Sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Este artigo foi proposto para eliminação por consenso. Você é encorajado a melhorá-lo(a), mas não remova este aviso, o que seria considerado vandalismo.

Dê a sua opinião e caso ela seja transformada numa votação após uma semana, vote (se tiver direito a voto) na discussão.

Se aprovada, a eliminação ocorrerá a partir de 3 de setembro.

Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Este artigo ou parte de seu texto pode não ser de natureza enciclopédica. (desde agosto de 2019)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 27 de agosto de 2019)
Sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói
Local Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
Data 20 de agosto de 2019 (0 mês)
5h30, horário de Brasília (8h30 UTC)
Alvo(s) Coletivo 2520 (Galo Branco)
Arma(s) Pistola, faca, arma de choque, garrafa com gasolina
Mortes 1 (o próprio criminoso)
Feridos 0
Responsável(is) Willian Augusto da Silva
Motivo "Parar o estado [Rio de Janeiro]", Willian Augusto da Silva[1]

O sequestro de um ônibus na Ponte Rio-Niterói foi um episódio marcante da crônica policial do Rio de Janeiro, no Brasil, ocorrida em 20 de agosto de 2019. Às 6h30 da manhã, o sequestrador, Willian Augusto da Silva, mandou que o motorista atravessasse o ônibus na Ponte Rio-Niterói, fazendo com que o transito desta ponte no sentido Rio de Janeiro fosse completamente obstruído.

História[editar | editar código-fonte]

Sequestro[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de agosto de 2019, um homem armado entrou num ônibus da linha Jardim de Alcântara-Estácio e ameaçou pôr fogo no veículo.[2] Não houve feridos e mortos durante seu soerguimento.[2] O coletivo 2520, da empresa Galo Branco, fora contatado por volta de 5h30, sob o horário de Brasília.[3] O indivíduo, após, teria requerido a parada do automóvel sobre a ascensão do vão central, e postulado sua fixação ao acostamento lateral.[2] Cerca de uma hora depois, atirou um objeto em chamas e espalhou gasolina pelo veículo.[4] As duas primeiras reféns foram liberadas.[4] Durante a passagem do incidente, o criminoso teria ameaçado os passageiros, através de uma fortuita incendiação absoluta do carro.[2]

Como resposta, aproximadamente, às 6h30, uma intervenção, vinda de agentes das polícias Militar e Rodoviária, cercou o ônibus. Ulteriormente, policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) foram ao local, tencionando uma negociação com o sequestrador. Na faixa concernente à continuidade do evento, duas mulheres e quatro homens foram liberados pelo autor.[2] O homem deixou o veículo por vezes.[2] Em uma de tais oportunidades, sofreu disparos, acabando por cair ao pavimento; jogava um casaco em direção à frente do ônibus, no momento.[2] O período da finalização do episódio foi em cerca de 9h.[5] Nenhum refém se feriu. Seis deles — quatro mulheres e dois homens — já haviam sido liberados no momento dos tiros, e outras 31 pessoas ainda estavam dentro do coletivo.[6]

O ônibus tinha ficado parado na Ponte Rio–Niterói, que precisou ser bloqueada e só começou a ser liberada às 10h24 no sentido Niterói. O congestionamento chegou a 81 km. O homem se apresentou às vítimas como PM, mas a polícia informou que ele era um vigilante.

Morte[editar | editar código-fonte]

Um dos reféns no ônibus, o passageiro Hans Miller Moreno, disse que o sequestrador "pediu para o motorista parar o ônibus, as pessoas começaram a estender seus pertences. Depois, ele avisou para o pessoal: 'Olha, o ônibus está sendo sequestrado, mas não quero os pertences de vocês, não quero machucar vocês (…) Ele tinha coerência, estava muito calmo, muito tranquilo. Falava que estava com uma garrafa de gasolina, mas não falou que ia tacar fogo no ônibus em nenhum momento."[7] Porém, segundo policiais militares do local, o sequestrador parecia desorientado.[7] Cerca de 3h30 depois, um atirador do BOPE matou o sequestrador do ônibus durante a ação.[8]

Autoria[editar | editar código-fonte]

