasil Rafael Prata da casa
Brasil Ralf
Brasil Rato Prata da casa
Brasil Renato Augusto Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Ricardinho
Colômbia Rincón
Brasil Rivellino Prata da casaFarm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Roberto Belangero Farm-Fresh award star silver 3.png
Brasil Ruço
Brasil Sócrates
Brasil Tupãzinho
Brasil Vampeta
Brasil Wilson Mano
Brasil Zé Elias Prata da casa
Brasil Zenon
Atacantes
Brasil Amílcar Prata da casa
Brasil Ataliba
Brasil Baltazar
Brasil Casagrande Prata da casa
Brasil Cláudio
Brasil De Maria
Brasil Dentinho Prata da casaFarm-Fresh award star silver 3.png
Brasil Dinei Prata da casa
Brasil Edílson
Brasil Edmar
BrasilCatar Emerson
Brasil Flávio
Brasil Geraldão
Brasil Gil Prata da casa
Brasil Gilmar Fubá Prata da casa
Peru Guerrero Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Prata da casaFarm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Jorge Henrique
BrasilPortugal Liedson Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Luizão
Brasil Neco Prata da casa
Brasil Palhinha
Brasil Paulo Prata da casa
Brasil Paulo Borges
Brasil Romarinho
Paraguai Romero
Brasil Romeu Cambalhota
Brasil Ronaldo Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Servílio
Brasil Teleco
Argentina Tévez Farm-Fresh award star silver 3.png
Brasil Vaguinho
Brasil Viola Prata da casa
Treinadores
Brasil Carlos Alberto Parreira
Brasil Mano Menezes Farm-Fresh award star bronze 3.png
Brasil Osvaldo Brandão
Brasil Tite
Brasil Vanderlei Luxemburgo

Diretoria

Atualizado em 20 de maio de 2017:[271][272][273]

Comissão técnica
Nome Função
Brasil Alessandro Gerente
Equipe Técnica 2017
Nome Função
Brasil Fábio Carille Treinador
Brasil Osmar Loss, Leandro da Silva e Fabinho Auxiliar Técnico
Brasil André Dias Supervisor Técnico
Brasil Mauro Silva Observador Técnico
Brasil Walmir Cruz Preparador Físico
Brasil Fabricio Ramos do Prado, Chien Chan Jr e Fávio Furlan Auxiliar P. Física
Brasil Mauri Costa Lima Treinador de Goleiros
Brasil Dr. Joaquim Grava Consultor Médico
Brasil Dr. Ivan Grava e Dr. Julio Stancati Médico
Brasil Gorgatti, Vieira e Mello Fisioterapeuta
Brasil Luciano Moreira Rosa Analista Biomecânico
Brasil Antonio Carlos Fedato Filho Fisiologista
Brasil Christine Fernanda Machado Neves Nutricionista
Brasil José Messias Motorista
Brasil Alexandro Gonçalves Dias e Cleber Costa de Souza Enfermeiro
Brasil Ceará Massagista
Brasil Sousa, Bueno, Almeida, Miranda e Santos Roupeiro
Brasil Pereira Silva, Vieira Rodrigues, Costa, Nonato e Rodrigues de Souza Segurança
Brasil Dayna Barossi e Denis Ninzoli Assessor de Imprensa
Brasil Daniel Augusto Jr. Fotógrafo
Diretoria
Nome Função
Brasil Roberto de Andrade Presidente
Brasil André Luiz Oliveira Vice-Presidente
Brasil Jorge Kalil Vice-Presidente
Brasil Flávio Adauto Diretor Adjunto de Futebol Profissional
Brasil Carlos Nujud Diretor de Futebol de Base
Brasil Emerson Piovezan Diretor de Finanças
Brasil Jorge Alberto Aun Diretor de Patrimônio
Brasil Adilson Mendes Ferreira Diretor de Esportes Terrestres
Brasil Eduardo Caggiano Freitas Diretor Administrativo
Brasil Oldano Gonçalves de Carvalho Diretor de Esportes Aquáticos
Brasil Luiz Aberto Bussab Diretor de Negócios Jurídicos
Brasil Ronaldo Perrella Rocha Diretor Social
Brasil Fernando Salles Diretor de Marketing
Brasil Donato Votta Diretor Cultural
Brasil Antônio Jorge Rachid Junior Secretário Geral

Elenco atual

Soccerball current event.svg Última atualização: 3 de dezembro de 2017.

Elenco atual do Sport Club Corinthians Paulista[274][275]
N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome
1 G Brasil Matheus Vidotto 16 V Brasil Guilherme Mantuan 31 M Brasil Marquinhos Gabriel
2 LD Brasil Léo Príncipe 17 M Brasil Giovanni Augusto 32 M Brasil Rodrigo Figueiredo
4 Z Paraguai Balbuena 18 A Inglaterra Turquia Kâzım 33 V Brasil Warian
5 V Brasil Gabriel 20 M Brasil Danilo 34 Z Brasil Pedro Henrique
6 LE Brasil Moisés 21 V Brasil Fellipe Bastos 35 A Brasil Carlinhos
7 A Brasil 22 V Brasil Marciel 38 M Brasil Pedrinho
8 V Brasil Maycon 23 LD Brasil Fagner 40 G Brasil Caíque França
10 M Brasil Jadson 25 A Brasil Clayson TBA A Brasil Junior Dutra
11 A Paraguai Romero 26 M Brasil Rodriguinho TBA V Brasil Renê Júnior
12 G Brasil Cássio 27 G Brasil Walter TBA G Brasil Douglas Friedrich
14 Z Brasil Léo Santos 28 V Brasil Paulo Roberto TBA LE Brasil Guilherme Romão
15 Z Brasil Vilson 29 V Brasil Camacho TBA Z Brasil Yago

Técnico: Brasil Fábio Carille

Ranqueamento

No ano de 2012, o Corinthians terminou como o 2º melhor time do Brasil no ranking da CBF, o 3º da América do Sul no ranking da Conmebol e o 5º melhor time do mundo no ranking da IFFHS.[276] No início do ano de 2013, o Timão ultrapassou o badalado Barcelona no ranking da IFFHS, chegando à 4ª posição (sua melhor colocação na história),[277] além de ter assumido a 2ª posição na América do Sul no ranking da Conmebol.[278] No ranking da Folha de S.Paulo, o Corinthians chegou à terceira colocação nacional em 2013.[279] Com o título do Campeonato Brasileiro de 2015, o Corinthians assumiu a liderança no ranking da CBF, alcançando 14664 pontos.[280]

Valor de mercado

De acordo com a empresa BDO RCS Auditores Independentes, a marca do clube é a segunda de maior valor no Brasil, ultrapassando a casa de 1 bilhão de reais, superando o São Paulo (com 878 milhões), ficando atrás apenas do Flamengo (com 1,2 bilhões).[281]

Clubes de futebol homônimos

O Sport Club Corinthians Paulista foi fundado e originado no Corinthian Football Club (atualmente Corinthian-Casuals Football Club), um clube amador de futebol de Londres, Reino Unido.[282][283] A popularidade e a relevância do alvinegro do Parque São Jorge no futebol brasileiro inspiraram o batismo de diversas agremiações esportivas no país e até mesmo fora dele em sua homenagem.

Outras modalidades esportivas

Marco da fundação do clube, no bairro do Bom Retiro, em São Paulo. (Imagem: Alessandra A.)
Conjunto Aquático Mário Xavier no PSJ.

