Sentimento anticoreano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Sentimento anticoreano ou Coreanofobia envolve ódio ou antipatia direcionada ao povo coreano, à sua cultura ou a qualquer um dos dois países (Coreia do Norte ou Coreia do Sul) na Península da Coreia.[1][2]

Origens[editar | editar código-fonte]

O sentimento anticoreano está presente na China,[3] Japão e até mesmo em ambas as Coreias, e origina-se de questões como nacionalismo, política, competição econômica, influências culturais e disputas históricas. O sentimento anti-norte-coreano pode ser mais forte no Japão, na Coreia do Sul e Estados Unidos.

Sentimento baseado na região[editar | editar código-fonte]

China[editar | editar código-fonte]

Somando-se a esse sentimento está a alegação de que alguns coreanos operavam a Ferrovia da Morte Birmânia-Sião.[4][5] Os chineses se referiam aos coreanos como Er guizi.[6]

Taiwan[editar | editar código-fonte]

Dentro de Taiwan, alguma animosidade existente em relação aos coreanos entre os taiwaneses pode estar presente como resultado da rivalidade entre os dois estados em relação ao beisebol.[7][8] Em novembro de 2010, cidadãos taiwaneses protestaram contra a desqualificação de um atleta de taekwondo nos Jogos Asiáticos de 2010 depois que um árbitro filipino[9] desqualificou um lutador taiwanês,[10] pedindo um boicote aos produtos sul-coreanos.

Quando a normalização começou, o presidente Roh transferiu o reconhecimento diplomático do ROC e da RPC e confiscou a propriedade da embaixada da ROC, transferindo-a para a RPC.[11]

De acordo com um funcionário do escritório comercial coreano em Taipei, as vendas de produtos coreanos não têm muito sucesso em Taiwan porque "os taiwaneses se sentiram muito traídos depois que a Coréia cortou relações diplomáticas com Taiwan e restabeleceu laços com a China em 1992, porque o povo de Taiwan havia visto a Coréia como um aliado na luta contra o comunismo. . . Agora, porque os dois países têm economias orientadas para a exportação semelhantes e foco nos mesmos sectores de atividade, os taiwaneses ver a Coreia como um grande rival, e acho que perder para a Coréia seria o fim de Taiwan."[12]

Em junho de 2012, o CEO da Foxconn Terry Gou afirmou que tinha "grande estima pelos japoneses (empresários), especialmente aqueles que são capazes de discordar de você pessoalmente e não apunhalá-lo pelas costas, ao contrário do Gaoli bangzi (um calúnia racial para Coreanos) ", gerando polêmica.[13]

Japão[editar | editar código-fonte]

Historicamente, as relações entre o Japão e a Coréia têm sido ruins.[14]

Durante o grande terremoto Kantō de 1923, danos generalizados ocorreram em uma região com uma população coreana significativa, e muitos dos japoneses locais reagiram exageradamente aos rumores que se espalharam após o terremoto.[15] Após o evento, havia uma percepção comum entre alguns grupos de japoneses de que os coreanos étnicos estavam envenenando poços, eventualmente desencadeando uma série de assassinatos contra os coreanos, onde os japoneses usariam o símbolo de ba bi bu be bo (ば び ぶ べ ぼ) para distinguir coreanos étnicos de japoneses, já que se presumia que os coreanos seriam incapazes de pronunciar a linha corretamente, e em vez disso pronunciá-los como[pa, pi, pu, pe, po].[16]

Os coreanos zainichi no Japão também são publicamente considerados um incômodo[17] e são vistos como propensos a causar problemas e iniciar tumultos, uma visão compartilhada pelo ex-governador de Tóquio, Shintaro Ishihara.

