San Junipero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"San Junipero"
4.º episódio da 3.ª temporada de Black Mirror
Informação geral
Direção Owen Harris
Escrito por Charlie Brooker
Duração 61 minutos
Transmissão original 21 de outubro de 2016
Convidados
  • Gugu Mbatha-Raw como Kelly
  • Mackenzie Davis como Yorkie
  • Denise Burse como Velha Kelly
  • Raymond McAnally como Greg
  • Gavin Stenhouse como Wes
  • Cheryl Anderson como Laura
  • Jackson Bews como Harvey
  • Annabel Davis como Velha Yorkie
  • Billy Griffin Jr como Davis
  • Paul Lawrence Kitson como Barman
  • Jeff Mash como Médico
Cronologia
"Shut Up and Dance"
"Men Against Fire"
Lista de episódios de Black Mirror

"San Junipero" é o quarto episódio da terceira temporada da série de ficção científica britânica Black Mirror. Estrelado por Mackenzie Davis e Gugu Mbatha-Raw, o episódio foi escrito pelo criador da série e showrunner Charlie Brooker com a direção de Owen Harris. A estreia aconteceu pela Netflix em 21 de outubro de 2016, juntamente com os demais episódios da terceira temporada.[1]

O episódio recebeu elogios pela crítica, com muitos considerando-o como o melhor episódio da terceira temporada; ele também foi elogiado por ser mais alegre e positivo em comparação a outros episódios de Black Mirror.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O episódio se passa no que a primeira vista parece ser uma vila na Califórnia, San Junipero, no ano de 1987. Uma reservada jovem tímida, Yorkie (Mackenzie Davis), está visitando San Junipero pela primeira vez, ela entra desajeitadamente em um bar local chamado Tucker's. De repente, Kelly (Gugu Mbatha-Raw), uma animada menina festeira, senta ao lado de Yorkie, fingindo que as duas são amigas para tentar despistar Wes, um homem que Kelly namorou uma vez. Kelly faz com que Wes saia dizendo que precisa passar um tempo de qualidade com Yorkie, que só tem cinco meses para viver. Kelly e Yorkie então se conhecem de verdade. Sua tensão sexual sobe até Kelly convidar Yorkie para dançar e Yorkie aceita, mas, cada vez mais envergonhada, corre para fora do bar. Quando Kelly vem atrás dela e se oferece para fazer sexo com ela, Yorkie diz a Kelly que ela está noiva de um homem chamado Greg. Isso não impede os avanços de Kelly, mas Yorkie, embora claramente interessada, finalmente se afasta.

Na semana seguinte, Yorkie tenta uma série de estereótipos extravagantes nos estilos dos anos 80 antes de desistir e retornar ao bar. Ela novamente encontra Kelly, que está flertando com um novo homem até que ela e Yorkie se encontram no banheiro. Yorkie agora diz a Kelly que ela está pronta, e elas se beijam e vão para o bangalô de Kelly para fazer sexo. Yorkie revela que é a primeira vez que ela teve relações sexuais com qualquer pessoa, homem ou mulher, e Kelly revela que ela já foi casada com um homem por um longo tempo e é bissexual. A cena termina quando o relógio bate na meia-noite.

Na semana seguinte, Yorkie procura, mas não consegue encontrar, Kelly. Localizando Wes, Yorkie pergunta a ele onde Kelly está, mas seu único conselho é "tentar achá-la em um momento diferente" e que ele "a viu nos anos 80, 90 e em 2002 uma vez". Yorkie passa as semanas seguintes naqueles tempos, procurando por Kelly. Ela finalmente a encontra em 2002, em um clube jogando Dance Dance Revolution. Kelly a afasta, e Yorkie, que está ferida, diz a ela para sair fora. Uma frustrada Kelly soca um espelho, e o vidro quebrado imediatamente se repara. Sentindo-se mau, Kelly encontra Yorkie e confessa que, na realidade, ela está morrendo e tinha pretendido somente ter um divertimento sem fazer uma conexão genuína com qualquer um em San Junipero. As duas dormem juntas novamente, e Kelly diz a Yorkie que ela quer conhecê-la na vida real. Yorkie hesita, mas com a insistência de Kelly diz para ela a sua localização.

No mundo real na atual década de 2040, as consciências dos mortos ou moribundos podem ser carregadas em um sistema de realidade simulada, onde eles podem viver na cidade de fantasia de San Junipero como seus outros "eu" mais jovens para sempre. As pessoas vivas podem visitar San Junipero para períodos de teste, mas são limitadas a ficar cinco horas por semana. Uma idosa Kelly (Denise Burse) vive em uma instalação de vida assistida, morrendo de câncer. Ela vai visitar a Yorkie do mundo real, que é uma mulher completamente paralisada sobrevivendo apenas por um suporte vitalício. Yorkie ficou paralisada mais de 40 anos antes, quando seus pais a rejeitaram por ser lésbica e, consequentemente, ela bateu com seu carro que foi para fora da estrada.

Com a recente tecnologia de San Junipero, Yorkie tem tido a chance de viver uma vida plena novamente; Seu plano é ter uma eutanásia e passar sua vida após a morte dentro do sistema de realidade virtual: um processo tecnológico chamado "passagem". Como sua família tem objeções religiosas à assinatura dos papéis permitindo que ela seja desconectada do suporte vital, ela planeja casar legalmente com Greg, seu enfermeiro, para que ele possa substituir oficialmente sua autoridade. Ao saber disto, Kelly espontaneamente pede uma visita de alguns minutos com Yorkie em San Junipero, onde ela propõe se casar no lugar de Greg, e Yorkie aceita com entusiasmo. Elas se casam, e Kelly então autoriza a eutanásia de Yorkie, que ocorre algumas horas após o casamento.

Yorkie fica bastante feliz pela sua "passagem" definitiva para San Junipero, mas está frustrada que Kelly só é capaz de se juntar-se a ela por cinco horas por semana. Ela pede a Kelly para se juntar a ela em tempo integral na vida após a morte, mas Kelly rejeita isso. O plano de Kelly é morrer sem ser carregada para o sistema de San Junipero, como seu amado marido escolheu fazer depois de 49 anos de casamento, arruinado pela morte prematura de sua filha adulta. Kelly deseja assim honrar os sentimentos do seu marido e morrer naturalmente como ele. Dentro de San Junipero, ela e Yorkie discutem sobre isso até Kelly ir embora e deliberadamente bater seu jipe, atirando-a para fora veículo. Yorkie chega no local, mas o tempo semanal de Kelly se esgota no mesmo instante e seu corpo mais jovem virtual desaparece.

O tempo passa e a condição real de Kelly piora. Finalmente, ela muda de opinião e opta por viver na vida após a morte em San Junipero, onde ela e Yorkie podem permanecer juntas e viver felizes, para sempre. Seu corpo real é enterrado com o do marido e da filha. Em uma cena no meio dos créditos, uma corporação conhecida como TCKR Systems opera uma enorme sala de servidores, onde os robôs mantêm as consciências daqueles que agora vivem permanentemente em San Junipero.

Produção[editar | editar código-fonte]

Brooker escreveu "San Junipero" depois de querer escrever um episódio com ambientação antiga inspirado pela terapia nostálgica para pessoas mais velhas.[2] No primeiro rascunho, a história de amor era entre um casal heterossexual, mas Brooker mudou. Ele revelou que pensou que isso deu ao episódio uma ressonância extra, pois o casamento entre pessoas do mesmo sexo não era legal em 1987. Brooker disse que a canção "Heaven Is a Place on Earth" de Belinda Carlisle (que toca no início e nos créditos finais do episódio), foi incluída depois que ele a ouviu em uma lista de 1987 no Spotify, depois que ele tinha começado a escrever o script.[2] Ele sabia que a música seria perfeita para a cena final e admitiu que estaria "absolutamente perturbado" se tivessem sido incapazes de utilizá-la.[2]

Referências na série[editar | editar código-fonte]

Além de uma rápida menção a TCKR Systems ainda na terceira temporada, no episódio "Playtest", e um cartão-postal de San Junipero em "Metalhead", as maiores referências a "San Junipero" aparecem no último episódio da quarta temporada, "Black Museum". Lá, descobrimos como começaram as pesquisas que levaram a TCKR Systems a criar a realidade de San Junipero - a ideia de levar idosos para a nuvem chega a ser citada pelos protagonistas, o que indica que Black Museum se passa depois dos eventos de "San Junipero" - e fica implícito que o nome foi derivado do Hospital St. Juniper, onde o dono do museu que deu o título ao episódio trabalhava. A tecnologia de transferência digital de "San Junipero" também é bastante similar a usada nesse e em outros episódios para gerar os cookies, as cópias digitais de consciência, o que leva a desconfiar que a Kelly e a Yorkie vistas no final de "San Junipero" possam ser apenas cookies também - já que a TCKR vista em "Black Museum" parece não ser tão ética.[3][4]

Prêmios Emmy 2017[editar | editar código-fonte]

San Junipero brilhou na entrega do Emmy Awards concorrendo nas categorias Melhor Filme para Televisão e Melhor Roteiro de Filme para Televisão. O episódio levou as duas estatuetas, saindo com 100% de aproveitamento.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

O episódio foi recebido com muitos elogios pela crítica, e foi chamado como um dos melhores episódios da série. Benjamin Lee, do The Guardian, observou que o episódio foi para "lugares surpreendentes e, finalmente, pungentes".[5] Tim Goodman, do The Hollywood Reporter, elogiou o "gancho emocional que deixará apenas o mais duro dos corações não derramando lágrimas".[6] Adam Chitwood, analisando o episódio para o Collider, descreveu-o como o "melhor episódio da temporada".[7] Matt Fowler, da IGN, também descreveu o episódio como o melhor da temporada.[8]

Referências

  1. Whitbrook, James. «Black Mirror Season 3 Will Premiere Sooner Than We'd Thought». io9 (em inglês) 
  2. a b c «'Black Mirror': Showrunner Explains Season 3 Endings». EW.com (em inglês). 23 de outubro de 2016 
  3. «Black Museum Explained: Unraveling Black Mirror's Last Episode». Heavy 
  4. «Are 'Black Mirror' Episodes in the Same Universe? List of Easter Eggs from Seasons 1-4». Heavy 
  5. Lee, Benjamin (16 de setembro de 2016). «Black Mirror review – Charlie Brooker's splashy new series is still a sinister marvel». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  6. «'Black Mirror' Season 3: TV Review | TIFF 2016». The Hollywood Reporter (em inglês) 
  7. «'Black Mirror' Season 3 Review: The Future Is Slightly Sunnier on Netflix». Collider (em inglês). 21 de outubro de 2016 
  8. Fowler, Matt (19 de outubro de 2016). «Black Mirror: Season 3 Review». IGN (em inglês). Consultado em 20 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]