Segunda República Francesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



République Française
República Francesa
Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg
1848 – 1852 Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg
Flag Brasão
Bandeira Grande Selo
Lema nacional
Liberté, Égalité, Fraternité
Hino nacional
"Le Chant des Girondins"


Localização de Segunda República Francesa
A França em 1848
Continente Europa
Região Europa Central
País França
Capital Paris
Língua oficial Francês
Governo República semipresidencialista (1848-1851)
República presidencialista (1851-1852)
Presidente
 • 1848–1852 Luís Napoleão Bonaparte
Primeiro-Ministro
 • 1848 Jacques de l'Eure
 • 1848 François Arago
 • 1848 Louis Cavaignac
 • 1848–1849 Odilon Barrot
 • 1849–1851 Conde d'Hautpoul
 • 1851 Léon Faucher
Legislatura Assembleia Nacional
Período histórico Século XIX
 • 23 de fevereiro de 1848 Revolução de 1848
 • 27 de abril de 1848 Abolição da escravidão
 • 4 de novembro de 1848 Constituição
 • 2 de dezembro de 1851 Golpe de estado
 • 2 de dezembro de 1852 Restauração do império
Moeda Franco

A Segunda República Francesa foi um governo republicano de curta duração da França sob o presidente Luis Napoleão Bonaparte. Durou desde a Revolução de 1848 até o golpe de 1851 pelo qual o presidente se tornou imperador Napoleão III e deu início ao Segundo Império. Adotou oficialmente o lema da Primeira República, Liberté, Égalité, Fraternité. A Segunda República testemunhou a tensão entre a "República Social e Democrática" (francês: la République démocratique et sociale) e uma forma liberal de republicanismo, que explodiu durante o levante das Jornadas de Junho de 1848.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Revolução de 1848[editar | editar código-fonte]

A Revolução de 1848 na França, também conhecida como Revolução de Fevereiro, foi uma de uma onda de revoluções em toda a Europa naquele ano. Os eventos varreram a Monarquia de Orleans (1830-1848) e levaram à criação da segunda república da nação.[2]

A Revolução de 1830, parte de uma onda de mudanças de regime semelhantes em toda a Europa, pôs fim à monarquia absoluta da Restauração Bourbon e instalou uma monarquia constitucional mais liberal sob a dinastia de Orleans e governada predominantemente pelo conservador-liberal centro-direita de Guizot e a centro-esquerda progressista liberal de Thiers.

Mas à esquerda dos partidos dinásticos, a monarquia era criticada pelos republicanos (uma mistura de radicais e socialistas) por ser insuficientemente democrática: seu sistema eleitoral era baseado em um eleitorado estreito e privilegiado de proprietários e, portanto, trabalhadores excluídos. Durante a década de 1840, várias petições solicitando reforma eleitoral (sufrágio universal masculino) foram emitidas pela Guarda Nacional, mas tinha sido rejeitado por ambos os principais partidos dinásticos. As reuniões políticas dedicadas a esse assunto foram proibidas pelo governo, e os reformadores eleitorais, portanto, contornaram a proibição realizando uma série de 'banquetes' (1847-48), eventos em que o debate político foi disfarçado em discursos de jantar. Este movimento começou supervisionado pelos moderados críticos liberais de centro-esquerda de Odilon Barrot do governo conservador de Guizot, mas ganhou vida própria depois de 1846, quando a crise econômica encorajou os trabalhadores comuns a exigirem voz sobre o governo.

Em 14 de fevereiro de 1848, o governo de Guizot decidiu pôr fim aos banquetes, sob o argumento de constituir assembleia política ilegal. Em 22 de fevereiro, trabalhadores em greve e estudantes republicanos tomaram as ruas, exigindo o fim do governo de Guizot, e ergueram barricadas. Odilon Barrot convocou uma moção de censura a Guizot, na esperança de que isso pudesse satisfazer os desordeiros, mas a Câmara dos Deputados ficou do lado do primeiro-ministro. O governo declarou o estado de emergência, pensando que poderia contar com as tropas da Guarda Nacional, mas na manhã de 23 de fevereiro os guardas aliaram-se aos revolucionários, protegendo-os dos soldados regulares que agora haviam sido chamados.[3]

A população industrial dos faubourgs foi recebida pela Guarda Nacional em seu caminho para o centro de Paris. Barricadas foram levantadas após o tiroteio de soldados contra manifestantes do lado de fora da mansão Guizot.

