Sky Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de SKY Brasil)
Ir para: navegação, pesquisa
Sky Brasil
Razão social Sky Brasil Serviços Ltda.
Tipo Empresa privada
Slogan Você na frente sempre/"Sky e mais HD".
Indústria Telecomunicações
Fundação 11 de novembro de 1996
Fundador(es) Roberto Marinho
Sede Santana de Parnaíba, São Paulo
Área(s) servida(s) Brasil
Proprietário(s)
Empregados 2.000 (2015)
Produtos
Faturamento R$ 3,5 bilhões (2015)
Antecessora(s) Sky+DirecTV
Website oficial sky.com.br

A Sky Brasil é uma empresa concessionária de serviços de telecomunicações brasileira. Trabalha com televisão por assinatura via satélite e internet banda larga 4G[4] e foi fundada em 11 de novembro de 1996. Sua transmissão digital é feita pelo sistema DTH (direct-to-home) pela banda Ku e a recepção se dá através de uma miniantena parabólica e de um decodificador digital e suas funções dependem de um cartão de acesso. Em 2014, a empresa norte-americana AT&T comprou a DirecTV por US$ 48,5 bilhões, tomando controle da operadora no Brasil.[5]

Em fevereiro de 2015, a empresa contabilizou cerca de 5.682.811 milhões de assinantes, ficando atrás apenas da Claro TV e NET com 10.233.300 milhões.[6] A Sky lançou um novo satélite em fevereiro de 2017, Com o intuito de expandir sua quantidade de canais, A Sky prometeu mais 100 novos canais HD até o fim de 2017.

Informações técnicas[editar | editar código-fonte]

Equipamento SD Phillips.

Para a recepção do sinal são necessárias, uma antena parabólica, um receptor integrado/decodificador e um cartão de acesso, que é necessário para operar o receptor/decodificador. As antenas parabólicas disponibilizadas são compactas e modernas, que juntamente com o cartão de acesso faz com que o sinal chegue a casa do utilizador. São oferecidos pela empresa pacotes ou combos com canais abertos, fechados, de áudio, e outros serviços adicionais e privados. Os serviços adicionais incluem pay-per-view e video sob demanda, neles são oferecidos filmes e jogos esportivos.

Para receber o sinal em alta definição são necessárias, uma antena parabólica, um receptor HDTV, uma TV LCD, LED ou Plasma, um cabo HDMI e um cartão de acesso.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sky+DirecTV
Ano Assinantes
2016 5.310.000[7]

Foi fundada em 11 de novembro de 1996, logo após o surgimento da DirecTV, através de uma aliança entre o Grupo Globo, a British Sky Broadcasting, a News Corporation e a Liberty Media International. Em abril de 2003 a News Corporation anunciou a compra da DirecTV, controlada pela Hughes Electronics por US$ 6,6 bilhões, sendo aprovada pela Comissão Federal de Comunicações (FCC) no final de 2003.[8] Com isso, na regulamentação brasileira organizada pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), ficou acertado que apesar de serem controladas pela mesma empresa, elas deveriam manter suas operações separadas, que juntas detinham cerca de 97% de toda operação de TV por assinatura por satélite no país, sobrando apenas o restante para a Tecsat com o 54 mil clientes.[9] Na época, a Associação Neo TV, responsável por cerca de 51 operadoras independentes, relatou que se houvesse uma fusão poderia prejudicar outras operadoras devido a acordos exclusivos com canais, como no caso do pacote HBO Max Digital, oferecido exclusivamente para os assinantes da DirecTV.

Como parte da reestruturação das duas marcas na América Latina, a News Corp. anunciou fusão das duas marcas, criando a marca provisória Sky+DirecTV para que seus sócios dissidissem qual marca seria utilizada no Brasil. Além da DirecTV comprar a ação da News Corp e da Liberty Media na Sky Brasil, deixando a Globopar com 26% e DirecTV com 74% das ações.[10] No México e no Brasil foi decidido que a marca Sky seria utilizada por ser mais forte, nos outros países a marca DirecTV foi definida.[11] Na época, a empresa iniciou no mercado com mais de 1,2 milhão de clientes, sendo a ANATEL.

