Seleção Dinamarquesa de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dinamarca
País
Alcunhas?  De rød-hvide
Danish Dynamite
Olsen-banden
Associação Dansk Boldspil-Union
Confederação UEFA (Europa)
Material desportivo?  Alemanha Adidas
Treinador DinamarcaMorten Olsen
Capitão Daniel Agger
Mais participações Peter Schmeichel (129)
Melhor artilheiro Poul Nielsen - Jon Tomasson (52)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção Dinamarquesa de Futebol representa a Dinamarca nas competições de futebol da FIFA e é representada pela Associação Dinamarquesa de Futebol. A equipe tem uma vantagem competitiva desde os anos 80, com três vitórias na primeira fase da Copa do Mundo de 1986, o que lhe valeu a alcunha "Dinamáquina". Depois vieram o triunfo da Eurocopa 1992, quando venceram a Alemanha por 2 a 0 na partida final e também a conquista da Copa das Confederações de 1995 derrotando a Argentina por 2 a 0.

Em 10 de outubro de 2009, a Dinamarca se classificou para a Copa do Mundo 2010, vencendo o seu grupo nas eliminatórias com uma vitória sobre a Suécia.

História[editar | editar código-fonte]

A Dinamarca conquistou um título oficial dos Jogos Olímpicos de Verão de 1906, e terminou em segundo no seu primeiro torneio oficial os Jogos Olímpicos de Verão de 1908, uma realização repetida quatro anos mais tarde, nos Jogos Olímpicos de Verão de 1912. Apesar do país tivesse a capacidade de produzir talento futebolístico notável, uma medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Verão de 1948 foi o único bom resultado em 50 anos. Como o futebol continuava a ser um passatempo amador, a maioria dos melhores jogadores do futebol dinamarquês jogava no exterior para ganhar a vida.

Na década de 1960, a Dinamarca reviveu o êxito anterior obtendo uma medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Verão de 1960, embora o desempenho mais notável tenha sido o quarto lugar na Eurocopa 1964. A seleção se aproveitou de um empate relativamente fácil, já que vencera Malta e Luxemburgo, antes de perder para União Soviética, na semifinal, e da Hungria na disputa pelo bronze. O amadorismo foi finalmente abolido em 1971, o que levou a uma grande melhora do time dinamarquês. Em 1978, o futebol profissional foi introduzido nas ligas do país, o que culminou na obtenção do primeiro patrocínio da equipe nacional pela cervejaria dinamarquesa Carlsberg, permitindo que fosse contratado o treinador alemão Sepp Piontek, em 1979.

Dinamite Dinamarquês e Dinamáquina[editar | editar código-fonte]

Nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1982, a Dinamarca terminou com 8 pontos, incluindo uma vitória por 3 a 1 contra a futura campeã do Mundial, a Itália,

O elenco dos jogos Olímpicos de 1912

Mas o país não conseguiu se qualificar para a fase final do torneio, apesar daquele resultado impressionante. Qualificou-se, no entanto, para a Eurocopa 1984, quando bateu a Inglaterra. Allan Simonsen converteu um pênalti dando uma vitória por 1 a 0. A Dinamarca foi derrotada na semi-final ao perder para a Espanha. Após o forte desempenho a equipe começou a ser chamada como "Dinamite Dinamarquês".

A Dinamarca fez sua primeira aparição na Copa do Mundo de 1986, com a dupla de ataque Michael Laudrup e Elkjær. A equipe então surpreendeu o mundo, ao vencer na primeira fase os três jogos, contra a Escócia por 1 a 0 e a Alemanha por 2 a 0, além de um inesquecível e histórica goleada de 6 a 1 no Uruguai. Na segunda fase o time enfrentou a forte Espanha e sofreu uma inesperada goleada de 5 a 1, com direito a quatro gols do artilheiro Emilio Butragueño. Apesar da sensação entre imprensa e torcida de que o time merecia ter ido ainda mais longe, a seleção deixou ótima impressão e recebeu a alcunha que se tornaria a definitiva para sua história, pela qual é chamada até hoje: "Dinamáquina".

