Sandra Annenberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sandra Annenberg
Nome completo Sandra Annenberg
Nascimento 5 de junho de 1968 (51 anos)
São Paulo, SP
Ocupação Jornalista e apresentadora
Cônjuge(s) Ernesto Paglia (c. 1994)
Nacionalidade brasileira
Atividade 1984–presente

Sandra Annenberg (São Paulo, 5 de junho de 1968) é uma jornalista e apresentadora brasileira.[1][2] Iniciou sua carreira artística como atriz. Também trabalhou no Jornal Hoje como âncora e editora executiva . Atualmente apresenta o programa Como Será?, e também é apresentadora do Globo Repórter, ambos da TV Globo.[1][2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida na capital paulista, é filha de Alexandre Annenberg Neto, um engenheiro eletrônico brasileiro, neto de russos e filho de um russo com uma romena, com Débora Takser, uma produtora de TV e teatro, neta de Poloneses. Ela é irmã do gestor público e político Daniel Annenberg.[4]

Em entrevistas contou um pouco sobre suas raízes: "Sou neta de russos e romenos por parte de pai. Meu avô, Eduardo Annenberg, nasceu em Astrakhan, cidade na parte europeia da Rússia, e minha avó, Sarah, era da Bessarábia, na Romênia. Ambos fugiram da guerra nos anos 1930, foram para o Brasil e se conheceram em São Paulo."[5][6] É casada, desde 1994, com o também jornalista da Rede Globo Ernesto Paglia. Em 2003 tiveram a única filha, Elisa Annenberg Paglia.[6][7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Annenberg é formada em jornalismo pela Faculdades Integradas Alcântara Machado (FIAM). Cursou Teatro na Escola de Arte Dramática da ECA-USP, mas abandonou-a antes de concluir o curso, devido ao ritmo de trabalho. Nascida em 5 de junho de 1968, na Avenida Paulista, em São Paulo, na infância Sandra costumava passar as férias nos estúdios da TV Cultura, onde sua mãe trabalhava, e já demonstrava afinidade com o mundo artístico. Em 1974, ganhou de presente de aniversário da mãe uma participação como figurante num teleteatro chamado Peixes-Banana.

Na época, decidiu que queria trabalhar na TV, e já sonhava atuar no cinema. Sandra começou a fazer comerciais para a televisão aos sete anos. Fez mais de cinquenta. Em 1982, com quatorze anos, tornou-se repórter do programa da TV Gazeta Crig-Rá, de jovens para jovens, da produtora independente Olhar Eletrônico. O programa foi dirigido pelo hoje cineasta Fernando Meirelles. Ela fazia reportagens sobre sexo e entrevistava as pessoas na rua sobre virgindade, masturbação, primeira vez, traição e fidelidade. E, por isso, ela achava que ia ser jornalista.

Em 1983, aos quinze anos, tornou-se apresentadora do programa Show do Esporte ao lado de Luciano do Valle e Juarez Soares e, em 1984, comandou o TV Criança ambos na Rede Bandeirantes. Neste mesmo ano, a jornalista retorna à TV Cultura e comanda o programa esportivo Vitória, além do programa de música clássica Grandes Concertos e dos Festivais de MPB. Ela não fez participações no programa infantil Castelo Rá-Tim-Bum como umas das patativas.

Por volta de 1984, a apresentadora retomou sua profissão de atriz, fazendo uma pequena participação no espetáculo Um Dia Muito Especial, ao lado de Tarcísio Meira e Glória Menezes. Tomou gosto pela coisa e foi fazer a Escola de Arte Dramática na USP.

Em 1985, estreou no elenco do programa Bronco, transmitido ao vivo. Permaneceu dois anos no programa, onde contracenou com Ronald Golias, Renata Fronzi e Nair Bello. Em 1988, fez a minissérie Chapadão do Bugre.

