SS France (1961)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
SS France
SS France Hong Kong 74.jpg
Carreira  França
Operador Compagnie Générale Transatlantique
Fabricante Chantiers de l'Atlantique,
Saint-Nazaire
Homônimo França
Data de encomenda 26 de julho de 1956
Batimento de quilha 7 de setembro de 1957
Lançamento 11 de maio de 1960
Batismo 11 de maio de 1960
por Yvonne de Gaulle
Viagem inaugural 3 de fevereiro de 1962
Descomissionamento 25 de outubro de 1974
Porto de registo Le Havre, França
Estado Vendido para a Norwegian Cruise Line em 1979
Carreira  Noruega
Nome SS Norway
Operador Norwegian Cruise Line
Homônimo Noruega
Aquisição 26 de junho de 1979
Viagem inaugural 6 de maio de 1980
Descomissionamento 23 de março de 2004
Porto de registro Oslo, Noruega
Estado Desmontado
Características gerais
Tipo de navio Transatlântico (1962–1979)
Cruzeiro (1979–2004)
Deslocamento 57.607 t
Tonelagem 63.343 t (1961)
70.202 t (1984)
76.049 t (1990)
Maquinário Turbinas Parsons
Comprimento 316,1 m
Boca 33,8 m
Calado 10,8 m
Propulsão 4 hélices (1961)
2 hélices (1979)
Velocidade 30 nós (56 km/h)
Tripulação 1253 (1961)
875 (1980)
Passageiros 2044 (1961)
1944 (1980)
2565 (1994)

O SS France foi um navio de passageiros francês originalmente operado pela Compagnie Générale Transatlantique (Transat) e construído pela Chantiers de l'Atlantique em Saint-Nazaire. Ele foi pensado para substituir o SS Île de France e o SS Liberté e competir com os britânicos RMS Queen Mary e RMS Queen Elizabeth da Cunard Line na rota transatlântica. A construção do France começou em setembro de 1957 e foi lançado ao mar em maio de 1960, tornando-se a embarcação mais comprida já construída na história até então e uma das mais rápidas.[1]

O navio realizou sua viagem inaugural em fevereiro de 1962 tendo estrelas de cinema, membros da aristocracia e empresários a bordo. Ao chegar em Nova Iorque ele foi recebido com celebrações e uma recepção de gala. O France se tornou uma embarcação popular no Oceano Atlântico, porém o aumento do tráfego aéreo diminuiu cada vez mais seu número de passageiros e o navio passou a depender de subsídios do governo francês para poder operar. A Transat passou a empregar a embarcação cada vez mais em viagens de cruzeiro ao redor do mundo para combater a queda de passageiros, também enfrentando dificuldades no mercado apesar de sua popularidade também nessa função.[1]

O governo votou em 1974 em reduzir os subsídios do France em favor do Concorde, forçando a Transat a encerrar as operações do navio. Ele permaneceu atracado em Le Havre por anos sem ser usado até finalmente ser comprado em 1979 pela Norwegian Cruise Line. A embarcação foi levada para a Alemanha, convertida em um navio de cruzeiro pelos estaleiros da Bremerhaven e renomeado para SS Norway. Ele voltou ao serviço em 1980 e continuou a ser popular entre os passageiros pelas duas décadas seguintes, passando nesse tempo por novas reformas que adicionaram dois conveses em sua superestrutura e aumentaram sua capacidade e tonelagem.[1]

Uma de suas caldeiras explodiu acidentalmente em 25 de maio de 2003, matando sete tripulantes e ferindo outros dezessete. O Norway, já com mais de quarenta anos em atividade, foi tirado de serviço e ficou parado em uma doca até a Norwegian Cruise Line finalmente anunciar em março de 2004 que ele seria aposentado permanentemente. Três meses depois foi rebocado até a Malásia e vendido como sucata em dezembro do ano seguinte. Ele foi renomeado como SS Blue Lady para sua última viagem até a Índia, sendo desmontado entre 2007 e 2008 em Alang.[1]

Referências

  1. a b c d Othfors, Daniel. «France (III)/Norway». The Great Ocean Liners. Consultado em 3 de julho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.