Seleção sexual nos humanos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Evolution-tasks.png
Atenção: Este artigo foi listado como um artigo com problemas.
Ajude-nos na discussão deste artigo. O motivo da marcação foi a seguinte: esta tradução necessita de uma correção ortográfico-gramatical e uma melhoria da redação, incluindo as más traduções.
Charles Darwin conjeturou ca a barba masculina era produto da seleção sexual em tempos pré-históricos.

A seleção sexual nos humanos se refere à influência do conceito de seleção sexual, introduzida por Charles Darwin e Alfred R. Wallace, na espécie humana. Além de introduzirem os conceitos da ancestralidade comum dos organismos vivos e o mecanismo de seleção natural pelo qual a evolução ocorre, Darwin e Wallace também se propõem a explicar como esses processos naturais ocorrem nos humanos.[1][2][3] No livro, A descendência do homem, e seleção relativa ao sexo, Darwin argumenta como os processos biológicos para os humanos são próximos aos dos outros animais, desde as substâncias químicas e estruturais do corpo, aos eventos que se relacionam à reprodução, por exemplo a corte, nascimento, cuidado parental e, particularmente, as diferenças físicas e psicológicas entre homens e mulheres.[4]

Já foi sugerido que o cérebro humano é um produto da seleção sexual, i.e. também que foi desenvolvido como um elemento sexual para cortejar tanto quanto para a sobrevivência,[5] e que isso já foi exposto por Ronald Fisher no modelo de Fisher.[6][7][8][9][10] Fisher também argumenta que, as condições para o desenvolvimento da seleção sexual em humanos são mais favoráveis devido a fatores como a prevalência da monogamia - de modo que a escolha do parceiro é mais importante que em outras espécies.[11]

Hipóteses gerais[editar | editar código-fonte]

Várias características anatômicas e comportamentais têm sido usadas como exemplo de seleção sexual nos humanos. Algumas hipóteses acerca da evolução do cérebro humano argumentam que é um traço sexualmente escolhido, porque não confere demasiada força física em relação ao seu alto custo de manutenção (um quarto a um quinto da energia e do oxigénio consumido por um humano).[12] Além do tamanho do crânio ser tido com um sinal de inteligência, também argumenta-se que esse aumento seja um caso de neotenia, a qual foi sexualmente selecionada.[13] No geral, o papel da seleção sexual na evolução humana não pode ser estabelecido definitivamente, pois as características podem resultar de um equilíbrio entre pressões competitivas seletivas, algumas envolvendo a seleção sexual, outras a seleção natural e outras a pleiotropia. Nas palavras de Richard Dawkins:

Richard Dawkins
"Quando se repara numa característica de um animal, e se pergunta qual seu valor na sobrevivência, pode-se estar fazendo pergunta errada. Pode ser que as características notadas não sejam as que importam. Ela pode, ao invés, ter se alastrado ao longo da evolução juntamente a outra característica à qual está pleiotropicalmente ligada."[14]

O antropologista alemão Ferdinand Fellmann propôs uma forma modificada da seleção sexual, chamada "seleção emocional", como o centro de onde depende a evolução emocional humana. A vantagem na sobrevivência é devida ao talento humano em relações a longo-prazo, as quais permitem-lhes ter sentimentos acerca de sentimentos: a origem da consciência humana.[15]

Hipótese da seleção sexual de Darwin[editar | editar código-fonte]

Charles Darwin descreveu a seleção sexual como sendo dependente na "vantagem que alguns indivíduos têm sobre outros do mesmo sexo e espécie, somente a respeito da reprodução".[16] Darwin apercebeu-se de que a seleção sexual tem dois tipos e concluiu que ambos estão presentes nos humanos:[17] "A luta sexual tem dois tipos; num é entre indivíduos do mesmo sexo, de maneira a excitar ou fascinar os do sexo oposto, geralmente fêmeas, as quais não continuam passivas, mas escolhido os parceiros mais condizentes".[18]

Mulher e homem coissã (desenho de 1900). A mulher mostra esteatopigia.

