SK-105 Kürassier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SK-105 Kürassier
GuentherZ 2006-08 12 0891 Jagdpanzer Kuerassier OeBH.jpg
Tipo Tanque leve
Histórico de produção
Fabricante Saurer-Werk
Período de
produção
1971
Quantidade
produzida
700
Especificações
Peso 17.7 toneladas
Comprimento 5,58 m (7,76 m com o canhão)
Largura 2,5 m
Altura 2,88 m
Tripulação 3
Blindagem do veículo base: 8 mm (Formatting error: invalid input when rounding )
máximo: 40 mm (Formatting error: invalid input when rounding )
Armamento
primário
Canhão de alma raiada 105 mm
Motor Motor a diesel Steyr 7FA de 6 cilindros
320 cv (238 kW)
Suspensão Barras de torção
Passagem de
vau
m (3,28 ft)
Obstáculo vertical 800 mm (2,62 ft)
Alcance
Operacional
500 km
Velocidade 70 km/h

O SK-105 Kürassier é um tanque leve austríaco armado com um canhão raiado de 105 mm em uma torre oscilante. Estima-se que mais de 700 tenham sido produzidos. O Kürassier apareceu nos anos de 1970 como uma medida anti-carro econômica, simples e viável.[1]

No Brasil, o SK-105 é primordialmente empregado no apoio ao combate, quando devem fazer uso de sua ação de choque em proveito da tropa de infantaria apoiada e em coordenação com as demais armas de apoio.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O SK-105 foi desenvolvido pela Saurer-Werk (atual Steyr-Daimler-Puch) para atender os requisitos operacionais do Exército Austríaco para um veículo anti-tanque com destacada mobilidade. A princípio, seria denominado Panzerjäger K (Caça-tanques K), tendo os trabalhos de construção iniciados em 1965. O primeiro protótipo ficou pronto em 1967 e a entrega dos veículos pré-produzidos começou em 1971.[3][4]

Em 2014, todos os direitos de produção e suporte do SK-105 foram adquiridos da General Dynamics Europe Land Systems (GDELS) pela empresa belga DUMA ENGINEERING GROUP. A empresa está fornecendo suporte aos usuários do SK-105 e derivados e oferecendo programas de retrofit.

Descrição[editar | editar código-fonte]

SK105A2S em uso pelo Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil durante a Operação Formosa 2016.

O SK-105 é baseado em um Saurer APC fortemente modificado. O casco do SK 105 é soldado em aço e é dividido em três compartimentos: motorista na frente, artilheiro no centro e comandante na traseira. Devido ao seu baixo peso, o SK-105 pode ser transportado por aeronaves de transporte do tipo C-130 Hercules. A torre Steyr JT1 do SK-105 foi desenvolvida a partir do projeto francês usado no AMX-13. Seu canhão pode penetrar 360 mm de armadura. A blindagem frontal protege sua tripulação contra disparos de munição 20mm perfurante sobre o seu arco frontal, enquanto a demais blindagem protege apenas contra projéteis de armas leves. Uma blindagem adicional na parte da frente do chassi e da torre está disponível para fornecer proteção contra disparos de projéteis 35 mm APDS. Alguns veículos de exportação foram equipados com blindagem adicional.

O motorista senta-se à frente do veículo, do lado esquerdo. No lado direito da parte frontal do casco, encontra-se a munição do canhão. Há três periscópios na frente da tampa de sua escotilha e em tempo de chuvas um pequeno pára-brisas com limpador pode ser equipado. A munição e baterias do veículo estão posicionados à direita do motorista. O motor e a transmissão estão na parte traseira do veículo e o compartimento do motor é equipado com um extintor de incêndio que pode ser operado manualmente ou automaticamente.[5]

