Sant'Isidoro alle Terme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja de Santo Isidoro nas Termas
Sant'Isidoro alle Terme
Fachada da antiga igreja e um dos prédios das Termas, utilizado por muitos anos como granário.
Arquiteto Giuseppe Pannini
Início da construção 1754
Religião Igreja Católica
Diocese Diocese de Roma
Geografia
País Itália
Região Roma
Local Rione Sallustiano
Coordenadas 41° 54' 14" N 12° 29' 46" E
Notas: Demolida em 1940

Sant'Isidoro alle Terme ou Igreja de Santo Isidoro nas Termas era uma igreja de Roma, Itália, localizada no rione Sallustiano, na via Parigi. Era dedicada a Santo Isidoro, o Lavrador, mas foi primeiro desconsagrada e depois demolida durante as obras de restauração das Termas de Diocleciano em 1940. Dela só restou a fachada.

História[editar | editar código-fonte]

Esta igreja foi construída por ordem do papa Bento XIV, em 1754, e realizada pelo arquiteto Giuseppe Pannini utilizando algumas salas ao lado da atual "Sala Octogonal" das termas. Estas salas e outras destruídas foram, ao longo dos séculos, utilizadas pelos papas como granários (em latim: "annonae") dos Estados Papais, conhecidos como Granários Paulinos por terem sido criados pelo papa Paulo V.

Em 1754, o papa Bento XIV visitou os granários e, além de restaurá-los, construiu no local o igreja dedicada a Santo Isidoro, o Lavrador, um santo do século XI que era um trabalhador rural e se tornou os seus santos padroeiros. Dez anos depois, o papa Clemente XIII acrescentou mais um depósito para armazenar azeite e celebrou o evento acrescentando seu brasão ao local.

Atualmente, partes deste granário foram restauradas ao seu estado original e formam parte do Museo Nazionale Romano. A pequena igreja perdeu sua função pastoral tão logo outras igrejas foram construídas na região no século XIX, especialmente quando a vizinha Santa Maria degli Angeli tornou-se paroquial. Já estava abandonada e, presumivelmente, desconsagrada em 1891. O interior foi completamente demolido em 1940, durante escavações arqueológicas no local. O arco do teto sobreviveu e o local é utilizado como sala de eventos e exibições.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Armellini, M. (1891). Le chiese di Roma dal secolo IV al XIX (em italiano). Roma: [s.n.] p. 821 
  • Rendina, Claudio (2000). Newton & Compton Editori, ed. Le Chiese di Roma (em italiano). Milão: [s.n.] p. 166. ISBN 978-88-541-1833-1 
  • Quercioli, M. (2000). I rioni e i quartieri di Roma. Rione XVIII Castro Pretorio (em italiano). 3. Milão: Newton & Compton Editori. p. 1064–1105 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]