Say It Loud – I'm Black and I'm Proud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Say It Loud – I'm Black and I'm Proud"
Single de James Brown
do álbum A Soulful Christmas e Say It Loud – I'm Black and I'm Proud
Lado A "Say It Loud — I'm Black and I'm Proud (Part 1)"
Lado B "Say It Loud — I'm Black and I'm Proud (Part 2)"
Lançamento Agosto de 1968
Formato(s) 7" (stereo)
Gravação 7 de Agosto de 1968 no Vox Studios, Los Angeles, CA
Gênero(s) Funk
Duração
  • 2:45 (Part 1)
  • 2:30 (Part 2)
Gravadora(s) King (6187)
Composição James Brown
Alfred Ellis
Letrista(s) James Brown
Alfred Ellis
Produção James Brown

Say It Loud – I'm Black and I'm Proud é uma canção funk escrita por James Brown e Alfred "Pee Wee" Ellis em 1968.[1] Foi lançada como single de duas partes e alcançou o número um na parada R&B por seis semanas e número 10 na parada Billboard Hot 100.[2][3] Ambas as partes do single foram posteriormente incluídas no álbum de James Brown de 1968 A Soulful Christmas e em seu álbum de 1969 de mesmo nome. A canção se tornou um hino não oficial do movimento Black Power.

"Say It Loud – I'm Black and I'm Proud" foi a primeira gravação de Brown com participação do trombonista Fred Wesley.

Letra[editar | editar código-fonte]

Na canção, Brown aborda o preconceito contra os negros na América, e a necessidade de fortalecimento dos negros. Ele proclama que "nós exigimos uma chance de fazermos as coisas para nós mesmos/estamos cansados de bater nossas cabeças contra a parede/e trabalhar para os outros". O refrão da canção, na forma de chamada e resposta, é cantada por um grupo de jovens crianças, que respondem aos comando de Brown de "Say it loud" com "I'm black and I'm proud!" A canção foi gravada em uma área suburbana de Los Angeles com mais ou menos 30 crianças das vizinhanças de Watts (Los Angeles) e Compton (Califórnia).[4]

A letra "We've been 'buked and we've been scorned/We've been treated bad, talked about as sure as you're born" no primeiro verso da canção é uma paráfrase do spiritual "I've Been 'Buked".

Diversos outros singles de Brown na mesma época de "Say It Loud – I'm Black and I'm Proud", notavelmente "I Don't Want Nobody to Give Me Nothing (Open Up the Door, I'll Get It Myself)", explora temas similares tais como fortalecimentos dos negros e independência.

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

O Rock and Roll Hall of Fame inclui "Say It Loud – I'm Black and I'm Proud" como uma de suas 500 canções que moldaram o Rock and Roll. Em 2004 foi classificada como número 305 na lista da revista Rolling Stone das 500 melhores canções de todos os tempos da Revista Rolling Stone. Inspirou o título do especial da VH1 Say It Loud! A Celebration of Black Music in America.

Músicos[editar | editar código-fonte]

  • James Brown – vocais
  • Crianças não creditadas refrão[5]
  • Ryan Hayman-Ball Prep Academy

com a James Brown Orchestra:

Outras versões e usos[editar | editar código-fonte]

Inúmeras músicos de hip hop e grupos samplearam "Say It Loud – I'm Black and I'm Proud", incluindo Eric B. & Rakim, Big Daddy Kane, LL Cool J e 2 Live Crew.

Alguns intérpretes também fizeram versões cover da canção, incluindo o saxofonista de jazz Lou Donaldson (em seu álbum de 1969 Say It Loud!), o cantor de reggae Bob Marley (em uma medley com "Black Progress") e a banda de punk rock Black Randy And The Metrosquad.

Uma versão minimamente modificada da linha de baixo de "Say It Loud – I'm Black and I'm Proud" aparece em longas sessões da faixa "Yesternow" no álbum de Miles Davis A Tribute to Jack Johnson.

O pianista de jazz Jaki Byard recita a frase título no início de "Parisian Thoroughfare", a faixa de abertura de seu álbum The Jaki Byard Experience. Entretanto, a declamação é somente audível quando a faixa é tocada em alto volume.

A canção ganhou referência no episódio de The Fresh Prince of Bel-Air, inspirado nos protestos do movimento Black Power. Will, o Afro-americano lidera uma tentativa de realizar um protesto (ironicamente, Will e seus primo Carlton são as únicas pessoas negras na sala) e ter o professor popular reintegrado, ele inspira "Cornflake", um estudante branco, que fica de pé e grita "Fight the Power Will! Sing it loud, I'm black and I'm proud" (em português: Combata o poder Will! Cante alto, sou negro e orgulhoso), em que Will replica "See, my man Conflake's got the spirit. He's a little confused but he's got the spirit" (em português: Veja, meu chegado Cornflake pegou o espírito. Ele está meio confuso mas pegou o espírito).

A canção também é referenciada na canção dos The Temptations "Message From a Black Man".

"Let's Take it to the Stage" do grupo Funkadelic acena para esta canção com a letra "Say it loud, I'm funky and I'm proud."

A artista de R&B/Rock Meshell Ndegeocello faz uma cover da canção em suas apresentações ao vivo.

Referências

  1. «Discogs.com: James Brown ‎– Say It Loud - I'm Black And I'm Proud». Discogs.com. Consultado em 1º de abril de 2017 
  2. Whitburn, Joel (2004). Top R&B/Hip-Hop Singles: 1942-2004. [S.l.]: Record Research. p. 84 
  3. White, Cliff (1991). "Discography". In Star Time (pp. 54–59) [CD booklet]. New York: PolyGram Records.
  4. «Charles Bobbit». Interviews, Roots Of Doo Wop. 11 de junho de 2012. Consultado em 11 de junho de 2012 
  5. Leeds, Alan, and Harry Weinger (1991). "Star Time: Song by Song". In Star Time (pp. 46–53) [CD booklet]. New York: PolyGram Records.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]