Além do futebol, o Corinthians possuiu, ao longo de sua história, equipes em várias modalidades esportivas. O primeiro título da história do clube não veio do futebol, mas sim do pedestrianismo. Batista Boni, João Collina e André Lepre venceram o troféu Unione Vigiatore Italiani (União dos Viajantes Italianos), oferecido pela colônia italiana no Brasil, em uma corrida de revezamento de dez quilômetros no Palestra Itália. A competição foi vencida pela equipe formada pelos corintianos.[284]

Swimming pictogram.svg Natação

A natação do Corinthians teve início por volta de 1926, sendo praticada no rio Tietê. Na 1960, época em que o futebol da equipe amargava um jejum de títulos importantes, a natação alcançava a maior quantidade de conquistas, vencendo quatro Troféus Brasil de Natação (atual Troféu Maria Lenk), além de competições estaduais.

Títulos
Principais Atletas

Basketball pictogram.svg Basquete

Ginásio Principal, localizado no Parque São Jorge.

A primeira equipe de basquetebol corintiana foi montada em 1928,[26] desde então, o clube angariou tradição no esporte dentro do país, tendo conquistado diversos títulos estaduais, metropolitanos, além de quatro nacionais. No auge do basquete do clube, na década de 1960, a equipe do Parque São Jorge faturou o bicampeonato sul-americano e um vice-campeonato mundial. O Corinthians contou ainda com grandes nomes da história da Seleção Brasileira Masculina, como Wlamir Marques, Rosa Branca, Ubiratan, Amaury e Oscar Schmidt.[285] Atualmente, o departamento de basquete profissional está desativado, e o clube tem competido somente nas categorias de base.[26][285] Em 2015, o Corinthians fez uma parceria com o então bicampeão da Liga de Basquete Feminino Americana, que passou a se chamar Corinthians/Americana.[286]

Títulos (masculino)
Títulos (feminino)

Rowing pictogram.svg Remo

O remo é um dos esportes mais tradicionais do Corinthians, tendo sido implantado oficialmente no ano de 1933, sob presidência de Alfredo Schurig. Na ocasião, o escudo do clube sofreu alterações, com o acréscimo de um par de remos e da âncora, que aparecem no distintivo até hoje, foi acrescentada também uma bóia ao redor do escudo, posteriormente substituída por uma corda. O clube adquiriu 10 barcos de classe usados, do Clube Esperia, e deu início a uma brilhante campanha com inúmeras vitórias e conquistas. Em 1972, foi inaugurada a Raia Olímpica da Cidade Universitária, e o clube criou seu segundo pólo para desenvolver essa modalidade esportiva, aproveitando a nova estrutura, com sua extensa área para treinamento aeróbico e barco escolar. As compras de remergômetros (equipamento que simula o movimento dos remadores, auxilia na preparação física e tomada de tempo para competições nacionais e internacionais), 11 barcos e 56 remos de fibra de carbono vindos da Argentina e dos Estados Unidos, aumentaram a chance competitiva do esporte alvinegro. Atualmente a frota de barcos é de 60 unidades, além da lancha para treinamentos.[27]

Títulos
  • Bandeira do estado de São Paulo.svg Campeonato Paulista : 1965, 1966, 1968, 1972, 1989, 1993
  • Bandeira do estado de São Paulo.svg Campeonato de Remo do Estado de São Paulo (Yole de Frances a 4 Remos) : 1943
  • Bandeira do estado de São Paulo.svg Troféu Bandeirantes: 1967, 1976, 1977, 1980, 1981, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 1999, 2000 e 2001.

Football pictogram.svg Futsal

O Corinthians possui grande tradição no futsal paulista, tendo sido a equipe masculina campeã estadual 9 vezes e campeã metropolitana em 8 oportunidades. O time masculino também se sagrou campeão por duas vezes da Taça Brasil de Futsal.Em 2016 se sagrou campeão da Liga Futsal.

Títulos

Handball pictogram.svg Handebol

O Corinthians montou sua primeira equipe de handebol na década de 1970. Em 1972, o clube tornou-se o primeiro campeão paulista na modalidade feminina, três anos depois, foi a vez da equipe masculina erguer a taça do Campeonato Paulista.[287] No entanto, com o passar dos anos, o clube deixou de investir no esporte e se desligou da Federação Paulista de Handebol. O Corinthians voltou a valorizar o handebol na década de 2000, com a restituição do departamento de handebol feminino e a refiliação à Federação Paulista de Handebol.[288] E embora não tenha atuado na categoria principal do Campeonato Paulista,o clube realiza trabalho nas categorias de base.[287]

Títulos
  • Bandeira do estado de São Paulo.svg Campeonato Paulista de Handebol Masculino: 1975, 1976, 1983 e 1984
  • Bandeira do estado de São Paulo.svg Campeonato Paulista de Handebol Feminino: 1972, 1976, 1977 e 1981

Rugby union pictogram.svg Futebol Americano

Ver artigo principal: Corinthians Steamrollers

O Corinthians Steamrollers é o time de futebol americano do clube, teve início com uma parceria com a Associação Esportiva Steamrollers em 2008. Desde então, a equipe se firmou como uma das principais do país. Entre seus jogadores, o Corinthians Steamrollers contou com o ex-ator Alexandre Frota.[289]

Títulos

Beach soccer pictogram.svg Futebol de Areia

O Corinthians criou a sua equipe de futebol de areia em 2010, ano do centenário do clube.[290] Na primeira edição do Campeonato Brasileiro da modalidade, o time sagrou-se campeão.

Títulos

MMA pictogram.svg MMA

O projeto de MMA do Corinthians foi iniciado em 2011, em parceria com Anderson Silva (campeão dos pesos-médios do Ultimate Fighting Championship.[291]) Além de um centro de treinamento para a prática da modalidade, localizado no Parque São Jorge, o clube conta com um time de lutadores, entre os quais Júnior Cigano.[291][292] Contratado do Corinthians desde agosto de 2011, Anderson Silva rompeu seu contrato com o clube dois anos depois.[293]

Principais Atletas

Rugby union pictogram.svg Rugby

Em 2012, o clube criou a sua primeira equipe adulta masculina de Rugby sevens (modalidade com sete jogadores).[294]

Volleyball (indoor) pictogram.svg Vôlei

O projeto de Voleibol do Corinthians foi iniciado em 2017, em parceria com a Prefeitura de Guarulhos.[295]

Principais Atletas

O Corinthians na cultura popular

Loja oficial Poderoso Timão no Parque São Jorge.
Longametragem "Fiel - O Filme" nas prateleiras da loja "Poderoso Timão".

A importância do Corinthians faz-se presente também em registros culturais no cinema, na música e na literatura.

No cinema, Amácio Mazzaropi homenageou o fiel torcedor com o filme "O Corintiano", de 1966. No século XXI, houve lançamento de documentários importantes sobre o clube. Em 2009 foram lançados "Fiel - O Filme", documentário que retrata a queda e a ascensão do clube, da Série B para a Série A do Campeonato Brasileiro, sob a ótica de seus torcedores,[296][297] e "23 anos em 7 segundos – O fim do jejum corinthiano", documentário que reconstrói o fim dos 23 anos de jejum de títulos importantes do alvinegro.[298][299] Em 2010, ano do centenário do clube, foi lançado "Todo Poderoso: o Filme — 100 Anos de Timão", um documentário com farto material sobre a história do Corinthians.[300][301] Em 2011, foi lançado o documentário de curta metragem "Ser Campeão é Detalhe - Democracia Corinthiana", sobre a Democracia Corintiana.[302] Em 2014, foi lançado Libertados, documentário que conta a conquista inédita e invicta da Copa Libertadores da América de 2012.[303]

