Seja Você Mesmo (mas não Seja sempre o Mesmo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Seja Você Mesmo (mas não Seja sempre o Mesmo)
Álbum de estúdio de Gabriel, o Pensador
Lançamento 15 de maio de 2001[1] [2]
Gênero(s) Rap rock
Duração 52:50
Idioma(s) Português
Gravadora(s) Sony Music
Produção Itaal Shur, Liminha, Chico Neves
Cronologia de Gabriel, o Pensador
Último
Último
Nádegas a Declarar
(1999)
Tás a Ver: O Melhor de Gabriel o Pensador
(2003)
Próximo
Próximo

Seja Você Mesmo (mas não Seja sempre o Mesmo) é o quinto álbum de estúdio do rapper brasileiro Gabriel, o Pensador, lançado em 2001 pela gravadora Sony Music. Para o disco produzido por Itaal Shur, Liminha e Chico Neves, o cantor queria fazer algo mais reflexivo comparado ao que havia feito anteriormente. Ele queria ajudar as pessoas a pensarem em suas realidades e instigá-los ao desejo de mudança.

Diferente de seus antecessores, o disco usa guitarras, por sugestão do produtor Itaal Shur, o que foi notado e elogiado pela maioria dos críticos, que qualificaram esse como o "mais pesado" de seus álbuns. No entanto, a produção também contou com ritmos mais parecidos com os de seus trabalhos anteriores. A canção "Tem Alguém Aí?" teve a participação de Digão enquanto Lenine cantou ao lado de Gabriel em "Brasa".

Antecedentes e produção[editar | editar código-fonte]

Com seu disco anterior, Nádegas a Declarar, que foi certificado pela ABPD com um disco de ouro,[3] Gabriel havia chegado ao posto de "preferência nacional".[4] No entanto, nessa época, ele estava "realmente obcecado" em instigar as pessoas a "pensarem, protestarem e quererem mudar isso que está aí"; querendo "dizer as coisas com mais força", encontrou na música essa possibilidade.[5] [6] O cantor afirmou que sempre imaginava que uma hora todos chegariam no limite do que poderiam suportar e que uma hora tudo mudaria, porém ele percebia que, ao invés disso, as coisas pioravam. Ele conclui dizendo: "Mas acho que desta vez está demais. Não dá para continuar." Ele criticou essa situação em "Até Quando?", música na qual diz "espetar" o ouvinte, pois, segundo ele, "os escândalos e as tragédias não provocam mais nenhuma comoção".[6] O uso de guitarras foi uma sugestão dada pelo produtor do CD, Itaal Shur, no entanto Gabriel disse que Seja Você Mesmo (Mas Não Seja Sempre o Mesmo) "não é um CD só de rock, são algumas músicas".[5]

Estilo e temas[editar | editar código-fonte]

O disco se diferenciou dos anteriores por seu "som mais pesado" e uso de guitarras,[5] que acontece em "Se Liga Aí", "Pega Ladrão!" e "Até Quando?", enquanto que "É Pra Rir Ou Pra Chorar?", "Sem Parar" e "Mário" se mantém com a sonoridade de seus discos anteriores.[7] Além do rock, o disco contou com peso de instrumentos de samba em "Até Quando?", funk em "Sem Parar" e swing em "É pra Rir ou pra Chorar?".[8]

Paulo Vasconcellos, do CliqueMusic, descreveu o álbum como um "disco temático contra a corrupção, a violência policial, a injustiça e o conformismo da população."[6]Mauro Ferreira, crítico carioca, disse que o CD "pode ser encarado como um tratado politizado sobre o exercício benéfico da cidadania" e que nele o cantor crítica a desigualdade, "radiografa[ndo] em seu discurso as fraturas expostas de uma sociedade injusta".[8]

A canção que abre o disco, "Se Liga Aí", "é praticamente uma carta de princípios pelas liberdades" e contém "riff bem rock n roll e vocais nervosos de Gabriel";[8] [9] ela é seguida de "Até Quando?", cuja letra crítica o conformismo da sociedade brasileira.[6] [8] "Ãh" trata de forma não explicíta a questão da alienação,[6] [9] enquanto "Pega Ladrão!" critica a política brasileira.[5] [7] "Tem Alguém Aí?", com a participação de Digão, aborda a dependência as drogas, com foco nos motivos que levam os jovens a se tornarem usuários; nessa música o artista contou com o auxílio do psiquiatra Merinho Pereira.[5]