Na Globo, Sandra estreou no seriado Tarcísio & Glória, em 1988. Também atuou na novela Pacto de Sangue (1989) e nas minisséries República (1989) e A, E, I, O... Urca (1990), quando viveu uma empregada doméstica "avançadinha". Também na novela Cortina de Vidro do SBT de Walcyr Carrasco em 1989 e fazia o papel de uma operária. Fez também a novela Mandacaru na TV Manchete.[8]

Ainda em 1990, transferiu-se para o SBT, onde participou da novela Cortina de Vidro. Foi seu último trabalho como atriz, pois voltou a procurar trabalho como apresentadora. Foi contratada pela Rede Record. Nessa época trocou definitivamente a atuação pelo jornalismo; na Rede Record foi apresentadora do Sport Shopping Show, ao lado de Osmar Santos, além do Super Esporte e do TV Franchising, que ia ao ar aos domingos às 7h. Após estrear no último programa ganhou notoriedade e chamou atenção do jornalismo da Globo, o que lhe rendeu um convite para fazer um teste como moça do tempo. Sandra fez o teste e passou.

Na Rede Globo[editar | editar código-fonte]

Em 1991, aos 23 anos, entrou para a TV Globo de São Paulo e estreou como garota do tempo do telejornal São Paulo Já e como apresentadora de edições regulares do mesmo telejornal. No mês seguinte, começou a apresentar a previsão do tempo no Jornal Nacional, tornando-se a primeira mulher a ter um quadro fixo no telejornal e a entrar todo dia no JN. Para ela, aquele foi o momento de ruptura entre a fantasia e a realidade e ela abriu mão da ficção e abraçou o jornalismo. Fez vestibular, passou e iniciou o curso de jornalismo ao mesmo tempo em que trabalhava.

Em abril de 1993, foi convidada a dividir a bancada do Fantástico com Celso Freitas e Fátima Bernardes. Apresentou edições marcantes, como a dedicada à morte do piloto Ayrton Senna, em 1994.

Depois de três anos apresentando o programa, produzido no Rio de Janeiro, pediu para sair e voltou para São Paulo, onde entre 1996 e 1997 tornou-se apresentadora e editora-executiva do jornal SPTV 1ª Edição.

No ano de 1996, participou da equipe responsável pela cobertura dos Jogos Olímpicos de Atlanta. No ano seguinte, acumulou as funções de apresentadora e editora-executiva do Jornal da Globo.

Em 1998, voltou ao Rio de Janeiro para assumir as mesmas funções no comando do Jornal Hoje. Sandra estava na bancada no JH quando a redação do telejornal foi transferida para São Paulo, em janeiro de 1999. Ela deixou o cargo em outubro daquele ano, para se tornar repórter especial do Jornal da Globo.

Com a chegada de Ana Maria Braga à Globo, em outubro de 1999, a direção da CGJ decidiu mudar o formato do Jornal Hoje. Sandra deixou a apresentação do jornal e, em janeiro de 2000 mudou-se para Londres, assumindo o posto de correspondente internacional e coordenadora do escritório da Globo. Entre os muitos acontecimentos cobertos, destacam-se os acidentes com o avião franco-britânico Concorde, o submarino russo Kursk, a queda do ditador da Sérvia, Slobodan Milosevic, e as repercussões do ataque às Torres Gêmeas em Nova York.

Em 2002 voltou ao Brasil, apresentando o SPTV 1ª Edição ao lado de Chico Pinheiro[9] Em 2003, Sandra voltou para a apresentação do Jornal Hoje com Carlos Nascimento, quem em 2004 foi para a rede bandeirantes, sendo substituído por Evaristo Costa . Em abril de 2005, acumulou também a função de editora-chefe e apresentadora na parte da manhã do telejornal Globo Notícia. Sandra participou das coberturas das Copas do Mundo-FIFA da Alemanha-2006 e da África do Sul-2010.

