Salame

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Salame
Salame italiano (Friuli).
Categoria enchido
País Itália
Receitas: Salame   Multimédia: Salame

O salame (em italiano: salame, plural: salami) é um enchido de origem italiana. O nome é derivado do verbo italiano salare, que significa salgar.[1]

Historicamente, o salame está associado aos camponeses italianos, como um produto de carne que podia ser armazenado a temperatura ambiente, por períodos de até um ano, constituindo um suplemento ao fornecimento escasso ou inconstante de carne fresca, em épocas mais remotas.

Ingredientes[editar | editar código-fonte]

Salame com pele comestível.

Um salame tradicional, embora existam diversas variedades, é feito de uma mistura de ingredientes que pode incluir os seguintes:

A mistura crua fermenta durante um dia, para depois ser introduzida numa tripa comestível ou artificial, e pendurada para ser curada.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

O salame é comum em diversas regiões do Brasil, podendo ser encontrado uma grande variedade. No Paraná o salame cracóvia é um embutido defumado feito com carne suína selecionada, geralmente o lombo ou pernil do porco, muito bem temperada com alho, pimenta e sal.[2][3][4][5][6] O embutido surgiu na década de 1960, em Prudentópolis, região centro-sul do Paraná, colonizada por eslavos, em sua maioria por descendentes de ucranianos.[2][3][4] Uma família ucraniana buscava produzir um embutido artesanal que fosse diferente das salsichas, mortadelas, salames e linguiças da época.[3] O salame cracóvia é defumado em alta temperatura, o que o deixa cozido. Diferenciando-o do salame tradicional, que é cru, defumado e maturado a frio, e da tradicional linguiça, que é embutida e defumada também a frio, mas não maturada.[3] A iguaria agradou muito os imigrantes poloneses que batizaram com o nome de cracóvia, em referência à cidade polonesa Kraków.[3] O seu uso é diversificado, mas é comum sendo usado fatiado em sanduíches,[5] em entradas e na preparação de molhos, e até no recheio de pizzas e em risotos.[3][7][8]

Referências

  1. «Il nome del salame» (em italiano). Villani Salumi. Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  2. a b Secretaria da Comunicação Social do Paraná (2019). «Prudentópolis - Capital da Oração: terra das cachoeiras gigantes». Viaje Paraná. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  3. a b c d e f Daniel Batistella (12 de agosto de 2015). «Como usar a cracóvia em muitos preparos». Gazeta do Povo - Bom Gourmet. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  4. a b Orlando Baumel (16 de setembro de 2009). «Cracóvia – o Salame de Prudentópolis». Oba Gastronomia. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  5. a b «Cracóvia: O salame paranaense de "origem" ucraniana». Green Dog. 1º de junho de 2015. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  6. «Cracóvia, o embutido fabricado em Prudentópolis». Tribuna SC - Distinção. 2019. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  7. «Aprenda um risoto bem paranaense, feito com cracóvia, de Prudentópolis». G1. 10 de abril de 2016. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  8. Andrea Torrente (16 de agosto de 2014). «Empresas apresentam embutidos produzidos no Paraná». Gazeta do Povo - Bom Gourmet. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Salame
Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.