Sagrada Família (Belo Horizonte)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Sagrada Família (desambiguação).
Sagrada Família (Belo Horizonte)
—  Bairro do Brasil  —
Distritos
População
 - Total 34 3 mil
Fonte: Não disponível

Sagrada Família é um bairro de classe média-alta na cidade de Belo Horizonte.Se encontra na regional leste da cidade fazendo fronteira com os bairros: Horto, Floresta, Instituto Agronômico, Santa Teresa, Cidade Nova e Bairro da Graça. Segundo dados do Censo 2010, é o bairro mais populoso da cidade, com 34,3 mil habitantes. Além do seu caráter residencial se caracteriza-se por possuir vários estabelecimentos comerciais como supermercados, lojas, sorveterias, padarias, cafés, restaurantes etc.

O bairro localizado a cerca de 2 km do centro de Belo Horizonte conta com importantes avenidas que atravessam o bairro como a avenida Petrolina com vários bares e restaurantes, a avenida Silviano Brandão (famoso polo de móveis da capital mineira) e que liga o bairro a avenida Cristiano Machado fazendo assim a ligação do bairro a vários pontos da cidade.

História[editar | editar código-fonte]

A história do bairro teve inicio no começo do século XX quando a região onde se localiza hoje o bairro Sagrada Família começou a ser povoada a beira do “Córrego da Mata”, na então fazenda de Altamiro Corrêa. Na administração do então prefeito da época, Otacílio Negrão de Lima, esta fazenda foi transformada em loteamento e os lotes vendidos cada unidade por 400 mil réis, em prestações de 50 mil réis por mês. Os nomes de algumas ruas como João Gualberto Filho, Stela de Souza, Genoveva de Souza e outras mais, são em homenagem a familiares de João Gualberto, um dos primeiros moradores do bairro.

Sugerido por Maria Brasilina, mulher de João Gualberto, em 1913, o presépio do Pipiripau foi montado, quase debruçado à margem do córrego. A esse presépio, se chegava através de uma pinguela de pau e estreita, o que inspirou Brasilina a sugerir a troca de nome para Sagrada Família.

No começo da década de 40, o padre Alemão Idelfonso Beu, construiu a igreja da Sagrada Família. O bairro Sagrada Família é resultado das primeiras vilas que surgiram na capital, fora do perímetro da Avenida do Contorno.

Avenida Silviano Brandão: Importante via de acesso e polo de imóveis do bairro e de Belo Horizonte.

Isso foi o princípio do bairro, que ia subindo morro acima, acompanhando a velha rua Conselheiro Lafaiete, única existente na época. Tempos depois, o novo bairro passou a subir pelas ladeiras da rua General Carneiro, a mais larga e a melhor arborizada.

Todas as pessoas do bairro desciam o morro para pegar o bonde do Horto, que subia e descia a rua Pouso Alegre, em busca da saudosa e ensombrada de árvores, a Praça Sete. Este velho bonde rodava pela avenida do Contorno, viaduto da Floresta, rua Caetés e, mais tarde, rua da Bahia, para alcançar o centro.

O bairro possuía alguns automóveis que mesmos velhos ou antiquados, era a expressão de classe e poder econômico. Hoje, como toda Belo Horizonte, o bairro convive com o crescimento conturbado e uma enorme especulação imobiliária. O processo de verticalização intenso muda a cada dia o cenário do bairro com muitas residências sendo compradas e demolidas dando seu espaço para a construção de grande prédios.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Bairros vizinhos[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.