Senador Georgino Avelino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Senador Georgino Avelino
  Município do Brasil  
Hino
Gentílico georginense
Localização
Localização de Senador Georgino Avelino no Rio Grande do Norte
Localização de Senador Georgino Avelino no Rio Grande do Norte
Mapa de Senador Georgino Avelino
Coordenadas 6° 09' 46" S 35° 07' 22" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Norte
Região intermediária[1] Natal
Região imediata[1] Natal
Municípios limítrofes Norte: Nísia Floresta
Sul: Tibau do Sul
Leste: Oceano Atlântico
Oeste: Arez e Nísia Floresta
Distância até a capital 56 km
Administração
Prefeito(a) Antônio Marcos Freire (MDB, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [2] 26,1 km²
População total (estimativa IBGE/2020[2]) 4 484 hab.
Densidade 171,8 hab./km²
Clima Tropical atlântico
Altitude 4 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,57 baixo
PIB (IBGE/2018[4]) R$ 126 496,73 mil
PIB per capita (IBGE/2018[4]) R$ 28 781,96
Sítio pmsenadorgeorginoavelino.rn.gov.br (Prefeitura)

Senador Georgino Avelino é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte.

História[editar | editar código-fonte]

Sua história tem início no século XVII com surgimento do povoado de Beirada, fundado por jesuítas na beira da Lagoa de Guaraíras, às margens da Praia de Surubajá. Contudo, seu atual núcleo urbano surgiu apenas em 1924 quando, em decorrência das fortes chuvas que atingiram aquela localidade, houve uma grande enchente e a lagoa transbordou, forçando os moradores a migrarem da parte baixa para a mais alta.[5]

À época distrito de Papari, atual Nísia Floresta, o povoado foi se desenvolvendo, possuindo como bases econômicas a agricultura de subsistência e a pesca artesanal e sendo formado por algumas propriedades. Em 1938, passou a pertencer ao município de Arez com a emancipação política deste e, na ocasião, um dos moradores locais, o Conde Luís Adolfo, deu o nome de Surubajá ao povoado, em referência a uma espécie de peixe muito comum no local, o bagre.[5]

Em 1960, com a eleição do prefeito de Arez, o fazendeiro João Aureliano de Lima, para a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN), a luta pela emancipação de Surubajá ganharia força. Em 1° de outubro de 1963, o deputado apresentou na assembleia um projeto de lei que elevava Surubajá à categoria de município. O projeto foi aprovado pelos deputados e se transformou na lei estadual 2 989, sancionada pelo governador do estado, Aluízio Alves.[5]

Ao ser efetivamente emancipado, teve seu topônimo alterado para Senador Georgino Avelino, uma referência a José Georgino Alves e Sousa Avelino (1886-1959) que, ao longo de sua vida, foi advogado, banqueiro, diplomata, jornalista e político, tendo sido deputado estadual entre 1924 e 1926, interventor federal no Rio Grande do Norte de agosto a outubro de 1945, nomeado pelo presidente Getúlio Vargas, e Senador da República pelo mesmo estado de 1946 a 1959, ano em que faleceu. A instalação do novo município ocorreu no dia 21 de janeiro de 1964.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Na divisão territorial do Brasil feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017, Senador Georgino Avelino pertence às regiões geográficas intermediária e imediata de Natal.[1] Até então, na divisão em mesorregiões e microrregiões que vigorava desde 1989, o município fazia parte da microrregião do Litoral Sul, por sua vez uma das quatro subdivisões da mesorregião do Leste Potiguar.[7]

Com apenas 26,100 km² de extensão territorial,[2] Senador Georgino Avelino é o menor município em área do Rio Grande do Norte, ocupando apenas 0,0494% da superfície estadual, e o 5 560° (décimo-primeiro menor) do Brasil. Faz parte do Polo Costa das Dunas e está distante 56 quilômetros de Natal,[8] capital estadual, e 2 368 km de Brasília, capital federal.[9] Banhado a leste pelo Oceano Atlântico, limita-se a norte com Nísia Floresta, a sul com Tibau do Sul e a oeste com Arez e novamente Nísia Floresta.[10]

O relevo de Senador Georgino Avelino é plano e baixo, com altitudes abaixo dos cem metros, sendo formado pela planície costeira, marcada pela presença de dunas constituídas de areia e quartzo, originárias do período Quaternário e modeladas pela ação eólica, que são logo sucedidas pelos tabuleiros costeiros na medida em que se afasta do oceano. O município está situado no Grupo Barreiras, cujas rochas, datadas o período Terciário Superior, são cobertas em sua maior parte por arenitos, havendo também a presença de argila e siltito.[10]

A Lagoa de Guaraíras entre Tibau do Sul e Senador Georgino Avelino
Rio Santo Alberto

