Samuel Úria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde março de 2011) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Samuel Úria (Tondela, 18 de Setembro de 1979) é um músico português[1][2], membro do movimento FlorCaveira (que teve a sua origem em 1999) fundado por Tiago Guillul.

Samuel Úria na FNAC Santa Catarina, no Porto, a 29 de outubro de 2016

Líder dos Samuel Úria & As Velhas Glórias, embora se tenha celebrizado nos últimos anos pelos seus trabalhos a solo. Participa ainda no supergrupo da FlorCaveira "Os Ninivitas" e supõe-se ter integrado, com um alter-ego, o projecto Maria Clementina. Desde 2013, é também um dos rostos e vozes do colectivo XNC, com Tiago Guillul, Alex D'Alva Teixeira, Martim Torres e outros.

O EP Em Bruto e o álbum Nem Lhe Tocava captaram a atenção da imprensa portuguesa, com a crítica a ser consensual na consideração de Samuel Úria como um dos mais importantes escritores de canções da actualidade.

No dia 10 de Junho de 2009, Úria escreveu e gravou, num só dia, um disco inteiro em sua casa. A composição e registo das músicas foi filmada e transmitida em directo pela internet, enquanto os espectadores forneciam sugestões via email. O resultado foi o disco "A Descondecoração de Samuel Úria", lançado um ano depois.

Surge na longa-metragem O Que Há De Novo No Amor? representando-se a si próprio, dando um concerto onde toca duas canções suas Barbarella e Barba Rala e Não Arrastes o Meu Caixão.

Edita em 2013 o seu 3º LP, intitulado "Grande Medo do Pequeno Mundo", um disco imediatamente acolhido pela crítica e pelo público. Destacam-se neste disco as participações de cantores como Manel Cruz, Márcia, António Zambujo ou Gonçalo Gonçalves.

Ganhou, em 2014, o prémio para a melhor canção do ano da SPA, como o tema "Lenço Enxuto".

Apesar de ainda ser conotado à música alternativa e um fenómeno emergente das editoras indie portuguesas, a carreira de Samuel Uria passa pela escrita de canções e letras para nomes de primeira água da música lusa, como Ana Moura, António Zambujo, Clã ou Kátia Guerreiro.

Lança em 2016 o álbum "Carga de Ombro", produzido por Miguel Ferreira e novamente aclamado pela crítica.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 2003 - O Caminho Ferroviário Estreito
  • 2005 - Samuel Úria & As Velhas Glórias
  • 2008 - Samuel Úria em Bruto
  • 2009 - Nem Lhe Tocava[1]
  • 2010 - A Descondecoração
  • 2013 - Grande Medo do Pequeno Mundo
  • 2016 - Carga de Ombro
Ninivitas
  • 2005 - A Sessão de Água de Madeiros
Colectâneas
  • 2006 - 5 Subsídios para o Panque-Roque do Senhor
  • 2007 - A FlorCaveira em Frequência Modulada
  • 2008 - Novos Talentos Fnac
  • 2008 - A FlorCaveira Apresenta O Advento

Referências

  1. a b Jaime Martins Alberto (28 de Outubro de 2010). «Primeira Pessoa - Samuel Úria». sítio Sábado.pt. Consultado em 20 de Junho de 2012 
  2. «Quem é Samuel Úria?». sítio Prova Oral - Rtp. 4 de Fevereiro de 2010. Consultado em 20 de Junho de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Samuel Úria