O cantor utiliza "cinismo debochado" em "É pra Rir ou pra Chorar?";[8] já "Sem Parar" "tem a ver com superação, seguir em frente."[10] Em "Mário", o cantor defende a "politização do cidadão", como o personagem da música que "deixou de ser otário" e passou a lutar por seus direitos e a enfrentar os poderosos como um representante do povo.[8] [6] A canção "Brasa" trata da relação do brasileiro que vive no exterior com o país, de duas formas: de quem vê o Brasil de fora e sente saudade e de quem volta e fica com vergonha de tudo de ruim que percebe na realidade nacional.[5] [6] O artista muda de foco em "Sei Lá", onde canta sobre seus desamores.[8]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
CliqueMusic 2 de 5 estrelas.Star full.svgStar empty.svgStar empty.svgStar empty.svg[7]
IstoÉ Gente (Positiva)[11]
Whiplash.net (Positiva)[9]

O álbum, que havia vendido 100 mil cópias em setembro de 2001,[12] foi bem recebido pela crítica.[13] Os críticos em geral avaliaram esse álbum como "mais rock" que seus anteriores,[5] [8] [7] [9] elogiando a participação do produtor Ital Shur.[13] A crítica da revista IstoÉ Gente, Cassia Dian, disse que a mudança foi positiva, por Gabriel ser não ser tão integrado ao hip hop. Ela escolheu "Se Liga Aí" e "Até Quando?" como as melhores canções da obra e, escrevendo pouco depois do lançamento do disco, classificou o álbum como o melhor da carreira do artista.[11]

Mauro Ferreira afirmou que Shur foi "um plus e tanto no som do Pensador" e que em "Se Liga Aí" as "guitarras dão um tempero-extra à música, de refrão pegajoso". Ferreira disse que Gabriel "toca na ferida" em "Tem Alguém Aí?"; elogiou "É pra Rir ou pra Chorar?" dizendo que ela é "uma das músicas mais suingantes do CD" e o refrão desta tanto quanto de "Masturbação Mental" que ele qualifica como "quase hipnotizante".[8]

O escritor Affonso Romano de Sant'Anna comparou Gabriel com os repentistas, dizendo que já no título do disco o cantor demonstra tais características, "pois à frase 'seja você mesmo' segue-se 'mas não seja sempre o mesmo', aparentemente contradizendo, mas duplicando a mensagem."[14]

Escrevendo para o Whiplash.net, Rodrigo Simas disse que só o nome "já valeria comprar esse disco" e elogiou a mudança de comportamento do cantor. Simas comentou que o disco se diferencia dos anteriores, pois "são pouquíssimas músicas com barulhos eletrônicos e texturas pop/dance bastante presentes nos seus outros CDs." Ele elogiou a maioria das músicas, dizendo que são "composições bastante interessantes, tanto no instrumental, como logicamente nas letras". Simas destacou "Até Quando?", que ele qualifica como "sensacional"; e "Ãh" que "é uma música bem fraquinha, mas sua letra é engraçada e seu final é uma lição a ser entendida." Ele ainda elogiou "Pega Ladrão" e "Tem Alguém Aí".[9]