Um dos grupos de extrema direita japoneses, conhecido como Zaitokukai, é organizado por membros na Internet e liderou manifestações de rua contra as escolas coreanas.[18]

Existe controvérsias sobre sequestros de japoneses pela Coreia do Norte, em que cidadãos japoneses foram sequestrados por agentes norte-coreanos durante as décadas de 1970 e 1980.[19]

Em 9 de agosto de 2011, mais de 2.000 manifestantes protestaram em frente à sede da Fuji TV em Odaiba, Tóquio, contra a transmissão de dramas coreanos.[20] Mais cedo, em julho de 2011, o conhecido ator Sousuke Takaoka foi demitido de sua agência, Stardust Promotion, por tweetar críticas contra o influxo de dramas coreanos.[21] A percepção geral dos coreanos no 2channel é negativa, e os membros do conselho costumam fazer referência a estereótipos dos coreanos, como o uso de cães na culinária coreana .[22]

Existem alguns esforços para criar um entendimento mútuo e amizade entre pessoas em dois países a partir do diálogo, intercâmbio cultural e educação.[23][24][25]

Dentro da Coreia[editar | editar código-fonte]

Embora o plano norte-coreano de reunificação tenha falhado, as atitudes anti-norte-coreanas aumentaram na Coreia do Sul, quando comandos norte-coreanos executaram Lee Seung-bok, um menino sul-coreano de 9 ou 10 anos, quando Lee respondeu "Eu odeio comunistas".[26]

O Bombardeio de Yeonpyeong foi citado pelo ex-embaixador da ONU Bill Richardson como "a crise mais séria na península coreana desde o armistício de 1953".[27]

Mongólia[editar | editar código-fonte]

Alguns homens sul-coreanos fazem viagens de turismo sexual para a Mongólia, muitas vezes como clientes de empresas sul-coreanas na Mongólia, o que também gerou um sentimento anticoreano entre os mongóis e é considerado responsável pelo número crescente de ataques a cidadãos sul-coreanos no país.[28]

Filipinas[editar | editar código-fonte]

Os sul-coreanos foram identificados como os principais violadores das leis de imigração, de acordo com o Escritório de Imigração das Filipinas.[29]

A participação de soldados coreanos recrutados servindo sob a bandeira do Império Japonês na ocupação japonesa das Filipinas na Segunda Guerra Mundial fez com que alguns filipinos, especialmente os de gerações anteriores, associassem os coreanos às atrocidades cometidas durante a guerra.[30]

#CancelKorea[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2020, a estrela filipina do TikTok Bella Poarch postou um vídeo dela dançando, no qual a bandeira do sol nascente do Japão podia ser vista tatuada em seu braço. Os coreanos invadiram a seção de comentários dizendo que a tatuagem era ofensiva e que ela deveria se desculpar e removê-la.[31]


Junto com #CancelKorea, as hashtags #ApologizeToFilipinos incluindo #CancelRacism e # 한국 취소 (significando Cancelar Coreia, ou em Hanja: # 韓國 取消) também tendiam no Twitter, com usuários filipinos expressando sua raiva pelas zombarias e insultos.[32]

A partir dessas desculpas, alguns filipinos sugeriram alterar a hashtag #CancelKorea para #CancelRacism.[33] Alguns internautas filipinos pediram desculpas pelos comentários racistas feitos contra os coreanos durante a briga, usando a hashtag #SorryToKoreans e aceitando o pedido de desculpas.[34][35]

Antiga União Soviética[editar | editar código-fonte]

Durante a era da União Soviética, os coreanos étnicos no Extremo Oriente russo foram sujeitos a deportações sob a política de delimitação nacional, com a maioria dos coreanos se mudando para repúblicas soviéticas na Ásia Central.[36]


De setembro a outubro de 1937, mais de 172.000 coreanos soviéticos foram deportados das regiões fronteiriças do Extremo Oriente russo para a SSR do Cazaquistão e a SSR do Uzbeque (esta última incluindo Karakalpak ASSR).[37]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

A canção " Black Korea " do Ice Cube, que mais tarde seria acusada de incitar o racismo, foi escrita em resposta à morte da afro-americana Latasha Harlins, de 15 anos, que foi baleada e morta pelo dono da loja coreano-americana Soon Ja Du em 16 de março de 1991, bem como a preponderância de mercearias coreanas em bairros principalmente de negros.[38] O evento resultou no saque e destruição em massa de lojas de propriedade de coreanos-americanos em Los Angeles por grupos de jovens afro-americanos.[39]

Indonésia[editar | editar código-fonte]

Na Indonésia, o sentimento anticoreano emergiu nos anos 2000. O surgimento do sentimento anticoreano é causado por vários fatores, como cirurgia plástica e ateísmo na Coreia do Sul . Alguns indonésios chamam os coreanos de " plástico".[40] Esse estereótipo surge devido à popularidade da cirurgia plástica na Coréia do Sul.[41] Esse estereótipo se fortaleceu desde a morte do ex-membro do Shinee, Jonghyun.[42] Além disso, há suposições de que os amantes do drama coreano são infiéis e que o povo coreano sempre comete adultério.[43][44]

Itália[editar | editar código-fonte]

No início de 2020, uma importante escola de música italiana proibiu todos os alunos do Leste Asiático de frequentar as aulas devido ao medo do coronavírus, sendo os sul-coreanos a maior nacionalidade afetada.[45][46] Além disso, alguns residentes sul-coreanos relataram medo de deixar suas casas em meio a crescentes incidentes de discriminação e zombaria, e outros consideraram deixar a Itália porque não podiam "ficar em um lugar que nos odeia".[47]

Israel[editar | editar código-fonte]

Por causa da pandemia de COVID-19, os turistas sul-coreanos foram instruídos a evitar locais públicos e permanecer isolados em seus hotéis.[48] Os militares israelenses anunciaram sua intenção de colocar cidadãos sul-coreanos em quarentena em uma base militar.[49] Muitos dos sul-coreanos restantes foram rejeitados pelos hotéis e forçados a passar noites no aeroporto Ben Gurion.[50] Um jornal israelense posteriormente publicou uma reclamação coreana de que "Israel está tratando turistas [coreanos e outros asiáticos] como o Coronavírus".[51] O ministro do Exterior sul-coreano, Kang Kyung-wha, descreveu a resposta de Israel como "excessiva".[52]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Muitos coreanos residentes na Alemanha relataram um aumento de incidentes anticoreanos após a eclosão do COVID-19, e a embaixada sul-coreana alertou seus cidadãos sobre o crescente clima de ódio que enfrentam.[53] Como as suspeitas em relação aos coreanos estão crescendo, os locais também estão optando por evitar restaurantes coreanos, alguns dos quais relataram uma queda nas vendas de 80%.[54]

Países Baixos[editar | editar código-fonte]

A KLM, a companhia aérea do país, proibiu apenas os passageiros coreanos de usar seus banheiros em um de seus voos.[55]

Mais de 150 expatriados coreanos entrevistados em uma pesquisa online indicaram que haviam experimentado um incidente xenófobo.[56][57]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Apesar da popularidade da cultura pop sul-coreana no Brasil entre os jovens, como parte da onda coreana,[58] um certo sentimento anticoreano persistiu e alguns incidentes anticoreanos ocorreram no Brasil.[59] Em 15 de julho de 2017, o apresentador de televisão Raul Gil foi acusado de racismo e xenofobia ao fazer piadas estereotipando asiáticos, incluindo um gesto simulando ter olhos puxados e uma imitação pejorativa de um sotaque japonês durante uma entrevista ao vivo com o grupo de K-pop KARD.[60][61] O incidente gerou repercussão e críticas negativas na imprensa brasileira e no exterior.[61][62][63] Em 2019, um casal brasileiro publicou vários vídeos nas redes sociais zombando da comida e da língua coreana durante uma viagem à Coreia do Sul.[64] O caso também trouxe repercussão negativa e duras críticas nas redes sociais.[64]

Termos depreciativos[editar | editar código-fonte]

Em inglês[editar | editar código-fonte]

  • Gook - um termo depreciativo para os asiáticos usado pela primeira vez pelos militares dos EUA contra os asiáticos do sudeste.[65] A etimologia desta injúria racial está envolta em mistério, desacordo e controvérsia. O Oxford English Dictionary admite que sua origem é "desconhecida".
  • Kimchi - termo depreciativo para os coreanos, derivado do prato coreano de mesmo nome.[66]


Em japonês[editar | editar código-fonte]

  • Chon (チョン?) - apelido vernáculo para coreanos, com conotações fortemente ofensivas.[67] Existem várias etimologias sugeridas; uma dessas etimologias é que é uma abreviatura de (朝鮮 Chōsen?) , um termo japonês para a Coreia.[68]
  • Kimchi yarō (キムチ野郎 / キムチ埜郞 Kimuchi yarō?) - literalmente "bastardo kimchi". Em 2003, o lutador de sumô mongol Asashōryū estava dando entrevistas a jornalistas quando chamou um jornalista coreano de "kimchi yarō", gerando polêmica.[69][70]
  • Chōsenjin (朝鮮人 Chōsenjin?) - derivado do termo não depreciativo (朝鮮人 Chōsenjin?) usado para descrever os coreanos de uma maneira neutra.[71] O termo, no entanto, acabou sendo usado de forma depreciativa contra o povo coreano.[72]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Opinion | No One Man Should Be Able to Trigger Nuclear War». Common Dreams (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2021 
  2. Escobar, Pepe (20 de setembro de 2017). «Unmasked: Trump Doctrine vows carnage for new axis of evil». Asia Times (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2021 
  3. 韓總統:必須明智解決中國反韓情緒- 香港文匯報
  4. Historical Fact on the Burma Death Railroad Thailand Hellfire pass Prisoners conditions Arquivado 2008-08-20 no Wayback Machine
  5. Spared Korean war criminal pursues redress – The Japan Times Online
  6. 第一滴血──從日方史料還原平型關之戰日軍損失 (6) News of the Communist Party of China December 16, 2011
  7. 23 March 2009, 李祖杰, 不瞭解韓國 休想贏韓國, UDN運動大聯盟
  8. 22 August 2006, 沒品的韓國人 台中力行少棒隊20分痛宰對手竟遭禁賽, NOW News
  9. «糟糕!页面找不到» 
  10. «Taiwan protests controversial taekwondo DQ». 19 de novembro de 2010 
  11. [中華民國外交部 1992年外交公報]
  12. «Taiwan Embraces Korean Culture, But Not Goods». Chosun Ilbo. 6 de julho de 2009 
  13. «郭台銘:與夏普合作有信心打敗三星». Chosun Ilbo. 20 de junho de 2012. Consultado em 30 de setembro de 2012 
  14. Tong, Kurt W, Anti-Korean sentiment in Japan and its effects on Korea-Japan trade, Center for International Studies, MIT Japan Program, Massachusetts Institute of Technology, 1996
  15. Weiner, Michael A. (1989). The origins of the Korean community in Japan, 1910–1923. Manchester: Manchester University Press. pp. 164–188. ISBN 978-0-7190-2987-5 
  16. Cybriwsky, Roman (1991). Tokyo: The Changing Profile of an Urban Giant. London: Belhaven Press. ISBN 978-1-85293-054-7 
  17. Brett Fujioka, Go: Japanese Anti-Korean Sentiment Personified, 4/23/08 Arquivado fevereiro 15, 2009, no Wayback Machine
  18. Martin Fackler, August 28, 2010, New Dissent in Japan Is Loudly Anti-Foreign, New York Times
  19. «Abductions of Japanese Citizens by North Korea». Ministry of Foreign Affairs of Japan (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2020 
  20. «Japan's alt-right groups hold rallies vs. Korean pop culture». Dong-A Ilbo. 9 de agosto de 2011. Consultado em 11 de agosto de 2011 
  21. «Hundreds of Japanese Protest Against Korean Wave». Chosun Ilbo. 9 de agosto de 2011. Consultado em 11 de agosto de 2011 
  22. Mclelland, Mark (dezembro de 2008). «'Race' on the Japanese internet: discussing Korea and Koreans on '2-channeru'». New Media and Society. 10: 811–829. CiteSeerX 10.1.1.691.4872Acessível livremente. doi:10.1177/1461444808096246 
  23. «Archived copy». Consultado em 8 de maio de 2013. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2013 
  24. «South Korean Literary Association Honors Daisaku Ikeda | Daisaku Ikeda Website» 