Após os dias de glória, veio um período de transição, com resultados vacilantes. Na Eurocopa 1988 a seleção dinamarquesa terminou o torneio derrotas para a Espanha, Alemanha e Itália. Quando a Dinamarca não conseguiu se classificar para a Copa do Mundo de 1990, o técnico Sepp Piontek foi substituído por seu assistente-técnico Richard Møller Nielsen.

Campeões da Europa 1992[editar | editar código-fonte]

O melhor fase posterior da Dinamarca em competições internacionais ocorreu durante a disputa da Eurocopa 1992. Os dinamarqueses inicialmente não conseguiram se classificar, já que perderam a vaga para a Iugoslávia em seu grupo nas eliminatórias. Michael Laudrup, a estrela da equipe, decidiu abandonar a equipe durante os jogos de qualificação, por causa de divergências táticas com o treinador Nielsen. No entanto, devido às sanções internacionais decorrentes da guerra na Iugoslávia, a Dinamarca se classificou, mesmo ficando em segundo lugar no seu grupo de qualificação.

Baseando-se no forte goleiro Peter Schmeichel e sua defesa, junto com a criatividade de Brian Laudrup, a equipe dinamarquesa protagonizou uma das maiores surpresas no evento em toda a sua história. O time ganhou a Euro 1992 sob o comando do técnico Richard Møller Nielsen, em seu tradicional estilo defensivo. O time avançou a partir da fase de grupos, à qual contava com as fortíssimas França, Inglaterra e Suécia (país-sede da Euro-92). Na semi-final a Dinamarca derrotou a então campeã Européia Holanda, de Rijkaard, Koeman, Bergkamp, Van Basten e Gullit, nos pênaltis (após empate no tempo normal em 2 x 2). E com a vitória por 2 a 0 sobre a Alemanha, conquistou o seu primeiro troféu de renome internacional.

Após a Euro 1992, Michael Laudrup reviveu a sua carreira na equipe nacional em 1993. Nos anos seguintes, a Dinamarca alternou seu rendimento. Não se classificou para a Copa do Mundo de 1994, mas venceu a Argentina na final da Copa das Confederações em 1995. Na Eurocopa 1996, a Dinamarca decepcionou obtendo fracos resultados, sendo eliminada na fase de grupos. Como havia ocorrido uma controvérsia acerca do prolongamento do contrato de Richard Møller Nielsen, no outono de 1995, o treinador, que já tinha uma tensa relação com a imprensa, acabou demitido. O simpático sueco Bo Johansson, veio em seu lugar, e tornou a equipe mais ofensiva.

Na Copa do Mundo de 1998 a seleção, vivenciou bons momentos protagonizados pelos irmãos Laudrup em suas últimas campanhas internacionais. Após bater a Árabia Saudita por 1 a 0, a Dinamarca empatou com a África do Sul em 1 a 1, e sofreu uma derrota por 2 a 1 da França. Nas oitavas de final, a Dinamarca bateu a Nigéria por 4 a 1, chegando às quartas de final, para enfrentar o Brasil, do qual perdeu por 3 a 2. Após mais uma participação abaixo da média na Eurocopa 2000, o técnico decidiu não renovar o seu contrato.

Copa das Confederações de 1995 (Copa Rei Fahd de 1995)[editar | editar código-fonte]

A Dinamarca participou da sua primeira Copa das Confederações depois do grande título da Euro de 1992. A versão Copa Rei Fahd de 1995 foi realizada na Arábia Saudita. Na fase de grupos, a Dinamarca estreou com vitória na anfitriã da competição, por 2x0 na Arábia. No jogo decisivo com o México (já que não tinha semi-finais, o segundo colocado do grupo disputaria o terceiro lugar e o primeiro a final) a Dinamarca empatou por 1x1. A partida foi para os pênaltis, com vitória dinamarquesa por 4x2, eliminando o México. Mas, o desafio final era vencer a poderosa Argentina, e conseguiu, venceu por 2x0. A zebra foi a maior vitória Dinamarquesa, pois venceu a Copa das Confederações. A França e a Dinamarca são as únicas seleções da Europa a ter vencido a Copa das Confederações.