Sandra cobriu também a escolha do papa Bento XVI em 2005 e os Jogos Pan-americanos no Rio de Janeiro, em 2007. Coube também à jornalista, em março de 2013, informar ao vivo a escolha do sucessor de Bento XVI, o papa Francisco.

Em 2008, Sandra recebeu o prêmio Mulher Imprensa como melhor âncora do país. Voltou a ganhar o prêmio em 2009, 2014 e 2016.[carece de fontes?]

Em 2013 Sandra Annenberg ganhou o troféu de Melhor Jornalista na premiação Melhores do Ano do programa Domingão do Faustão referentes ao ano de 2012.[carece de fontes?] Em 2013, voltou a fazer parte do rodízio de apresentadores do Jornal Nacional, após a ida de Renata Vasconcellos para o Fantástico.

A partir de junho de 2012, Sandra Annenberg passou a acumular seu trabalho no JH com a apresentação dos programas reunidos no Globo Cidadania, Globo Ecologia, Globo Ciência, Globo Educação, Globo Universidade e Ação, substituindo Serginho Groisman. Em 2014, o programa mudou de formato, passando a englobar as edições semanais do Globo Ciências, Globo Ecologia, Globo Universidade e Globo Cidadania. Sandra continuou na apresentação do novo programa, que passou a chamar-se Como Será.

Sandra Annenberg apresentou o Jornal Nacional até abril de 2019, quando pediu para deixar o telejornal para dedicar-se à apresentação do Jornal Hoje e às gravações de Como Será?, em São Paulo.[10]

Em setembro de 2019 passou a apresentar o Globo Repórter.[3]

Entrevista à revista Contigo

Em junho de 2016, durante uma entrevista à revista Contigo!, a jornalista revelou que já havia sofrido discriminação, preconceito e ter sido vítima de assédio sexual. "As mulheres sempre tiveram sobrecarga de trabalho porque acumularam a função de mãe, dona de casa e trabalhar fora. Eu fui discriminada, sofri preconceito, sofri assédio sexual, como todas as mulheres, mas eu fui reagindo".[11]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Emissora
1974 Peixes-Banana Não tinha nome[1] TV Cultura
1984 Um Dia Muito Especial Participação Especial -
1985-1987 Bronco Julinha, a Gata Cabocla Rede Bandeirantes.

Telesséries[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1982 A República
1988 Chapadão do Bugre[1] Vicença
1988 Tarcísio e Glória Júlia
1990 A, E, I, O... Urca Carmencita

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1989 Pacto de Sangue[1] Celeste
1990 Cortina de Vidro Ângela Campos

Curta-metragens[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1992 Jogo da Memória[12]

Telejornais[editar | editar código-fonte]

Ano Título
1991-1993 São Paulo Já
1993-1996 Fantástico
1996-1997 SPTV
1997-1998 Jornal da Globo
1999-2018 Jornal Nacional
1998-1999 e 2003-2019 Jornal Hoje
2012-2014 Globo Cidadania
2014-presente Como Será?
2019-presente Globo Repórter

Como apresentadora eventual[editar | editar código-fonte]

Ano Título
1985-1986 TV Criança-Band
1993-1997 Jornal da Globo
1997-1999 Fantástico
2002-2003 Jornal Hoje
1996-2000

2002-2010

2013-2019

Jornal Nacional
2019-presente Criança Esperança

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Indicação Resultado
2012 Melhores do Ano Melhor Jornalista Venceu
2014 Melhores do Ano Indicado
2015 Melhores do Ano Indicado
2016 Melhores do Ano Venceu
2017 Melhores do Ano Venceu
2018 Melhores do Ano Venceu
2019 Troféu Imprensa Melhor Apresentador de Telejornal Venceu
Troféu Internet Venceu

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Carla Vilhena
Apresentação do Jornal Hoje
2003-2019
Sucedido por
Maria Júlia Coutinho
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.