Os solos georginenses são muito pobres em nutrientes (pouco férteis), predominantemente arenosos e bastante drenados, caracterizando os neossolos (antes chamados de areias quartzosas distróficas), altamente permeáveis e lixiviados. Existem ainda, nos arredores da Lagoa de Guaraíras, os solos indiscriminados de mangues que, diferente dos neossolos, possuem elevado grau de salinidade, são bastante mal drenados e possuem textura mista, formada tanto por areia quanto por argila e cobertos por manguezais. O restante do território é coberto por espécies de maior porte da Mata Atlântica, verdes durante todo o ano (floresta subperenifólia), com folhas largas e troncos delgados, cobrindo solos recobertos por matéria orgânica (húmus) nas camadas superiores.[10]

Com 5,72 km de costa litorânea,[11] Senador Georgino Avelino é cortado pelo rio Santo Alberto e possui a maior parte do seu território (61,21%) inserido na bacia hidrográfica do rio Jacu e o restante (38,79%) na bacia do rio Trairi. A hidrografia também é formada pelas lagoas de Guaraíras e Papeba,[10] que são parte da Área de Proteção Ambiental Bonfim-Guaraíras, criada por decreto estadual em 22 de março de 1999 com o objetivo de preservar os ecossistemas e a biodiversidade locais.[12] Esta unidade de conservação cobre uma área de 42 mil hectares e abrange partes dos municípios de Arez, Goianinha, Nísia Floresta, São José de Mipibu, Senador Georgino Avelino e Tibau do Sul.[13]

O clima é tropical chuvoso com verão seco ou tropical úmido, com chuvas concentradas entre março e agosto.[10] Segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), referentes ao período de março de 2004 a junho de 2005 e setembro de 2009 a junho de 2018, o maior acumulado de chuva em 24 horas registrado em Senador Georgino Avelino alcançou 216,6 mm em 4 de setembro de 2013, seguido por 191,6 mm em 13 de abril de 2011 e 189,2 mm em 14 de fevereiro do mesmo ano. Junho de 2005 possui o recorde de mês mais chuvoso da série histórica, com 650,4 mm.[14]

Dados climatológicos para Senador Georgino Avelino
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 31,7 31,6 31,3 30,7 29,7 28,6 28,2 28,7 29,7 30,8 31,3 31,7 30,3
Temperatura média (°C) 27,1 27,1 26,9 26,5 25,6 24,6 24,1 24,3 25,1 26,1 26,6 27 25,9
Temperatura mínima média (°C) 22,6 22,7 22,6 22,3 21,6 20,7 20 19,9 20,6 21,4 22 22,4 21,6
Precipitação (mm) 60 96 175 218 194 223 196 91 54 20 21 27 1 375
Fonte: Climate-data.org[15]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
19701 725
19801 98114,8%
19912 66334,4%
20003 30224,0%
20103 92418,8%
Est. 20204 48414,3%
Fonte: IBGE[16]

Com a população de 3 924 habitantes no último censo demográfico, Senador Georgino Avelino possuía a sexta maior densidade demográfica dentre os municípios do Rio Grande do Norte, chegando a 151,31 hab/km².[17] Em termos absolutos, era o 133° município potiguar em população e o 4 693° do Brasil,[2] com 98,09% de seus habitantes vivendo na zona urbana.[18] De toda a população, 50,46% eram do sexo feminino e 49,54% sexo masculino,[18] resultando em uma proporção aproximada de 98 homens para cada mulheres.[19] Quanto à faixa etária, 62,13% tinham entre 15 e 64 anos, 31,47% abaixo de quinze anos e 6,4% 65 anos ou mais.[20]

Na pesquisa de autodeclaração do censo, 67,28% dos moradores eram pardos, 27,5% brancos, 5,19% pretos e 0,04% amarelos.[21] Quanto à nacionalidade, 99,92% eram brasileiros natos e 0,08% estrangeiros,[22] sendo, de toda a população, 69,11% naturais do município (dos 96,27% nascidos no estado).[23] Dentre os brasileiros naturais de outras unidades da federação, os estados com o maior percentual de residentes eram Pernambuco (0,97%), Rio de Janeiro (0,69%) e Paraíba (0,59%), havendo também nascidos em outros sete estados mais o Distrito Federal.[24]

Ainda segundo o mesmo censo, 83,8% dos residentes eram católicos apostólicos romanos, 11,29% evangélicos e 0,11% católicos ortodoxos. Outros 4,75% declararam não seguir nenhuma religião.[25] Na Igreja Católica, Senador Georgino Avelino possui como padroeiro Santo Antônio Achado[26] e pertence à Paróquia São João Batista de Arez, existente desde 8 de maio de 1758.[27] Também existem alguns credos protestantes ou reformados, sendo alguns deles: Assembleia de Deus, Deus é Amor, Igreja Adventista do Sétimo Dia, Igreja Batista e Igreja Universal do Reino de Deus.[25]

