Secretaria do Turismo do Rio Grande do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Secretaria do Turismo
do Rio Grande do Sul
(SETUR-RS)
Brasão do Rio Grande do Sul
Estado legal  Brasil
Sede Porto Alegre, RS
Filiação Ministério do Turismo
Secretária de Turismo Abgail Pereira
Sítio oficial turismo.rs.gov.br

A Secretaria do Turismo do Rio Grande do Sul (SETUR-RS) é o órgão central do Estado do Rio Grande do Sul, responsável pelo turismo.

A Secretaria do turismo trabalha para a atividade turística cadastrando as empresas do setor tais como as agências de viagens e turismo, as Operadoras de Turismo, as Transportadoras turísticas e os profissionais como ao turismólogos, os Agentes de viagens além de produzir o Planejamento do setor e fomentar a atividade.

Turismo Internacional[editar | editar código-fonte]

No turismo internacional, o país que mais envia turistas para o Brasil é a Argentina, com quase um milhão de pessoas por ano.[1] Estes turistas geralmente entram de automóvel pelo Rio Grande do Sul em direção as praias de Santa Catarina.

Sítios paleontológicos[editar | editar código-fonte]

Estauricossauro é o primeiro dinossauro brasileiro, encontrado no Sítio Paleontológico Sanga da Alemoa.

O Sítio Paleontológico Sanga da Alemoa é historicamente o mais importante sítio paleontológico do Estado do Rio Grande do Sul. Neste local que foi encontrado o Estauricossauro, primeiro dinossauro brasileiro e um dos mais antigos encontrados no planeta. Grandes pesquisadores passaram por este local e ajudaram a formar a paleontologia brasileira. O Sítio é conhecido internacionalmente por suas grandes contribuições e encontra-se na área urbana da cidade de Santa Maria, perto de um grande entroncamento rodoviário.

O Sítio Paleontológico Chiniquá esta localizado na margem da movimentada rodovia BR-287 é um local de grande importância histórica

Geoparque UNESCO[editar | editar código-fonte]

Na década de 80 a cidade de Mata, apoiada por São Pedro do Sul e Santa Maria, solicitaram à UNESCO que a região fosse classificada como patrimônio da humanidade. Nesta época, a UNESCO não tinha uma solução para o patrimônio geológico mundial.

O conceito de geoparque criado e difundido na Europa, foi adotado pela UNESCO, em 1998. Para que um geoparque entre na rede de geoparque da UNESCO, é necessário que alguns critérios sejam cumpridos:[2]

A certificação da UNESCO é um aval para o turista e que garante que há um turismo responsável no geoparque e com uma infraestrutura para receber o turista.

Atualmente a demanda de turistas é muito baixa, mas com potencial para crescer. Para que o geoparque torne-se economicamente sustentável, é necessário que a demanda atual de 10 mil turistas por ano suba para 150 mil turistas anuais, para ultrapasse o ponto de equilíbrio econômico.

Notas e referências

  1. «Estrutura Turística». Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  2. Manual de Geoparques UNESCO (Português)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]