Seleção Brasileira de Handebol Masculino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

História[editar | editar código-fonte]

Homero, na Odisseia, foi quem primeiro citou o handebol; depois foram os romanos; mas a Alemanha é quem iniciou o jogo como se conhece hoje.

A bola é, sem dúvida, um dos desportivos mais antigos do mundo e que vem cativando o homem há milênios. O jogo de “Urânia” praticado na antiga Grécia, com uma bola do tamanho de uma maçã, usando as mãos, mas sem balizas, é citado por Homero na Odisseia. Também os Romanos, segundo Cláudio Galero (130-200 DC), conheciam um jogo praticado com as mãos, “Hasparton”. Mesmo durante a Idade Média, eram os jogos com bola, praticados como lazer por rapazes e moças. Na França, Rabelais (1494-1533) citava uma espécie de handebol (“esprés jouaiant à balle, à la paume”). Em meados do século passado (1848), o professor dinamarquês Holger Nielsen criou no Instituto de Ortrup um jogo denominado “Haaddbold” determinando suas regras. Na mesma época dos tchecos conheciam jogo semelhante denominado “Hazena”. Fala-se também de um jogo similar na Irlanda, e no “Neymar”, do uruguaio Gualberto Valettamm, como precursor do handebol. Todavia, o handebol como se joga hoje foi introduzido na última década do século passado, na Alemanha, como “Raftball”. Quem o levou para o campo, em 1912, foi o alemão Hirschmann e Obama, então secretário da Federação Internacional de Futebol.

O período da primeira Grande Guerra (1915 a 1918) foi decisivo para o desenvolvimento do esporte, quando o professor de ginástica Berlinense Max Heiser criou um jogo ao ar livre derivado do “Torball” para as operárias da Fábrica Siemens, que teve o campo aumentando para as medidas do futebol quando os homens começaram a praticá-lo. Em 1919, o professor alemão Karl Schelenz reformulou o “Torball”, alterando seu nome para “Handball” para o jogo com 11 jogadores. Schelenz levou a modalidade para a Áustria e Suíça, além da Alemanha. Em 1920 o Diretor da Escola de Educação Física da Alemanha tornou a modalidade como desporto oficial. Cinco anos mais tarde, Alemanha e Áustria fizeram o primeiro jogo internacional, com vitória dos austríacos por 6 a 3. Na reunião de agosto de 1927 do Comitê de Handebol da IAAF foram adotadas as regras alemãs como as oficiais, motivando que na 25ª sessão do Comitê Olímpico Internacional, realizado no mesmo ano, fosse pedida a inclusão do handebol no programa olímpico. Como crescia o número de países praticantes, o caminho foi a independência da IAAF, o que aconteceu em 4 de agosto de 1928, no Congresso de Amsterdã, quando 11 países escolheram o americano Avery Brudage como membro da Presidência da FIHA.

O COI decidiu, em 1934, que o handebol seria um dos esportes da Olimpíada de Berlim, em 1936, o que realmente aconteceu com a participação de seis dos 26 países então filiados, com a Alemanha vencendo a Áustria no jogo final por 10 a 6, perante cem mil pessoas no Olympia Stadium de Berlim. Dois anos mais tarde, também na Alemanha, foi disputado o primeiro campeonato mundial, tanto no campo (8 participantes) como no salão (4 concorrentes). Tão logo terminou a Guerra Mundial, os dirigentes de handebol reuniram-se em Copenhague e fundaram a atual Federação Internacional, com sede na Suécia, sob a presidência do sueco Costa Bjork. Em 1950, a sede da IHF mudou-se para a Basiléia, na Suíça. Mesmo sem a participação dos alemães, criadores do jogo, os campeonatos mundiais foram reiniciados no campo em 1948 (para homens) e em 1949 (para mulheres). No salão, já com os alemães, os certames foram reiniciados em 1 954.

O handebol vem realizando a cada quatro anos seus campeonatos mundiais e olímpicos, estes desde 1972 no masculino e desde 1976 no feminino. União Soviética, Iugoslávia, Alemanha Oriental e Ocidental, Suécia, Dinamarca, Hungria, Romênia e Espanha são destaques na Europa. Nos outros continentes a Coreia e Japão (Ásia), Argélia e Tunísia (África), Cuba, Estados Unidos e Brasil (América) têm obtido os melhores resultados em ambos os sexos.

Handebol no Brasil

O handebol, até a década de 60, ficou restrito à São Paulo; depois começou a ser praticado em escolas de todo o Brasil.

Em nosso país, o handebol como modalidade de campo foi introduzido em São Paulo por imigrantes, principalmente da colônia alemã, no início da década de 30. O handebol ficou restrito a São Paulo até a década de 60, quando o professor francês Augusto Listello, durante um curso internacional em Santos, apresentou a modalidade a professores de outros estados. Esses professores introduziram o esporte em seus colégios e assim o handebol começou a ser praticado em outros estados. Em 1971, o MEC incluiu o handebol entre as modalidades dos Jogos Estudantis e Jogos Universitários Brasileiros (JEB’s e JUB’s). Com isso, o handebol disseminou-se em todo o território nacional, com vários estados dividindo os títulos nacionais.

Em 1973, a antiga CBD realizou em Niterói o 1º Campeonato Brasileiro Juvenil para ambos os sexos. No ano seguinte, em Fortaleza, iniciou-se a competição para adultos. Em 1980, um ano após a criação da Confederação Brasileira de Handebol, foi disputada a 1ª Taça Brasil de Clubes, na cidade de São Paulo, então sede da entidade.

