Salto (Montalegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Este artigo ou partes de seu texto podem pode não ser de natureza enciclopédica.
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Favor adicionar a data dessa marcação, o que pode ser feito automaticamente substituindo essa predefinição por {{subst:não-enc}}.
 Portugal Salto  
—  Freguesia  —
Igreja de Salto
Igreja de Salto
Salto está localizado em: Portugal Continental
Salto
Localização de Salto em Portugal
Coordenadas 41° 38' 55" N 7° 56' 34" O
País  Portugal
Concelho MTR.png Montalegre
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Alberto Martins Fernandes (PS)
Área
 - Total 77,89 km²
População (2011)
 - Total 1 429
    • Densidade 18,3 hab./km²
Orago Nossa Senhora do Pranto

Salto é uma freguesia portuguesa do concelho de Montalegre, com 77,89 km² de área e 1 429 habitantes (2011). A sua densidade populacional é 18,3 hab/km². Tem por orago antigo Nossa Senhora do Pranto, comemorada a 15 de Agosto, dia em que "a Senhora" sai em longa e florida procissão.

Salto situa-se num meio montanhoso, que restringe a fertilidade e a extensão das terras cultiváveis, a produção de cereais levou à organização do termo de cada povoado em dois espaços bem distintos cujas relações asseguravam a produção do sistema agro-pastoril:

- um domínio cultivado, com terras de cereal, pousios, prados e hortas, exploradas individualmente.

- um domínio inculto, o monte, geralmente mais extenso, com terrenos de pastagem, matos e bosques, explorados em comum pelos vizinhos.

Salto tem como concelhos vizinhos: alguns concelhos do distrito de Braga e Boticas (Vila Real).

Festas Populares[editar | editar código-fonte]

A festa senhora do pranto[editar | editar código-fonte]

O pároco da freguesia de santa Maria de salto em 1758, o reitor António Alves de Sousa, fornece a sua versão para a origem do nome de salto:” Este dito lugar é assim chamado para a tradição de uma imagem com o titulo Senhora do Pranto, padroeira desta freguesia chamada a “Senhora de Salto” pela dita tradução de que de distancia de quase meio quarto de légua saltara para um sítio em que hoje está, para a lagoa e carvalheira que esta se extingui e é o sítio deste lugar.  A carvalheira secou e a lagoa enxugou de sorte de que no tempo do Estilo e parte do Outono faz a aprazível e de limitável a circunspecto deste lugar de salto”

Perante o fenómeno milagroso persistentemente repetido, da misteriosa mudança de imagem de Senhora, do lugar de Oliveira para o sítio onde seria construída, há mais de mil anos, a igreja velha, o povo devoto achou que se a Senhora dava o “salto” para este lugar era porque desejava que lhe construíssem um espaço de culto ali e por isso foi decidido construir uma capela para acolher a Senhora, nascendo a nova aldeia em seu redor, a qual recebeu o nome de Nossa Senhora de Salto ou Santa Maria de Salto, em honra do “salto da Senhora” de Terras de Oliveira para este novo lugar.

Sendo pacificamente aceite que a etimologia de Salto remete para a designação latina as saltum com o significado “caminho entre os bosques”.

Nossa Senhora do Pranto é comemorado a 15 de Agosto, dia em que a “Senhora” sai em longa e florida procissão.  A 13 de Agosto existe uma outra procissão a Nossa Senhora de Fátima.

Remetendo para 3 dias de grande euforia em Salto.

A festa de São Sebastião[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de Janeiro, a meio do Inverno, tem lugar a Festa de São Sebastião, numa época considerada como não coincidente com o tempo festivo.

Vinha o Santo em procissão dum único andor presidir à bênção do pão e do vinho que ficava assim diferente do pão normal. Tinha mezinha, podia-se guardar de um ano para o outro que não ganhava bolor.

O bobo comunitário de São Sebastião reconhece as graças concedidas, através do esconjuro de afastamento dos cavaleiros do Apocalipse, sendo as capelas de São Sebastião situadas na entrada dos povos donde sopram os maus ventos ou donde vêm as pragas às culturas. Sabemos que a origem desta fé é muitas vezes secular, atribuída por Leite Vasconcelos a uma grande peste que assolou o país em 1505.

O medo da fome, da peste e da guerra de que o santo é advogado foi sempre uma espada de Damocles sobre a cabeça do povo, daí a devoção a este servo de Deus.

Em Salto, na “roda” de distribuição gratuita, são ofertados os “mordomos” benzidos, uma porção de pão e um copo de vinho. Os que assistem ao ritual levam para casa um “mordomo” a mais para cada filho, e muitas vezes outro por cada género de animais. A este pão ou carolo atribui-se poder curativo, não ganhando bolor ao longo do ano.

O tempo da quaresma[editar | editar código-fonte]

A quaresma que se seguia este longo período festivo que abarca Dezembro, Janeiro e Fevereiro, impõe silêncio e jejum, com interdição do toque dos sinos, das festas, jogos ou espectáculos. É um período sagrado, centrado nos sermões e preces, cujos 40 dias culminaram na Semana Santa, e em particular na Sexta-Feira e no Domingo de Páscoa- o primeiro Domingo após a primeira Lua Cheia da Primavera.

O sexto domingo, que dá inicio a semana santa, é chamado “Domingo de Ramos”.

Os dois grandes períodos opostos do Inverno e do Verão são assinalados pela matança do porco, a qual se apresenta como uma inauguração caléndarica ritual e psicológica, uma espécie de antecipação do Carnaval. O porco é a despensa do ano, que permite uma grande variedade de preparações.[1]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Património Gastronómico[editar | editar código-fonte]

Fumeiro: - Chouriças de carne - Chouriças de sangue - Salpicão - Presunto - Orelheira e Ranhões

Filhoses: - de lêveda (que se consomem no Sábado Filhoeiro, ou de Entrudo) - de orelheira

Referências

  1. Baptista, José Dias (1992). A questão de salto: 1914-1916. Montalegre: Câmara Municipal de Montalegre. 20 páginas 
Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.