Seminário de Rachol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Fachada principal de Igreja de Santo Inácio de Loyola, Seminário de Rachol.

O Seminário de Rachol é uma instituição de formação religiosa, destinada a formar sacerdotes da Igreja Católica Romana sito nas margens do rio Zuari no norte do distrito de Salcete, Estado de Goa. O conjunto inclui uma igreja dedicada a Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus.

História[editar | editar código-fonte]

A região de Rachol era defendida por uma fortaleza mogol, o Forte de Rachol, que em 1520 foi conquistada pelos os hindus do reino de Vijayanagar. Num acordo de defesa mútua contra as forças muçulmanas, o Forte de Rachol foi entregue poucos anos depois aos portugueses, passando a constituir a principal defesa contra o avanço das forças maratas sobre Goa. O forte foi sucessivamente reconstruído em 1604, 1684 e 1745, perdendo a partir importância.

Foi nas imediações deste forte, e sob a sua protecção, que em 1580 foi lançada a primeira pedra para a construção de seminário que seria mantido pela Companhia de Jesus. O seminário ganhou grande desenvolvimento, sendo a par do Colégio de São Paulo de Velha Goa uma das mais prestigiadas instituições da cristandade no Oriente.

O Seminário de Rachol teve uma das primeiras tipografias da Ásia e na sua escola de Teologia formaram-se alguns dos mais brilhantes sacerdotes da Índia. Também foi um das primeiras instituições académicas a dedicar-se ao estudos das línguas indianas.

Na sua tipografia foram impressas algumas das primeiras obras sobre cristianismo publicadas na Ásia. A primeira, saída em 1616, intitulava-se a Purana Cristã, um tradução do Evangelho para a língua marata[1].

Quando em 1762 os Jesuítas foram expulsos de Goa foram substituídos em Rachol por outra Ordem. O seminário inclui hoje uma das maiores bibliotecas em Goa.

Em colaboração com a Fundação Gulbenkian partes do seminário têm sido restauradas.

Notas

  1. «Seminário de Rachol». Consultado em 20 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2005 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]