Em 23 de fevereiro de 1848, o gabinete do premiê François Guizot renunciou, abandonado pela pequena burguesia, de cujo apoio pensavam poder depender. Os chefes dos partidos monarquistas conservadores liberais de tendência mais à esquerda, Louis-Mathieu Molé e Adolphe Thiers, se recusaram a formar um governo. Odilon Barrot aceitou, e Thomas Robert Bugeaud, comandante-chefe da primeira divisão militar, que havia começado a atacar as barricadas, foi chamado de volta. Diante da insurreição que agora tomava posse de toda a capital, o rei Luís Filipe abdicou em favor de seu neto, o príncipe Philippe, conde de Paris reclamado por Alphonse de Lamartine em nome do governo provisório eleito pela Câmara dos Deputados sob a pressão da multidão.

Esse governo provisório, com Dupont de l'Eure como presidente, consistia em Lamartine para as relações exteriores, Crémieux para a justiça, Ledru-Rollin para o interior, Carnot para a instrução pública, Goudchaux para as finanças, Arago para a marinha e Burdeau para a guerra. Garnier-Pagès foi prefeito de Paris.

Bandeira usada por alguns dias entre 24 de fevereiro e 5 de março de 1848[4]

Mas, como em 1830, o partido socialista republicano havia estabelecido um governo rival no Hôtel de Ville (prefeitura), incluindo Louis Blanc, Armand Marrast, Ferdinand Flocon e Alexandre Martin, conhecido como Albert L'Ouvrier ("Albert o Trabalhador"), que parecia envolver discórdia e guerra civil. Mas desta vez o Palais Bourbon não foi vitorioso sobre o Hôtel de Ville. Teve que consentir na fusão dos dois corpos, em que, entretanto, os elementos predominantes eram os republicanos moderados. Não havia certeza de qual seria a política do novo governo.

Um partido vendo que apesar das mudanças nos últimos sessenta anos de todas as instituições políticas a posição do povo não havia melhorado, exigiu uma reforma da própria sociedade, a abolição da posição privilegiada de propriedade, que considerava a única obstáculo à igualdade, e como emblema hasteava a bandeira vermelha (a bandeira vermelha de 1791 foi, no entanto, o símbolo não apenas da Revolução Francesa, mas sim da lei marcial e da ordem).[5] A outra parte desejava manter a sociedade com base em suas instituições tradicionais e se uniu ao tricolore. Como uma concessão feita por Lamartine às aspirações populares, e em troca da manutenção da bandeira tricolor, ele concedeu o tríptico republicano de Liberté, Égalité, Fraternité, escrito na bandeira, ao qual uma roseta vermelha também deveria ser adicionada.[5]

A primeira colisão ocorreu quanto à forma que a Revolução de 1848 deveria tomar. Lamartine desejava que eles mantivessem seus princípios originais, com todo o país como supremo, enquanto os revolucionários sob Ledru-Rollin desejavam que a república de Paris detivesse o monopólio do poder político. Em 5 de março, o governo, pressionado pelos clubes parisienses, decidiu em favor de uma referência imediata ao povo e do sufrágio universal direto, suspendendo-o até 26 de abril. Isso acrescentou as massas iletradas ao eleitorado e levou à eleição da Assembleia Constituinte de 4 de maio de 1848. Tendo o governo provisório renunciado, a maioria republicana e anti-socialista em 9 de maio confiou o poder supremo a um Comissão Executiva composta por cinco membros: Arago, Pierre Marie de Saint-Georges, Garnier-Pagès, Lamartine e Ledru-Rollin.

O resultado da eleição geral, o retorno de uma assembléia constituinte, predominantemente moderada, senão monárquica, frustrou as esperanças daqueles que buscavam o estabelecimento, por uma revolução pacífica, de seu estado socialista ideal; mas não estavam preparados para ceder sem luta, e na própria Paris comandavam uma força formidável. Apesar da preponderância do partido "tricolor" no governo provisório, enquanto a voz da França não se pronunciava, os socialistas, apoiados pelo proletariado parisiense, haviam exercido uma influência na política desproporcional ao seu número relativo. Por decreto de 24 de fevereiro, o governo provisório havia aceitado solenemente o princípio do "direito ao trabalho" e decidiu estabelecer " Oficinas Nacionais" para os desempregados; paralelamente, foi instalada uma espécie de parlamento industrial no Palácio de Luxemburgo, sob a presidência de Louis Blanc, com o objetivo de preparar um esquema de organização do trabalho; e, por último, pelo decreto de 8 de março, a habilitação de propriedade para a inscrição na Guarda Nacional foi abolida e os trabalhadores foram fornecidos com armas. Os socialistas formaram assim uma espécie de estado dentro do estado, completo com um governo e uma força armada.[6]

