Sereia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Sereia (desambiguação).
Play of the Nereides (Jogo dos Nereides), 1886 de Arnold Böcklin

Sereia ou sirena é uma figura da mitologia, presente em lendas que serviram para personificar aspectos do mar ou os perigos que ele representa. Quase todos os povos que dependiam do mar para se alimentar ou sobreviver, tinham alguma representação feminina que enfeitiça os homens até se afogarem.[1][2] O mito das criaturas híbridas, representadas na mitologia grega, como um ser que continha o corpo de um pássaro e a delicadeza de uma mulher. Ao longo do tempo, transfiguram-se na Idade Média em mulheres metade peixe.[3][4] É provável que o mito tenha tido origem em relatos da existência de animais com características próximas daqueles que, mais tarde, foram classificados como sirénios.[carece de fontes?]

Etimologia

A palavra da língua portuguesa "sereia" (do português arcaico serẽa) e suas equivalentes em outras línguas latinas derivam do grego antigo Σειρῆν no singular (Σειρῆνες no plural), Seirến, enquanto a palavra "sirena" deriva de Σειρήνα, Seirína, nomes de um ser mitológico.[5] No português, os equivalentes masculinos das sereias são chamados de tritões, nomes de seres da mitologia grega que não estavam relacionados às antigas sirenas da mitologia.[6]

Mitologia grega

Sereia de Canosa (século IV a.C.)

A mitologia grega foi a quem mais colaborou com o imaginário ocidental. Em 1 100 a.C., eles criaram não só as sereias como as sirenas: mulheres-pássaros que causavam naufrágios ao distrair marinheiros com a voz. Diferentemente das mulheres-peixe, nunca se apaixonavam por humanos. Eram filhas do deus-rio Aqueloo, criadas para serem amigas de Perséfone, filha de Zeus e Deméter.[2]

Filhas do rio Achelous e da musa Terpsícore, tal como as harpias, habitavam os rochedos entre a ilha de Capri e a costa da Itália. Eram tão lindas e cantavam com tanta doçura que atraíam os tripulantes dos navios que passavam por ali para os navios colidirem com os rochedos e afundarem. Odisseu, personagem da Odisseia de Homero, conseguiu salvar-se porque colocou cera nos ouvidos dos seus marinheiros e amarrou-se ao mastro de seu navio, para poder ouvi-las sem poder aproximar-se. As sereias representam na cultura contemporânea o sexo e a sensualidade.[carece de fontes?]

Na Grécia Antiga, porém, os seres que atacaram Odisseu eram, na verdade, retratados como sendo sereias, mulheres que ofenderam a deusa Afrodite e foram viver numa ilha isolada. Se assemelham às harpias, mas possuem penas negras, uma linda voz e uma beleza única.[carece de fontes?]

Algumas das sereias citadas na literatura clássica são:

Segundo a lenda, o único jeito de derrotar uma sereia ao cantar seria cantar melhor do que ela.

Em 1917, Franz Kafka escreveu o seguinte no conto O silêncio das sereias:

As sereias, porém, possuem uma arma ainda mais terrível do que seu canto: seu silêncio.

Sereias modernas

Sereia no século XII na Igreja de São Cristóvão de Rio Mau

Na Idade Média, as sereias com caudas de peixe foram primeiramente descrito por um monge da Abadia de Malmesbury em torno de 680 d.C.[7] Para o Cristianismo estes seres significavam pecado, vaidade e luxúria.[4] As sereias dos bestiários e outros manuscritos medievais desempenhavam as funções básicas de mostrar a bondade e a riqueza da Criação de Deus; e personificar os pecados mortais, as tentações da carne e a vaidade como pecado corporificado na beleza, no espelho e no pente, os inseparáveis objetos característicos da imagem contemporânea das sereias.[8] Por essa razão, são relativamente comuns na arte sacra, como decoração de igrejas e altares. Junto com os dragões, as sereias são um dos animais fantásticos mais representados no românico português.[4] O fortalecimento das histórias, podem ser das histórias de marinheiros, que pensavam que tinham visto essas criaturas na espuma do oceano e do mar. Na realidade, eles provavelmente viram vaca-marinha-de-steller ou peixes-boi.[7]

