Anjo de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Anjo de Portugal
Visão de D. Afonso Henriques do Anjo Custódio
Anjo da Paz, da Pátria e da Eucaristia
Veneração por Portugal pela Igreja Católica
Principal templo Monumento na Loca do Cabeço nos Valinhos, em Fátima.
Festa litúrgica 10 de junho
Atribuições Proteção da nação portuguesa, auxílio às tropas de D. Afonso Henriques sobre os muçulmanos, conseguindo assim a Independência de Portugal, anunciador das aparições de Nossa Senhora em Fátima.
Gloriole.svg Portal dos Santos

Anjo de Portugal (também conhecido como Santo Anjo da Guarda de Portugal, Anjo Custódio de Portugal e Anjo da Paz) é uma das designações atribuídas a São Miguel Arcanjo que representa "Portugal", ou seja, a essência espiritual na figura de um arcanjo que protege a nação portuguesa.

A pedido do rei D. Manuel I de Portugal, o Papa Júlio II instituiu em 1504 a festa do «Anjo Custódio do Reino» cujo culto já seria antigo em Portugal. O pedido terá sido feito ao Papa Leão X e este autorizou a sua realização no terceiro Domingo de Julho.[1] A sua devoção quase desapareceu depois do séc. XVII, mas seria restaurada mais tarde, em 1952, quando mandada inserir no Calendário Litúrgico português pelo Papa Pio XII, para comemorar o dia de Portugal no 10 de junho.[2]

Terá surgido pela primeira vez na Batalha de Ourique, e a sua devoção deu uma tal vitória às forças de D. Afonso Henriques sobre os invasores muçulmanos que lhe deram a oportunidade de autoproclamar-se rei de Portugal.

Nas suas Memórias, a Irmã Lúcia contou ainda que, entre abril e outubro de 1916, nas aparições de Fátima, teria já aparecido um anjo aos três pastorinhos, por três vezes, duas na Loca do Cabeço, no lugar dos Valinhos, e outra junto ao poço do quintal de sua casa, chamado o Poço do Arneiro, no lugar de Aljustrel, em Fátima, convidando-os à oração e penitência, e afirmando ser o "Anjo da Paz, o Anjo de Portugal".[3]

Este anjo terá ensinado aos pastorinhos de Fátima duas orações, conhecidas por Orações do Anjo, as quais entraram na piedade popular e são utilizadas sobretudo na adoração eucarística.

Há várias suas representações, nomeadamente as imagens do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra; da charola do Convento de Cristo de Tomar; a pintura da Igreja da Misericórdia de Évora; a iluminura do Livro de Horas de Dom Manuel.[4] e a que está no Museu Nacional de Machado de Castro, em Coimbra, atribuída a Diogo Pires, o Moço[5]

Há igualmente quem defenda que é a figura central do Painel do Infante e do Painel do Arcebispo, que fazem parte dos Painéis de São Vicente de Fora, que estão no Museu Nacional de Arte Antiga, obra que se julga do pintor português Nuno Gonçalves entre 1470 e 1480.

A Loca do Cabeço ou Loca do Anjo de Portugal no local da sua aparição aos três pastorinhos, nos Valinhos, em Fátima.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]