Em 15 de maio, uma multidão armada, chefiada por Raspail, Blanqui e Barbès, e assistida pela Guarda alinhada ao proletariado, tentou subjugar a Assembleia, mas foi derrotada pelos batalhões alinhados à burguesia da Guarda Nacional. Enquanto isso, as oficinas nacionais eram incapazes de fornecer trabalho remunerado para os desempregados genuínos e, dos milhares que se candidataram, a maior parte estava empregada em cavar e reabastecer trincheiras; logo, mesmo esse expediente falhou, e aqueles para os quais o trabalho não podia ser inventado receberam meio salário de 1 franco por dia.

Em 21 de junho, Alfred de Falloux decidiu, em nome da comissão parlamentar do trabalho, que os trabalhadores deveriam ser dispensados ​​em três dias e os que estivessem aptos deveriam ser forçados a se alistar.

Depois disso, a Revolta dos Dias de Junho estourou, ao longo de 24-26 de junho, quando o bairro industrial oriental de Paris, liderado por Pujol, lutou contra o bairro ocidental, liderado por Louis-Eugène Cavaignac, que havia sido nomeado ditador. O partido socialista foi derrotado e depois seus membros foram deportados. Mas a república estava desacreditada e já se tornara impopular tanto com os camponeses, exasperados com o novo imposto fundiário de 45 cêntimos imposto para encher o tesouro vazio, como com a burguesia, que se intimidou com o poder do revolucionário clubes e em desvantagem pela estagnação econômica. Com os "massacres" das Jornadas de Junho, as classes trabalhadoras também foram alienadas dele. O duque de Wellington escreveu nesta época: "A França precisa de um Napoleão ! Eu ainda não posso vê-lo..." A concessão de sufrágio universal a uma sociedade com simpatias imperialistas beneficiaria os reacionários, que culminou na eleição de Luís Napoleão Bonaparte como presidente da república.

Constituição[editar | editar código-fonte]

A nova constituição, que proclama uma república democrática, sufrágio universal direto e separação de poderes, foi promulgada em 4 de novembro.[7] De acordo com a nova constituição, deveria haver uma única Assembleia permanente de 750 membros eleitos para um mandato de três anos pelo escrutin de liste. A Assembleia elegeria membros de um Conselho de Estado para servir por seis anos. As leis seriam propostas pelo Conselho de Estado, para serem votadas pela Assembleia. O poder executivo foi delegado ao Presidente, que foi eleito por sufrágio universal direto por quatro anos, ou seja, em uma base mais ampla do que a da Assembleia, e não era elegível para reeleição. Ele deveria escolher seus ministros, que, como ele, seriam responsáveis ​​perante a Assembleia. Por fim, a revisão da constituição tornou-se praticamente impossível: envolvia obter três vezes consecutivas a maioria de três quartos dos deputados em assembleia especial. Foi em vão que Jules Grévy, em nome daqueles que perceberam o risco óbvio e inevitável de criar, sob o nome de um presidente, um monarca e mais que um rei, propôs que o chefe de estado não fosse mais do que um presidente removível do conselho ministerial. Lamartine, pensando que seria a escolha certa dos eleitores sob o sufrágio universal, conquistou o apoio da Câmara, que nem mesmo tomou a precaução de tornar inelegíveis os membros de famílias que reinaram na França. Tornou a presidência um cargo dependente da aclamação popular.[8]

A eleição presidencial de 1848[editar | editar código-fonte]

