Saquê

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Garrafas de diferentes marcas de saquê

Saquê (português brasileiro) ou saqué (português europeu) (em japonês: nihonshu,日本酒, ou seishu清酒) é uma bebida alcoólica fermentada tradicional do Japão, produzida a partir de 3 ingredientes principais arroz (米), água (水) e kōji ()[1]. O ponto importante para ser considerado saquê é somente o arroz é fermentado no processo; nenhum outro grão ou açúcar participa da fermentação.

A primeira produção de saquê de que se tem registro é datada no século III e ocorreu em Nara, antiga capital japonesa. Diversas regiões do país o produzem, mas a região que leva a fama de fabricar o melhor saquê é o distrito de Fushimi, em Kyoto. Atualmente, existem em torno de 1.200 fabricantes de saquê no Japão. E no Brasil existe a segunda fábrica mais antiga do mundo fora no Japão, a Azuma Kirin que foi fundado em 1934 com o nome Tozan[2].

Processo de fabricação[editar | editar código-fonte]

Diferente da fermentação do vinho pois a uva naturalmente produz açúcar, a fermentação do saquê é mais similar a fermentação da cerveja, no qual o amido (polissacarídeo) é convertido à sacarídeos e por sua vez é convertido em álcool.

O arroz é a matéria prima para fabricação do saquê. Na primeira etapa, chamada de seimai (精米), o grão de arroz é polido para retirada de gorduras e proteínas contidas na parte mais externa do grão. Logo em seguida o arroz é cozido a vapor.

A segunda etapa é a produção do arroz-koji, feito da união do arroz cozido e do fungo aspergillus oryzae (麹 kōji em japonês). Nessa etapa a molécula de amido, contido no interior do arroz ( 心白 shinpaku), passa por uma hidrólise que resulta em moléculas menores de açúcares.

Na sequência é adicionado uma cultura de levedura a uma parte do arroz-koji para início da fermentação. Com isso é formado o shubo (酒母).

A próxima etapa é a formação do moromi (醪), que é a junção do shubo (酒母) com o restante do arroz-koji para que todo arroz seja fermentado, durante cerca de 30 dias, e transformado em saquê.

Por último é feito uma filtração (roka 濾過) e pasteurização (Hi-ire 火入れ).

Como beber[editar | editar código-fonte]

Conjunto para beber saquê incluindo um masu

O saquê pode ser consumido em uma ampla faixa de temperatura, de 5 a 60ºC. O aroma e o sabor da bebida varia com a temperatura.

Em baixas temperaturas (Hiya 冷や 5 a 15ºC) o saquê fica mais licoroso, aromas frescos são exaltados e sabor fica mais delicado. Em altas temperaturas (Kan 燗 30 a 60ºC) o saquê fica mais adocicado e aromático. Em geral, saquês de categorias mais simples recomenda-se aquecer.

A melhor temperatura de consumo do saquê depende das características do rótulo. Para saquês aromáticos e frutados, recomenda-se servir em baixas temperaturas (Hiya 冷や 5 a 15ºC). Já para rótulos de aroma e sabor mais suaves, recomendas-se servir aquecido (Kan 燗 30 a 60ºC).

O aquecimento deve ser feita de forma indireta, em banho-maria. No Japão utiliza-se do tokkuri (徳利) para aquecimento. Caso o saquê passe dos 75ºC o álcool começa a evaporar e perde-se todas as características iniciais da bebida.

É geralmente servido em pequenos copos de porcelana chamados de choko ou o-choko  (お猪口) ou em taças, como as de vinho, para poder apreciar os aromas do saquê. Outra tradicional forma de beber saquê é utilizando o masu, pequeno copo de madeira.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Saquê
  1. «adegadesake | SOBRE SAKES». Adega de Sake. Consultado em 2 de março de 2019 
  2. trianons. «A Azuma Kirin Company». Azuma Kirin Company. Consultado em 2 de março de 2019