Em agosto de 2006 a Sky no Brasil foi comprada em 80% pela The DirecTV Group, e os outros 20% pelo Grupo Globo, mantendo a razão social, Sky, no mercado. A operadora é controlada pela DirecTV (96,4%) e pelo Grupo Globo (3,6%). Recentemente, a Anatel obrigou o Grupo Globo à vender suas ações na operadora, para a programadora do grupo, Globosat manter o certificado de programadora independente,[12] o que foi descumprido e certificando as produções apenas como produção nacional.[13]

Desde agosto de 2009, a Sky começou a oferecer aos assinantes o receptor Sky HD de canais abertos, um "módulo" que, ao ser conectado ao receptor Sky HDTV, permite acesso à TV aberta digital (onde disponível) conectando uma antena UHF ao módulo.[14]

Em outubro de 2011 a operadora de TV via satélite em parceria com a Telebrás e Nokia Siemens anunciou fornecer para Brasília, DF internet com a tecnologia 4G e em 2012 nas demais cidades do país, sendo a primeira empresa a fornecer a tecnologia na América Latina[15][16][17] Em 14 dezembro do mesmo ano a operadora anunciou os serviços de Internet 4G somente para o Distrito Federal.[18] Hoje o serviço está presente em diversos estados brasileiros.[19]

Em outubro de 2013, a Sky firmou um parceria com a empresa Astrium para a construção de um novo satélite, o Intelsat 32, que começou a operar em 2017 e comporta cerca de 60 transponders de banda Ku.[20]

Em 2015, a compra da DirecTV pela empresa norte-americana de telecomunicações AT&T foi concluída, tonando-se também controladora da DirecTV Latin America, dona da Sky.[5]

Serviços[editar | editar código-fonte]

  • Cine Sky: Anteriormente conhecido como Cine Premiere, é uma opção de compra de filmes na internet pelo próprio site, por telefone ou pelo aparelho conectado á rede telefônica. São oferecidos várias opções para a compra no serviço pay-per-view. O método de transmissão SD foi extinto em 2014, dando apenas como alternativa o aluguel de filmes pelo Cine Sky HD (VOD), apenas para os equipamentos Plus e Media Center. Em abril de 2017 o Cine SKY retorna para todos os assinantes, em 2 etapas. A primeira para os assinantes com equipamentos HD Slim e Zapper, com 10 filmes (todos em HD), custando R$11,90 cada. E a segunda etapa, lançado em Julho do mesmo ano, para os assinantes com equipamento SD, com 5 filmes para alugar.
  • Vídeo Calibragem: Em agosto de 2009 a Sky lançou em parceria com a THX o serviço de calibração de televisores.[21] Para a contratação do serviço o cliente tem que fazer o pedido na empresa para o técnico ajustar as configurações gráficos do televisor com um sofware instalado em seu equipamento.[22]
  • Sky Pré-Pago: A empresa lançou em 4 de julho de 2008 um serviço pré pago, pelo qual o cliente adquire um decoder pré pago e recarrega conforme o número de dias que desejar assistir (entre 15 dias e 12 meses). O serviço já possui mais de 1 Milhão de clientes (10% da base). Os serviços de pay-per-view não estavam disponíveis até 2010, quando a empresa lançou três novos pacotes: O Sky Fit, o Sky Light e o Sky Mix.[23][24]
  • Sky Banda Larga: Internet 4G via modem wifi com USB
  • Sky Serviço de Gravação Externa: Este serviço fornece ao usuário a opção de gravar a programação da Sky a partir de um pen-drive por um preço fixado no aparelho Sky HDTV Slim.[25]
  • Sky on Demand: Lançado em 18 de maio de 2010 foi um serviço de locação disponível apenas para assinantes de canais em alta definição que permite a compra dos serviços pela internet ou por telefone, que engloba filmes, shows e eventos, após a compra o conteúdo fica armazenado no equipamento até 24 horas para a sua visualização.[26] Atualmente, o Sky On Demand foi substituído em maio de 2013 pelo Cine Sky HD como parte do Cine Sky.[carece de fontes?]
  • Sky Online: Em 15 de fevereiro de 2012 a Sky lançou o "Sky Online", em que apenas os usuários da TV por assinatura podem assistir a filmes pelo computador, onde podem ser comprados ou alugados.[27] Além disso, há a possibilidade de utilizar outros serviços online, como Telecine Play, Watch ESPN, Globosat Play, Sports+, HBO Go e PremiereFC.com.
  • Sky Tunes: Em abril de 2012 foi lançado o Sky Tunes, voltado para usuários de iPad e iPhone. Com ele o assinante do serviço possui cerca de 61 estações de rádios para ouvir no aparelho. Foi extinto em 2015.[28]
  • Viva Sky: Lançado em 22 de agosto de 2007 é um programa de fidelidade disponível para assinantes, com ele o usuário obtêm pontos que podem ser trocados por outros serviços na operadora. Foi extinto em 2015.[29]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

O Campeonato Espanhol possuia transmissão no número 28 (Digital) e 228 (HD). Ele exibia apenas jogos do Campeonato Espanhol.

