Salomão Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde fevereiro de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Salomão Sousa
Nascimento 19 de setembro de 1952
Goiás
Residência Brasília/DF
Nacionalidade brasileiro
Ocupação escritor, jornalista, funcionário público

Salomão Sousa (Silvânia, 19 de setembro de 1952) é um poeta brasileiro.

Cursou o primário em escola rural e no Grupo Escolar Moisés Santana, e o ginasial no Ginário Anchieta, em Silvânia (GO). Fez o Científico no Colégio de Taguatinga Sul, onde teve como professores o poeta Anito José Steinbach e Dad Squarisi (consultora de língua portuguesa do jornal Correio Braziliense). Formou-se em Jornalismo pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília (CEUB), e fez estágio no extinto Correio do Planalto, acompanhado por Archibaldo Figueira, Rachid Rachid e Mário Eugênio.

Na juventude, trabalhou como balconista de secos e molhados. Trabalhou na Prefeitura Municipal de Silvânia (GO) como porteiro do Hotel Municipal e bibliotecário da biblioteca pública. Ingresso no serviço público em 1973, inicialmente na Fundação Educacional do Distrito Federal e, a partir de 1977, no Ministério da Fazenda (esteve cedido para os Ministério da Ação Social e Ministério do Trabalho e Emprego).

Na década de 1970, participou parcialmente do movimento Poesia Marginal com Esbarros, entre outros pequenos folhetos. Nesta época, assim Jorge Amado autografou num dos livros que lhe mandou: Um poeta de primeira ordem — original e humano, sensível e consciente. Poesia que não é cera, é chama.

Organizou as antologias Em canto cerrado (de poesia) e Conto candango, com escritores de Brasília. É um dos 47 poetas incluídos no número que a revista portuguesa Anto dedicou, em 1998, à literatura brasileira, em comemoração aos 500 anos da descoberta do Brasil.

Está inserido na Antologia da nova poesia brasileira (1992), de Olga Savary, e na A poesia goiana do século XX, de Assis Brasil. Organizou em 2008 a antologia Deste Planalto Central — Poetas de Brasília como parte da I Bienal Internacional de Poesia da Biblioteca Nacional de Brasília. Mantém o blog Safra Quebrada.

Obteve o Prêmio Capital Nacional do Ano 98 de Crítica Literária, Reconhecimento Público da Resistência ao Ordinário pela edição do Chuço, do jornal O Capital, Aracaju (SE).

A UBE, Seção de Goiás, concedeu-lhe, em 2011, o Troféu Tiokô como persononalidade goiana que mais se destacou fora de Goiás no biênio 2010-2011.

Participou como convidado, em 2014, do VI Festival las Lenguas de América/Carlos Montemayor, do Centro Cultural Universitário, da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

Participou como convidado, em 2016, do evento de Poetas José López Coronado, realizado na cidade de Chota, região de Cajamarca, Peru.

Participou como convidado, em 2017, do encontro internacional Literatura Equinoccional, Cidade Lírica, na cidade de Quito, Equador, com organização de CADELPO. Com seções nas Faculdades de Comunicação e de Filosofia e Letras da Universidade Central, e na Unasul.

Membro da Associação Nacional de Escritores (DF) e da Academia Flor do Vale de Ipaussu (SP).

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • A moenda dos dias, Ed. Coordenada, Distrito Federal, 1979.
  • A moenda dos dias/O susto de viver, convênio INL, Ed. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1980.
  • Falo, Thesaurus Editora, Distrito Federal, 1986.
  • Criação de lodo, edição do autor, Distrito Federal, 1993.
  • Caderno de desapontamentos, edição do autor, Distrito Federal, 1994.
  • Chuço, zine xerocopiado (19 números até 1999)
  • Estoque de relâmpagos, prêmio Bolsa Brasília de Produção Literária, 2002.
  • Ruínas ao sol, Prêmio Goyaz de Poesia, Ed. 7Letras, 2006;
  • Safra quebrada (reunião dos livros anteriores e de dois inéditos), publicado com recursos do FAC, 2007;
  • Momento crítico, de textos críticos, crônicas e aforismos, Brasília: Thesaurus Editora/FAC Fundo de Apoio à Cultura, 2008.
  • Vagem de vidro, poesia, Brasília: Thesaurus Editora, 2013.
  • Descolagem, antologia de poesia, Goiânia: Kelps, 2016, apresentação de João Carlos Taveira.
  • Despegues y ressonancias, plaquete de poesia, Peru, Lima: Maribelina, Casa do Poeta Peruano, organização e apresentação de José Guillermo Vargas.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Safra Quebrada (reunião dos livros anteriores e de dois inéditos), publicado com recursos do FAC, 2007;
  • Cronistas de Brasília, Vol. II, Org. de Aglaia Souza, Thesaurus, Distrito Federal, 1996

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências