Sendinês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sendinês (Sendinés)
Falado em: Portugal Portugal
Região: Sendim e Atenor, Miranda do Douro
Total de falantes: 2 000
Família: Língua mirandesa
Categoria (fontes): [1]
Estatuto oficial
Língua oficial de: Sendim
Regulado por: Instituto da Língua Mirandesa
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

O sendinês[2] (em mirandês: sendinés[3] ), por vezes referido pelo nome mirandês do sul, é uma variante da língua mirandesa, devendo-se o nome ao facto de ser falado exclusivamente na freguesia de Sendim, atualmente reorganizada como Sendim e Atenor.[4]

Distingue-se daquela língua por monotongar os ditongos crescentes ie e uo em i e u (por exemplo ruodra -roda- será lido como rudra; piele -pele- ler-se-á como pile), ditongar a nasal representada graficamente por on em ão (por exemplo preciçon -procissão- será lido como precissão) e por não palatalizar a lateral l em lh em início de palavra, como acontece nas variações do mirandês (por exemplo lhuna -lua- é lido como luna), para além de outras variações lexicais.

A banda de rock agrícola Picä Tumilho, canta em sendinês.

Referências

  1. «Mirandese». Ethnologue (em inglês). SIL International. Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. «sendinês». Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Infopédia. Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  3. Ferreira, Amadeu; Ferreira, José Pedro Cardona. «Sendinés». Dicionário de Mirandês-Português. Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  4. Ferreira, Amadeu (2010). «Língua Mirandesa». Revista do Festival Intercéltico. Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro 
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.