Senador Georgino Avelino possui um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) considerado baixo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era 0,570, estando na 147ª posição a nível estadual e na 4 841ª colocação a nível nacional. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é 0,748, o valor do índice de renda é 0,543 e o de educação 0,455.[3] Em 2010, 57,74% da população viviam acima da linha de pobreza, 27,43% entre as linhas de indigência e de pobreza e 14,78% abaixo da linha de indigência. No mesmo ano, os 20% mais ricos acumulavam 47,55% do rendimento total municipal, enquanto os 20% mais pobres apenas 4,66%, sendo o índice de Gini, que mede a desigualdade social, igual a 0,449.[28][29]

Política e administração[editar | editar código-fonte]

O primeiro prefeito de Senador Georgino Avelino foi Severino Joaquim de Sales, nomeado pelo governador Aluízio Alves em 17 de janeiro de 1964 e empossado logo no dia 21, quando o novo município foi instalado. Em 24 de janeiro de 1965, ocorreram as primeiras eleições municipais, ocasião no qual foi eleita Inez Irene de Lima, candidata única, empossada no dia 31 do mesmo mês, tornando-se a primeira prefeita constitucional do município.[30] O atual prefeito é Antonio Marcos Freire, do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), eleito em novembro de 2020 com 59,57% dos votos válidos[31] e empossado em 1° de janeiro de 2021.[32]

O prefeito municipal representa o poder executivo e nomeia livremente os secretários municipais que o auxiliam. A administração do município também se dá pelo poder legislativo, representado pela câmara municipal, formada por nove vereadores. Dentre as atribuições da casa legislativa estão elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal, a chamada lei de diretrizes orçamentárias. Tanto o prefeito quanto os vereadores são eleitos pelo voto direto para mandatos de quatro anos. O município se rege por lei orgânica, promulgada em 3 de abril de 1990 e atualizada por emendas posteriores, a primeira em 2004.[33]

Existem também alguns conselhos municipais em atividade, sendo alguns deles: Alimentação Escolar, Assistência Social, Cultura, Desenvolvimento Rural, Direitos da Criança e do Adolescente, Direitos da Mulher, Direitos da Pessoa Idosa, Educação, FUNDEB, Habitação, Meio Ambiente, Saúde, Segurança Alimentar e Tutelar.[34][35][36] Senador Georgino Avelino é termo judiciário da comarca de Arez, de entrância inicial,[37] e pertence à 66ª zona eleitoral do Rio Grande do Norte, possuindo, em dezembro de 2020, 3 607 eleitores, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), equivalente a 0,153% do eleitorado potiguar.[38]

Infraestrutura básica[editar | editar código-fonte]

O serviço de abastecimento de água de Senador Georgino Avelino é feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN)[39] e a concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica é a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), do Grupo Neoenergia, presente em todo o estado.[40] A voltagem nominal da rede é de 220 volts.[41] Em 2010, o município possuía 95,7% de seus domicílios com água encanada,[42] 98,94% com eletricidade[43] e 88,84% com coleta de lixo.[44]

O código de área (DDD) de Senador Georgino Avelino é 084[45] e o principal Código de Endereçamento Postal (CEP) é 59168-000.[46] Há cobertura de três operadoras de telefonia, Claro,[47] TIM[48] e a Vivo,[49] todas em tecnologia de até 4G. Em 2010, de acordo com o IBGE, 61,78% dos domicílios tinham apenas telefone celular, 5,93% celular e telefone fixo, 1,33% apenas o fixo e 30,97% não possuíam nenhum.[50]

A frota municipal no ano de 2020 era de 368 motocicletas, 340 automóveis, 65 caminhonetes, dezesseis caminhões, quinze camionetas, quatorze ciclomotores, oito motonetas, sete reboques, seis micro-ônibus, quatro utilitários, dois ônibus e um semirreboque, totalizando 846 veículos.[51] No transporte rodoviário, é atravessado pelas rodovias estaduais RN-002 e RN-061, que ligam Senador Georgino Avelino a BR-101 e a Arez, respectivamente.