  25. «Korean Traditional Music Association Presents Commendation | Daisaku Ikeda Website» 
  26. «Lonely funeral of Lee Seung-boks father». THE DONG-A ILBO Logo. 29 de agosto de 2014 
  27. «Richardson presents proposals to North Korea aimed at easing crisis». CNN. 18 de dezembro de 2010. Consultado em 18 de dezembro de 2010 
  28. «In Mongolia, sex tourism by S. Korean males leads to anti-Korean sentiment». The Hankyoreh. 15 de julho de 2008. Consultado em 28 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2008 
  29. «Home» 
  30. Polo, Lily Ann (1984). A Cold War Alliance:Philippine-South Korean Relations 1948–1971. Philippines: Asian Center 
  31. «#CancelKorea? Why it's trending and what Filipinos are saying». ABS-CBN News. 9 de setembro de 2020 
  32. «Filipinos angered by racist comments from internet users in Korea». The Korea Times. 10 de setembro de 2020 
  33. «'캔슬코리아'에 '미안해요 필리핀' 사과하는 한국인들». 서울경제 (em coreano). 11 de setembro de 2020. Consultado em 3 de abril de 2021 
  34. Network, The Korea Herald/Asia News (13 de setembro de 2020). «Racist remarks on Filipinos stir anger on social media». INQUIRER.net (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  35. 민영규 (11 de setembro de 2020). «성숙한 한국·필리핀 네티즌…인종차별 발언 갈등 봉합». 연합뉴스 (em coreano). Consultado em 3 de abril de 2021 
  36. Martin, Terry (1998). The Origins of Soviet Ethnic Cleansing. The Journal of Modern History 70 (4), 813–861.
  37. German Kim, "Korean diaspora in Kazakhstan", Slavic Research Center, Hokkaido University, 1989
  38. Salak, John (1993). The Los Angeles riots : America's cities in crisis. [S.l.]: Brookfield, Conn. : Millbrook Press. ISBN 978-1-56294-373-8 
  39. EDT, Newsweek Staff On 5/10/92 at 8:00 PM (10 de maio de 1992). «The Siege Of L.A.». Newsweek (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2020 
  40. «Ini Pendapat Mengejutkan Orang Korea Soal Operasi Plastik di Negaranya» 
  41. «'Above Normal': South Korea's Plastic Surgery Boom». 18 de setembro de 2019 
  42. «Sindir Kematian Jonghyun SHINee, Akun ini Dimarahi Shawol». 20 de dezembro de 2017 
  43. Hawari, Hanif. «Ustaz Abdul Somad Sebut Penonton Drama Korea Bagian dari Kafir». detikhot (em indonésio). Consultado em 21 de maio de 2021 
  44. Anandawati, Agustin Dwi. «Sebut Drama Korea Kafir, Ustaz Abdul Somad: Mereka Belum Sunat». korea (em indonésio). Consultado em 21 de maio de 2021 
  45. 전성훈 (30 de janeiro de 2020). «'한국인 등 동양 학생 전원 출석 금지'…伊 음악학교 대응 논란». 연합뉴스 (em coreano). Consultado em 21 de maio de 2021 
  46. «Rome music school bans all East Asian students from class amid coronavirus fears». www.thelocal.it. Consultado em 21 de maio de 2021 
  47. «A top European music school suspended students from East Asia over coronavirus concerns, amid rising discrimination». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 21 de maio de 2021 
  48. «South Korean gov't summons Israeli diplomat following Israel travel ban». The Jerusalem Post. 23 de fevereiro de 2020 
  49. «IDF to quarantine 200 Koreans in Jerusalem facility over coronavirus fears». www.i24news.tv. 23 de fevereiro de 2020 
  50. staff, T. O. I. (24 de fevereiro de 2020). «South Koreans being shipped out of Israel on special flights amid virus fears». www.timesofisrael.com (em inglês) 
  51. «Israel is Treating Tourists Like Coronavirus». Israel Today (em inglês). 26 de fevereiro de 2020 