Charles Darwin conjeturou que a barba masculina, como a falta de pelos corporais nos humanos comparado com todos os outros mamíferos, era resultado da seleção sexual. Ele pensou que desde que os corpos das fêmeas têm menos pelos, a perda de pelo é devida à seleção sexual das fêmeas numa altura pré-histórica quando os machos tinham imenso poder seletivo, e que afetou os machos devido à correlação genética entre os sexos. Ele também considerou que a seleção sexual em parceria com a seleção natural foram fatores significativos na diferenciação geográfica na aparência humana de alguns grupos isolados, porque ele não achou que a seleção natural sozinha pudesse dar um resposta satisfatória. Mesmo não explicitamente, a sua observação ca nas mulheres coissã "a parte posterior do corpo é projetada duma maneira maravilhosa" (conhecida como esteatopigia)[19] implica a seleção sexual nesta característica. No The Descent of Man, and Selection in Relation to Sex, Darwin viu muitos traços físicos que variam pelo mundo como sendo insignificantes para a sobrevivência[20] tendo concluído que alguma influência da seleção sexual era precisa para explicar a sua presença. Ele notou que a variação nestas características nas várias populações mundiais significa que o critério de escolha de parceiro poderia ter sido bastante diferente se o foco fosse similar, e ele próprio duvidou disso, citando[21] relatório indicando que as ideias da formosura não variam, de facto, muito arredor da Terra.

Hipótese de Geoffrey Miller[editar | editar código-fonte]

Homo habilis - Reconstrução/aproximação facial forense

Geoffrey Miller, explorando algumas ideias amplamente negligenciadas de Darwin acerca do comportamento humano, chegou à conclusão que muitas condutas humanas não estavam expressivamente ligadas a benefícios de sobrevivência, tais como o humor, a música, a arte visual, algumas formas de altruísmo, criatividade verbal ou o facto da maioria dos humanos terem um vocabulário muito maior do que é preciso para sobreviver,[22] Miller (2000) propôs que esta aparente redundância é devida aos indivíduos usando o vocabulário para mostrar a sua inteligência, e por conseguinte a sua "capacidade", a possíveis parceiros. Isto já foi testado experimentalmente, e parece que os machos fazem maior uso de palavras de baixo uso (mais inusuais) numa atitude romântica do que numa situação similar não-romântica, sugerindo que o vocabulário é usado como demonstração sexual (Rosenberg & Tunney, 2008). Todas estas qualidades são consideradas adaptações para acasalamento que foram favorecidas pela seleção sexual.[23]

Nessa visão, muitas características humanas podem ser consideradas dependentes da seleção sexual como parte do conceito estendido de fenótipo descrito por Richard Dawkins em 1982 no seu livro The Extended Phenotype,[24] que descreve estes acessórios como traços sexualmente escolhidos.[25]

A cauda dum pavão em vôo, exemplo clássico dum modelo de Fisher.

Miller é crítico das teorias que implicam que a cultura humana surgiu por acidente ou como um produto da evolução humana. Ele acredita que a cultura humana surgiu através da seleção sexual como traços escolhidos desta maneira.[25] Durante a evolução humana, pelos menos duas vezes, o cérebro do hominídeo cresceu rapidamente num curto período de tempo sucedido por um período de pausa neste processo. O primeiro período de expansão cerebral aconteceu à dois milhões e meio de anos atrás, quando o Homo habilis começou a usar ferramentas de pedra. O segundo período teve lugar à cinquenta mil anos atrás, quando apareceu o Homo sapiens arcaico. Miller argumenta que o crescimento rápido do cérebro poderia ter acontecido por um ciclo de realimentação positiva resultando no modelo de Fisher selecionando cérebros maiores. Tor Nørretranders, em The Generous Man conjetura como a inteligência, a musicalidade, as habilidades artísticas e sociais e a linguagem podem ter resultado do princípio do handicap, análogo à cauda do pavão, o exemplo típico desse princípio.[26] Outra hipótese[27] propõe que a inteligência humana é um indicador de acasalamento que mostra saúde e força perante parasitas e patógenos que são anuladores das capacidades cognitivas humanas.[28]

Dimorfismo sexual[editar | editar código-fonte]

Mais informações: Dimorfismo sexual
Desenho que mostra o dimorfismo sexual entre a mulher e o homem. Mostra também as diferenças entre ambos sexos a respeito dos pelos corporais.

