Taís de Alexandria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Santa Thais)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Santa Taís é uma santa do século IV.

Santa Thais
Nascimento Século IV em Alexandria, Egito
Morte Século IV em Egito
Veneração por Igreja Católica, Igreja Ortodoxa
Festa litúrgica 8 de Outubro
Gloriole.svg Portal dos Santos

Hagiografia, biografia[editar | editar código-fonte]

Escritos antigos[editar | editar código-fonte]

Taís supostamente viveu durante o século iv, no Egito Romano. Sua história está incluído no hagiografia literatura sobre a vida dos santos na igreja grega. Dois desses esboços biográficos de existir. O primeiro, em grego, talvez originado durante o quinto século. Ele foi traduzido para o latim como o Vita Thaisis [Vida de Taís] por Dionísio, o Exíguo durante o sexto ou sétimo século. Outro sketch vem a nós em latim medieval de Marbodo de Rennes (d. 1123). Taís também aparece em grego Martirológios por Maurolico e Greven, no entanto, não em latim martyrologies.[1] A vida do deserto, santos e eremitas do Egito, incluindo St. Homônimo, foram coletadas no Vitae instituições de seus pais [Vidas dos Padres do Deserto].[2][3]

Fontes modernas[editar | editar código-fonte]

Lá surgiu uma moderna teoria que sugere que ela é uma lenda decorrentes da "provavelmente, só um conto moral inventada para edificação."[4] O santo compartilha seu nome com outro Homônimo de grande notoriedade no período Helenístico mundo, muitas centenas de anos antes. Da Antiga Atenas, ela tinha viajado para a Pérsia com a campanha de Alexander.[5] não Obstante, Taís permanece no Calendário da Igreja Católica, com sua festa a ser celebrada a 8 de outubro.[6]

Em 1901, o Egiptólogo Albert Gayet (1856-1916) anunciou a descoberta perto de Antinoë no Egito a mumificados restos mortais de STaís e Bispo Serapião. As duas múmias foram expostas no Musée Guimet , em Paris. Pouco tempo depois ele qualificou sua identificação, deixando em aberto a possibilidade de que os restos mortais não foram esses destes dois santos.[7]

Contas de sua vida[editar | editar código-fonte]

Taís é de primeira, descrita brevemente a rica e bela, uma cortesã que vivem na cosmopolita cidade de Alexandria. Ainda assim, aos olhos da igreja que ela era uma pecadora pública. Taís, no entanto, faz a pergunta sobre a religião Cristã e, eventualmente, converte. Em seu Vita, um monge em disfarçar paga para entrada em suas câmaras a fim de desafiá-la e convertê-la, mas descobre que ela já acredita em Deus, a quem nada é oculto. A identidade desta pessoa que instrui e oferece Homônimo de formas de transformação espiritual é clara, três nomes serem mencionados: São Pafnúcio (Egípcio Bispo Superior Tebaida), São Bessarião (discípulo de Antão do Deserto), e São Serapião (Bispo no Delta do Nilo).[8][9]

Após sua aceitação na Igreja, Taís é mostrado um convento célula onde ela está configurada para três anos. Durante seus anos de solidão, ela realiza a penitência por seus pecados. Quando, mais tarde, surge, é dito, ela vive entre as freiras do deserto Egípcio apenas por um breve período de quinze dias, pouco antes de morrer.[10]

Na arte e na literatura[editar | editar código-fonte]

Tradicionais[editar | editar código-fonte]

Medieval peça por Rosvita[editar | editar código-fonte]

Rosvita de Gandersheim (935-1002), uma abadessa Beneditina da Saxônia (noroeste da Alemanha), escreveu em latim a peça Pafnutius em que Taís aparece. Apesar do título, ela é a personagem principal de interesse. A peça, claro, coloca a história de um Europeu vestido e dentro de um medieval Europeu espiritualidade. Aqui é São Panúcio abordando a abadessa do deserto, o convento, a respeito de cuidados para a sua nova converter Taís:

"Eu trouxe-lhe um meio-morto pouco de cabra, recentemente arrancado os dentes de lobos. Espero que sua compaixão [] seu abrigo seguro, e que, por seus cuidados, [ela] vai ser curado, e que tendo abandonado a áspera pele de uma cabra que será revestido com lã macia do cordeiro."[11][12]

Durante a Idade Média, a evidência histórica indica uma grande popularidade para a história da vida de São Homônimo.

Pintura renascentista de Ribera[editar | editar código-fonte]

Durante o Renascimento, o pintor espanhol Jusepe de Ribera (1591-1652), cuja carreira foi passada em grande parte em Nápoles, produziu a sua composição (acima).