A torre oscilante é semelhante à usada pelo tanque leve AMX-13. O comandante está sentado à esquerda da torre e o artilheiro à direita. O comandante tem sete periscópios. A visão noturna de infravermelho do comandante tem uma amplificação de x6. O artilheiro tem dois periscópios de observação, uma mira telescópica e uma escotilha. Devido ao design da torre oscilante, todas as visões estão sempre ligadas ao armamento principal e secundário. Para engajar alvos à noite uma mira periscópica infravermelho é fornecida ao comandante. Um medidor de distâncias a laser CILAS TCV 29 (que funciona em distâncias de 400 m a 9,995 m) é montado no teto da torre. O farol de infravermelho/luz branca XSW-30-U 950 W é montado sobre a esquerda da frente da placa da parte oscilante da torre. Um ventilador fixo na torre retira a fumaça quando o armamento principal ou secundário é acionado. Todas as versões do SK-105 têm um canhão de 105 mm denominado 105 G1 (alterada para o M68 americano na versão A3). Essa arma é completada com um carregador automático rotativo semi-automático. O veículo tem dois carregadores rotativos com 6 projéteis cada. Um total de 42 projéteis da arma principal podem ser carregados.[6] Para o canhão, estão disponíveis seis tipos de munição: granada APFSDS (Armor Piercing, Pin-Stabilized, DIscarding Sabot), HE, (High Explosive), HEAT (High Explosive Anti-Tank), HESH (High Explosive Squat Head), fumígena e de exercício.[2]

Até o A3, seu canhão não era estabilizado, o que significa que ele devia parar antes de atirar precisamente.

Este veículo foi projetado especificamente para o terreno montanhoso e tem uma melhor capacidade de escalada quando comparado a tanques mais pesados.[7]

Variantes[editar | editar código-fonte]

  • SK-105A1
  • SK-105A2: Possui transmissão automática, sistema eletrônico de direção de tiro e carregamento automático do canhão.[2][6]
  • SK-105A3: É equipado com um canhão americano estabilizado M68 de 105 mm, nova torre e blindagem reforçada.[6]
  • 4K7FA SB-20 Greif: Viatura blindada de socorro.
  • 4HK7FA Pionier: Viatura de engenharia militar.
  • 4KH7FA-FA (Fahrschulpanzer): Veículo de formação do motorista, com torre removida. Qualquer SK-105 pode ser convertido em um 4KH7FA-FA em apenas 2 horas.[5]

Derivados[editar | editar código-fonte]

Um tanque "Patagón" na Exposição do Exército Argentino, em Maio de 2008

A Argentina desenvolveu no início da década de 2000 o tanque leve "Patagón", que tinha o chassi do SK-105 com a torre do AMX-13. O primeiro protótipo foi apresentado em 22 de novembro de 2005.[8] O programa foi cancelado em 2008, após a conclusão da quinta unidade, porque foi considerado muito caro.[9]

Operadores[editar | editar código-fonte]

Mapa com operadores do SK-105 em azul e ex-operadores em vermelho

Utilizadores atuais[editar | editar código-fonte]

Ex-utilizadores[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Veículos comparáveis

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Jane's international defense review: IDR., Volume 39, Issues 1-6. [S.l.]: Jane's Information Group. 2008. Consultado em 10 de setembro de 2011 
  2. a b c d Machado, Miguel (16 de maio de 2011). «FUZILEIROS BLINDADOS (I)». Operacional.pt. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  3. «SK 105». fas.org. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  4. SK 105 - Light Armoured Vehicles - Jane's Land Forces
  5. a b «SK 105 KURASSIER» (em inglês). Army Guide. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  6. a b c «SK-105 Kurassier Light Tank» (em inglês). Military Today. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  7. «Sk-105 Kürassier» (em inglês). Tanks Encyclopedia. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  8. "Patagón: el tanque de fabricación argentina fue presentado ayer" - DERF Agencia Federal de Noticias, 2005-11-23 (in spanish).
  9. «Argentina abandona el proyecto de blindado Patagón - Noticias Infodefensa América». infodefensa.com. 27 de dezembro de 2008. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  10. Pike, John. «Army Equipment». globalsecurity.org. Consultado em 11 de agosto de 2016