Os homens geralmente têm mais pelos que as mulheres, e Darwin achava que falta de pêlos estava ligada à seleção sexual; porém, muitas outras explicações têm sido apresentadas para explicar a perda de pelo nos humanos, uma delas é que a perda de pelos corporais teve lugar para facilitar a transpiração.[29] Esta ideia está estreitamente relacionada com a que sugere a necessidade de melhor fotoproteção e faz parte das explicações mais aceitadas pela comunidade científica sobre a evolução dos traços relacionados ca pigmentação.[30]

Indicando que um traço provém da seleção sexual pode ser difícil de provar através de métodos correlacionais, como as características podem resultar de diferentes pressões seletivas, algumas envolvendo seleção sexual, outras seleção natural, algumas podem ser acidentais e devido à pleiotropia. Por exemplo, primatas monógamos são conhecidos por exibir pequeno dimorfismo sexual como machos altos com grande caninos; porém, machos fortes com bocas fortes podem fornecer proteção contra predadores e podem ser maiores por esse motivo, mais do que para ganhar confrontações por fêmeas. Machos e fêmeas ao diferir de tamanho podem usar a altura para especializar-se, e aproveitar melhor os recursos, por exemplo, diferentes tipos de comida enquanto deixando de lado a competição entre cada um; além disso, o tamanho corporal pode ser útil para evitar predadores e pode servir para proteger o parceiro. Isto é, de longe, mais complicado pela consideração que quanto maior corpo, o esqueleto do mamífero torna-se muito mais robusto e massivo.[31] Sabendo isto, o níveis de dimorfismo sexual são vistos como uma marca da seleção sexual. Alguns estudos mostram que os primeiros homininae eram muito dimórficos e que esta tendência se reduziu ao longo da evolução humana, sugerindo que os humanos se tornaram mais monógamos. Pelo contrário, os gorilas que vivem em haréns mostram um dimorfismo sexual muito maior (ver: homininae).[32]

Gorila

Um estudo demonstrou que, há uma tendência evolutiva para os homens com frontes mais curtas, sugerindo que este traço pode ter sido causado pela seleção sexual. Possivelmente, devido à preferência das mulheres por homens masculinos porém não agressivos.[33][34]

Anatomia sexual[editar | editar código-fonte]

Os seios humanos, muito diferentes do dos outros primatas.

A teoria da seleção sexual têm sido usada para explicar várias características anatômicas humanas. Estas incluem mamas arredondadas, pelo facial, pelo púbico e o tamanho do pénis. Os seios dos primatas são planos, mas têm a suficiente capacidade para produzir leite para os seus filhos. Já as mamas das mulheres não-lactantes são preenchidas com tecidos gordurosos ao invés tecido produtor deleite. Assim, têm sido sugerido que os seios arredondados das fêmeas são sinais de fertilidade.[35] Richard Dawkins especula que a perda do osso do pénis nos humanos, estando presente nos outros primatas, pode ser devida à seleção sexual por fêmeas à procura de um sinal claro de boa saúde nos seus respectivos parceiros. Tendo em conta que a ereção humana depende de um sistema hidráulico de bombeamento sanguíneo, uma falha na ereção é um sinal de alguma forma de problemas de saúde física e mental.[36]

Chimpanzé

Dentre os hominídeos, o pênis no gênero Homo apresenta o maior tamanho em relação ao corpo. Chimpanzés possuem comprimentos similares, embora nessa espécie o órgão seja bem menos espesso,[37] e possuem testículos muito mais desenvolvidos.[38] Foi sugerido que a evolução do pênis humano para um maior tamanho foi resultado de escolha das fêmeas ao invés de competição de esperma, a qual geralmente favorece maiores testículos.[39] Outra possibilidade é que o tamanho do pênis humano seja fruto de seleção natural, em que um órgão mais comprido é mais eficiente em deslocar esperma dos machos rivais durante o ato sexual. Um estudo modelo mostrou que a deslocação de sémen era diretamente proporcional à profundidade do empurrão pélvico, funcionando como um dispositivo eficiente de deslocação de sémen.[40][41]