A cultura moderna[editar | editar código-fonte]

Após o artísticas distintas, de chumbo, de Gustave Flaubert (1821-1880), em seu La tentation de Saint Antoine (1874),[13] vieram a ser seguida, e, decididamente, mais cético, mas ainda histórico-veia religiosa, o francês do romance Homônimo de (1890). Isso inspirou o francês da ópera Madame Butterfly (1894). Depois, seguiu o London jogar Thais (1911), o filme de Hollywood Thais (1917) e o Franco-Português estátua Thaïs (1920).

Romance de França[editar | editar código-fonte]

Thaïs é um romance histórico publicado em Paris em 1891 e escrito por Anatole France (1844-1924). Thaïs foi traduzido em 18 idiomas. Quando a França morreu", ele não era, certamente, o mais admirado do autor, no mundo Ocidental," no entanto, desde a sua abordagem tornou-se datado, e a sua reputação caiu.[14]

Paphnuce é um asceta eremita do deserto Egípcio, no entanto, ele parece ser um fanático. Ele determina para converter Thais, um libertino beleza que o conhecia como um jovem, e viagens para Alexandria para encontrá-la. Disfarçado como um dandy, ele é capaz de falar com ela sobre a eternidade; surpreendentemente, ele consegue, em sua conversão ao Cristianismo. Ainda em seu retorno ao deserto, ele é perturbado e fascinado por sua antiga vida. Thaïs entra para um convento para se arrepender de seus pecados, sob o cuidado dos idosos freira Albina. Paphnuce retorna à sua deserto cabana e companheiros dos cenobitas, mas encontra vazio, e é assombrada por "um pouco de chacal". Agora, ele está inquieto e não se esqueça de puxar o seu famoso beleza. Mais tarde, como ela está morrendo e só pode ver o céu se abrir diante dela, ele vem para o seu lado, e diz a ela que sua fé é uma ilusão, e que ele a ama.[15][16]

Ópera de Massenet[editar | editar código-fonte]

Maria Jardim executa no Massenet ópera madama butterfly.

Thaïs de Massenet é uma ópera "comédie lyrique" primeiro, realizado dia 16 de Março de 1894, no Opéra Garnier , em Paris. A música, de Jules Massenet (1842-1912) emprega a prosa libreto escrito por Louis Gallet (1835-1898). Ele se baseia no romance de Anatole France. Massenet,na música, foi chamado de romântico, o seu ser melódico, sedutor, poético, melancólico, "traços do francês teatro lírico no seu melhor".[17]

O opera omite o romance do cético capítulo sobre a vaidade da filosofia. O eremita, o nome foi alterado para Athanaël, que é apresentado com a maior simpatia do que no romance. O primeiro dueto entre Athanaël e Thaïs contrastes sua popa acentos e sua raillery. A última cena do dueto mostra uma inversão de rôles, em que o piedoso e tocantes frases dos Homônimo de transcender o ardor desesperado de Athanaël. Cânticos de desolação, e, mais tarde, a devolução do belo violino a partir de um anterior sinfônica méditation (tocada pela primeira vez durante o intermezzo quando Thaïs havia se convertido), completam o efeito final.[18][19]

Jogar por Wilstach[editar | editar código-fonte]

Thais de Wilstach é um jogo realizado no Critério de Teatro em Londres, 14 de Março a abril de 1911 (31 performances). Escrito pelo norte-Americano Paul Wilstach (1870-1952), estrelado por Constança Collier (1878-1955) a desempenhar o papel-título e Tyrone Power, Sr. (1869-1931) como o eremita. Antes, o jogo teve uma execução de teste em Boston.[20]

Filme Goldwyn[editar | editar código-fonte]

Thais de Goldwyn é um filme de Hollywood , que contou com a soprano de ópera Maria Jardim (1874-1967). Anteriormente ela havia realizado o papel-título de Massenet da ópera madama butterfly em l'Opéra Comique de Paris. O filme, produzido por Samuel Goldwyn (1879-1974), também se baseou no romance de Anatole France. O roteiro de filme, no entanto, contém cenas adicionais em que Paphnutius, ainda não ordenado monge, encontra Homônimo. Estas cenas extras ocorrerem antes do início da França, da obra de ficção.[21] O filme, evidentemente, não se pode considerar um sucesso.

Entre 1911 e 1917, aparentemente, havia cinco filmes mudos direito Homônimo, feito na França, Itália e América, mas nem todos seguiram o santo da história.[22]

Escultura Chiparus[editar | editar código-fonte]

O Homônimo de Chiparus é uma de bronze e a estátua de marfim, representando uma figura dançante, uma elegante jovem no 'antigo' vestido. Ela foi criada na França (com uma produção limitada) durante a Art Deco pelo artista português Demetre Chiparus (1886-1947).[23]

O Sal Estradas[editar | editar código-fonte]

Thais aparece como um dos três protagonistas em O Sal Estradas,de Nalo Hopkinson.

