Secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Secretário-Geral do Partido Comunista da União Soviética era o título que recebia o chefe de Governo da União Soviética, responsável pela liderança do Partido Comunista. O título nasceu após a consolidação do poder por Josef Stálin na década de 1920. Oficialmente, o líder soviético possuía o título de Secretário-Geral do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética. Informalmente, eram chamados, principalmente na imprensa, pelo acrônimo Gensek. [1]

O cargo de Secretário-Geral do PCUS era uma posição meramente administrativa quando foi criada em 1922, com Josef Stálin sendo o seu primeiro titular, sob a liderança de Vladimir Lenin. Uma vez Stálin tendo consolidado o seu poder sobre o Politburo, este cargo tornou-se de fato o de líder do partido e mandatário da URSS.

Quando a liderança do Comitê Central foi reestruturada, após a morte de Stálin, em 1953, o cargo permaneceu brevemente desocupado, mas dois políticos veteranos do Politburo, Georgi Malenkov, o novo Premier, e Nikita Kruschev, assumiram o título. Em março de 1953, Malenkov foi removido do cargo, deixando Kruschev no controle efetivo do cargo e do poder político na URSS, ao ser eleito para a liderança do Comitê Central, em 7 de setembro de 1953.

Em 1977, foi promulgada uma nova Constituição, para permitir que o stalinista Leonid Brejnev acumulasse os cargos de Presidente do Soviete Supremo e Secretário-Geral do Partido Comunista. Em 1991, em meio à tentativa de golpe de Estado que pretendia derrubar Mikhail Gorbatchov, o senador Vladimir Ivashko assumiu interinamente o cargo, por cinco dias. Em 29 de agosto de 1991, sob a euforia popular e o comando de Boris Iéltsin, o Soviete Supremo dissolveu o cargo de Secretário-Geral.

Secretários-Gerais do Partido Comunista da União Soviética[editar | editar código-fonte]

Referências