Fenótipo[editar | editar código-fonte]

A seleção sexual continua a ser sugerida como uma possível explicação para a variação geográfica na aparência das populações humanas. Nas hipóteses modernas, as práticas matrimoniais são propostas como sendo o fator determinante da seleção sexual. John Manning[42] sugere que onde a poliginia é comum, os homens enfrentam competição intensa por esposas e estão mais propensos a serem completamente malsucedidos na reprodução, e o resultado é a forte escolha de machos por traços que são adaptativos para alcançar uma reprodução bem-sucedida. Ele propõe uma ligação da cor de pele aos traços relacionados com a testosterona, os quais conferem habilidade para competir com sucesso por fêmeas. Ele sugere que testosterona torna o sistema imunitário humano mais fraco contra agentes patogénicos. Nesta visão, as propriedades antibióticas da melanina ajudam a mitigar a fraqueza às doenças que poliginia produz ao aumentar os níveis de testosterona. De acordo com este argumento, as qualidades anti-infecciosas da melanina são mais importantes do que a proteção da radiação ultravioleta na evolução dos tipos de pele mais escuros. As afirmações de Manning dizem que a cor da pele está mais relacionada com a ocorrência de poliginia – explicável pela função antibiótica da melanina – em vez da latitude geográfica e o seu enfoque da radiação ultravioleta. Um exemplo apontado para isso é a falta de pele muito preta em latitudes equatoriais do Novo Mundo e a pele relativamente clara dos coissã na África.[42][43]

A pesquisa parece refutar a explicação de Manning acerca da cor da pele. Em 1978, a NASA lançou o Total Ozone Mapping Spectrometer, o qual mediu a radiação ultravioleta pela superfície terrestre. Jablonski e Chaplin recolheram as medições do espectrómetro e comparara-nos com os dados publicados acerca da pele escura em populações indígenas de mais de cinquenta países. Havia uma correlação clara: quanto mais fraca a luz ultravioleta, mais clara a pele.[44]

Mapa da distribuição da população pola sua cor da pele (segundo a escala de Von Luschan) em antes de 1940 e a sua relação ca latitude.

Rogers et al. (2004) efetuaram um inquérito acerca da variação em sequências do nucleótido MC1R de pessoas de diferente procedência e compararam as sequências de chimpanzés e humanos de várias regiões da Terra. Rogers et al. concluíram que, no momento da separação evolutiva de chimpanzés e humanos, os antecessores comuns de todos os humanos tinham pele clara que era coberta por cabelo preto. Além disso, o nosso parente mais próximo, o chimpanzé, tem pele clara coberta por pelo corporal espesso.[45] Nessa altura o pelo corporal humano desapareceu para permitir uma melhor transpiração[46] e o tom da pele tornou-se mais escuro para incrementar o estrato córneo[47] e proteger duma deficiência de folato devido à maior exposição à luz solar.[48] Quando os humanos começaram a migrar para fora dos trópicos, havia uma menos intensidade da luz solar, parcialmente devido às roupas para proteger-se face ao inverno frio. Sob estas condições havia uma menor fotodestruição de folato, e então a pressão evolucionária de sobrevivência que desfavorecia os genes de pele clara foi reduzida. Ademais, a pele clara é capaz de gerar mais vitamina D (cholecalciferol) do que a pele escura, então isso poderia ter representado um benefício na saúde em locais com pouca luz solar se houvesse poucas fontes de vitamina D.[46] As mutações genéticas que levaram à pele clara experimentaram pressão seletiva devido ao assentamento nas latitudes setentrionais.[49]

O antropologista Peter Frost propôs que a seleção sexual era responsável pela evolução dos traços pigmentários das mulheres na Europa do Norte e do Leste. Ele sustenta que a diversidade da cor dos olhos e do cabelo nas populações do Nordeste da Europa originou-se como consequência de uma árdua competição fêmea-fêmea, e que é uma adaptação para o sucesso reprodutivo das mulheres.[50][51]