Há dezenas de canções que homenageiam o Corinthians como: "Corintiá" de Gilberto Gil, "Amor Branco e Preto" de Rita Lee e Arnaldo Baptista, "Bandeira do Timão" de Elzo Augusto, conhecida pela voz de Germano Mathias, "Gol de Baltazar" pela voz de Elza Laranjeira, "Corinthians do Meu Coração" de Toquinho, "Moda do Corintiano" de Rolando Boldrin, "Corintía, Meu Amor é o Timão" de Adoniran Barbosa e Juvenal Fernandes, "Homenagem Rubro-Negra" de Jorge Ben, conhecida também como "Joga Corinthians" e popularizada na voz de Wilson Simonal, "Quebra de Tabu" de Tião Carreiro e Pardinho, "Melô do Corinthians" de Ndee Naldinho, "Corinthians, Campeão do Centenário" na voz de Jamelão, "Samba do Corinthians" e "Transplante Corintiano" ambas de Sílvio Santos, "Meus 20 anos Ai, Corinthians!" de Paulinho Nogueira, "O Corinthians dando olé" de Caju & Castanha, "Corintiano" de Oswaldinho do Acordeon, "Corinthians e Palmeiras" nas vozes de Lourenço e Lourival, "O Grito da Fiel" na voz de Márcio José, "Nação Corinthiana" de Carlinhos Vergueiro, "Festa Corintiana" de Simone Guimarães e Sócrates, "Garra Corintiana" de Branca di Neve, "IV Centenário" de Alfredo Borba, conhecida na voz de Orlando Ribeiro, "Sou Corinthians" de Rappin Hood e Negra Li. Negra Li também gravou a canção "Sou Fiel", tema do documentário Fiel - O Filme, composta por Rita Lee e Carlos Rennó.

Há ainda uma série de livros sobre o clube, entre os quais, "Corinthians: É Preto no Branco", de Washington Olivetto e Nirlando Beirão,[304] "Corinthians: Paixão e Glória", de Juca Kfouri, "Corinthians - 100 Anos de Paixão" de Marco Piovan e Newton Cesar, "Corinthians : o Time da Fiel" de Orlando Duarte e João Bosco Tureta, "Timão 100 Anos" e "Os Dez Mais do Corinthians" ambos de Celso Unzelte. Na literatura de ficção, destaca-se o conto "Corinthians (2) vs. (1) Palestra", presente no livro Brás, Bexiga e Barra Funda,[305] de Antônio de Alcântara Machado.[306]

Livros sobre o Corinthians
  • Citadini, Roque. (2001) Neco, o primeiro ídolo. São Paulo. Editora Geração.
  • Edmar, J. (2003) Corinthians, uma paixão em prosa e verso. São Paulo. Edição de Autor.
  • Goldim, Nailson. Corinthians, paixão do povo. São Paulo. Editora Global.
  • Kfouri, Juca. (2002) Corinthians, paixão e glória. São Paulo. Editora DBA.
  • Kfouri, Juca. (1983) A emoção Corinthians. São Paulo. Editora Brasiliense.
  • Duarte, Marcelo. (2007) O dia em que me Tornei... Corintiano. São Paulo. Editora Panda Books.
  • Nalesso, Renato e Bosto, Fabricio. (2002) Eterno Xodó - A verdadeira história de Neto, um dos mais irreverentes e polêmicos ídolos do futebol brasileiro. Rio de Janeiro. Editora Grypus.
  • Pugliese, Osvaldo Pacoal. (1999) Sai da Rua, Roberto! A verdadeira história de um dos maiores jogadores de futebol do mundo. Rivellino. São Paulo. Editora Master Books.
  • Olivetto, Washington. (2009) Corinthians X Outros: Os melhores nossos Contra os Menos Ruins Deles. São Paulo/Lisboa. Editora Leya.
  • Arns, Paulo Evaristo. (2004) Corintiano Graças a Deus. São Paulo. Editora Planeta do Brasil.
  • Lalau. (2010) Fiel - 100 anos. São Paulo. Editora Panda Books.
  • Ziraldo. (2009) Todo-Poderoso Timão em quadrinhos. São Paulo. Editora Globo.
  • Groisman, Serginho. (2008) Meu Pequeno Corintiano. Caxias do Sul. Editora Belas-Letras.
  • Ramos, Luís Carlos. (2001) Vicente Matheus: quem sai na chuva é para se queimar. São Paulo. Editora Brasil.
  • Unzelte, Celso Dario. (2000) Almanaque do Timão. São Paulo. Editora Abril.
  • Unzelte, Celso Dario. (2005) Almanaque do Corinthians. 2ª Edição. São Paulo. Editora Abril.

Ver também

Notas

  1. Desde 2006, a diretoria do Corinthians resolveu adotar a alcunha "corinthiano", com a letra "h". No entanto, a forma vai contra a Reforma Ortográfica de 1943, que eliminou a letra "h" de uma série de palavras, como exemplo, "Christo", "triumpho", "pharmácia", "Nitheroy", "athético". Uma exceção foi "Bahia", que não mudou para preservar a tradição, embora o adjetivo (que não é nome próprio) não goza da mesma prerrogativa e teve que seguir o padrão da nova norma culta da língua, ou seja, quem nasce na "Bahia" é "baiano(a)", sem h. O mesmo princípio vale para o gentílico do clube de futebol Corinthians, ou seja, "corintiano(a)", sem "h". Embora não exista "th" na língua portuguesa, é permitido o seu uso em nomes próprios (como "Thiago", "Thomaz", "Theresa", etc), bem como o nome próprio "Corinthians" é válido, porém, qualquer palavra derivada dele - corintiano, corintianismo etc - deve seguir a norma culta, ou seja, sem a letra "h". Os meios de comunicação e a comunidade acadêmica adotam a norma culta e a Reforma Ortográfica de 1943.
  2. Na verdade, o Corinthians perdeu quatro partidas, mas a derrota por 6–3 diante do Santos foi desconsiderada da classificação final, assim como os demais jogos do time da Baixada Santista, porque o Santos abandonou o campeonato meses após seu início.
  3. Para a classificação final, foram desconsiderados os resultados que envolviam o Germânia e o Hydecroft - equipes que abandonaram a competição. Contra ambas, vitórias corintianas por 3–1 e 4–1, respectivamente
  4. Considerado um "ex-aliado" de Alberto Dualib e Kia Joorabchian, Sanchez havia deixado o cargo que ocupava naquela administração e se tornado um opositor tanto do então presidente.[106]
  5. A partida decisiva no Pacaembu ficou marcada por equívocos de arbitragem do paraguaio Carlos Amarilla. Não foi a primeira vez que um jogo apitado pelo paraguaio envolvendo o Corinthians na Libertadores da América culminou em prejuízos ao clube brasileiro. Na partida de ida contra o River Plate, em Buenos Aires, válida pelas oitavas-de-final do torneio de 2006, Amarilla anulou gol legítimo do corintiano Carlos Tevez (o juiz apitou impedimento), expulsou injustamente o corintiano Mascherano (o juiz marcou falta inexistente do volante em Gallardo e aplicou o segundo cartão amarelo), e marcou um escanteio duvidoso para o River Plate que originou o terceiro gol dos argentinos.[126][127][128]
  6. Teve 62 601 durante a Copa de 2014[170]
  7. O projetista prometia "um estádio que iria ajudar os torcedores, que poderia ajudar a equipe a vencer as partidas, eu queria fazer os torcedores chegarem em campo."[178] Aníbal liderou uma equipe de 25 arquitetos.[179]

Referências

  1. Esportes Terra. «Dados gerais sobre o Corinthians». Google. Consultado em 6 de fevereiro de 2009 
  2. a b «Laudo de Prevenção e Combate de Incêndio - Arena Corinthians» (PDF). Federeção Paulista de Futebol. Consultado em 11 de julho de 2015 
  3. CDN.CBF.com.br. «CNEF-Cadastro Nacional de Estádios de Futebol» (PDF). Consultado em 13 de julho de 2015 
  4. Roberto de Andrade é o novo presidente do Corinthians
  5. [1]
  6. Gazeta Esportiva. «Corinthians anuncia escola de inglês como novo patrocinador». Consultado em 19 de fevereiro de 2017 
  7. Istoé. «Corinthians acerta patrocínio e terá faculdade no Parque São Jorge e no Itaquerão». Consultado em 21 de maio de 2017 
  8. Globo Esporte. «Corinthians mostra novo patrocínio e diretor projeta renovação com a Caixa». Consultado em 24 de março de 2017 
  9. Meu Timão. «VEJA COMO PODE FICAR O NOVO PATROCÍNIO DO CORINTHIANS 'ALCATEL'». Consultado em 16 de março de 2017 
  10. Meu Timão. «CORINTHIANS FECHA DOIS NOVOS PATROCINADORES; ESTREIA CONTRA O FLAMENGO». Consultado em 29 de julho de 2017 
  11. «Agência Corinthians». Consultado em 10 de setembro de 2016 
  12. [2]
  13. CORINTHIANS ANUNCIA PARCERIA COM SERVIÇO DE STREAMING DE MÚSICA
  14. Confederação Brasileira de Futebol (13 de dezembro de 2016). «RNC - Ranking Nacional dos Clubes 2017» (PDF). Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 16 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 20 de dezembro de 2016 
  15. Site oficial. «Esportes do Corinthians». Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  16. «TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década» 
  17. «Campeões do Campeonato Brasileiro Série A»  - Sítio oficial da Confederação Brasileira de Futebol
  18. «Campeões da Copa do Brasil»  - Sítio oficial da Confederação Brasileira de Futebol
  19. «Como a Fiel abraçou o Timão na fila»  - Jornal da Tarde, 25 de abril de 2010
  20. «Ranking das torcidas: Fla se mantém no topo, e Corinthians segue na cola»  - Globoesporte.com, 27 de agosto de 2014
  21. a b c Lance!. «Com dados exatos, Fla bate Timão, e Flu supera fácil a Lusa em pesquisa». Consultado em 18 de dezembro de 2012 
  22. Globo Esporte. «Timão lidera pesquisa de torcidas no Sudeste: 20,3%, contra 15,6% do Fla». Consultado em 1 de setembro de 2014 
  23. «Pesquisa aponta Flamengo como maior torcida do mundo; Corinthians tem a 4ª maior» 
  24. «Rankings - 10 maiores torcidas do mundo | EstadioVip - Futebol brasileiro e mundial». EstadioVip. Consultado em 13 de julho de 2015 
  25. «Modalidades Esportivas»  - Sport Club Corinthians Paulista]
  26. a b c Basquete - Sport Club Corinthians Paulista
  27. a b Remo - Sport Club Corinthians Paulista
  28. «Corinthians: como tudo começou»  - Veja São Paulo, 05 de maio de 2010
  29. «Corinthian-Casuals: 100 anos depois, orgulho por batizar um gigante»  - GloboEsporte.com, 16 de agosto de 2010
  30. «TIME QUE INSPIROU O CORINTHIANSSONHA COM JOGO NO BRASIL» (PDF)  - O Estado de S. Paulo, 15 de agosto de 2010
  31. «Corinthians: Como tudo começou...»  - Corinthians.com
  32. Futpédia GE. «Campeonato Paulista 1913 LPF - futpédia». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  33. a b «Inédito, histórico, marcante: os títulos que desataram um nó na garganta do corinthiano»  - Site oficial, 1 de setembro de 2013
  34. «Campeonato Paulista 1914 LPF - RSSSF Brasil» 
  35. «Suplemento Especial - Paulistão - Diário da Região (São José do Rio Preto), 14 e janeiro de 2007» (PDF) 
  36. Veja SP. «97 anos de história - Veja São Paulo, 2007» 
  37. «La storia del Toro: il primo scudetto La Stampa, 18 de fevereiro de 2009» 
  38. «1921: José Castelli, o Rato, estreia no Corinthians»  - Lance!, 05 de junho de 2010
  39. «1963: O adeus do vitorioso de Del Debbio»  - Lance!, 17 de julho de 2010
  40. a b «1928: Satanás, ídolo e muralha corintiana»  - Lance!, 12 de junho de 2010
  41. «1932: Grané, o canhão do Timão»  - Lance!, 16 de junho de 2010
  42. «Teleco fez mais gols do que jogos pelo time»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  43. «1934: Teleco, o corintiano melhor do que Pelé!»  - Lance!, 18 de junho de 2010
  44. «1935: Mestre Brandão, ídolo corintiano esquecido»  - Lance!, 19 de junho de 2010
  45. «1938: Corinthians 'ajuda' o rival São Paulo»  - Lance!, 22 de junho de 2010
  46. «1948: O pequeno grande ídolo do Timão»  - Lance!, 02 de julho de 2010
  47. «Luizinho foi apelidado de 'Pequeno Polegar' por dribles»  - Veja São paulo, 05 de maio de 2010
  48. «1955: Idário, o Deus da Raça corintiana»  - Lance!, 09 de julho de 2010
  49. «1945: Chega ao Corinthians o 'Cabecinha de Ouro'»  - Lance!, 29 de junho de 2010
  50. «Baltazar foi eleito craque mais querido e virou até samba»  - Veja São Paulo, 05 de maio de 2010
  51. Tardes de Pacaembu. «Carbone...o artilheiro do ataque dos 103 gols.». 14 de fevereiro de 2013. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  52. «1947: Cláudio, o maior artilheiro da História do Corinthians»  - Lance!, 1 de julho de 2010
  53. «Cláudio é o maior artilheiro do time»  - Veja São Paulo, 05 de maio de 2010
  54. «1952: o melhor de todos os goleiros do Corinthians»  - Lance!, 06 de julho de 2010
  55. «Gilmar é considerado o melhor goleiro do time»  - Veja São Paulo, 05 de maio de 2010
  56. a b «1954: Corinthians campeão do IV Centenário»  Lance!, 8 de julho de 2010
  57. «Corinthians 100 anos | Eterna paixão». radioglobo.globoradio.globo.com. Consultado em 12 de julho de 2015 
  58. «Corinthians disputa no Japão o torneio mais distante da sua sede»  - Folha de Sao Paulo, 11 de dezembro de 2012
  59. «1953: Pela primeira vez, o Corinthians conquista o mundo»  - Lance!, 07 de julho de 2010
  60. «IV Centenário de São Paulo». Editora Abril. Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  61. «- Década de 1950»  - CBN (Corinthians - 100 Anos de Glória), 02 de agosto de 2014
  62. «1959: A era Vicente Matheus no Corinthians»  - Lance!, 13 de julho de 2010
  63. «1961: O ano do Corinthians 'Faz-me rir'»  - Lance!, 15 de julho de 2010
  64. «1960: O primeiro cinquentenário do Corinthians»  - Lance!, 14 de julho de 2010
  65. a b «1966: Um 'mané' corintiano»  - Lance!, 20 de julho de 2010
  66. «Centenário - 1964: Preliminar de sucesso para os corintianos»  - Lance!, 18 de julho de 2010
  67. «1965: Há dez anos na fila, Corinthians lança Rivellino»  - Lance!, 19 de julho de 2010
  68. a b «Rivellino ficou conhecido por sua bomba de perna esquerda»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  69. «1962: Timão alcança vitórias no longo tabu»  - Lance!, 16 de julho de 2010
  70. «1968: Paulo Borges, o corintiano libertador do tabu»  - Lance!, 22 de julho de 2010
  71. «1970: Super Zé: o rei da raça no Corinthians»  - Lance!, 24 de julho de 2010
  72. «Zé Maria iniciou jogada do gol que deu fim ao jejum de títulos»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  73. «1971: Vaguinho, o eterno camisa 7 do Corinthians»  - Lance!, 25 de julho de 2010
