Santana (freguesia de Santana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Portugal Portugal Santana 
—  Freguesia  —
Brasão de armas de Santana
Brasão de armas
Localização no concelho de Santana
Localização no concelho de Santana
Santana está localizado em: Madeira
Santana
Localização de Santana na Madeira
Coordenadas 32° 48' 22" N 16° 52' 50" O
País Portugal Portugal
Região Flag of Madeira.svg Madeira
Concelho STN1.png Santana
Fundação 4 de junho de 1552 (466 anos)
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Ricardo Manuel Jardim Teixeira (CDS-PP)
Área
 - Total 17,80 km²
População (2011)
 - Total 3 275
    • Densidade 184 hab./km²
Gentílico: santanense
Código postal 9230 - _ _ _
Orago Santa Ana e São Joaquim
Sítio www.jfsantana.pt

Santana é uma freguesia portuguesa do concelho de Santana, com 17,80 km² de área e 3 275 habitantes (2011). A sua densidade populacional é 184 hab/km².

História[editar | editar código-fonte]

A freguesia de Santana, criada a 4 de Junho de 1552, é actualmente sede de concelho de mesmo nome e localiza-se na costa norte da ilha da Madeira, aproximadamente a 400 metros de altitude.

Desde muito cedo, foi caracterizada pela historiografia tradicional madeirense, como um dos locais mais encantadores e pitorescos da Ilha, marcada, do ponto de vista da arquitectura tradicional, pelas típicas casas de colmo e, no plano paisagístico, pelas alamedas de buxos e hortênsias.

Alguns locais como o Pico Cortado, a Cova da Roda e o Pico Ruivo são autênticos pontos privilegiados de contemplação de belas paisagens. Um olhar pelo litoral, totalmente classificado como Reserva Natural, faz-nos sentir o vigor das ondas que espumam contra os rochedos.

Da Achada do Teixeira, a cerca de 1592 metros de altitude, podemos encontrar duas formações geológicas que, pelas suas formas nos fazem admitir as capacidades artísticas da natureza, são elas a "Cara" e o "Homem de Pé", do qual se teceu uma lenda que é contada às crianças de Santana. A partir desta Achada podemos caminhar até o ponto mais alto da Ilha, o Pico Ruivo, a 1862 metros de altitude.

Os dois edifícios de cariz religioso de Santana fazem referência à invocação da Santo António, capela que data de 1550, e a Santa Ana, cuja igreja remonta à segunda metade do século XVII.

População[editar | editar código-fonte]

Evolução da População  1864 / 2011
População da freguesia de Santana [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
2 817 3 258 2 966 3 011 3 105 3 123 3 430 4 524 4 953 4 627 4 507 4 169 3 892 3 439 3 275
Grupos Etários 2011
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 573 532 1 681 653 16,7% 15,5% 48,9% 19,0%
2011 460 360 1 752 703 14,0% 11,0% 53,5% 21,5%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

Economia[editar | editar código-fonte]

A agricultura tem sido a base de subsistência da população de Santana. Outrora era muito rica na produção de trigo e milho, cana-de-açúcar, vinho e criação de gado. Hoje, é interessante ver as maçarocas dependuradas em carvalhos, junto às casas para secarem com o sol e, posteriormente, serem utilizadas na alimentação familiar, nos restaurantes ou como semente nas culturas futuras.

Sobre esta planura, Gaspar Frutuoso escreveu: "(…) uma freguesia de invocação de Santa Ana, que terá até quarenta fogos. São terras de lavrança de muito pão e criação; tem muita castanha e noz, e muitas águas e frutas de toda a sorte."

Na orla marítima, existe uma espaçosa fajã a que chamam Rocha do Navio, onde abunda a vinha e outros frutos tropicais como por exemplo, a bananeira.

Durante muito tempo, esta freguesia esteve isolada e esquecida devido ao seu difícil acesso. Nos últimos anos, a freguesia de Santana tem passado por inovações agrícolas e já se observam muitas culturas intensivas. A agricultura continua a ocupar 60% da população activa, sendo as áreas da fruticultura e horticultura as que captam maior índice de investimentos. A batata, o milho, o limão e o feijão verde são as culturas mais relevantes.

No entanto, a grande maioria dos seus habitantes lutava pela subsistência, sendo muitas vezes obrigados a dividir com o senhorio metade da sua produção. Viviam em casas humildes e, em épocas de crises acentuadas, provocadas pelas intempéries e pragas, procuraram melhor sorte em destinos estrangeiros.

Outra parte da sociedade, detentora de algumas propriedades, mestres, tecedeiras e vendeiros, conseguia um nível de vida razoável.

Apenas um punhado de senhores opulentos, alguns dos quais residiam no Funchal, tinha uma vida qualitativamente superior, pois arrendavam as suas terras ou exploravam-nas por um sistema de colonia, usufruindo assim dos produtos cultivados na terra, trabalhada por jornaleiros ou caseiros. Essa elite incluía militares, membros do clero, escritores e funcionários da administração.

A água era indispensável na produtividade da freguesia de Santana. Em 1789, mais de meia centena de levadas, grandes e pequenas, corriam naquele planalto: a maior era a Levada Velha, depois a Levadinha e muitas outras. A posse por este bem tão precioso esteve na origem de muitas querelas entre as famílias proprietárias.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Os moinhos mais antigos estavam na proximidade das ribeiras e pertenciam ao donatário que cobrava a maquia e era o responsável pelo bom funcionamento dos mesmos.

"(…) Era uma construção de apenas um andar, suficiente para caberem as pedras, sendo tradicional e semelhante a muitos outros existentes na Ilha. A água que vem da levada num paredão altaneiro, ao lado do qual está construído o moinho. Esta água precipita-se numa espécie de pipa de madeira, larga no topo e estreita no fundo, a qual faz mover, uma roda horizontal, ligada na vertical por uma haste com as pedras do moinho." in "Santana - Homens e assuntos que a ilustram" Em 1890 foi estabelecido o engenho da cana-de-açúcar. Passados vinte anos era concedida a licença para a construção de uma fábrica de moagem de cana-de-açúcar e destilação movida a água.

Nos ofícios existia, a partir de 1923, sapateiros, relojoeiros, pintores, padeiros, alfaiates, ferreiros e comerciantes em geral. A nível de estabelecimentos, o povo tinha ao seu dispor padarias, mercearias, talhos, cervejarias e uma fábrica de manteiga.

Ultimamente, a indústria tem registado investimentos na área da construção civil e hotelaria. Além destes, destaca-se as carpintarias e as serralharias de alumínio.

Como sede municipal, é uma freguesia com grande abundância no comércio e serviços. Além dos estabelecimentos a retalho, há um mercado abastecedor com salas frigoríficas, máquinas de calibragem e de pesagem. Nos serviços, a população dispõe de repartição de Finanças com tesouraria da Fazenda Pública, cartório notarial, conservatória do Registo Civil, Predial e Comercial, estação dos Correios com distribuição domiciliária de correspondência, corporação de bombeiros, agência bancária, mediadores de seguros, escritório de advocacia e gabinete de contabilidade.

Nas infra-estruturas básicas, a rede de distribuição domiciliária de água preenche as necessidades existentes, embora a percentagem de água tratada, captada em nascente, atinja apenas os 70%; no saneamento, são as fossas sépticas a única forma de escoamento das águas residuais; a recolha de lixo é feita três vezes por semana, cobrindo toda a povoação; na rede de estabelecimentos de ensino, os estudos vão até ao 12.º ano: três estabelecimentos de ensino pré-primário público, duas escolas primárias públicas servidas por refeitório, e uma privada, uma escola de 2.º e 3.º ciclo e secundária.

Na saúde, Santana dispõe de um centro de saúde com serviço de urgência a funcionar 24 horas, posto médico e de enfermagem, clínica privada, laboratório de análises clínicas (apenas serviço de recolha), farmácia e consultórios privados das especialidades mais importantes, à excepção da cardiologia e psiquiatria. A acção social é garantida por um centro de dia.

Na cultura sobressaem várias colectividades: União Desportiva de Santana, Clube de Ténis de Mesa de Santana, Tuna e Grupo Coral de Santana, Grupo de Animação Lírios do Norte e ainda dois ranchos folclóricos. Para a prática das várias actividades desportivas, existe um pavilhão gimnodesportivo, campo de futebol com relvado sintético e pequeno campo de jogos. Para saciar a sede espiritual, existe biblioteca fixa, complementada pelo serviço da biblioteca itinerante, e uma escola de música, extensão do Conservatório de Música da Madeira.

Anualmente ocorre nesta freguesia, pela segunda semana de Julho, um festival folclórico com a duração de 48 horas. No desporto, há um torneio internacional de badminton, o Santana Jovem, que se realiza pela Páscoa.

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes