Saúde nos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Johns Hopkins Hospital, em Baltimore, considerado um dos melhores do país.[1]
Centro de Pesquisa Clínica dos Institutos Nacionais da Saúde, em Bethesda, Maryland.

A expectativa de vida dos Estados Unidos é de 77,8 anos ao nascer,[2] um ano menor do que o valor global da Europa Ocidental, e de três a quatro anos menor do que as taxas da Noruega, Suíça e Canadá.[3] Ao longo das últimas duas décadas, a classificação do país em expectativa de vida caiu de 11ª posição para a 42ª no mundo.[4] A taxa de mortalidade infantil é de 6,37 por mil, colocando o país também na 42ª posição entre 221 países, atrás de toda a Europa Ocidental.[5] Aproximadamente um terço da população adulta do país é obesa e um terço adicional tem excesso de peso;[6] a taxa de obesidade, a mais alta do mundo industrializado, mais do que duplicou no último quarto de século.[7] A obesidade relacionada com o diabetes tipo 2 é considerada uma epidemia pelos profissionais de saúde.[8]

A taxa de gravidez na adolescência no país é de 53 por 1.000 mulheres, seis vezes superior à da França e quatro vezes superior à da Alemanha.[9] A legalização do aborto é altamente controversa. Muitos estados proíbem o financiamento público do processo e restringem o aborto, exigem a notificação parental para os menores de idade e o mandato de um período de espera. Apesar de a taxa de aborto estar caindo, a taxa de aborto de 241 por 1.000 nascidos vivos e taxa de abortamento de 15 por mil mulheres com idade entre 15-44 anos permanecem superiores aos da maioria das nações ocidentais.[10]

Cobertura de saude nos EUA (dados de 2017, por milhões de habitantes): [11]
  Seguro de saúde privado por empregador
  Seguro de saúde privado
  Medicaid
  Medicare
  Military health Care, Tricare, Veterans Health Administration
  Sem qualquer seguro de saúde

O sistema de saúde americano gasta muito mais que qualquer sistema de saúde de outra nação, seja em gastos per capita ou em percentagem do PIB.[12] A Organização Mundial de Saúde classificou o sistema de saúde americano, em 2000, como o primeiro em capacidade de resposta, mas o 37º em desempenho global. Os Estados Unidos são um líder em inovação médica. Em 2004, o setor não industrial gastou três vezes mais per capita do que a Europa em pesquisa biomédica.[13]

Os Estados Unidos são sede dos melhores hospitais do mundo. Grande parte das instalações médicas são de propriedade privada que contam com alguns subsídios do governo local. Apesar de serem associações sem fins lucrativos, muitos dos hospitais mais importantes estão afiliados a grandes corporações ou faculdades de medicina, que têm feito o possível para albergarem 70% de todos os pacientes médicos do país.[14] O Hospital Johns Hopkins, a Mayo Clinic e o Massachusetts General Hospital se encontram entre os melhores hospitais do país e do mundo.[15]

No entanto,ao contrário de todos os outros países desenvolvidos, os Estados Unidos são o único país do mundo ocidental que não tem um sistema de saúde pública universal e estima-se que cerca de 125 cidadãos norte-americanos morram todos os dias por não poderem pagar um plano de saúde,[16] além de seus indicadores de saúde serem considerados os piores entre os países mais industrializados.[17] Em 2004, os seguros privados de saúde pagaram por 36% dos gastos pessoais de saúde, os pagamentos privados corriqueiros por 15%, e os pagamentos federais, estaduais e de governos locais por 44%.[18] Em 2005, 46,6 milhões de americanos, ou 15,9% da população, eram não segurados, 5,4 milhões a mais que em 2001. A principal causa deste aumento é a queda no número de americanos com seguro de saúde patrocinado por empregadores.[19] A questão de americanos não segurados é uma importante questão política.[20][21] Um estudo de 2009 estimou que a falta de seguro está associada com cerca de 45.000 mortes por ano.[22][23] Em 2006, Massachusetts se tornou o primeiro estado do país a ter um mandato de seguro de saúde universal.[24] Uma legislação federal aprovada no início de 2010 (o chamado Patient Protection and Affordable Care Act), que entrou em vigor em 2014, determinou a criação de um sistema de seguro de saúde quase universal no país.[25]

O Texas Medical Center, em Houston, o maior complexo médico do mundo.[26][27]

Referências

  1. Randi Henderson; Richard Marek (20 de março de 2001). Here is My Hope: A Book of Healing and Prayer: Inspirational Stories of Johns Hopkins Hospital. [S.l.]: Doubleday. ISBN 978-0-385-50032-6 
  2. «Health, United States, 2006» (PDF). Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Health Statistics. Novembro de 2006. Consultado em 15 de agosto de 2007 
  3. Eberstadt, Nicholas, and Hans Groth (19 de abril de 2007). «Healthy Old Europe». International Herald Tribune. Consultado em 19 de junho de 2007 
  4. MacAskill, Ewen (13 de agosto de 2007). «US Tumbles Down the World Ratings List for Life Expectancy». Guardian. Consultado em 15 de agosto de 2007 
  5. «Rank Order—Infant Mortality Rate». The World Factbook. CIA. 14 de junho de 2007. Consultado em 19 de junho de 2007 
  6. «Prevalence of Overweight and Obesity Among Adults: United States, 2003–2004». Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Health Statistics. Consultado em 5 de junho de 2007 
  7. Schlosser, Eric (2002). Fast Food Nation. New York: Perennial. p. 240. ISBN 0060938455 
  8. «Fast Food, Central Nervous System Insulin Resistance, and Obesity». Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology. American Heart Association. 2005. Consultado em 17 de junho de 2007 
  9. «Indicator: Births per 1000 women (15-19 ys) - 2002». Globalis. Consultado em 14 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 13 de Julho de 2007 
  10. Strauss, Lilo T.; et al. (24 de novembro de 2006). «Abortion Surveillance—United States, 2003». MMWR. Centers for Disease Control, National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion, Division of Reproductive Health. Consultado em 17 de junho de 2007 
  11. Berchick, Edward R. (e outros) (Setembro de 2018). «Health Insurance Coverage in the United States: 2017 Current Population Reports» (PDF). Health Insurance Coverage in the United States: 2017 Current Population Reports -Issued September 2018 P60-264 
  12. OECD Health Data 2000: A Comparative Analysis of 29 Countries [CD-ROM] (OECD: Paris, 2000). Ver também «The U.S. Healthcare System: The Best in the World or Just the Most Expensive?» (PDF). University of Maine. 2001. Consultado em 29 de novembro de 2006. Arquivado do original (PDF) em 4 de Junho de 2010 
  13. Groves, Trish, T (fevereiro de 2008). «Stronger European Medical Research». British Medical Journal. 336 (7640): 341–342. ISSN 0959-8138. PMID 18276671. doi:10.1136/bmj.39489.505208.80 
  14. Guy David (2005). «The Convergence between For-Profit and Nonprofit Hospitals in the United States» (PDF). AEA Web.org (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 4 de Março de 2009 
  15. Avery Comarow (2010). «Best Hospitals 2010-11: The Honor Roll». US News.com (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2010 
  16. Opera Mundi, ed. (16 de junho de 2012). «Dez fatos chocantes sobre os Estados Unidos». Consultado em 24 de fevereiro de 2014 
  17. O Estado de S. Paulo, ed. (16 de outubro de 2014). «Estados Unidos têm pior saúde entre industrializados» 
  18. «Health, United States, 2006» (PDF). Centers for Disease Control, National Center for Health Statistics. Consultado em 24 de novembro de 2006 
  19. «Poverty Remains Higher, and Median Income for Non-Elderly Is Lower, Than When Recession Hit Bottom: Poor Performance Unprecedented for Four-Year Recovery Period». Center for Budget and Policy Priorities. 1 de setembro de 2006. Consultado em 24 de junho de 2007 
  20. Abelson, Reed (10 de junho de 2008). «Ranks of Underinsured Are Rising, Study Finds». New York Times. Consultado em 25 de outubro de 2008 
  21. Blewett, Lynn A.; et al. (dezembro de 2006). «How Much Health Insurance Is Enough? Revisiting the Concept of Underinsurance». Medical Care Research and Review. Medical Care Research and Review. 63 (6): 663–700. ISSN 1077-5587. PMID 17099121. doi:10.1177/1077558706293634 
  22. Park, Madison (18 de setembro de 2009). «45,000 American Deaths Associated with Lack of Insurance». CNN. Consultado em 1 de outubro de 2009 
  23. Sainato, Michael (7 de janeiro de 2020). «The Americans dying because they can't afford medical care». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  24. Fahrenthold, David A. (5 de abril de 2006). «Mass. Bill Requires Health Coverage». Washington Post. Consultado em 19 de junho de 2007 
  25. «Nova lei de saúde, Obamacare entra em vigor nos EUA». G1. 1 de janeiro de 2014. Consultado em 25 de junho de 2015 
  26. «2007 Facts & Figures». Texas Medical Center. Consultado em 7 de novembro de 2008. Arquivado do original em 23 de Junho de 2010 
  27. Oficina de Relaciones Públicas del Texas Medical Center. «Hechos y cifras». Tex Med Ctr.com (em espanhol). Consultado em 28 de junho de 2010 [ligação inativa] 
Ícone de esboço Este artigo sobre os Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.