  74. «1975: Geraldão chega ao Corinthians para ser artilheiro»  Lance!, 29 de julho de 2010
  75. «1972: Wladimir, o recordista de jogos no Corinthians»  - Lance!, 26 de julho de 2010
  76. «Corinthians: a raça de Wladimir veste a 4»  - Veja São Paulo, 05 de maio de 2010
  77. «1976: Torcida corintiana invade o Maracanã»  - Lance!, 30 de julho de 2010
  78. «1980: Palhinha, craque se despede do Timão 3 de agosto»  - Lance!, 03 de agosto de 2010
  79. «Basílio foi o herói do título que encerrou jejum»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  80. «1977: Basílio faz o gol mais importante da História do Timão»  - Lance!, 13 de julho de 1977
  81. a b c «1982: Sócrates: O Doutor da Fiel»  - Lance!, 05 de agosto de 2010
  82. «Sócrates foi líder da Democracia Corintiana»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  83. «1978: Biro-Biro, melhor que Maradona?»  - Lance!, 02 de agosto de 1978
  84. «Biro-Biro entrou para a história como curinga do time»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  85. «1979: Presidente adia o Paulistão e Timão elimina rival»  - Lance!, 02 de agosto de 2010
  86. «1981: Um tradicional camisa 10 chega ao clube»  - Lance!, 04 de agosto de 2010
  87. «Queda para a "Série B" em 1982». Globo Esporte. Consultado em 3 de dezembro de 2007 
  88. Revista Mundo Estranho. «O que foi a Democracia Corintiana?». Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  89. «Casagrande também liderou a Democracia Corintiana»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  90. «1984: Sócrates se despede e Timão se classifica no Brasileirão»  - Lance!, 07 de agosto de 2010
  91. a b «1985: Corinthians monta a "Seleção de papel"»  - Lance!, 08 de agosto de 2010
  92. «1986: Wilson Mano, o 12° titular do Corinthians»  - Lance!, 09 de agosto de 2010
  93. «1987: Corinthians lança zagueiro Marcelo Djian»  - Lance!, 10 de agosto de 2010
  94. «Ronaldo alcançou marca de 600 jogos como goleiro do time»  - Veja São Paulo, 5 de maio de 2010
  95. «1988: Meninos do Parque, o Corinthians formando ídolos 11 de agosto de 2010»  - Lance!, 11 de agosto de 2010
  96. esportes.terra.com.br (16 de dezembro de 2008). «Corinthians comemora 18 anos de 1º título brasileiro - Portal Terra, 16 de dezembro de 2008». Gazeta Press. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  97. Futpédia GE (13 de dezembro de 1990). «São Paulo 0 x 1 Corinthians - Campeonato Brasileiro de 1990 - Futpédia, GloboEsporte.com». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  98. «Títulos». Corinthians.com.br. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  99. CBN – Globo Rádio. «Parcerias: dinheiro, títulos e crises, muitas crises». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  100. Roque Citadini. «Blog do Citadini sobre as parcerias do clube». Consultado em 13 de maio de 2007 
  101. «2000: O mundo é do Corinthians»  - Goal, 23 de agosto de 2010
  102. Sport Club Corinthians Paulista. «CAMPEÃO MUNDIAL, SIM!». Consultado em 4 de fevereiro de 2012 
  103. Campeões do Futebol. «SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA CAMPEÃO MUNDIAL DA FIFA». Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  104. UOL Esportes. «O melhor...também do mundo». Consultado em 24 de fevereiro de 2009 
  105. IG. «Com a saída de Dualib, encerra-se a fase negra do Corinthians». Consultado em 1 de outubro de 2008 
  106. Fábio Hecico; Martín Fernandez (9 de outubro de 2007). «Andrés Sanchez é o novo presidente do Corinthians». Estadão. Consultado em 25 de abril de 2011 
  107. «Para Nelsinho, Corinthians foi rebaixado em casa». Estadão. 2 de dezembro de 2007. Consultado em 25 de dezembro de 2011 
  108. «Série B comemora rebaixamento do Corinthians». Terra.com.br. 3 de dezembro de 2009. Consultado em 25 de abril de 2011 
  109. «Corinthians: Mano explica frase estratégica de sua apresentação». Gazeta Press. 26 de outubro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2011 
  110. «Por título da Copa do Brasil, Corinthians analisa fracassos de rivais». Folha de S.Paulo. 11 de junho de 2008. Consultado em 12 de maio de 2008 
  111. «Torcedores do Sport festejam perto do hotel do Corinthians, em Recife». Folha de S.Paulo. 12 de junho de 2008. Consultado em 12 de maio de 2008 
  112. Milton Pazzi (8 de novembro de 2008). «Corinthians vence o Criciúma e é campeão da Série B». Estadão. Consultado em 12 de maio de 2011 
  113. Lancenet.com.br. «É penta! Timão segura o empate com o Verdão e confirma título brasileiro». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  114. «Emerson lidera, e Corinthians conquista a Libertadores pela 1ª vez». Folha de S. Paulo. 4 de julho de 2012. Consultado em 5 de julho de 2012 
  115. Alexandre Lozetti (4 de julho de 2012). «Vai, Corinthians! Sheik decide contra o Boca, e a Libertadores é alvinegra». GloboEsporte.com. Consultado em 5 de julho de 2012 
  116. «O MUNDO É DOS LOUCOS: TIMÃO BATE O CHELSEA E LEVA O BI MUNDIAL». GloboEsporte.com. 16 de dezembro de 2012. Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  117. «Guerrero se consagra, Corinthians derrota o Chelsea por 1 a 0 e é bicampeão mundial». UOL Esporte. 16 de dezembro de 2012. Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  118. «Embalado pela Fiel, Timão 'Guerrero' bate o Chelsea e é bicampeão mundial». Lance!. 16 de dezembro de 2012. Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  119. «Timão impede tetra do Santos e volta a ser Todo Poderoso do Paulistão»  - Globoesporte.com, 20 de maio de 2013
  120. «É campeão! Corinthians vence o São Paulo e fatura o título da Recopa»  - Lance.net, 17 de julho de 2013
  121. «TODO PODEROSO, TIMÃO LEVA RECOPA E AFUNDA O EX-SOBERANO SÃO PAULO»  - Globoesporte.com, 17 de julho de 2013
  122. «Título inválido» 
  123. «COMBINAÇÃO FATAL DO BOCA JUNIORS E ERROS DO ÁRBITRO ELIMINAM TIMÃO». GloboEsporte.com. 15 de maio de 2013. Consultado em 15 de maio de 2013 
  124. «Erros do árbitro e Riquelme decisivo fazem Boca acabar com sonho do bi corintiano». UOL Esporte. 15 de maio de 2013. Consultado em 15 de maio de 2013 
  125. «Timão é prejudicado por arbitragem, empata com o Boca e está eliminado». Lance!. 15 de maio de 2013. Consultado em 15 de maio de 2013 
  126. «Árbitro de queda para Boca errou contra Corinthians na Libertadores 2006»  - iG, 17 de maio de 2013
  127. «Ninguém sai neste ano, diz Kia»  - Folha de S.Paulo, 28 de abril de 2006
  128. «Carlos Amarilla se ganó la roja en Ecuador»  - Diario El Comercio (Equador), 12 de setembro de 2012
  129. «Corinthians reclama de arbitragem e imagens confirmam erros. Assista!»  - Sportv, 16 de maio de 2013
  130. «Gobbi pede desculpas à Fiel e ataca arbitragem: 'Eles nos fizeram perder'»  - Globoesporte.com, 16 de maio de 2013
