Sefer Torá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sefer Torá

Sefer Torá (do hebraico ספר תורה, plural ספרי תורה, Sifrei Torah; "Livros da Torá" ou "Rolos da Torá") é uma cópia manuscrita da Torá, ou seja, os cinco livros de Moisés (os primeiros livros da Bíblia hebraica). O rolo da Torá é usado principalmente no ritual de leitura da Torá durante as orações judaicas. Outras vezes, é guardado no local mais sagrado dentro de uma sinagoga, a arca da Torá, que geralmente é um armário ornamentado com cortina ou seção da sinagoga construída ao longo da parede que mais de frente para Jerusalém, a direção que os judeus enfrentam ao orar.[1]

O texto da Torá também é comumente impresso e encadernado em forma de livro para funções não rituais, chamado Chumash (plural Chumashim) ("cinco partes", para os cinco livros de Moisés), e é frequentemente acompanhado por comentários ou traduções.

Um estojo de Torá em prata de lei. Em algumas tradições, a Torá está alojada em uma caixa ornamental de madeira.

História[editar | editar código-fonte]

O En-Gedi Scroll é um antigo pergaminho hebraico encontrado em 1970 em Ein Gedi, Israel. Testes de radiocarbono datam o pergaminho do terceiro ou quarto século EC (210–390 EC), embora considerações paleográficas sugiram que os pergaminhos possam datar do primeiro ou segundo século EC. O fragmento de texto decifrado é idêntico ao que foi tornar-se durante a Idade Média o texto padrão da Bíblia Hebraica, conhecido como Texto Massorético, que precede por vários séculos, e constitui a evidência mais antiga desta versão de texto oficial. Danificado por um incêndio em aproximadamente 600 EC, o pergaminho está muito carbonizado e fragmentado e exigiu técnicas científicas e computacionais não invasivas para desembrulhar e ler virtualmente, o que foi concluído em 2015 por uma equipe da Universidade de Kentucky.[2]

Um rolo de Torá iemenita de 200 anos, em gevil, da Sinagoga Rambam em Nahalat Ahim, Jerusalém. O sofer (escriba) era da família Sharabi.

Produção[editar | editar código-fonte]

De acordo com a halacá (lei judaica), um Sefer Torá é uma cópia do texto hebraico da Torá manuscrita em tipos especiais de pergaminho usando uma pena ou outro utensílio de escrita permitido, embebido em tinta. Produzir um rolo de Torá cumpre um dos 613 mandamentos.[3]

Escrito inteiramente em hebraico bíblico, um rolo de Torá contém 304 805 letras, todas as quais devem ser duplicadas com precisão por um escriba treinado, ou sofer, um esforço que pode levar aproximadamente um ano e meio. Um erro durante a transcrição pode tornar o pergaminho da Torá pasul ("inválido"). De acordo com o Talmud, todos os pergaminhos também devem ser escritos em pergaminho gevil que é tratado com sal, farinha e m'afatsim (um resíduo de enzima de vespa e casca de árvore)[4] para serem válidos. Pergaminhos não processados ​​desta forma são considerados inválidos.[5]

Existem apenas dois tipos de pergaminho kosher permitidos para um rolo de Torá: gevil e klaf.[3] A tinta utilizada está sujeita a regras específicas. Após a preparação da folha de pergaminho, o escriba deve marcar o pergaminho usando o sargel ("régua") garantindo que as linhas estejam retas. Apenas a guia superior é feita e as letras suspensas dela. A maioria dos pergaminhos modernos da Torá são escritos com quarenta e duas linhas de texto por coluna (os judeus iemenitas usam cinquenta e uma). São observadas regras muito estritas sobre a posição e a aparência do alfabeto hebraico. Qualquer um dos vários scripts hebraicos podem ser usados, a maioria dos quais são bastante ornamentados e exigentes. A fidelidade do texto hebraico do Tanakh, e da Torá em particular, é considerada primordial, até a última letra: traduções ou transcrições são desaprovadas para uso em serviços formais, e a transcrição é feita com extremo cuidado.[6]

Alguns erros são inevitáveis ​​no decorrer da produção. Se o erro envolver uma palavra diferente dos nomes de Deus, a letra errada pode ser apagada do pergaminho raspando a letra do pergaminho com um objeto pontiagudo. Se o nome de Deus estiver escrito errado, a página inteira deve ser cortada do pergaminho e uma nova página adicionada, e a página escrita novamente desde o início. A nova página é costurada na rolagem para manter a continuidade do documento. A página antiga é tratada com o devido respeito e é enterrada com respeito, em vez de ser destruída ou descartada.

A conclusão do pergaminho da Torá é motivo de grande celebração, e convidados de honra do indivíduo que encomendou a Torá são convidados para uma celebração em que cada um dos convidados de honra recebe a oportunidade de escrever uma das cartas finais. É uma grande honra ser escolhido para isso.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. de Lazaro, Enrico (23 de setembro de 2016). «En-Gedi Scroll Finally Deciphered». Sci News (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2022 
  2. Lazaro, Enrico de (23 de setembro de 2016). «En-Gedi Scroll Finally Deciphered | Sci.News». Sci.News: Breaking Science News (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2023 
  3. a b c "The k'laf/parchment on which the Torah scroll is written, the hair or sinew with which the panels of parchment are sewn together, and the quill pen with which the text is written all must come from ritually clean —that is, kosher— animals."Essential Torah: A Complete Guide to the Five Books of Moses by George Robinson. (Schocken, 2006) ISBN 0-8052-4186-8. pp.10–11
  4. Handwritten 18th C. Hebrew Torah Scroll - from Morocco, Bidsquare, 11 Oct 2018, accessed 28 July 2019
  5. (Hilkoth Tefillin 1:8 & 1:14, Maimonides)
  6. Mishnat Soferim The forms of the letters translated by Jen Taylor Friedman (geniza.net)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]