No Sky Sports a empresa havia licenciado com demais empresas os direitos de transmissão de diversos jogos esportivos.[30] A operadora havia sido criticada pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), segundo a lei SeAC criada em 2011, que estabelece que nenhuma operadora do ramo de TV por assinatura pode programar algum canal, a Sky contestou dizendo que não havia uma grade linear, e sim uma exibição esporádica.[31] Por causa disto, em 31 de janeiro de 2013, o canal Sky Sports deu lugar ao canal argentino Sports+ operado pela Time Out. Além de jogos do Sky Sports e da UEFA Champions League, também eram exibidos filmes, sendo assim o canal possuia programação sem pausa.[32]

O canal foi extinto em 2015, devido a questões judiciais e a perda de eventos para outros canais.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Oferecendo cerca de 350 canais, incluindo rádios e eventos pay-per-view, detinha exclusividade na transmissão dos canais Globosat, revista pelo CADE no final de 2007, em decorrência de ação movida pela a Neo TV.[33]

No dia 1 de junho de 2008 a Sky retira de sua grade a MTV Brasil e coloca em seu lugar o canal MTV Hits. A Sky alegou que não obteve acordo de renovação entre ambas as partes. Para suprir a sua ausência na Sky, a MTV Brasil liberou seu sinal via parabólica gratuitamente e passou a atingir mais de 18 milhões de residências.[34]

A lei do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC). criada pela Anatel em março de 2012, de número 12.485/11, obriga as operadoras de TV por assinatura a disponibilizar o sinal de todos os canais abertos que tenham cobertura nas cinco principais regiões do país. Com isto a Sky é obrigada a exibir 14 canais dentre eles dois canais aonde possui desentendimento, MTV e Record News.[35] Para não transmitir o sinal ela deve comprovar que possui inviabilidade técnica e econômica para a distribuição dos canais,[36] porém, perdeu o julgamento. Sendo assim, no dia 11 de setembro de 2013, a operadora colocou no ar os canais: MTV Brasil (hoje Ideal TV), Rede Brasil, CNT, Mix TV (hoje RBI TV), TV Aparecida e Record News.

Em 13 de fevereiro de 2012 a 4ª Câmara Cívil do Rio de Janeiro determinou que a Sky ressarcisse uma cliente em 3 mil por danos morais. O motivo pelo ressarcimento foi má prestação no serviço.[37]

Em 12 de setembro de 2012 a empresa foi impedida de cobrar pela instalação de equipamentos e a utilização de pontos extras em residências, o que é contra a determinação da Anatel.[38]

