Sebo (medicina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sebo (do lat. sebum)[1] é o fluido corporal, de conteúdo rico em triglicérides,[2] produzido e secretado pelas glândulas sebáceas. Constitui o filme lipídico da superfície cutânea[3] e possui a função de proteger a pele e o couro cabeludo (por exemplo contra as infecções diversas).

O sebo (do lat. sebum) é um tecido animal gordo proveniente das vísceras de animais ruminantes, fonte de gordura saturada, uma mistura de triglicerides de ácidos graxos, com cadeias carbônicas C14 a C22  .

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ir para cima ↑   Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Ir para cima ↑   A referência emprega parâmetros obsoletos |coautores= (ajuda); |coautores= requer |autor= (ajuda)

Composição[editar | editar código-fonte]

O sebo de um indivíduo normal mediano é composto por cerca de 57% triglicérides e ácidos graxos, 26% de ésteres de cera, 12% de escaleno, 3% de ésteres de colesterol e 1% de colesterol.[4]

 Distribuição Graxa  de Sebo Bovino
Cromatografia de Cadeia Graxa Gorduras Saturadas Max -Min dados tipicos
 
Acido Miristico (C14) Max 3%
Acido Palmitico (C16) Max 26%
Acido Stearico (C18) Max 14%
Acido Behenico (C22) N/A 0%
  Subtotal 43%
 
Gorduras Insaturadas  
composição tipica
Miristoleico (14:1) ? 0%
Palmitoleico (16:1) Max 3%
Oleico (18:1) Max 47%
Linoleico (18:2) ? 3%
Linolenico (18:3) Max 1%
Outros ? 3%

Anomalias da pele relacionadas ao sebo[editar | editar código-fonte]

  • Seborréia — erupção cutânea oriunda da raiz dos capilares.
  • Acne — causadas pela hiperprodução de sebo glandular.

Referências

  1. «sebo». Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Priberam Informática. Consultado em 08 de junho de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. «Dermatologia na pele negra». Rio de Janeiro. An. Bras. Dermatol. 83 (1). 2008. ISSN 1806-4841. doi:10.1590/S0365-05962008000100002. Consultado em 8 de junho de 2015  |coautores= requer |autor= (ajuda)
  3. «Fatores etiopatogênicos da acne vulgar». Rio de Janeiro. An. Bras. Dermatol. 83 (5). 2008. ISSN 1806-4841. doi:10.1590/S0365-05962008000500010. Consultado em 8 de junho de 2015  |coautores= requer |autor= (ajuda)
  4. «Glândulas sebáceas y acne». Santiago de Chile. Dermatología. 2 (1): 22-4. 1986  |coautores= requer |autor= (ajuda)
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.