Em um crítica não tão favorável quanto as outras, Marco Antonio Barbosa do CliqueMusic disse que o "radicalismo, claro, que ficam restritos (aparentemente) às letras." Ele elogiou as críticas sociais feitas, mas disse que "falta humor, ou quando o há, é sem graça" e qualificou os trocadilhos de "Mário" e "Se Liga Aí" como "tristes". Ele elogiou a música "Brasa" dizendo que nela "há emoção verdadeira". Ele finalizou dizendo que é "um álbum que dá aos fãs de Gabriel quase tudo o que eles esperam", mas que "faltaram algumas risadas e mais indignação - sonora, e não verbal."[7]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Lenine participou do álbum na canção "Brasa".
N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Se Liga Aí"   Gabriel o Pensador, Liminha, Ana Lima 3:51
2. "Até Quando?"   Gabriel o Pensador, Tiago Mocotó, Itaal Shur 4:21
3. "Ãh"   Gabriel o Pensador, Itaal Shur 4:19
4. "Pega Ladrão!"   Gabriel o Pensador, Tiago Mocotó, Ana Lima, Itaal Shur 4:11
5. "Tem Alguém Aí? (com Digão)"   Gabriel o Pensador, Merinho Pereira, Digão, Baca 4:43
6. "Masturbação Mental"   Gabriel o Pensador, Itaal Shur 4:34
7. "É pra Rir ou pra Chorar?"   Gabriel o Pensador, Liminha 4:49
8. "Sem Parar"   Gabriel o Pensador, Itaal Shur 4:35
9. "Mário"   Gabriel o Pensador, Itaal Shur 4:27
10. "Brasa (com Lenine)"   Gabriel o Pensador, Lenine 7:06
11. "Sei Lá"   Gabriel o Pensador, Itaal Shur, Jonathan Maron 5:54
Duração total:
52:50

Equipe técnica[editar | editar código-fonte]

A seguir estão listados os músicos e técnicos envolvidos na gravação e produção de Seja Você Mesmo (Mas Não Seja Sempre o Mesmo).[15] [16]

Referências

  1. Seja Você Mesmo (Mas Não Seja Sempre O Mesmo) iTunes. Visitado em 3 de junho de 2013.
  2. Seja Você Mesmo (Mas Não Seja Sempre O Mesmo) Terra Sonora. Visitado em 3 de junho de 2013.
  3. Certificações de Gabriel o Pensador na ABPD Associação Brasileira dos Produtores de Disco. Visitado em 3 de junho de 2013.
  4. Ferreira, Mauro (Outubro de 1999). Gabriel O Pensador, preferência nacional www.gabrielopensador.com.br. Visitado em 24 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2010.
  5. a b c d e f g Pinheiro, Augusto (18 de junho de 2001). Gabriel volta mais pesado Folha.com. Visitado em 3 de abril de 2013.
  6. a b c d e f g Vasconcellos, Paulo (25 de maio de 2001). Gabriel o Pensador encara o mar de lama brasileiro CliqueMusic. Visitado em 3 de abril de 2013.
  7. a b c d e Barbosa, Marco Antonio (2001). Seja Você Mesmo, Mas Não Seja Sempre o Mesmo CliqueMusic. Visitado em 3 de abril de 2013.
  8. a b c d e f g h i Ferreira, Mauro (Maio de 2001). Seja Você Mesmo (Mas Não Seja Sempre o Mesmo) – Release www.gabrielopensador.com.br. Visitado em 3 de abril de 2013. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2004.
  9. a b c d e Simas, Rodrigo (17 de setembro de 2001). Resenha – Seja Você Mesmo Mas Não Seja Sempre O Mesmo – Gabriel Pensador Whiplash.net. Visitado em 3 de abril de 2013.
  10. Rodrol, Lika; Espinossi, Rosângela (28 de maio de 2010). Gabriel O Pensador dedica música para Seleção Brasileira Terra Networks. Visitado em 4 de abril de 2013.
  11. a b Dian, Cassia (4 de junho de 2001). Ouça o disco, leia o livro Terra.com. Visitado em 8 de agosto de 2015.
  12. Lobato, Eliane (19 de setembro de 2001). Feijão Maravilha IstoÉ Independente. Visitado em 8 de agosto de 2015.
  13. a b Grilo, Julia (2 de novembro de 2014). Tecladista norte-americano faz shows com Big Bat Blues no ES G1. Visitado em 8 de agosto de 2015.
  14. Sant'Anna, Affonso Romano de (24 de novembro de 2001). Gabriel e o 'rap' pensador O Globo. Visitado em 15 de março de 2012. Cópia arquivada em 13 de março de 2007.
  15. Seja Você Mesmo (Mas Não Seja Sempre o Mesmo) – Ficha técnica www.gabrielopensador.com.br. Visitado em 3 de abril de 2013. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2004.
  16. Seja Você Mesmo (Mas Não Seja Sempre o Mesmo) – Músicas www.gabrielopensador.com.br. Visitado em 3 de abril de 2013. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2004.