Sereias nas diversas culturas

Baixo-relevo nabateu do século I d.C. de Atargatis no Museu Arqueológico da Jordânia, Amã

Oriente Médio

Ver artigo principal: Atargatis

A primeira referencia às sereias vem da Assíria (1 000 a.C.): a deusa síria do céu, do mar, da chuva e da vegetação, também cultuada pelos romanos como Dea Syria. Deusa poderosa com atributos muito complexos, Atargatis podia ter várias representações. Como deusa celeste, ela surgia cercada de águias, viajando sobre as nuvens. Como regente do mar, poderia ser uma deusa serpente ou peixe. Podia ainda ser a essência fertilizadora da chuva, com a água vindo das nuvens e das estrelas. Ainda podia aparecer como a própria deusa da terra e da vegetação, cuidando da sobrevivência de todas as espécies. Um mito antigo descreve a descida de Atargatis do céu como um ovo, do qual surgiu uma linda deusa sereia.[9]

Mitologia africana

Sereias são bem conhecidas na cultura africana - mais do que conhecidas, elas são reverenciadas e temidas.[10]

Mami Wata

Ver artigo principal: Mami Wata

Ao mesmo tempo belo, protetor, sedutor e perigoso, o espírito da água Mami Wata (Mãe Água) é celebrado em grande parte da África e do Atlântico Africano. Uma rica variedade de artes a rodeia, assim como uma série de outros espíritos aquáticos - todos honrando a natureza essencial e sagrada da água. Mami Wata é frequentemente retratado como uma sereia, um encantador de serpentes ou uma combinação de ambos.[11]

Kianda, a Sereia Angolana

Ver artigo principal: Kianda

Deusa das águas da Mitologia Angolana, é tradicionalmente venerada através de oferendas. Pepetela, um dos expoentes máximos da literatura em Angola, tem inclusive um livro intitulado “O silêncio da Kianda”.[12]

Mondao

Na África Austral, eles são chamados de Mondao. O Mondao é um espírito da água na forma de uma cobra que vive em corpos de água. Esse tremor tem um tremendo poder, e dizem que ela é responsável pelo dinheiro e pela abundância.[10] No país do Zimbábue,são retratadas como criaturas maliciosas que gostam de puxar banhistas ou nadadores sob as ondas até a morte.[13]

M amogashwa

Sereia do mal espreite sobre a represa de Marikana, perto da cidade de Mabopane, ao norte de Pretória, descrito como sendo meio humano e meio peixe, com a parte superior do corpo parecida com uma mulher.[13]

Na Europa

A Mermaid ("Uma Sereia") de John William Waterhouse

Mitologia Francesa

Melusina
Ver artigo principal: Melusina

Melusina é uma personagem do folclore europeu representada por um ser metade mulher, metade peixe ou serpente. Em alguns contos é retratada tendo até duas caudas, asas e coroa, muitas vezes sendo mencionada como uma nixe – espírito de forma humana que vive em rios, lagos e cachoeiras, e que pode se apresentar de várias maneiras, como figura de sereias, animais e até objetos inanimados.[14]

Folclore britânico

The Mermaid of Zennor ("A sereia de Zennor") de John Reinhard Weguelin

Em sua igreja de Zennor, em Cornualha, uma sereia, está esculpida na lateral de um banco que data do século 15.[15] A sereia de Zennor, é um conto de uma sereia apaixonou-se por um rapaz e o atraiu para o mar.

Polônia

Sereia de Varsóvia

Lenda na qual duas irmãs sereias nadaram do oceano Atlântico até o mar Báltico. Uma delas, podemos ver sentada sobre uma rocha na entrada do porto de Copenhague. A outra sereia chegou em Varsóvia pelo rio Vístula e gostou tanto da cidade que decidiu ficar. Um comerciante muito rico ao ouvir seu canto, resolveu capturá-la para poder ganhar dinheiro com apresentações em feiras. Todas as noites um pescador ouvia seu choro e decidiu libertá-la. Como agradecimento, a sereia prontificou-se a ajudá-lo quando necessário e, por esse motivo, a Sereia de Varsóvia está armada com uma espada e um escudo para proteger a cidade e seus habitantes. Podemos encontrar várias estátuas da sereia por toda Varsóvia.[16]

