Sancho Garcês I de Pamplona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas com o mesmo nome, veja Sancho Garcês.
Sancho Garcês I de Pamplona
Rei de Pamplona
Reinado 905-925
Consorte Toda Aznares
Antecessor(a) Fortunio Garcês
Sucessor(a) Garcia Sanches I
 
Nascimento ca. 860
Morte 10 de dezembro de 925
Filho(s) Ver Descendência
Pai Garcia Jimenes
Mãe Daldidis de Pallars

Sancho Garcês I de Pamplona(ca. 86010 de dezembro de 925), filho de Garcia Jimenes e de Daldidis de Pallars,[a] filha de Lopo I de Bigorre (m. ca. 910 ) conde de Bigorre e de Faquilena de Roergue, foi rei de Pamplona de 905 até 925 e o primeiro da Dinastia Jimena. Há evidências para acreditar que ele e sua família vieram da comarca de Sangüesa.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Reinando ainda Fortunio Garcês, Sancho ocupou Pamplona com a ajuda do rei Afonso III das Astúrias e o conde de Pallars. Eliminado os direitos patrimoniais dos filhos de Fortunio Garcês, estes passaram para a s sua neta Toda Aznares, esposa de Sancho Garcês I, que se afirmou e proclamou rei de Pamplona em 905, apos destronar o rei Fortunio.[2]

Após a morte do conde de Aragão Galindo II Aznárez, Sancho Garcês I ocupou as terras de Aragão, ignorando todos os direitos. Esta foi a causa que justificou as lutas do governador muçulmano de Huesca, Muhammad al-Tawil, que tinha os direitos sucessórios no território devido ao suo matrimónio com Sancha Aznares, a irmã do conde de Aragão. O problema foi resovido pelo o casamento de Andregoto Galíndez, filha do conde Galindo, com o filho de Sancho Garcês I, o futuro rei Garcia Sanches I, então ainda uma criança.

Expandiu as fronteiras meridionais do reino até chegar as terras riojanas através de uma série de campanhas militares contra os muçulmanos. Conquistou Nájera e estabeleceu lá a sua corte, dando uma organização definitiva o reino de Pamplona. Durante seu reinado começou a cunhar moeda e também implementou o sistema de tenências feudais que se perpetuou em Navarra e Aragão até ao início de século XIII.

Matrimónio e descendência[editar | editar código-fonte]

Reino de Pamplona à data da morte de Sancho Garcês I

Casou com Toda Aznares, filha do conde Aznar Sanches de Larraun e de Onneca Fortunes, filha do rei Fortunio Garcês,[3][4][5][b] que foram primos irmãos, e portanto Toda era neta do rei Fortunio. Deste matrimónio nasceram:

De uma concubina:

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ O Códice de Roda refere "Sanzio Garseanis et Scemeno Garseanis" como os filhos de "Garsea Scemenonis" e sua segunda esposa "domna Dadildi de Paliares soror Regimundi comitis",
[b] ^ De acordo com o Códice de Roda "Santio Asnari et domna Tota regina et domna Sanzia" foram os filhos de "Asnari Sanziones qui et Larron".
[c] ^ O Códice de Roda menciona que "domna Lopa" era a filha de "Sanzio Garseanis...ex anzilla" e que foi a mãe de "Regemundo de Bigorra". Provavelmente era a filha mais velha.

Referências

  1. Martinez Diez 2007, p. 27.
  2. Martinez Diez 2007, p. 26.
  3. Martinez Diez 2005, p. 314, Vol. I.
  4. Martinez Diez 2007, p. 25.
  5. a b Salazar y Acha 2006, p. 34.
  6. Martinez Diez 2005, p. 258, Vol. I.
  7. Martinez Diez 2005, p. 309, Vol. I.
  8. Martinez Diez 2005, p. 329, Vol. I.
  9. a b Martinez Diez 2007, p. 28.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]