Sacro Império de Reunião

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Reunião
Sacro Império de Reunião
Bandeira de Reunião
Brasão do Império
Lema: Fiat Justitia, Pereat Mundus
Hino nacional: Deus Salve o Imperador
Gentílico: Reunião / Reuniã

Localização

Capital Saint-Denis(Reunião)
Língua oficial Português, Inglês
Governo Monarquia Potencialmente Absolutista
 - Imperador Cláudio de Castro
 - Premier João Santana
 - Presidente do Egrégio Luiz Azambuja
Área  
 - Total 100 Km2 km² 
 - Água (%) 0,15%
População  
 - Estimativa para 2015[1] 1011 hab. 
IDH (2014) 0,915  – muito elevado
Moeda Cifra (X$)
Clima Equatorial semi-úmido
Org. internacionais Liga dos Estados Secessionistas
Cód. ISO REU
Website governamental www.reuniao.org

O Sacro Império de Reunião (em inglês Holy Empire of Reunion) é uma micronação fundada em 28 de Agosto de 1997, como uma simulação política e constitucional e é um dos ícones do micronacionalismo lusófono.

Modelista, a micronação reivindica, como território de referência, a Ilha de Reunião, parte do Arquipélago dos Açores e de Maurício. O império não tem soberania efetiva sobre nenhum destes territórios e jamais foi reconhecido por nenhum outro estado soberano. Seus criadores foram estudantes da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, e, até hoje, a maioria dos seus "cidadãos" são brasileiros e portugueses.

O império cunha suas próprias moedas, imprime passaportes e notas de dinheiro, e produz bandeiras e estandartes para seus cidadãos desde o ano 2000. Segundo seus fundadores, o principal objetivo da micronação é promover uma profunda interação política entre seus participantes, com o intuito de fortalecer a formação e o interesse nessa área. No mesmo ano, o 'New York Times, numa reportagem sobre o micronacionalismo, citou o império como um de seus maiores expoentes e mencionou a política de bastidores da micronação, como dando lugar a "intrigas que não são vistas desde os anos de Luis XIV, que se dão na corte e listas virtuais" de Reunião.[2] Os "reuniãos" participam da política de seu país através de suas listas de discussão, fan page do Facebook e se encontram, com frequência anual, em sua convenção anual.

O interessante caso de Reunião foi também tratado no mais importante livro sobre o hobby que é o micronacionalismo, o francês Ils ne siégent pas a l'ONU, tendo merecido duas páginas inteiras.[3] de autoria do Professor Fabrice O'Driscoll, da Universidade de Aix-Marseille. Neste mesmo livro, são contados detalhes do singular sistema de governo da micronação, a monarquia potencialmente absoluta.

Muito ativa até os dias de hoje, mesmo com o enfraquecimento das listas de email, a micronação já foi tema de dezenas de matérias e artigos em mais de 20 meios de comunicação, tendo sido estrela de uma publicação de primeira página do maior jornal da verdadeira Ilha de Reunião, Le Quotidien (Capa do Jornal Le Quotidien), que utilizou da micronação para traçar um paralelo entre sua independência fictícia e a vontade dos verdadeiros habitantes da ilha em serem independentes da França. Também foi tema de reportagens da Folha de S.Paulo.[4] Além de jornais e revistas, o império também deu base a algumas teses acadêmicas, em vários lugares do mundo.[5][6][7]

Em 2006, o "governo" do país ajudou a organizar a Equipe Intermicronacional Kiva, tendo emprestado, junto com outras micronações, mais de 1000 dólares americanos para pessoas passando necessidades em vários lugares do mundo.[8]

De acordo com a BBC de Londres, Reunião é uma das mais bem-relacionadas nações do micronacionalismo, tendo relações e contactos com mais de 175 outras.[9]

Referências

  1. Guia dos Curiosos
  2. The New York Times: "Utopian Rulers, and Spoofs, Stake Out Territory Online", 25 May 2000.
  3. "Ils ne siegent pas a l'ONU": Ils ne siègent pas à l'ONU. Webcitation.org. Visitado em 15/07/2012. ISBN 2-87867-251-8
  4. (em português)(1998-08-05). Micronação sai do quarto para a Internet. Folha de S.Paulo.
  5. Taglioni, François. «INSULARITY, POLITICAL STATUS AND SMALL INSULAR SPACES» (PDF). Consultado em 7 de fevereiro de 2015. 
  6. (em polonês)«Człowiek-wódka patrzy na lepszy świat». Kurier. Consultado em 7 de fevereiro de 2015. 
  7. (em italiano)Iolis, Andrea. «Teoria delle Micronazioni». Consultado em 7 de fevereiro de 2015. 
  8. «Kiva». Consultado em 7 de fevereiro de 2015. 
  9. Birth of a cybernation. BBC News.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]