Argumentos opostos[editar | editar código-fonte]

O papel da seleção sexual na evolução humana tem sido considerado controverso desde que Darwin publicou o seu livro sobre a seleção sexual (1871). Entre as vozes críticas havia alguns apoiantes de Darwin, tais como Alfred Wallace, que argumentou que os animais e pássaros faziam a seleção intersexual baseada na sua beleza ou na plumagem formosa, e que as faculdades artísticas nos humanos pertencem à sua natureza espiritual e logo não podem estar ligadas à seleção natural, a qual só afeta a natureza animal.[52] Darwin foi acusado de mirar à evolução dos primeiros antepassados humanos através dos códigos morais do século dezanove da era vitoriana. Joan Roughgarden, citando elementos do comportamento sexual dos animais e humanos que não podem ser explicados pelo modelo da seleção sexual, sugeriu que função do sexo na evolução humana era primariamente social.[53]

Exemplo de aposematismo, as cores desta avisam os potenciais predadores da sua toxicidade.

Joseph Jordania sugeriu em 2011 que em explicar comportamentos humanos e características morfológicas como cantar, dançar, pintar o corpo, uso de roupas e acessórios, Darwin e os proponentes da seleção sexual de negligenciar qualquer outra força importante evolutiva, intimidação de predadores e competidores que a formas de comportamento deimático, o qual usa o mesmo arsenal da características comportamentais da visão, do ouvido, do olfato como seleção sexual. De acordo com Jordania, a maioria destes comportamentos de aviso foram incorretamente atribuidos à seleção sexual. Jordiana propôs um modelo aposemático da evolução humana, onde a maioria das características morfológicas e comportamentais consideradas por Darwin como seleção sexual, via escolha feminina, são explicados polo comportamento aposemático (intimidador).[54]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Darwin, C. (1872). The origin of species by means of natural selection: or, the preservation of favoured races in the struggle for life and the descent of man and selection in relation to sex. Modern Library.
  2. «Natural Selection». The American Naturalist. 4 (7): 419–422. 1870 
  3. Darwin, Charles; Wallace, Alfred (1 de agosto de 1858). «On the Tendency of Species to form Varieties; and on the Perpetuation of Varieties and Species by Natural Means of Selection». Zoological Journal of the Linnean Society. 3 (9): 45–62. ISSN 0024-4082. doi:10.1111/j.1096-3642.1858.tb02500.x 
  4. Darwin, Charles (1 de janeiro de 1874). The Descent of Man and Seletion in Relation to Sex (em inglês). [S.l.]: Рипол Классик. ISBN 9785875516344 
  5. «SEXUAL SELECTION AND THE MIND | Edge.org». edge.org. Consultado em 1 de agosto de 2016. 
  6. Fisher, R.A. (1930) The Genetical Theory of Natural Selection. ISBN 0-19-850440-3
  7. Andersson, M. and Simmons, L.W. (2006) Sexual selection and mate choice. Trends, Ecology and Evolution (21) 296:302
  8. Edwards, A.W.F. (2000) Perspectives: Anecdotal, Historial and Critical Commentaries on Genetics. The Genetics Society of America (154) 1419:1426
  9. Andersson, M. (1994) Sexual selection. ISBN 0-691-00057-3
  10. Gayon, J. (2010) Sexual selection: Another Darwinian process. Comptes Rendus Biologies (333) 134:144
  11. Fisher, R. A. (1915). «The evolution of sexual preference». Eugenic Review. 7 (3). 188 páginas. PMC 2987134Acessível livremente. PMID 21259607 
  12. Schillaci, M. A. (2006). «Sexual selection and the evolution of brain size in primates». PLOS ONE. 1 (1): e62. PMC 1762360Acessível livremente. PMID 17183693. doi:10.1371/journal.pone.0000062  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  13. «Neoteny and Two-Way Sexual Selection in Human Evolution». www.davidbrin.com. Consultado em 31 de julho de 2016. 