A eleição foi fortemente contestada; os republicanos democráticos adotaram como candidato Ledru-Rollin, os "republicanos puros" Cavaignac e o recém-reorganizado partido imperialista Príncipe Luis Napoleão Bonaparte. Desconhecido em 1835 e esquecido ou desprezado desde 1840, Luís Napoleão tinha nos últimos oito anos avançado o suficiente na estimativa pública para ser eleito para a Assembleia Constituinte em 1848 por cinco departamentos. Ele deveu esse rápido aumento de popularidade em parte aos erros do governo de julho, que imprudentemente despertou a memória do país, repleto de lembranças do Império, e em parte à campanha de Luis Napoleão, continuada de sua prisão em Ham por por meio de panfletos de tendências socialistas. Além disso, os monarquistas, liderados por Thiers e o comitê da Rue de Poitiers, não estavam mais contentes nem mesmo com a ditadura segura do justo Cavaignac e juntaram forças com os bonapartistas. Em 10 de dezembro, os camponeses deram mais de 5 000 000 de votos a um nome: Napoleão, que defendia a ordem a todo custo,

Henri Georges Boulay de la Meurthe foi eleito vice-presidente, uma posição única na história da França.

A presidência de Louis Napoleon[editar | editar código-fonte]

Durante três anos, houve uma luta indecisa entre a heterogênea Assembleia e o Presidente, que aguardava silenciosamente a sua oportunidade. Ele escolheu como seus ministros homens com pouca inclinação para o republicanismo, com preferência por orleanistas, cujo chefe era Odilon Barrot. Para fortalecer sua posição, procurou conciliar os partidos reacionários, sem se comprometer com nenhum deles. O principal exemplo disso foi a expedição a Roma votada pelos católicos, para restaurar a autoridade temporal do papa Pio IX, que fugira de Roma com medo dos nacionalistas e republicanos. (Garibaldi e Mazzinitinha sido eleito para uma Assembleia Constitucional.) O Papa pediu uma intervenção internacional para restaurá-lo em seu poder temporal. O Presidente francês agiu no sentido de estabelecer o poder e o prestígio da França contra os da Áustria, dando início à obra de renovação e reconstrução europeia que já considerava sua missão. As tropas francesas comandadas por Oudinot entraram em Roma. Isso provocou uma insurreição tola em Paris em favor da República Romana, o do Château d'Eau, que foi esmagado em 13 de junho de 1849. Por outro lado, quando o Papa, embora apenas restaurado, começou a ceder ao movimento geral de reação, o Presidente exigiu que ele instituísse um Governo liberal. Tendo a resposta dilatória do Papa sido aceita pelo ministério francês, o presidente a substituiu em 1 ° de novembro, pelo gabinete Fould- Roher.[9]

Parecia uma declaração de guerra contra a maioria católica e monarquista da Assembleia Legislativa, eleita a 28 de maio num momento de pânico. Mas o presidente novamente fingiu estar jogando o jogo dos orleanistas, como fizera no caso da Assembleia Constituinte. As eleições complementares de março e abril de 1850 resultaram em uma vitória inesperada para os republicanos, que alarmou os líderes conservadores Thiers, Berryer e Montalembert. O Presidente e a Assembleia cooperaram na passagem da Loi Falloux de 15 de março de 1850, que novamente colocou o ensino universitário sob a direção da Igreja.[10]

Uma lei eleitoral conservadora foi aprovada em 31 de maio. Exigia que cada eleitor comprovasse a residência de três anos em seu endereço atual, por meio de lançamentos no registro de impostos diretos. Isso efetivamente revogou o sufrágio universal: os operários, que se mudavam com bastante frequência, foram, portanto, privados de seus direitos. A lei de 16 de julho agravou a severidade das restrições à imprensa ao restabelecer o "dinheiro da cautela" ( cautela ) depositado pelos proprietários e editores de jornais junto ao governo como garantia de bom comportamento. Finalmente, uma interpretação hábil da lei sobre clubes e sociedades políticas suprimiu nesta época todas as sociedades republicanas. Agora era a vez deles serem esmagados como os socialistas.[11]

Golpe e Fim da Segunda República[editar | editar código-fonte]

No entanto, o presidente apenas aderiu ao grito de Montalembert de "Abaixo os Republicanos!" na esperança de efetuar uma revisão da constituição sem recorrer a um golpe de Estado. Suas concessões apenas aumentaram a ousadia dos monarquistas, enquanto eles apenas aceitaram Luis Napoleão como presidente em oposição à República e como um passo na direção da monarquia. Um conflito era agora inevitável entre sua política pessoal e a maioria da Câmara, que além disso estava dividida em legitimistas e orleanistas, apesar da morte de Luís Filipe I em agosto de 1850.