Gang Olsen[editar | editar código-fonte]

Evolução da Dinamarca no Ranking da FIFA

O novo treinador acabou por ser o ex-capitão da equipe nacional na década de 80, Morten Olsen. Seu time foi rapidamente apelidado de "Olsen Gang", uma referência à uma série de filmes dinamarqueses em torno do personagem principal Egon Olsen. O apelido também fora usado quando Olsen era capitão da seleção. O comandante trouxe consigo grande experiência. Logo a tática se tornou mais ofensiva, com ênfase na utilização dos alas Jesper Grønkjær e Dennis Rommedahl. Olsen destacaria a importância de usar apenas o ajuste na forma de atuação de sua equipe.

A Dinamarca se qualificou tanto para a Copa do Mundo de 2002 como à Eurocopa 2004, mas apesar dos impressionantes resultados na fase de grupos, em ambos os torneios, principalmente a vitória por 2 a 0 sobre a França, sua participação ficou lembrada por conta de um incidente no jogo contra a Itália, no qual a estrela italiana Francesco Totti, foi flagrada pelas câmeras cuspindo em Christian Poulsen. A eliminação conjunta da Itália pela Dinamarca e Suécia na última rodada da fase de grupos, quando ambas empataram em 2 a 2, era o resultado exato para eliminar os italianos.

O reinado de Olsen obteve maior êxito em março de 2006. Morten Olsen obteve 58,7% de aproveitamento, tendo uma média de 2,03 pontos por jogo. Em comparação, Richard Møller Nielsen conseguiu 54,8%, e média de 1,89 pontos por partida. Um referencial foi a atitude de levar todas as partidas a sério, até mesmo as amistosas. Um exemplo notável foi um amistoso, no qual a Dinamarca goleou por 4 a 1 a Inglaterra, em 2005, a pior derrota da equipe inglesa desde a década de 80.

Nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006, a Dinamarca foi inserida no grupo de Turquia, Grécia, Ucrânia e a Albânia. A Dinamarca teve que se contentar com um 3° lugar, que não foi suficiente para levá-la ao Mundial. Apesar da eliminação, o treinador foi mantido no cargo, mesmo recebendo diversas ofertas de clubes. Seu contrato fora prorrogado até a Copa de 2010 por conta de sua popularidade junto à equipe e à torcida dinamarquesa

Estádio[editar | editar código-fonte]

Para a história do Estádio veja Estádio Parken

De um amistoso com vitória de 2-1 sobre a Alemanha em 1912, para uma derrota por 2-0 na qualificação para a Euro 1992 para a Iugoslávia, a Dinamarca jogou a maioria dos jogos no estádio Idrætsparken em Copenhague, um total de 232 jogos, dos quais 125 foram ganhos. Durante este tempo, vários jogos foram espalhados pelo país, como em Aalborg Stadion, em Aalborg, no NRGi Park em Århus e Fionia Park em Odense, foram o palco principal para os jogos da equipe nacional, após o abandono do Idrætsparken.

Em 9 de Setembro de 1992, o Idrætsparken foi reconstruído, agora chamado de Parken Stadium, o maior estádio da Dinamarca com 42.000 lugares, foi inaugurado com uma derrota por 2-1 para a Alemanha. O Parken desde então tem sido o único estádio da equipe nacional.

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Camisa Nome Posição Clube
Schmeichel Goleiro Inglaterra Leicester City
Andersen Goleiro Dinamarca FC Copenhague
Hansen Goleiro França Èvian
Poulsen Defesa Países Baixos PSV Eindhoven
Jacobsen Defesa França Guingamp
Vestergaard Defesa Alemanha Werder Bremen
Hansen Defesa França Nantes
Sviatchenko Defesa Dinamarca Midtjylland
Agger Defesa Dinamarca Brøndby
Okore Defesa Inglaterra Aston Villa
Kvist Médio Dinamarca FC Copenhague
Wass Médio Espanha Celta de Vigo
Højbjerg Médio Alemanha Schalke 04
Rasmussen Médio Dinamarca Midtjylland
Andersen Médio Países Baixos Ajax
Eriksen Médio Inglaterra Tottenham Hotspur
Krohn-Dehli Médio Espanha Sevilla
Fischer Avançado Países Baixos Ajax
Bendtner Avançado Alemanha VfL Wolfsburg
Jørgensen Avançado Dinamarca FC Copenhague
Braithwaite Avançado França Toulouse
Vibe Avançado Inglaterra Brentford
Schøne Avançado Países Baixos Ajax

