Sandra Day O'Connor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sandra Day O'Connor
Nascimento 26 de março de 1930 (91 anos)
El Paso
Residência Phoenix, El Paso
Cidadania Estados Unidos
Etnia americanos brancos
Cônjuge John Jay O'Connor
Irmão(s) Ann Day
Alma mater Universidade Stanford, Universidade Stanford
Ocupação juíza, advogada, política
Prêmios Medalha Liberdade da Filadélfia, Medalha Brandeis, National Women’s Hall of Fame, Medalha Presidencial da Liberdade, Museu Nacional Cowgirl e Hall of Fame, Hall da Fama das Mulheres do Texas, Prêmio Elizabeth Blakwell, Membro da Academia Americana de Artes e Ciências
Religião Igreja Episcopal dos Estados Unidos
Assinatura
Sandra Day O'Connor (signature).png

Sandra Day O'Connor (El Paso, 26 de março de 1930) é uma jurista estadunidense, que foi juíza associada da Suprema Corte dos Estados Unidos de 25 de setembro de 1981 a 31 de janeiro de 2006.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Casou-se com John Jay O'Connor III em 1952 e tem três filhos: Scott, Brian e Jay. Gradou-se e doutorou-se na Universidade de Stanford.

O'Connor foi Subprocuradora do Condado de San Mateo, Califórnia, de 1952 a 1953, agiu como advogada civil para o Centro Mercantil Quatermaster de Frankfurt da Alemanha de 1954 a 1957, desempenhou o papel da advocacia em Marivale, Arizona, de 1958 a 1960, atuou como Subprocuradora Geral do Arizona de 1965 a 1969. A jurista foi nomeada senadora pelo estado de Arizona em 1969 e posteriormente se reelegeu por dois períodos bienais, se elegeu juíza do Tribunal do Condado de Maricopa em 1975 e exerceu o cargo até 1979 e, no mesmo ano, ingressou no Tribunal de Apelações do Arizona, permanecendo nele até 1981.[3]

O presidente Ronald Reagan a nomeou juíza associada da Suprema Corte dos Estados Unidos, cargo que assumiu em 25 de Setembro de 1981.[4] Aposentou-se em 31 de Janeiro de 2006.[5]

Marcou, a exemplo de seu predecessor Potter Stewart, sua magistratura pela moderação e equilíbrio entre o conservadorismo em questões penais e o liberalismo em questões sobre o direito ao aborto.[2]

Recebeu a Medalha Benjamin Franklin por Serviço Público de Destaque de 2003.

Referências

  1. «Primeira juíza da Suprema Corte americana Sandra O'Connor sofre demência». ISTOÉ Independente. 23 de outubro de 2018. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  2. a b Stevenson, Richard W. (1 de julho de 2005). «O'Connor, First Woman Supreme Court Justice, Resigns After 24 Years (Published 2005)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  3. «Reagan Nominating Woman, an Arizona Appeals Judge, to Serve on Supreme Court». The New York Times. 7 de julho de 1981. Consultado em 5 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 11 de outubro de 2000 
  4. Greenhouse, Linda; Times, Special To the New York (22 de setembro de 1981). «SENATE CONFIRMS JUDGE O'CONNOR; SHE WILL JOIN HIGH COURT FRIDAY (Published 1981)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  5. Kirkpatrick, David D. (1 de fevereiro de 2006). «Alito Sworn In as Justice After Senate Gives Approval (Published 2006)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 

Precedido por
Potter Stewart
Juíza associada da Suprema Corte dos Estados Unidos
25 de setembro de 1981 - 31 de janeiro de 2006
Sucedido por
Samuel Alito Jr.