  14. Richard Dawkins (2009). The Greatest Show on Earth: The Evidence for Evolution. Free Press. ISBN 1416594787, ISBN 978-1416594789.
  15. Fellmann, F., & Walsh, R. (2013). «Emotional Selection and Human Personality». Biological Theory. 8 (1): 64–73. doi:10.1007/s13752-013-0093-3 
  16. Darwin, Charles (1871). The Descent of Man and Selection in Relation to Sex. 1 1st ed. London: John Murray. p. 256 
  17. Darwin, Charles (1871). The Descent of Man and Selection in Relation to Sex. 2 1st ed. London: John Murray. p. 402 
  18. Darwin, Charles (1871). The Descent of Man and Selection in Relation to Sex. 1 1st ed. London: John Murray. p. 398 
  19. Charles Darwin (1882). The Descent of Man and Selection in Relation to Sex. London: John Murray. p. 578 
  20. The races of man differ from each other, and from their nearest allies, in certain characters which are of no service to them in their daily habits of life, and which it is extremely probable would have been modified through sexual selection. (Darwin, 1936 [1888], p. 908).
  21. Darwin, C. (1936) [1888]. The Descent of Man and Selection in Relation to Sex. reprint of 2nd ed., The Modern Library, New York: Random House.
  22. Geoffrey Miller, The Mating Mind, p.111; published 2001
  23. Klasios, J. (2013). «Cognitive traits as sexually selected fitness indicators». Review of General Psychology. pp. 428–442 
  24. Dawkins, Richard (1989). The Extended Phenotype. Oxford: Oxford University Press. p. xiii. ISBN 0-19-288051-9 
  25. a b Miller G. (2000). The mating mind: how sexual choice shaped the evolution of human nature, London, Heineman, ISBN 0-434-00741-2 (also Doubleday, ISBN 0-385-49516-1).
  26. «The Theory of Honest Signaling - Defining the Handicap Principle». octavia.zoology.washington.edu. Consultado em 11 de agosto de 2016. 
  27. Rozsa L (2008). «The rise of non-adaptive intelligence in humans under pathogen pressure.» (PDF). Medical Hypotheses. pp. 685–690. Consultado em 8 de março de 2009. 
  28. Olness (abril de 2003). «Effects on brain development leading to cognitive impairment: a worldwide epidemic». J Dev Behav Pediatr. 24: 120–130. PMID 12692458. doi:10.1097/00004703-200304000-00009 
  29. Jablonski, N. G. (2006). Skin: a natural history. Berkeley, CA: University of California Press. p. PP13.
  30. Jablonski, N. G.; Chaplin, G. (2010). «Human skin pigmentation as an adaptation to UV radiation». Proceedings of the National Academy of Sciences. 107 (Suppl 2): 8962–8968. PMC 3024016Acessível livremente. PMID 20445093. doi:10.1073/pnas.0914628107 
  31. Evolution and Human Behavior: Darwinian Perspectives on Human Nature, by John Cartwright.
  32. Principles of Human Evolution, by Roger Lewin, Robert Foley.
  33. Weston, EM; Friday, AE; Johnstone, RA; Schrenk, F (2004). «Wide faces or large canines? The attractive versus the aggressive primate». Proc R Soc London Ser B Suppl, Biology Letters. 271: S416–S419 
  34. Weston, Eleanor M.; Friday, Adrian E.; Liò, Pietro (2007). «Biometric Evidence that Sexual Selection Has Shaped the Hominin Face». PLoS ONE. 2: 8. doi:10.1371/journal.pone.0000710  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  35. Morris (2007). «Breasts». The Naked Woman. [S.l.: s.n.] ISBN 0-312-33853-8 
  36. Dawkins, Richard (2006) [First published 1976]. The Selfish Gene 30th anniversary ed. [S.l.: s.n.] p. 158 endnote. It is not implausible that, with natural selection refining their diagnostic skills, females could glean all sorts of clues about a male's health, and the robustness of his ability to cope with stress, from the tone and bearing of his penis. 