Mitologia russa

Rusalka

Ver artigo principal: Rusalka

Mulheres jovens que se afogavam rios ou lagos e buscavam a destruição de homens como uma espécie de reparação e desejo de vingança por violências sofridas em vida.[17]

Mitologia japonesa

Konjaku Hyakki Shui de Toriyama Sekien

As sereias são chamadas no Japão de “ningyo”, e as duas histórias mais conhecidas de ningyo são a de Amabie e a de Yao Bikuni. A palavra ningyo, formado pelos kanji “nin”, pessoa, e “gyo”, peixe, traduzida como sereia, é utilizada para designar as criaturas ocidentais metade peixe-metade ser humano e também as criaturas orientais que possuem características aquáticas e humanas.[18]

Com o torso e o rosto variando entre humano e peixe, as sereias nipônicas possuem dedos longos, garras afiadas e brilhantes escamas douradas, podendo variar em tamanho, desde o tamanho de uma criança a um adulto. Suas cabeças foram, por vezes, descritas como sendo deformadas, possuidoras de chifres, ou dentes proeminentes. Em outras versões, as sereias são descritas com uma forma que lembra a versão mais familiar de sereias ocidentais, mas com uma aparência sinistra, meio demoníaca. Segundo a lenda, são capazes de emitir um canto agradável como a canção de um pássaro ou o doce som de uma flauta. Mas, ao contrário das sereias das lendas do Atlântico e do Mediterrâneo, uma Ningyo do Pacífico e do Mar do Japão são criaturas horríveis, sendo consideradas como um pesadelo surreal ao invés de uma mulher sedutora. Porém, acredita-se que a carne de uma Ningyo pode conceder a imortalidade e, suas lágrimas transformam-se em pérolas e, quando consumidas, trazem a juventude eterna sendo, portanto, assunto de muitos contos populares, alguns assustadores.[19]

Na Oceania

Ilhas Guam

Estátua de Sirena em Agana, Guam

Sirena: Uma sereia lendária de Guam é um conto da jovem Sirena, que viveu em Agana e que adorava nadar foi amaldiçoada pela mãe a virar peixe. Mas a avó interveio e a transformação só rolou pela metade. A moça se tornou protetora dos marinheiros[20]

Folclore brasileiro

Iara

Ver artigo principal: Iara

Iara ou Mãe-d'água, segundo o folclore brasileiro, é uma linda sereia que vive no rio Amazonas.

Gruta das Encantadas

Ver artigo principal: Gruta das Encantadas

A Gruta das Encantadas é uma gruta localizada no sul da ilha do Mel, no Paraná, Brasil.

A Sereia da Furna do Diamante

No litoral do Rio Grande do Sul, mais precisamente nas praias de Torres, existe a lenda que uma sereia protege um esconderijo repleto de diamantes e pedras preciosas.

Esta sereia, conforme a lenda, aparece na entrada de uma gruta, sempre na meia-noite de toda sexta-feira de lua cheia. Se alguém tiver a sorte de ver a sereia e presenteá-la com um pente, sem nada perguntar, descobrirá onde está enterrado o tesouro.[21]

Ver também

Referências

  1. «A origem do mito das sereias». www.henrimar.com.br. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  2. a b «Afinal, sereias existem? | Mundo Estranho». Consultado em 17 de setembro de 2016 
  3. «O que é sereias? Significado, Conceito e Definiçao - Oquee.com». 17 de abril de 2015. Consultado em 17 de setembro de 2016 [fonte confiável?]
  4. a b c «MEDIEVALISTA». www2.fcsh.unl.pt. Consultado em 18 de setembro de 2016 
  5. «Sereias - Lendas, Sereia Iara, Mitologia». Anjos Net. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  6. «Sereias». Consultado em 18 de setembro de 2016 [fonte confiável?]
  7. a b «Mermaid Mythology | Pitlane Magazine». www.pitlanemagazine.com. Consultado em 18 de setembro de 2016 
  8. «MITOLOGIA ::. SEREIAS». www.sofadasala.com. Consultado em 18 de setembro de 2016 
  9. «Dia de Atargatis». Teoria da Conspiração. 15 de agosto de 2012. