SOFIA (telescópio)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura por espectrógrafo échelle de alta resolução instalado no Observatório de Haute-Provence, veja SOPHIE.
SOFIA
SOFIA in air.jpg
Informações gerais
Tipo de telescópio
Infravermelho (en), Boeing 747Visualizar e editar dados no Wikidata
Website
Geografia
Coordenadas

O Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha, conhecido pela sigla SOFIA (em inglês: Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy) é um projeto conjunto da NASA e do DLR, Centro Aeroespacial Alemão,[1] para construir e manter um observatório aéreo. A NASA concedeu o contrato para o desenvolvimento da aeronave, operação do observatório e gerenciamento da parte americana do projeto à Associação de Pesquisa Espacial das Universidades (USRA) em 1996.[2] SOFIA é o sucessor do avião-telescópio Kuiper Airborne Observatory. Sua missão é observar campos magnéticos celestes, regiões formadoras de estrelas, cometas, nebulosas e o centro galáctico.

Projeto[editar | editar código-fonte]

A SOFIA é baseada em uma aeronave Boeing 747SP de corpo largo que foi modificada para incluir uma porta grande na fuselagem traseira que pode ser aberta em voo para permitir um acesso de telescópio refletindo de 2,5 m (8,2 pés) de diâmetro ao céu. [2] O observatório SOFIA é baseado no Centro de Pesquisa de Voo Neil A. Armstrong da NASA no Aeroporto Regional de Palmdale, Califórnia, enquanto o SOFIA Science Center é baseado no Ames Research Center, em Mountain View, Califórnia.[3]

Telescópio[editar | editar código-fonte]

A SOFIA usa um telescópio refletor de 2,5 m (8,2 pés), que possui um espelho primário de grandes dimensões e 2,7 m de diâmetro, como é comum na maioria dos grandes telescópios infravermelhos.[4]

Aeronave SOFIA[editar | editar código-fonte]

A aeronave SOFIA é um Boeing 747SP modificado (número de série 21441, número da linha 306; registro N747NA; indicativo NASA747).[5]

Pesquisa científica e observações[editar | editar código-fonte]

Os principais objetivos científicos da SOFIA são estudar a composição de atmosferas e superfícies planetárias; investigar a estrutura, evolução e composição dos cometas; determinar a física e a química do meio interestelar; e explorar a formação de estrelas e outros objetos estelares. Enquanto as operações de aeronaves da SOFIA são gerenciadas pela NASA Dryden, o Ames Research Center da NASA em Mountain View, Califórnia, abriga o SOFIA Science Center, que gerenciará o planejamento da missão do programa.[6]

Em 29 de junho de 2015, o planeta anão Plutão passou entre uma estrela distante e a Terra, produzindo uma sombra na Terra perto da Nova Zelândia que permitiu à SOFIA estudar a atmosfera de Plutão.[7]

De 1 a 11 de julho de 2019, os pesquisadores levaram a SOFIA em vários voos para capturar vistas infravermelhas das partes mais brilhantes do centro da nossa galáxia. A imagem mostra que os dados da SOFIA foram obtidos em comprimentos de onda no infravermelho médio de 25 e 37 mícrons sobrepostos em imagens anteriores obtidas pelo Observatório Espacial Herschel. Os mapas da SOFIA revelam poeira que foi aquecida por muitas das estrelas mais massivas da região, incluindo algumas que são até 100 vezes maiores que o nosso sol.[8]

Referências

  1. «SOFIA Science Center». Universities Space Research Association. Consultado em 25 de dezembro de 2016 
  2. Armstrong, NASA (2017). «SOFIA is growing up so fast! On May 26, 2010, SOFIA's telescope saw first light! Learn more about SOFIA here: go.nasa.gov/2qsjZbP pic.twitter.com/GDw3ptivaz». @NASAArmstrong (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  3. Reinacher, Andreas; Graf, Friederike; Greiner, Benjamin; et al. (2018). «The SOFIA Telescope in Full Operation». Journal of Astronomical Instrumentation. 7 (4). 1840007 páginas. Bibcode:2018JAI.....740007R. doi:10.1142/S225117171840007X 
  4. Malacara, Daniel; Thompson, Brian J. (2001). Handbook of Optical Engineering. [S.l.]: CRC Press. p. 246. ISBN 0-8247-9960-7 
  5. «The Boeing 747 Classics». boeing.com. The Boeing Co. Consultado em 23 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2010. Boeing also built the 747-100SP (special performance), which had a shortened fuselage and was designed to fly higher, faster and farther non-stop than any 747 model of its time. 
  6. Keller, Luke; Jurgen Wolf (outubro 2010). «NASA's New Airborne Observatory». Sky and Telescope: 22–28 
  7. Proudfit, Leslie (29 de junho de 2015). «SOFIA in the Right Place at the Right Time for Pluto Observations». NASA. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  8. «A new infrared image reveals our galactic center's most massive stars». Tech Explorist (em inglês). 6 de janeiro de 2020. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço relacionado ao Projeto Astronomia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.