Willian Augusto da Silva, 20, estaria portando uma arma de brinquedo (pistola), uma faca, uma arma de choque e uma garrafa de plástico com gasolina, quando obtestou contra o modelo da Viação Galo Branco.[4] "Estava pronto para incendiar", mencionou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), fazendo alusão à exibição de um isqueiro na faixa de atordoamento do criminoso.[4] Segundo autoridades, o indivíduo faleceu ao chegar a um hospital, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória.[9]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

O episódio foi reportado em diversos veículos de comunicação: Grupo RBS,[10] Correio Braziliense,[11] IstoÉ,[12] Metro Jornal,[13] Estado de Minas,[14] O Dia,[15] El País,[16] Gazeta do Povo,[17] O Estado de S. Paulo,[18] O Globo, O Popular,[19] O Povo,[20] Correio do Povo,[21] BBC,[22] Folha de S.Paulo,[23] O Tempo,[24] Folha de Pernambuco,[25] Tribuna do Paraná[26] e Jornal do Tocantins.[27]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ferreira, Lola (20 de agosto de 2019). «"Vocês lembram do filme 174?", perguntou sequestrador aos reféns». UOL. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  2. a b c d e f g Torres, Ana (20 de agosto de 2019). «Atirador do Bope mata sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói; ação terminou sem reféns feridos». Globo S/A. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  3. «Sequestrador no Rio usa máscara igual ao atirador de Suzano». Record S.A. 20 de agosto de 2019. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  4. a b c d «Witzel diz que sequestrador estava com isqueiro na mão quando foi baleado». UOL. 20 de agosto de 2019. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  5. «Sequestrador é morto na ponte Rio-Niterói, veja o vídeo!». Jornal São Gonçalo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  6. «Homem sequestra ônibus na ponte Rio-Niterói e é morto a tiros pela PM». Consultado em 21 de agosto de 2019 
  7. a b «Sequestro na Ponte: criminoso exigiu R$ 30 mil e avisou que não queria machucar ninguém, diz refém». Consultado em 21 de agosto de 2019 
  8. «Atirador do Bope mata sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói após mais de 3h de cerco». O Globo. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  9. Gaier, Rodrigo (20 de agosto de 2019). «Homem é morto pela polícia após manter 37 reféns por quase quatro horas em ônibus na ponte Rio-Niterói». DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  10. «Sequestro no Rio lembra caso retratado no documentário Õnibus 174». Grupo RBS. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  11. «Após 3 horas, homem que sequestrou ônibus na ponte Rio-Niterói é morto». Correio Braziliense. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  12. «Tiros são disparados; atirador de elite comemora na Ponte Rio-Niterói». IstoÉ. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2019 
  13. «Ônibus é sequestrado na ponte Rio-Niterói por homem armado». Metro Jornal. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2019 
  14. «Acaba sequestro de ônibus na ponte Rio-Niterói: polícia mata criminoso; veja vídeo». Estado de Minas. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  15. «Passageiros são feitos reféns durante sequestro a ônibus na Ponte Rio-Niterói». O Dia. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  16. «Homem armado faz reféns em ônibus na ponte Rio-Niterói e é morto por snipers». El País. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  17. «5 pontos para entender o sequestro do ônibus na ponte Rio-Niterói». Gazeta do Povo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  18. «Sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói é morto pela polícia do Rio». O Estado de S. Paulo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  19. «Sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói é morto pela polícia do Rio». O Popular. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  20. «Atirador de elite do Bope mata sequestrador de ônibus na ponte Rio-Niterói». O Povo. 21 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  21. «Após quase quatro horas, termina sequestro de passageiros de ônibus no Rio». Correio do Povo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  22. «A cronologia do sequestro de 3h30 na ponte Rio-Niterói». BBC. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  23. «Homem armado ameaça passageiros na ponte Rio Niterói». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. 20 de agosto de 2019. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  24. «Sequestrador é baleado e morto por atirador de elite na ponte Rio-Niterói». O Tempo. 20 de agosto de 2019. Consultado em 23 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  25. R7 e Agência Brasil (20 de agosto de 2019). «Sequestrador é baleado e morto por atirador de elite na ponte Rio-Niterói». Folha de Pernambuco. Consultado em 23 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2019 
  26. Redação (20 de agosto de 2019). «Ponte Rio-Niterói: após quatro horas de sequestro, suspeito é morto». Tribuna do Paraná. Consultado em 23 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  27. Redação (20 de agosto de 2019). «Sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói é morto pela polícia do Rio». Consultado em 23 de agosto de 2019