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes atuais[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Camisa vermelha, calção branco e meias vermelhas;
  • 2º - Camisa branca, calção azul e meias brancas;
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Azul com detalhes vermelhos e pretos;
  • Camisa verde, calção e meias verdes.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • 2012
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme
  • 2010
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme
  • 2008
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme
  • 2006
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme
  • 2004
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme

Títulos[editar | editar código-fonte]

UEFA European Cup.svgEurocopa: 1992

Campanhas destacadas[editar | editar código-fonte]

Jogos da Dinamarca com Portugal e o Brasil[editar | editar código-fonte]

Adversário Jogos Vitórias Empates Derrotas Golos
Portugal Portugal 14 3 2 9 18 - 30
Brasil Brasil 4 1 0 3 10 - 8

Mais partidas e maiores goleadores[editar | editar código-fonte]

  • Mais partidas
Rank Nome Período Jogos Gols
1 Peter Schmeichel 1987–2001 129 1
2 Dennis Rommedahl 2000–2013 126 21
3 Jon Dahl Tomasson 1997–2010 112 52
4 Thomas Helveg 1994–2007 108 2
5 Michael Laudrup 1982–1998 104 37
6 Morten Olsen 1970–1989 102 4
Martin Jørgensen 1998–2011 102 12
8 Thomas Sørensen 1999–2012 101 0
9 Christian Poulsen 2001–2012 92 6
10 John Sivebæk 1982–1992 87 1
  • Maiores goleadores
Rank Nome Período Gols Jogos
1 Jon Dahl Tomasson 1997–2010 52 112
Poul Nielsen 1910–1925 52 38
3 Pauli Jørgensen 1925–1939 44 47
4 Ole Madsen 1958–1969 42 50
5 Preben Elkjær Larsen 1977–1988 38 69
6 Michael Laudrup 1982–1998 37 104
7 Henning Enoksen 1958–1966 29 54
8 Nicklas Bendtner 2006–presente 26 64
9 Michael Rohde 1915–1931 22 40
Ebbe Sand 1998–2004 22 66

Principais jogadores[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c FIFA.com (abril de 2011). Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola (em português). Visitado em 6 de maio de 2011.

Copa do Mundo FIFA de 2010 | África do Sul Football pictogram.svg

Grupo A
Bandeira da África do Sul África do Sul
Flag of Mexico.svg México
Flag of Uruguay.svg Uruguai
Bandeira da França França
Grupo B
Flag of Argentina.svg Argentina
Flag of Nigeria.svg Nigéria
Flag of South Korea.svg Coreia do Sul
Grécia Grécia
Grupo C
Flag of England.svg Inglaterra
Flag of the United States.svg Estados Unidos
Flag of Algeria.svg Argélia
Flag of Slovenia.svg Eslovénia
Grupo D
Bandeira da Alemanha Alemanha
Flag of Australia.svg Austrália
Bandeira da Sérvia Sérvia
Flag of Ghana.svg Gana
Grupo E
Países Baixos Países Baixos
Flag of Denmark.svg Dinamarca
Flag of Japan.svg Japão
Flag of Cameroon.svg Camarões
Grupo F
Flag of Italy.svg Itália
Flag of Paraguay.svg Paraguai
Flag of New Zealand.svg Nova Zelândia
Flag of Slovakia.svg Eslováquia
Grupo G
Brasil Brasil
Flag of North Korea.svg Coreia do Norte
Flag of Côte d'Ivoire.svg Costa do Marfim
Flag of Portugal.svg Portugal
Grupo H
Flag of Spain.svg Espanha
Flag of Switzerland.svg Suíça
Flag of Honduras.svg Honduras
Flag of Chile.svg Chile