Notas de referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Catholic Encyclopedia (1917)». Consultado em 3 de agosto de 2008 
  2. An early modern, scholarly edition of the Vitae Patrum exists, produced by Heribert Rosweyde: De vita et vebis seniorum librix, historiam eremiticam complectentes (Antwerp: Plantin 1615); reprinted na Patrologia Latina, at volumes 73-74.
  3. R.H.Robbin Library, Camelot Project.
  4. Donald Attwater (compiler), A Dictionary of Saints (London: Burns and Oates 1938), revised and edited by John Cumming as A New Dictionary of Saints (Collegeville, Minnesota: Liturgical Press 1994) at 299. This view is based in part on the 1903 essay by Pierre Batiffol.
  5. Cf., Diodoro Sículo Biblioteca Histórica at XVII, 72.
  6. Cf., Attwater & Cumming (compilers, editors), A New Dictionary of Saints (1994) at 299 (feast day of St. Thaïs), and at 6 (Church Calendar). The Calendar was reformed in 1969.
  7. Cf., Albert Gayet, Antinoë et les Sépultures de Thaïs et Sérapion (Paris: Societé Française d'Éditions d'Art 1902).
  8. Attwater & Cumming, A New Dictionary of Saints (1994) at 299 (St. Thaïs), 244 (St. Paphnutius), 54 (St. Bessarion), 285 (St. Serapion).
  9. Alban Butler, The Lives of the Fathers, Martyrs and other principal Saints (London 1756-1759), 4 volumes, at vol. 4, pg. 61. Cf., revision by Donald Attwater, Butler's Lives of the Saints (Christian Classics 1956), 4 volumes.
  10. Cf., Benedicta Ward, Harlots of the Desert. A study of repentance in early monastic sources (Kalamazoo, Michigan: Cistercian Publications 1989), which includes modern translations of these Egyptian lives.
  11. Katherina M. Wilson (translation, introduction), The Dramas of Hrotsvit of Gandersheim (Saskatoon, Saskatchewan, Canada: Peregina Publishing Co. 1985), "The Conversion of the Harlot Thaïs" at 92-112, 104.
  12. Wilson (ed., transl.), The Plays of Hrotsvitha of Gandersheim (reprint New York: Garland Pub. 1989), "Pafnutius" at 93-122, 112.
  13. Gustave Flaubert, La tentation de Saint Antoine (Paris: Charpentier et Cie 1874), translated as The Temptation of Saint Anthony (Paris: H. S. Nicols 1895).
  14. Wayne C. Booth, "Introduction" to Anatole France, Thaĩs (University of Chicago 1976), translated by Basia Gulati, pp. 1-24, at 8-12.
  15. Anatole France, Thaïs (Paris 1891, revised edition 1921); English translations: Modern Library 1926; University of Chicago 1976.
  16. More so than Gustave Flaubert, the modernist Anatole France was skeptical about religion. His novel Thaïs seems to celebrate eros at the expense of transcendent values, taking grim satisfaction in disclosing hypocrisy, yet sympathetic with his character's confused self-understanding. Anatole France had a "liberal slant" combined with "bitter wit, staunch skepticism, and urban cynicism". Jean Asta, "About the author Anatole France" (2012), which introduces an English translation of his novel Thaïs, at digireads.com.
  17. Milton Cross and David Ewen, Encyclopedia of the great Composers and their Music (New York: Doubleday 1953), Massenet: pp. 464-470, Thaïs at 469-470; descriptive word "Massenetique" at 467.
  18. Gustave Kobbé, The Complete Opera Book (New York: Putnam 1919, 1935), Thaïs at 731-736, 735-736 (final duet).
  19. Cf., Clair Rowden, Republican Morality and Catholic Tradition in the Opera. Massenet's Hérodiade and Thaïs (Weinsberg: Lucie Galland 2004).
  20. Cf., New York Times February 10, 1911, at page 7 (about the play's trial run in Boston). This modern production follows a millennium after the play about Thaïs by Hrotsvitha (935-1002).
  21. IMDb: Thaïs (1917).
  22. E.g., the Italian film of 1917–1918 entitled Thaïs was about contemporary figures with no apparent relation to the life of St. Thaïs.
  23. Height 21", width 23", depth 7". Art Deco sculpture "Thais" by Chiparus Arquivado em 8 de dezembro de 2010, no Wayback Machine.. Retrieved 7 January 2013. It is unclear, however, whether the figure here represents St. Thaïs of Egypt before her converstion (cf., France's novel), or the earlier Thaïs of Ancient Greece.

Veja também[editar | editar código-fonte]