No fim do ano de 2016, a SKY incluiu mais 1 canal obrigatório, a TVCI (hoje RCI), conforme determinação da Anatel, que incluiu mais 2 canais obrigatórios, a TVCI e a TV Cultura, mas como a TV Cultura já estava no Line Up da SKY, foi incluida apenas a TVCI.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Sky Brasil Serviços Ltda.». Junta Comercial do Estado de São Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  2. «Telebras e Sky assinam contrato para fornecer Internet 4G no Brasil». Idg Now. UOL. 22 de setembro 2011. Consultado em 25 de outubro de 2011 
  3. Maria Cristina Frias (20 de fevereiro de 2017). «Sky cobra igualdade de condições tributárias com Netflix». Mercado Aberto. Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  4. Richard Lima (13 de abril de 2017). «Afinal, Sky Banda Larga 4G tem franquia e redução de velocidade?». gps.pezquiza.com. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  5. a b «Anatel dá sinal verde para compra da Sky pela AT&T». Exame. 29 de setembro de 2014. Consultado em 23 de janeiro de 2016 
  6. «CLARO TV, EMBRATEL E NET LIDERAM COM FOLGA O MERCADO DE TV POR ASSINATURA NO BRASIL». DINO. Consultado em 31 de março de 2015 
  7. «TV paga desliga 471 mil acessos em 12 meses». Telesíntese. 2 dezembro de 2016. Consultado em 16 dezembro de 2016 
  8. Presse, France (20 de dezembro de 2013). «Autoridades americanas aprovam compra da Direct TV pela News Corp - 20/12/2003». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. Consultado em 10 de abril de 2017 
  9. «Crise pode facilitar fusão entre Sky e DirecTV». Estadão. Agência Estado. 13 de abril de 2003. Consultado em 10 de abril de 2017 
  10. «DirecTV e Sky anunciam fusão no Brasil». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. 11 de outubro de 2004. Consultado em 10 de abril de 2017 
  11. Teixeira, Michelly (1 de março de 2007). «Sky torna-se a marca definitiva do resultado da fusão com a DirecTV». Valor. O Globo. Consultado em 10 de abril de 2017 
  12. «Globo sai do controle da operação de TV paga para Globosat ter o certificado de programadora independente». Telesíntese. 31 de julho de 2012 
  13. Marina Pita (31 de agosto de 2012). «Globosat fica fora dos canais independentes na TV paga». TeleSíntese. Consultado em 11 de setembro de 2012 
  14. «Recep. SKY HD Canais Abertos». Sky Brasil. Consultado em 20 de fevereiro de 2012 
  15. «SKY oferecerá internet 4G no Brasil». Olhar Digital. 22 de setembro de 2011. Consultado em 25 de outubro de 2011 
  16. «Telebras e Sky terão parceria para Internet 4G». G1. 21 de novembro de 2011. Consultado em 25 de outubro de 2011 
  17. Cristiano ZAIA (16 dezembro de 2011). «4G: demorou, mas chegou». Terra. Istoé Dinheiro. Consultado em 20 dezembro de 2012 
  18. Fábio Amato (13 dezembro de 2011). «Sky entra no mercado de banda larga com primeira rede 4G do país». G1. Consultado em 15 dezembro de 2011 
  19. «Provedores de Internet no Brasil». Tech in Brasil. 13 dezembro de 2011. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  20. «DirecTV/Sky contrata novo satélite para 2016». Teletime. 24 de outubro de 2013. Consultado em 27 de outubro de 2013 
  21. Frederico, Daniele (10 de agosto de 2009). «Sky lança decodificador para captar canais abertos em HDTV». Teletime. Consultado em 2 de março de 2013 
  22. Santos, Alex dos; Canuto, Flavio (15 dezembro de 2013). «Saiba como foi a calibragem THX feita pela Sky». PlanetTech. Universo Online. Consultado em 2 de março de 2013 
  23. «Sky lança serviço pré-pago de TV por assinatura». Agência Estado. Gazeta do Povo. 4 de julho de 2008. Consultado em 20 de fevereiro de 2012 
  24. Ricardo Marques (8 de julho de 2008). «Sky oferece serviço pré-pago. Vale a pena?». UOL. Planet Tech. Consultado em 20 de fevereiro de 2012 
  25. Souza, Leandro (19 de novembro de 2012). «SKY lança serviço de gravação externa». UOL. Baguete. Consultado em 17 dezembro de 2012 
  26. Thiago Luis (18 de maio de 2010). «Sky traz ao Brasil serviço On Demand com conteúdos em alta definição». UOL. IDG Now. Consultado em 6 de agosto de 2012 
  27. Gustavo Petró (15 de fevereiro de 2012). «Sky lança serviço de filmes pela internet para concorrer com Netflix». G1. Consultado em 20 de fevereiro de 2012 
  28. Fábio Nogueira (13 de abril de 2012). «Sky lança "Sky Tunes" em seu aplicativo para iPhone e iPad». TV Magazine. Consultado em 6 de agosto de 2012 
  29. «REGULAMENTO GERAL PROGRAMA DE PRÊMIOS VIVA SKY» (PDF). Sky. 16 de abril de 2012. Consultado em 6 de agosto de 2012 
  30. «Sky coloca no ar seu canal esportivo». Esporte e Mídia. 21 de abril de 2012. Consultado em 24 dezembro de 2012 
  31. «Lei 12.485/11 pode inviabilizar canais da Sky e da DLA». Tela Viva. 11 de maio de 2012. Consultado em 24 dezembro de 2012 
  32. «Sports+ chega ao Brasil pela grade da Sky». Meio & Mensagem. 31 de janeiro de 2013. Consultado em 3 de março de 2013 
  33. «CADE aprova nova proposta para fim de exclusividade nos canais Globosat». Observatório do Direito á Comunicação. 07 de maio de 2007  Verifique data em: |data= (ajuda)
  34. «MTV NA PARABÓLICA.». MTV. Consultado em 25 de outubro de 2008 
  35. «Nova regra pode fazer com que MTV e Record News entrem na Sky». UOL. Na Telinha. 3 de abril de 2012. Consultado em 14 de abril de 2012 
  36. Castro, Daniel (10 de outubro de 2012). «Nova lei obriga TV paga a carregar 14 redes; operadoras protestam». R7. Blog Daniel Castro. Consultado em 13 de outubro de 2012 
  37. «SKY vai ter que pagar indenização à cliente por má prestação de serviço». UOL. D24am. 13 de fevereiro de 2012. Consultado em 20 de fevereiro de 2012 
  38. «Justiça proíbe Sky de cobrar por ponto extra». Bem Paraná. 12 de setembro de 2012. Consultado em 2 de outubro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]