Luis Napoleão explorou seus projetos de restauração da monarquia, que ele sabia ser impopular no país, e que lhe deu a oportunidade de promover suas próprias ambições pessoais. De 8 de agosto a 12 de novembro de 1850, ele percorreu a França defendendo uma revisão da constituição em discursos que variava de acordo com cada lugar; ele realizou críticas, nas quais gritos de "Vive Napoléon!" mostrou que o exército estava com ele; ele substituiu o general Changarnier, de cujas armas o parlamento confiava para o projetado golpe de estado monárquico ; ele substituiu seu ministério orleanista por homens obscuros devotados à sua própria causa, como Morny, Fleury e Persigny, e reuniu em torno dele oficiais do exército africano, homens destroçados como o general Saint-Arnaud; na verdade, ele praticamente declarou guerra aberta.[12]

A sua resposta aos votos de censura da Assembleia e à sua recusa em aumentar a sua lista civil foi sugerir uma vasta conspiração comunista para assustar a burguesia e denunciar a lei eleitoral de 31 de Maio de 1850, para ganhar o apoio da massa do povo. A Assembleia retaliou rejeitando a proposta de reforma parcial daquele artigo da constituição que proibia a reeleição do presidente e o restabelecimento do sufrágio universal (julho). Todas as esperanças de uma questão pacífica chegaram ao fim. Quando os questores convocaram a Câmara para afixar em todos os quartéis o decreto de 6 de maio de 1848 sobre o direito da Assembleia de exigir o apoio das tropas caso fosse atacada, a Montanha, temendo a restauração da monarquia, votou com os bonapartistas contra a medida, desarmando o poder legislativo.[11]

Luis Napoleão viu sua oportunidade e organizou o golpe francês de 1851. Na noite de 1/2 de dezembro de 1851, aniversário da coroação de seu tio Napoleão em 1804 e sua vitória em Austerlitz em 1805, ele dissolveu a Câmara, restabeleceu o sufrágio universal, mandou prender todos os líderes do partido e convocou uma nova assembleia prolongar seu mandato por dez anos. Os deputados que se reuniram sob o comando de Berryer na Mairie do 10º arrondissement para defender a constituição e proclamar a deposição de Luís Napoleão foram dispersos pelas tropas em Mazas e Mont Valérien. A resistência organizada pelos republicanos em Paris sob Victor Hugo foi logo subjugada pelos soldados embriagados. A resistência mais séria nos departamentos foi esmagado pela declaração do estado de sítio e pelas "comissões mistas". O plebiscito de 20 de dezembro, ratificou por ampla maioria o golpe de Estado a favor do príncipe-presidente, o único que colheu os frutos dos excessos dos republicanos e das paixões reacionárias dos monarquistas.[13]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Furet, François. Revolutionary France 1770-1880 (1995), pp 385–437. survey of political history by leading scholar
  2. Amann, Peter H. "Writings on the Second French Republic." Journal of Modern History 34.4 (1962): 409-429.
  3. Guyver, Christopher, The Second French Republic 1848-1852: A Political Reinterpretation, New York: Palgrave, 2016
  4. «Les couleurs du drapeau de 1848». Revue d'Histoire du XIXe siècle - 1848 (139): 237–238. 1931. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  5. a b Mona Ozouf, "Liberté, égalité, fraternité", em Lieux de Mémoire (dir.Pierre Nora), tomo III, Quarto Gallimard, 1997, pp. 4353–4389 (em francês) (tradução abreviada, Realms of Memory, Columbia University Press, 1996–1998
  6. Inès Murat, La Deuxième République, Paris: Fayard, 1987
  7. Arnaud Coutant, 1848, Quand la République combattait la Démocratie, Mare et Martin, 2009
  8. Guyver, Christopher, The Second French Republic 1848-1852: A Political Reinterpretation, New York: Palgrave, 2016
  9. Maurice Agulhon, The Republican Experiment, 1848–1852 (1983)
  10. Vidler, Alec (29 de novembro de 1990). The Penguin History of the Church: The Church in an Age of Revolution (em inglês). [S.l.]: Penguin UK. p. 86 
  11. a b Philippe Vigier, La Seconde République, (series Que sais-je?) Paris: Presses Universitaires de France, 1967
  12. Price, Roger, ed. Revolution and reaction: 1848 and the Second French Republic (Taylor & Francis, 1975).
  13. Price, Roger D. (11 de setembro de 2002). Napoleon III and the Second Empire (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 1834–36 


Ícone de esboço Este artigo sobre História da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.