  131. «Cartola corintiano diz que juiz devia apanhar e vê placar "encomendado"»  - UOL Esporte, 16 de maio de 2013
  132. «Paulo André dispara: 'Queria mandar o Amarilla para aquele lugar'»  - Sportv, 16 de maio de 2013
  133. «Pato perde pênalti com cavadinha, Grêmio vence o Corinthians e vai à semi». UOL Esporte. 24 de outubro de 2013. Consultado em 10 de dezembro de 2013 
  134. Dassler Marques (14 de Novembro de 2013). «Corinthians decide por Mano Menezes para 2014 e põe fim à era Tite». Terra. Consultado em 25 de março de 2014 
  135. BBC Brasil (18 de maio de 2014). «Itaquerão é inaugurado envolto em polêmicas: saiba quais são». g1. Consultado em 16 de outubro de 2014 
  136. a b Lancepress! (19 de maio de 2014). «Figueirense supera Timão e estraga a festa do primeiro jogo oficial na Arena». Lance!. Consultado em 2 de junho de 2014 
  137. Relatório
  138. Carlos Augusto Ferrari (23 de março de 2014). «Romarinho brilha, Corinthians dá adeus e rebaixa o Atlético Sorocaba». Globoesporte.com. Consultado em 25 de março de 2014 
  139. ESPN.com.br (16 de outubro de 2014). «Atlético-MG consegue goleada heroica e elimina o Corinthians na Copa do Brasil». ESPN.com.br. Consultado em 16 de outubro de 2014 
  140. «Tite assina por três anos e confirma retorno ao Corinthians em 2015». 15 de dezembro de 2014. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  141. «Palmeiras vence Corinthians nos pênaltis e vai à final do Paulistão». 19 de abril de 2015. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  142. «Corinthians perde pela segunda vez em Itaquera e cai na Libertadores». 14 de maio de 2015. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  143. «Santos faz valer DNA, elimina o rival Corinthians e avança na Copa do Brasil». 26 de agosto de 2015. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  144. «Campeão! Corinthians empata com o Vasco e, enfim, é hexa do Brasileirão». 20 de novembro de 2015. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  145. «Corinthians perde o controle do time e não sabe quem terá para 2016». 7 de janeiro de 2016. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  146. «Corinthians anuncia saída e confirma Tite como novo treinador da Seleção». 15 de junho de 2016. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  147. «Nos pênaltis, Corinthians perde do Audax e é eliminado do Paulista». 23 de abril de 2016. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  148. «Corinthians perde pênalti, empata com Nacional (URU) e chega à quinta eliminação em Itaquera». 5 de maio de 2016. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  149. «Cruzeiro derrota Corinthians por 4 a 2 e está na semifinal da Copa do Brasil». 19 de outubro de 2016. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  150. «De virada, Cruzeiro bate o Corinthians e tira o rival paulista da Libertadores». 11 de dezembro de 2016. Consultado em 11 de dezembro de 2016 
  151. «São Paulo vence Corinthians nos pênaltis e é campeão da Florida Cup». 21 de janeiro de 2017. Consultado em 11 de maio de 2017 
  152. «Pênaltis em Itaquera, já era. Inter elimina Corinthians na Copa do Brasil». 20 de abril de 2017. Consultado em 11 de maio de 2017 
  153. «Corinthians empata sem gols e está eliminado da Copa Sul-Americana». 20 de setembro de 2017. Consultado em 17 de novembro de 2017 
  154. «Jô marca duas vezes, Corinthians bate Fluminense e vence título pela 7ª vez». 15 de novembro de 2017. Consultado em 17 de novembro de 2017 
  155. a b c d e f «Do bege ao roxo, Timão conserva história com seu manto alvinegro»  - GloboEsporte.com, 18 de agosto de 2010
  156. «A primeira camisa do Corinthians era bege?»  - Veja São Paulo, 16 de abril de 2008
  157. «1920: Maior goleada! Corinthians 11 x 0 Santos»  - Lance!, 4 de junho de 2010
  158. «1946: Timão joga pela primeira vez com números nas camisas»  - Lance!, 30 de junho de 2010
  159. «Especial do Centenário: Homenagem grená em 1949»  - 03 de julho de 2010
  160. «A Camisa do Centenário corintiano será bege e branca.»  - GloboEsporte.com, 28 de agosto de 2010
  161. a b c d e f g «1913: Nasce o Mosqueteiro corintiano»  - Lance1, 28 de maio de 2010
  162. «1914 - O primeiro título e o primeiro ídolo»  - Lance!, 29 de maio de 2010
  163. Corinthians.com.br. «Identidade». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  164. a b c «1929: A primeira vitória internacional do Corinthians»  - Lance!, 13 de junho de 2010
  165. a b c «1926: Timão compra o Parque São Jorge»  - Lance!, 10 de junho de 2010
  166. O Estado de S. Paulo, 9 de dezembro de 2012. «Corinthians renova com a Nike» 
  167. Suzana Singer (23 de outubro de 2011). «Ombudsman: Fúria corintiana». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de maio de 2014 
  168. Vera Guimarães Martins (18 de maio de 2014). «Ombudsman: A revolta do batismo». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de maio de 2014 
  169. a b «O Projeto». 20 de junho de 2013. Consultado em 20 de junho de 2013 
  170. «Arena de São Paulo - São Paulo». FIFA.com. Consultado em 19 de junho de 2014 
  171. Paulo Favero (17 de fevereiro de 2015). «Corinthians declara que estádio tem custo total abaixo de R$1 bilhão». O Estado de São Paulo. Consultado em 26 de março de 2016 
  172. Msrcelo Braga (21 de abril de 2014). «Arena Corinthians supera R$ 1 bilhão, e novo empréstimo deve ser tomado». G1. Consultado em 12 de julho de 2014 
  173. «Match Report: Netherlands - Argentina» (em inglês). FIFA.com. 9 de julho de 2014. Consultado em 9 de julho de 2014 
  174. Osram. «Por que o estádio do Corinthians tem a melhor iluminação do mundo?». Consultado em 28 de junho de 2015 
  175. Yahoo Esportes. «Os muitos estádios do Corinthians». Consultado em 6 de fevereiro de 2009 
  176. Globo esporte. «Projeto Fielzão chega ao fim». Consultado em 6 de fevereiro de 2009 
  177. name="NOVO-ESTADIO/GLOBOESPORTE-2010-AGO-29">[3]
  178. «Corinthians só poderá usar Fielzão em 2015, diz arquiteto do estádio». 7 de julho de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  179. «Itaquerão, o estádio da abertura da Copa». 25 de agosto de 2013. Consultado em 25 de agosto de 2013 
  180. «LEI N.o 8851, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1978» (PDF). 26 de dezembro de 1978. Consultado em 20 de junho de 2013 
  181. Veja (19 de julho de 2011). «Corinthians oficializa custo do Itaquerão: R$ 820 milhões». Veja. Consultado em 23 de abril de 2014 
  182. «Corinthians declara que estádio tem custo total abaixo de R$1 bilhão». Estadão. 17 de fevereiro de 2015. Consultado em 1 de abril de 2016 
  183. «Metrô e trem vão dar conta de esvaziar Itaquerão em meia hora, diz Alckmin». 21 de outubro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 
  184. «'Expresso da Copa' leva 17 minutos do centro ao Itaquerão». 28 de novembro de 2012. Consultado em 20 de junho de 2013 