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. a b c d IBGE. «Brasil / Rio Grande do Norte / Senador Georgino Avelino». Consultado em 8 de julho de 2021 
  3. a b Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2018». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 9 jan. 2021 
  5. a b c COSTA (1997), p. 13.
  6. COSTA (1997), p. 14.
  7. IBGE (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 44–45. Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 25 de setembro de 2017 
  8. «Distância de Senador Georgino Avelino a Natal». Consultado em 8 de julho de 2021 
  9. «Distância de Senador Georgino Avelino a Brasília». Consultado em 8 de julho de 2021 
  10. a b c d e IDEMA – Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (2008). «Senador Georgino Avelino» (PDF). Consultado em 8 de julho de 2021 
  11. IBGE (2020). «Anuário Estatístico do Brasil» (PDF). Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2021 
  12. «Decreto n° 14.369, de 22 de março de 1999» (PDF). Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2021 
  13. «Idema publica Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental Bonfim-Guaraíra». 7 de dezembro de 2020. Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2021 
  14. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). «Monitoramento pluviométrico». Consultado em 8 de julho de 2021 
  15. «Clima: Senador Georgino Avelino». Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  16. IBGE. «Demografia - População Total». Confederação Nacional de Municípios (CNM). Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada em 9 de julho de 2021 
  17. IBGE. «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Consultado em 8 de julho de 2021 
  18. a b IBGE (2010). «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo». Consultado em 8 de julho de 2021 
  19. IBGE (2010). «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Consultado em 8 de julho de 2021 
  20. «Senador Georgino Avelino, RN». Consultado em 8 de julho de 2021 
  21. IBGE (2010). «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Características Gerais da População». Consultado em 8 de julho de 2021 
  22. IBGE (2010). «Tabela 1497: População residente, por nacionalidade». Consultado em 8 de julho de 2021 
  23. IBGE (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação». Consultado em 8 de julho de 2021 
  24. IBGE (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Consultado em 8 de julho de 2021 
  25. a b IBGE (2010). «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 8 de julho de 2021 
  26. «Município de Georgino Avelino iniciou abertura oficial dos festejos do padroeiro Santo Antônio Achado». Correio do Agreste. 11 de junho de 2019. Consultado em 8 de julho de 2021 
  27. «Paróquia de São João Batista – Arez». Consultado em 8 de julho de 2021 
  28. «ODS 01 Erradicação da pobreza». Consultado em 8 de julho de 2021 
  29. «ODS 10 Redução de desigualdades». Consultado em 8 de julho de 2021 
  30. COSTA (1997), p. 17.
  31. «Antonio Freire, do MDB, é eleito prefeito de Senador Georgino Avelino». G1. 16 de novembro de 2020. Consultado em 8 de julho de 2021 
  32. «Prefeito e vereadores de Senador Georgino Avelino tomam posse». G1. 1 de janeiro de 2021. Consultado em 8 de julho de 2021 
  33. «LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO SENADOR GEORGINO AVELINO» (PDF). Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2021 
  34. IBGE. «MUNIC - Perfil dos Municípios Brasileiros 2017». Consultado em 8 de julho de 2021 
  35. IBGE. «MUNIC - Perfil dos Municípios Brasileiros 2018». Consultado em 8 de julho de 2021 
  36. IBGE. «MUNIC - Perfil dos Municípios Brasileiros 2019». Consultado em 8 de julho de 2021 
  37. «LEI COMPLEMENTAR Nº 643, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2018». Consultado em 8 de julho de 2021 
  38. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «Estatísticas do eleitorado – Consulta por município/zona eleitoral». Consultado em 8 de julho de 2021 
  39. Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN). «Carta de serviços ao cidadão» (PDF). Consultado em 9 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 5 de julho de 2021 
  40. «COSERN». Consultado em 9 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2021 
  41. Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) (11 de março de 2016). «Tensões Nominais». Consultado em 9 de julho de 2021 
  42. IBGE (2010). «Tabela 2065 - Domicílios particulares permanentes, por existência de água canalizada e forma de abastecimento de água». Consultado em 9 de julho de 2021 
  43. IBGE (2010). «Tabela 3217 - Domicílios particulares permanentes e Moradores em domicílios particulares permanentes, por situação do domicílio, segundo a forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Consultado em 9 de julho de 2021 
  44. IBGE (2010). «Tabela 3503 - Domicílios particulares permanentes, por tipo de material das paredes externas, segundo o número de cômodos, a existência de água canalizada e forma de abastecimento de água, o destino do lixo, a existência de energia elétrica e a existência de alguns bens duráveis». Consultado em 9 de julho de 2021 
  45. «Listas de códigos DDD da região Rio Grande do Norte (RN)». Consultado em 9 de julho de 2021. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2012 
  46. «Busca CEP». Consultado em 9 de julho de 2021 
  47. «Mapa de cobertura Claro». Consultado em 9 de julho de 2021 
  48. «Mapa de Cobertura». Consultado em 9 de julho de 2021 
  49. «Área de cobertura». Consultado em 9 de julho de 2021 
  50. IBGE (2010). «Tabela 3516 - Domicílios particulares permanentes, por existência de telefone, segundo a situação do domicílio e as classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Consultado em 9 de julho de 2021 
  51. IBGE (2020). «Frota». Consultado em 9 de julho de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

COSTA, José Francisco da. História do Município de Senador Georgino Avelino. 1997. 38 f. TCC (Graduação) - Curso de História, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes - CCHLA, UFRN, Natal, 1997. Acesso em: 8 jul. 2021.