  52. «FM calls Israel's entry ban on Koreans over new coronavirus 'excessive'». The Korea Herald. 25 de fevereiro de 2020 
  53. «[베를린·나] '한국인입니다' 신종 코로나로 맛본 아시아 혐오». 비즈한국 (em coreano). 6 de fevereiro de 2020. Consultado em 14 de março de 2020 
  54. «코로나 공포에 드러난 '인종차별'». tv.zum.com (em coreano). 16 de fevereiro de 2020. Consultado em 14 de março de 2020 
  55. «KLM 네덜란드항공, 인종차별로 불거진 한국인 차별 항공사». www.ttlnews.com. Consultado em 14 de março de 2020 
  56. «Men Yelling "Chinese" Tried To Punch Her Off Her Bike. She's The Latest Victim Of Racist Attacks Linked To Coronavirus.». BuzzFeed News (em inglês). Consultado em 14 de março de 2020 
  57. Misérus, Mark (11 de março de 2020). «Uitgescholden en bedreigd, want 'alle Chinezen hebben corona'». de Volkskrant (em neerlandês). Consultado em 14 de março de 2020 
  58. França, Beatriz (24 de maio de 2019). «De Psy a BTS: a explosão do K-pop no Brasil vive seu auge». Gente. Consultado em 28 de março de 2021 
  59. Fucuta, Brenda (8 de fevereiro de 2020). «"Somos eternos estrangeiros", diz brasileira que descende de coreanos». Universa. Consultado em 28 de março de 2021 
  60. «Raul Gil é acusado de fazer piadas racistas com banda sul-coreana de kpop». R7.com. 20 de julho de 2017. Consultado em 25 de outubro de 2021 
  61. a b «Raul Gil é acusado de racismo por mandar asiático 'abrir o olho'». Veja. 19 de julho de 2017. Consultado em 28 de março de 2021 
  62. Devlin, Kayleen (23 de julho de 2017). «TV host's race jokes spark Brazil-Korea online war». BBC News. Consultado em 28 de março de 2021 
  63. Dong-hwan, Ko (21 de julho de 2017). «Brazilian TV host mocks K-pop band with 'slit eyes'». The Korea Times (em inglês). Consultado em 28 de março de 2021 
  64. a b Kataoka, Juliana (4 de maio de 2019). «Influencers brasileiros viram notícia na Coreia do Sul por xenofobia». Quicando. Consultado em 28 de março de 2021 
  65. «John McCain's racist remark very troubling, Thursday, March 2, 2000, Seattle Post-Intelligencer». Consultado em 13 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de julho de 2009 
  66. Everett, Anna. Learning Race and Ethnicity: Youth and Digital Media. [S.l.]: MIT press 
  67. Prof. Arudou Debito, July 17, 2005, On Racism in Japan: Why One May Be Hopeful for the Future. Hokkaido Information University. Accessed 18 July 2009
  68. Mark J. McLelland, 2008, 'Race' on the Japanese internet: discussing Korea and Koreans on '2-Channeru', New Media & Society, 10(6), 2008, 811–829. Faculty of Arts, University of Wollongong. "The racial insult in posting 101 is further underlined by the choice of user name: ‘bakachon’, a compound comprising baka ("stupid") and chon (an abbreviation of Chōsen, a term for Korea), a once widespread term for simple things, so easy, even ‘stupid Koreans’ could do them (Gottlieb, 2005: 114)".
  69. 2003年5月8日, «朝青龍の侮辱発言、協会はきちんとした対応をとるべき». Consultado em 3 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de junho de 2003 , SANKEI SPORTS
  70. January 14th, 2006, Asashoryu calls Korean journalist ‘kimchi bastard’ Arquivado 2011-08-21 no Wayback Machine, Occidentalism
  71. http://sciencelinks.jp/j-east/article/200116/000020011601A0645653.php
  72. Greg Wiggan; Charles Hutchison (2009). Global Issues in Education: Pedagogy, Policy, Practice, and the Minority Experience. [S.l.]: R&L Education. ISBN 978-1-60709-273-5