Segundo Cerco de Gibraltar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Segundo Cerco de Gibraltar foi uma tentativa abortada em 1315 pelos mouros de Nasrid do Emirado de Granada para re-capturar Gibraltar, que havia sido conquistada pelas forças de Fernando IV de Castela quatro anos antes, em 1309. O Cerco foi precipitado devido ao derrube em 1314 de Nasr, Sultão de Granada, pelo seu sobrinho Ismail. O novo sultão declarou uma jihad contra os líderes cristãos da Península Ibérica em 1315 decidiu iniciar um cerco a Gibraltar.[1]

Enquanto as forças de Ismail abriam caminho por Gibraltar, as forças forças de Castela sob o príncipe regente Pedro de Castela - que exercia a sua autoridade em nome do rei Afonso XI de Castela - levou a cabo um raid por Granada a dentro para pilhar e destruir as ricas terras em agricultura. Quando as noticias do cerco chegaram a Pedro em Córdoba, ele deixou o seu exercito onde estava e foi para Sevilha para organizar uma força terrestre e naval para levantar o bloqueio de Nasrid.

O cerco chegou ao fim, sem ter havido qualquer confronto entre as forças muçulmanas e espanholas, quando Nasrid bateu em retirada quando avistou as tropas castelhanas que se aproximavam. Pedro pagou e dispensou a força que defendia a cidade, garantindo que estes soldados receberiam o dobro do pagamento, regressando a Granada com o seu exército para prosseguir com o raid.[1]

Referências

  1. a b Hills, George (1974). Rock of Contention: A History of Gibraltar. London: Robert Hale & Company. p. 54. ISBN 0-7091-4352-4