  37. Dixson, A. F. (2009). Sexual selection and the origins of human mating systems. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 61–65 
  38. Vogt, Yngve (29 de janeiro de 2014). «Large testicles are linked to infidelity». Phys.org. Consultado em 31 de janeiro de 2014. 
  39. Miller, G.F. (1998), "How mate choice shaped human nature: A review of sexual selection and human evolution" in Handbook of Evolutionary Psychology.
  40. In a theoretical paper published in the journal Evolutionary Psychology in 2004, Gallup and coauthor, Rebecca Burch, conjecture that, "A longer penis would not only have been an advantage for leaving semen in a less-accessible part of the vagina, but by filling and expanding the vagina, it also would aid and abet the displacement of semen left by other males as a means of maximizing the likelihood of paternity." – "Secrets of the Phallus: Why Is the Penis Shaped Like That?", ScientificAmerican.com.
  41. «Penis is a competitive beast». BBC. 7 de agosto de 2003 
  42. a b Manning, John (2009). The Finger Ratio. [S.l.]: Faber & Faber. ISBN 978-0-571-21540-9 
  43. MacKintosh, J. (2001). «The antimicrobial properties of melanocytes, melanosomes and melanin and the evolution of black skin.». Journal of Theoretical Biology. 211 (2): 101–113. PMID 11419954. doi:10.1006/jtbi.2001.2331 
  44. Kirchweger, Gina (1 de fevereiro de 2001). «The Biology of . . . Skin Color». Discover. Consultado em 31 de março de 2015. 
  45. Rogers, Iltis & Wooding 2004, p. 107.
  46. a b Jablonski, Nina G.; Chaplin, George; Chaplin (2000). «The evolution of human skin coloration» (PDF). Journal of Human Evolution. 39 (1): 57–106. PMID 10896812. doi:10.1006/jhev.2000.0403 
  47. Elias, Peter M; Menon, Gapinathan; Wetzel, Bruce J; Williams, John (Jack) W (2010). «Barrier Requirements as the Evolutionary "Driver" of Epidermal Pigmentation in Humans». American Journal of Human Biology. 22 (4): 526–537. PMC 3071612Acessível livremente. PMID 20209486. doi:10.1002/ajhb.21043 
  48. Jablonski, N. G.; Chaplin, G. (2010). «Colloquium Paper: Human skin pigmentation as an adaptation to UV radiation». Proceedings of the National Academy of Sciences. 107 (Suppl 2): 8962–8. Bibcode:2010PNAS..107.8962J. PMC 3024016Acessível livremente. PMID 20445093. doi:10.1073/pnas.0914628107 
  49. Juzeniene, Asta; Setlow, Richard; Porojnicu, Alina; Steindal, Arnfinn Hykkerud; Moan, Johan (2009). «Development of different human skin colors: A review highlighting photobiological and photobiophysical aspects». Journal of Photochemistry and Photobiology B: Biology. 96 (2): 93–100. PMID 19481954. doi:10.1016/j.jphotobiol.2009.04.009 
  50. Frost, P. (2008). «Sexual selection and human geographic variation» (PDF). Journal of Social, Evolutionary, and Cultural Psychology. 2 (4): 169–191. doi:10.1037/h0099346. Arquivado do original (PDF) em 25 de abril de 2012 
  51. Cunningham, M.R.; Roberts, A.R.; Barbee, A.P.; Druen, P.B.; Wu, C-H. (1995). «Their ideas of beauty are, on the whole, the same as ours": consistency and variability in the cross-cultural perception of female physical attractiveness». Journal of Personality and Social Psychology. 68: 261–279. doi:10.1037/0022-3514.68.2.261 
  52. Fisher, R. A. (1915). «The evolution of sexual preference». Eugenic Review. 7 (3): 184–92. PMC 2987134Acessível livremente. PMID 21259607 
  53. Roughgarden, Joan (2004). Evolution's Rainbow: Diversity, Gender and Sexuality in Nature and People. Los Angeles: University of California Press.
  54. Jordania, Joseph (2011). Why do People Sing? Music in Human Evolution. [S.l.]: Logos. pp. 186–196 

Obras relacionadas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]