  185. Eduardo Ohata; Martín Fernandez (5 de novembro de 2010). «Reunião decide hoje o Itaquerão». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  186. Andrea Licht (27 de novembro de 2012). «Ambev e Odebrecht ampliarão o Itaquerão para abertura da Copa». Valor Econômico. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  187. «Foram acionados os refletores dos setores leste e oeste, num total de 212 unidades, cada uma com 2 000 watts de potência». 24 de fevereiro de 2014. Consultado em 24 de fevereiro de 2014 
  188. «Arquibancadas provisórias da Arena Corinthians começam a ser retiradas». iG. 10 de julho de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  189. «Corinthians encerra retirada de arquibancadas provisórias na Arena». Globoesporte.com. 30 de outubro de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  190. «Arena Corinthians vira sede no futebol, e venda de ingressos é prorrogada». GloboEsporte.com. 30 de abril de 2015. Consultado em 1 de maio de 2015 
  191. Lance! (24 de junho de 2010). «1940: A primeira partida do Corinthians no Pacaembu». Lance!Net. Consultado em 19 de julho de 2014 
  192. a b c d João Pontes (25 de agosto de 2012). «Após boicote, Corinthians ganhou todos os jogos contra o São Paulo no Pacaembu». iG. Consultado em 19 de julho de 2014 
  193. Lance! (6 de maio de 2013). «Presidente diz que Corinthians só joga como mandante no Pacaembu». Folha.com. Consultado em 19 de julho de 2014 
  194. [4] - Globo.com, 17 de setembro de 2010
  195. «Irã treina de azul, e Corinthians fala em 'coincidência' após uniforme verde». 5 de junho de 2014. Consultado em 19 de julho de 2014 
  196. [5] - Lancenet.com.br, 27 de dezembro de 2012
  197. [6] - Corinthians
  198. a b Breiller Pires (3 de fevereiro de 2015). «Caso Corinthians: de "mais rico do mundo" a mais endividado do Brasil». Placar. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  199. Raphael Ramos (Agência Estado) (12 de abril de 2015). «Conselho do Corinthians analisa contas de Gobbi». Yahoo!. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  200. Globo Esporte. «Líder do ranking, Corinthians vê valor de marca subir R$ 127, 3 mi em 2014». Consultado em 31 de julho de 2014 
  201. Globo Esporte. «O valor das marcas 2013». Consultado em 14 de maio de 2013 
  202. G1. «Valor da marca Corinthians quebra barreira de R$ 1 bi e bate recorde». Consultado em 16 de julho de 2012 
  203. G1. «Corinthians, The Only Billionaire Soccer Club In Brazil». Consultado em 18 de julho de 2012 
  204. Forbes. «Corinthians, The Most Valuable Soccer Team Outside of Europe». Consultado em 17 de abril de 2013 
  205. Globoesporte.com. «Timão é único não europeu em lista dos 20 mais valiosos da Forbes». Consultado em 17 de abril de 2013 
  206. Vinicius Lordello (5 de dezembro de 2014). «Corinthians é o clube mais valioso da América segundo a Forbes». Exame.com. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  207. a b «Polêmica 3: Manipulando números»  - Olhar Cronico, GloboEsporte.com, 21 de dezembro de 2012
  208. Lance!. «Diferença entre Corinthians e Flamengo é a menor desde 1997». Consultado em 1 de junho de 2010 
  209. LANCE!-Ibope. «Pesquisa LANCE! Ibope: Corinthians lidera entre os mais ricos do país». Consultado em 30 de agosto de 2014 
  210. ESPN.com.br. «Por pesquisa, só torcida do Corinthians cresceu nos últimos 20 anos». Consultado em 4 de agosto de 2014 
  211. Globo Esporte. «Ranking de torcidas: Corinthians aumenta vantagem sobre rivais em SP». Consultado em 30 de agosto de 2014 
  212. «Timão lidera pesquisa de torcidas no Sudeste: 20,3%, contra 15,6% do Fla»  - Globoesporte.com, 17 de abril de 2013
  213. «Corinthians tem a maior torcida da Região Sudeste»  - Lance!, 2 de agosto de 2010
  214. LANCE!-Ibope. «LANCE!-Ibope: Pesquisa revela que Minas abriga torcidas de todo o país». Consultado em 1 de setembro de 2014 
  215. a b c d «Maior domínio é no Centro-Oeste e no Norte, com a torcida do Fla»  - Lance!, 12 de agosto de 2010
  216. «LANCE! Ibope: Internacional cresce e passa o Grêmio no Rio Grande do Sul»  - Lance!, 30 de agosto de 2014
  217. a b c «Pesquisa LANCE!-Ibope: Confira os destaques de Paraná, Bahia, Ceará e Pernambuco»  - Lance!, 30 de agosto de 2014
  218. Globo Esporte. «Corinthians possui a maior torcida do Paraná». Consultado em 31 de dezembro de 2009 
  219. «Sport domina em Pernambuco, com um terço da torcida»  - Lance!, 17 de agosto de 2010
  220. «Flamengo e Corinthians seguem no topo de ranking de torcidas»  - Datafolha, 14 de janeiro de 2008
  221. «Fortaleza supera o Flamengo no Ceará e deixa o Vozão para trás»  - Lance!, 17 de agosto de 2010
  222. Globo Esporte. «Flamengo lidera ranking de torcidas no DF; Vasco aparece em segundo». Consultado em 1 de agosto de 2015 
  223. "Com Coríntians, metade do Maracanã" - Folha de S.Paulo, 5 de dezembro de 1976, primeira página
  224. a b «Fiel Torcida: paixão, atuação política e influência no futuro do Timão»  - GloboEsporte, 27 de agosto de 2010
  225. Fifa.com. «The Corinthian Invasion of Japan». Consultado em 12 de dezembro de 2012 
  226. Surgiu Esporte. «Corintianos do Brasil chegam e invasão começa a ganhar corpo». Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  227. IG. «Policiais japoneses ouvem "Gaviões da Fiel" para receber melhor o Corinthians». Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  228. G1. «Brasileiros que vivem no Japão vão reforçar a torcida corintiana». Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  229. Lancenet. «Corintianos chegam em peso a Yokohama para a final». Consultado em 23 de dezembro de 2012 
  230. G1. «FOTOS: torcida do Corinthians chega ao estádio em Yokohama». Consultado em 23 de dezembro de 2012 
  231. http://www.lancenet.com.br/noticias/10-07-31/799065.stm
  232. «MAIORES PÚBLICOS DO CAMPEONATO PAULISTA»  - RSSSF, acessado em 02 de agosto de 2014
  233. Futpédia GE. «Corinthians 4 x 1 Flamengo». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  234. [7]
  235. «1942: Corinthians conquista o Torneio Quinela de Ouro»  - Lance!, 26 de junho de 2010
  236. Gaviões.com.br. «//Notícia - 100 MIL GAVIÕES DA FIEL». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  237. «1969: Gaviões, surge o 4º poder no Corinthians»  - Lance!, 23 de julho de 2010
  238. «Torcidas organizadas do Corinthians se unem pela primeira vez»  - iG Esporte, 05 de maio de 2010
  239. Maércio Santamarina (28 de junho de 2000). «Corinthians isola atleta para abafar crise». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de maio de 2014 
  240. Lucas Borges (1 de outubro de 2013). «Em 13 anos, torcida do Corinthians troca agressões a campeões mundiais por pedido de 'fica, Tite'». ESPN. Consultado em 8 de maio de 2014 
  241. ESPN (1 de fevereiro de 2014). «CT do Corinthians é invadido por cerca de 100 torcedores». ESPN. Consultado em 8 de maio de 2014 
