Screencast

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Screenshot, nem com Screencam.

Um screencast é uma gravação digital de saída de tela de computador, também conhecida como captura de tela de vídeo ou uma gravação de tela, geralmente contendo narração em áudio. O termo screencast compara com o termo relacionado screenshot; enquanto screenshot gera uma única imagem de uma tela de computador, um screencast é essencialmente um filme das alterações ao longo do tempo que um usuário vê na tela do computador, que pode ser aprimorado com narração em áudio e legendas.

Os screencasts são úteis para demonstrar características de softwares. Usuários podem relatar erros e colaboradores mostrar a outros como uma tarefa é realizada em um ambiente específico. Considerando o custo elevado de um curso/treinamento presencial é provável que os screencasts se tornem populares. Por exemplo, organizadores de seminários sobre softwares podem gravar seminários completos e disponibiliza-los em DVDs a todos os participantes para futura referência e/ou vender estas gravações.

Na internet os screencasts são largamente utilizados em forma de vídeo-tutoriais ou vídeo-aulas, para ensinar iniciantes ou até usuários mais experientes o funcionamento de um determinado software.

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

Em 2004, o colunista Jon Udell convidou os leitores de seu blog para propor nomes para o gênero emergente.[1] Udell selecionou o termo "screencast", que foi proposto por Joseph McDonald e Deeje Cooley.[2]

Os termos "screencast" e " Screencam " são freqüentemente usados de forma intercambiável,[3][4] devido à influência do mercado da ScreenCam como um produto screencasting do início dos anos 90.[5] ScreenCam, no entanto, é uma marca registrada federal nos Estados Unidos, enquanto screencast não é marca registrada e tem uso estabelecido em publicações como parte do vernáculo da Internet e da computação.[6][7]

Usos[editar | editar código-fonte]

Um exemplo de screencasting: um vídeo mostrando como alterar uma foto usando "níveis" no GIMP.

Screencasts podem ajudar a demonstrar e ensinar o uso de recursos de software. Criar um screencast ajuda os desenvolvedores de software a mostrar seu trabalho. Os educadores também podem usar screencasts como outro meio de integrar a tecnologia no currículo.[8] Os alunos podem gravar vídeo e áudio enquanto demonstram o procedimento adequado para resolver um problema em uma lousa interativa.

Os screencasts também são ferramentas úteis para usuários comuns de software: eles ajudam a arquivar bugs de relatórios nos quais os screencasts tomam o lugar de explicações escritas potencialmente pouco claras; eles ajudam a mostrar aos outros como uma determinada tarefa é realizada em um ambiente de software específico.

Os organizadores de seminários podem optar por gravar rotineiramente seminários completos e disponibilizá-los a todos os participantes para referência futura e/ou vender essas gravações para pessoas que não podem pagar a taxa do seminário ao vivo ou não têm tempo para comparecer. Isso gerará um fluxo de receita adicional para os organizadores e disponibilizará o conhecimento para um público mais amplo.

Esta estratégia de gravação de seminários já é amplamente utilizada em campos onde o uso de uma simples câmera de vídeo ou gravador de áudio é insuficiente para fazer uma gravação útil de um seminário. Os seminários relacionados a computadores precisam de gravações de alta qualidade e de fácil leitura do conteúdo da tela, o que geralmente não é alcançado por uma câmera de vídeo que registra a área de trabalho.

Nas salas de aula, professores e alunos podem usar essa ferramenta para criar vídeos para explicar conteúdo, vocabulário, etc. Os vídeos podem tornar o tempo de aula mais produtivo para professores e alunos. Os screencasts podem aumentar o engajamento e a conquista do aluno, além de proporcionar mais tempo em que os alunos podem trabalhar em grupos de forma colaborativa, de modo que os screencasts os ajudam a pensar por meio do aprendizado cooperativo.

Além disso, os screencasts permitem que os alunos se movam em seu próprio ritmo, pois podem pausar ou revisar o conteúdo a qualquer momento e em qualquer lugar. Os screencasts são excelentes para os alunos que precisam apenas de uma explicação oral e visual do conteúdo apresentado.

A maioria das versões de avaliação de um programa de screencasting geralmente aplica uma marca d'água automaticamente, incentivando os usuários a comprar a versão completa para removê-la.

Hardware[editar | editar código-fonte]

Uma solução alternativa para capturar um screencast é o uso de uma placa de captura de quadros RGB ou DVI. Essa abordagem coloca a carga do processo de gravação e compactação em uma máquina separada daquela que gera o material visual que está sendo capturado.[9]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Os filmes "Unfriended", "Unfriended: Dark Web" e "Searching" contêm screencasts que foram simulados para os propósitos do filme.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  1. Udell, Jon (16 de novembro de 2005). «What Is Screencasting». O'Reilly Digital Media. O'Reilly. Consultado em 7 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 3 de março de 2007 
  2. Christian (24 de setembro de 2010). «Guide: Recording your Linux desktop with ffmpeg». www.technotes.se — Technical guides and discussions. Consultado em 7 de dezembro de 2010 

Referências

  1. Udell, Jon (15 de novembro de 2004). «Jon Udell: Name that genre». InfoWorld. Consultado em 12 de junho de 2008. Arquivado do original em 16 de junho de 2008 
  2. Udell, Jon (17 de novembro de 2004). «Jon Udell: Name that genre: screencast». InfoWorld. Consultado em 12 de junho de 2008. Cópia arquivada em 10 de julho de 2009 
  3. «Definition of ScreenCam». PC Magazine: Encyclopedia. Ziff Davis. 9 de maio de 2010. Consultado em 30 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 7 de julho de 2009 
  4. «Definition of Screencast». PC Magazine: Encyclopedia. Ziff Davis. 9 de maio de 2010. Consultado em 30 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 3 de julho de 2009 
  5. McCracken, Harry (9 de maio de 1994). «Lotus' ScreenCam is Easy Multimedia». InfoWorld Media Group. InfoWorld. 16 (19): 121. ISSN 0199-6649. Consultado em 28 de dezembro de 2010 
  6. Braun, Linda (2007). Listen up! Podcasting for Schools and Libraries. Medford, New Jersey: Information Today, Inc. ISBN 978-1-57387-304-8 
  7. Notess, Greg (2006). Teaching Web Search Skills. Medford, New Jersey: Information Today. ISBN 978-1-57387-267-6. (pede registo (ajuda)) 
  8. http://eprints.hud.ac.uk/14208/2/Ireland.pdf [ligação inativa]
  9. «Automate Video Capture for Screencasting». Cópia arquivada em 16 de abril de 2009 


Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.