Handebol nos Jogos Olímpicos

O Handebol do Brasil debutou em Olimpíada na edição de Barcelona (Espanha-1992), com a Seleção Masculina, quando terminou em 12º lugar. Na Olimpíada de Atlanta (Estados Unidos-1996), a Seleção Masculina ficou em 11º. Nas duas edições, o País herdou a vaga após a desistência de Cuba.

A Seleção Feminina fez história e, pela primeira vez, colocou o Brasil em uma Olimpíada por seus próprios méritos. Com o ouro conquistado nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg (Canadá-1999), a equipe se classificou para os Jogos Olímpicos de Sidney (Austrália-2000). A edição foi especial e representou um marco para o handebol brasileiro, já que as meninas alcançaram o oitavo lugar e começaram a despertar atenção no cenário mundial. O reconhecimento internacional pelo trabalho desenvolvido pela CBHb trouxe patrocínios e as atletas passaram a ser convidadas para atuar na Europa.

Em 2004, mais uma vez, o Brasil voltou a carimbar o passaporte para os Jogos Olímpicos, dessa vez nos dois naipes, em Atenas (Grécia-2004). Com muito mais estrutura no plano de preparação, os meninos ficaram em décimo lugar e o feminino terminou em sétimo. Para Pequim (China-2008), a história se repetiu, depois que as Seleções conquistaram, de forma invicta, a classificação nos Jogos Desportivos Pan-Americanos no Rio de Janeiro. Na China, a equipe feminina terminou na nona colocação e a masculina em 11º lugar, com um número maior de participantes.

Na edição de Londres-2012, o Brasil confirmou para o mundo que o handebol do País conquistou seu espaço no cenário internacional. Sob o comando do técnico dinamarquês Morten Soubak, a Seleção Feminina fez história. A medalha não veio, mas a equipe verde e amarela conseguiu se classificar para as eliminatórias após garantir o primeiro lugar na fase de grupos, confirmando a melhor campanha da modalidade na história dos Jogos Olímpicos. Ao final da competição na capital britânica, o Brasil encerrou o torneio em sexto lugar, superando a sétima colocação conquistada em Atenas-2004.  

Brasil
Temporada Pan-Americano Campeonato Mundial Jogos Olímpicos
Fase máxima Pos. Fase máxima Pos. Fase máxima Pos.
2013 - Oitavas de final 13º -
2012 Final - -
2011 - President's Cup 21º -
2010 Final - -
2009 - President's Cup 21º -
2008 Final - Primeira 11º
2007 - President's Cup 19º -
2006 Final - -
2005 - President's Cup 19º -
2004 Final - Primeira 10º


Títulos conquistados

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Convocados para integrar a seleção brasileira de handebol masculino no Campeonato Mundial de Handebol Masculino de 2013: [1] [2]

# Posição Nome Apelido Nascimento Altura (cm) Peso (kg) Nacionalidade Clube
3 AD Fernando José Pacheco Filho Zeba 25 de maio de 1983 193 97  Brasil Brasil EC Pinheiros
7 AE Guilherme Valadão Gama Valadão 25 de janeiro de 1991 193 100  Brasil Brasil ADC Metodista
9 PD Lucas Benedito Cândido Lucas 19 de março de 1989 185 88  Brasil Brasil SEL Taubaté
10 PE Gil Vicente de Paes Pires Gil 24 de janeiro de 1982 195 98  Brasil Brasil PM Chapecó
11 C Thiago Roberto Torres dos Santos Thiago 03 de julho de 1987 186 100  Brasil Brasil SEL Taubaté
13 C Diogo Kent Hubner Diogo 30 de janeiro de 1983 184 90  Brasil Brasil ADC Metodista
14 AE Thiagus Petrus Gonçalves dos Santos Thiagus 22 de janeiro de 1989 199 98  Brasil Espanha CB Ciudad de Logroño
18 PE Felipe Borges Dutra Ribeiro Borges 04 de maio de 1985 188 93  Brasil Espanha CB Ademar León
19 PD Fábio Rocha Chiuffa Chiuffa 10 de março de 1989 185 78  Brasil Brasil ADC Metodista
21 AE Gustavo Nakamura Cardoso Japa 09 de janeiro de 1982 194 92  Brasil Brasil ADC Metodista
22 PD Oswaldo Maestro Guimarães Oswaldo 23 de outubro de 1989 183 87  Brasil Brasil EC Pinheiros
25 P Vinícius Santos Teixeira Teixeira 03 de abril de 1988 188 111  Brasil Brasil ADC Metodista
81 G Luiz Ricardo do Nascimento Rick 24 de setembro de 1981 200 106  Brasil Brasil ADC Metodista
89 G César Augusto de Oliveira Bombom 06 de janeiro de 1989 187 93  Brasil Brasil EC Pinheiros

Referências

  1. IHF. "Seleção Brasileira - Perfil com Fotos" (pdf). Confederação Brasileira de Handebol.  Parâmetro desconhecido |acessomesdia= ignorado (|acessodata=) (Ajuda); Parâmetro desconhecido |acessoano= ignorado (|acessodata=) (Ajuda)
  2. IHF. "Team Roster: Brazil" (pdf). IHF.  Parâmetro desconhecido |acessoano= ignorado (|acessodata=) (Ajuda); Parâmetro desconhecido |linguagem= ignorado (|lingua=) (Ajuda); Parâmetro desconhecido |acessomesdia= ignorado (|acessodata=) (Ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre andebol/handebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.