  242. «Corinthians domina Palmeiras e vence 1º clássico na Arena». 27 de julho de 2014. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  243. «Guerrero decide, Corinthians vira e vence São Paulo». 21 de setembro de 2014. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  244. «Com dupla inspirada, Corinthians vence o Santos e se aproxima do G-4». 9 de novembro de 2014. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  245. Veja. «Rivalidade entre Corinthians e Palmeiras se estende aos novos estádios e leva a delírios: Timão chegou a consultar a FIFA sobre não ter gramado verde — cor-símbolo do maior rival». Consultado em 26 de outubro de 2015 
  246. «"CNN coloca clássico Palmeiras x Timão entre os dez maiores do mundo"»  Globo Esporte, 23/10/2008
  247. "Te odeio, logo existo", Gustavo Hofman, Trivela número 32, outubro de 2008, Trivela Comunicações, pág. 36
  248. «Confira dez grandes jogos na história do clássico Palmeiras x Corinthians»  - Abril, 06 de março de 2009
  249. "Confrontos entre Palmeiras e Corinthians", Campeões do Futebol, 3/12/2017
  250. Lancenet. «Rivalidade brasileira, Majestoso agita primeira rodada da Libertadores». Consultado em 31 de outubro de 2015 
  251. Todo Poderoso Timão - todopoderosotimao.com, acessado em 13/12/2016
  252. Corinthians Futpedia - Globoesporte.com, sem data
  253. Todo Poderoso Timão. «Os que mais marcara». Consultado em 3 de agosto de 2014 
  254. Por Meu Timão. «Dados de 'jogo perdido' do Corinthians são descobertos; primeiros ídolos 'ganham' gols». Consultado em 25 de novembro de 2017 
  255. Meu Timão. «Jogadores que mais entraram em campo no Corinthians». Consultado em 3 de agosto de 2014 
  256. Meu Timão. «Treinadores que mais vezes comandaram o Corinthians». Consultado em 19 de junho de 2016 
  257. OS 10 TÉCNICOS QUE MAIS DIRIGIRAM O CORINTHIANS
  258. TITE: 58 JOGOS O SEPARARAM DE SER O TÉCNICO QUE MAIS COMANDOU O CORINTHIANS; VEJA NÚMEROS
  259. iG Esporte (9 de dezembro de 2012). «Livro elege os dez maiores jogadores da história do Corinthians». Consultado em 16 de abril de 2003 
  260. GloboEsporte.com (28 de agosto de 2010). «De Neco a Ronaldo, Corinthians tem muitos ídolos em 100 anos». Consultado em 16 de abril de 2003 
  261. UOL Esporte. «Ídolos e craques». Consultado em 16 de abril de 2003 
  262. Terra Esporte. «Historia do Corinthians: títulos, ídolos e jogos». Consultado em 16 de abril de 2003 
  263. Gazeta Esportiva.Net (Março de 2012). «Ídolos do Corinthians». Consultado em 16 de abril de 2003 
  264. LanceNet!. «Ídolos». Consultado em 16 de abril de 2003 
  265. Veja São Paulo (30 de agosto de 2010). «Corinthians: relembre os principais ídolos do clube». Consultado em 16 de abril de 2003 
  266. Uol (1 de setembro de 2013). «Quem é o maior ídolo da história do Corinthians?». Consultado em 1 de setembro de 2013 
  267. Corinthians (1 de setembro de 2013). «Raça, técnica, sangue e liderança: ídolos marcantes dos 103 anos do Timão». Consultado em 1 de setembro de 2013 
  268. «Corinthians - Ídolos». Consultado em 7 de março de 2017 
  269. «CorinthiansCAMPEÃO NA LIBERTADORES DE 2012, ALEX RECEBE CARTÃO DE 'CRAQUE ETERNO' E PARTICIPA DE EVENTO NO PSJ». Consultado em 30 de junho de 2017 
  270. «EX-ZAGUEIROS GRAVAM SEUS NOMES NA CALÇADA DA FAMA DO CORINTHIANS». Consultado em 16 de setembro de 2017 
  271. Departamento de Futebol Profissional
  272. Corinthians anuncia Carlos Nujud como novo diretor da base
  273. Corinthians promove ex-volante Fabinho a auxiliar de Carille nos profissionais
  274. Página do elenco no site oficial do Corinthians
  275. CORINTHIANS ANUNCIA MUDANÇAS E VOLTA A ATUALIZAR NUMERAÇÃO DO ELENCO; CONFIRA
  276. «IFFHS coloca Corinthians como quinto melhor time de 2012». Placar. 10 de Janeiro de 2012. Consultado em 10 de Janeiro de 2012 
  277. «IFFHS: Timão ultrapassa Barcelona e é o quarto melhor time do mundo». G1. 4 de Março de 2013. Consultado em 4 de Março de 2013 
  278. «Corinthians.com.br». 6 de Março de 2013. Consultado em 6 de Março de 2013 
  279. «Flamengo alcança São Paulo na ponta do ranking Folha; Corinthians passa Palmeiras». Folha.com.br. 29 de dezembro de 2013. Consultado em 3 de janeiro de 2014 
  280. http://esportes.terra.com.br/futebol/brasileiro-serie-a/campeao-brasileiro-corinthians-assume-lideranca-do-ranking-da-cbf,abe78d98bf3528f432531f6997e95bedree4jp9q.html
  281. Globoesporte.com (2015). «Estudo da BDO Brasil aponta Flamengo como a marca de clube mais valiosa no Brasil». Consultado em 25 de junho de 2015 
  282. «Antes do aniversário do Timão, LNET! visita a origem: Corinthian-Casuals»  - Lance.net, 31 de agosto de 2010
  283. «Corinthian-Casuals tem números irrisórios perto do Corinthians»  - Lance.net, 31 de agosto de 2010
  284. «1912: O primeiro troféu corintiano»  - Lance!, 27 de maio de 2010
  285. a b «Atletas da seleção revelam sonho de defender o Corinthians no basquete»  - UOL Esporte, 08 de março de 2013
  286. «Corinthians e Americana oficializam novo projeto no basquete feminino»  - GloboEsporte.com, 04 de agosto de 2015
  287. a b «Tudo tem seu começo - SC Corinthians Paulista»  - Federação Paulista de Handebol, 28 de junho de 2011
  288. Handebol-Site Oficial
  289. Lancenet.com.br. «Na estreia de Frota, Corinthians é derrotado no futebol americano». Consultado em 27 de setembro de 2010 
  290. «Corinthians cria time de futebol de areia com base da seleção brasileira»  - UOL Esporte, 15 de outubro de 2012
  291. a b «Júnior Cigano é o novo reforço da equipe de MMA do Corinthians»  - Site Oficial do Corinthians, 14 de agosto de 2012
  292. «Com estrutura de ponta, Corinthians vira exemplo em investimento no MMA»  - iG, 01 de novembro de 2012
  293. «Anderson Silva e Corinthians não chegam a acordo para renovação»  - Combate Sportv, 26 de junho de 2013
  294. «Corinthians.com.br, 2 de agosto de 2014» 
  295. «Com Serginho, Corinthians-Guarulhos é anunciado»  - Site Oficial do Corinthians, 23 de maio de 2017
  296. «"Fiel" faz ode ao sofrimento e à redenção da torcida corintiana»  - Folha.com, 6 de abril de 2009
  297. «'Fiel' é o primeiro de uma série de filmes sobre a história do Corinthians»  - Folha.com, 11 de abril de 2009
  298. «Fim de tabu corintiano é tema do longa "23 Anos em 7 Segundos"»  - Folha.com, 24 de junho de 2009
  299. «Filme '23 anos em 7 segundos' homenageia os heróis corintianos de 77»  - G1, 28 de junho de 2009
  300. «"Todo Poderoso: O Filme" revê trajetória do Corinthians»  - O Globo, 29 de julho de 2010
  301. «Corinthians: documentário 'Todo Poderoso' revive os 100 anos do Timão»  - Veja São Paulo, 4 de agosto de 2010
  302. «Lancenet.com.br, 2 de agosto de 2014» 
  303. Após dois anos do título da Libertadores, Corinthians lança filme 'Libertados'
  304. «A história como farsa»  - Revista Época, 7 de outubro de 2002
  305. Brás Bexiga e Barra Funda, de Alcântara Machado
  306. Corinthians (2) vs. (1) Palestra

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Outros