Satsang

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Satsang (sânscrito sat = verdade, sanga = companhia) traduzido como "Encontro com a Verdade", vem das tradições orientais e geralmente é utilizado em referência a sentar-se junto a um mestre iluminado (ver também: guru ou buda); Aquele que realizou a Verdade e realiza o apontamento àqueles que vão à sua presença.

Em um satsang, geralmente os presentes fazem perguntas ao mestre, que os direciona à realização de sua natureza, ao Encontro com a Verdade.

O satsang também pode ser constituído por discursos, meditações ou leituras. O propósito de um satsang não é um ensino mental, mas a transmissão da experiência pela presença de um ser "acordado" ou "iluminado", em que os presentes buscam atingir o mesmo nível de liberdade.

Segundo Satyaprem, mestre brasileiro que realiza esse tipo de encontro: "Satsang promove o conhecimento final, o fim do dois. No ambiente de Satsang você não é nem o buscado nem o buscador, você é aquilo que está por trás de todas as coisas. Localizar 'isso' é a única maneira de 'conhecer a si mesmo'."[1]

O indiano Osho diz: "Este é o significado de satsang: ‘satsang significa proximidade estreita com a verdade; significa perto da verdade; significa perto de um Mestre que se tornou um com a verdade – simplesmente estar perto dele, aberto, receptivo e esperando. Se a sua espera se tornou profunda, intensa, uma comunhão profunda acontecerá."[2]

Quem é você?[editar | editar código-fonte]

Satsang nos põe diante dessa inquietante questão, mas sem a proposta de uma definição intelectual. Trata-se de um processo auto-investigativo, em que o participante é convidado a se desfazer de especulações, crenças e ideias. A pergunta "quem é você?" possibilita o verdadeiro auto-conhecimento, uma vez que não espera a formulação de uma resposta, mas orienta à realização da natureza essencial daquilo que somos.

"O nosso encontro ocorre para que você veja que você não é aquilo que está sendo visto. Se você observa alguma coisa, essa coisa está sendo observada. Portanto, como você pode ser o que está sendo observado, se você o está observando? Esta questão nos remete a uma pergunta primordial: quem é você?

Não adianta perguntar para a sua mente, porque ela não sabe. Se quer se aproximar da sua realização, aproxime-se do agora. Olhe para o agora, esteja atento ao agora, para resolver essa questão. No agora não dá tempo de tecer sequer um pensamento a respeito de quem você é – e esta é uma grande chave.

Se você está tentando capturar “quem você é”, procurando por uma resposta palpável, isso significa que você está imaginando que você seja um objeto. Mas, veja bem, digamos que você seja um objeto e consiga capturá-lo, quem o teria capturado?

Pare de tentar encontrar quem você é, usando os velhos artifícios, e dedique-se ao agora. O agora é ausência de tempo e quem você é não pode ser encontrado no tempo. Este é o melhor guia que você pode ter: o agora. No tempo estão os acontecimentos, as memórias, os traumas, as perdas, as conquistas… Tudo isso que veio, foi ou irá está no tempo. Penetre no agora e veja o que você encontra."[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

सत्सङ्ग (Sânscrito):

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «o buscador é o buscado ou além do papagaio | Satyaprem Blog». satyaprem.com (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2017 
  2. «satsang». www.oshosukul.com. Consultado em 8 de julho de 2017 
  3. Satyaprem (27 de março de 2012). «quem é você? | Satyaprem Blog». Quem é você?. Consultado em 26 de janeiro de 2017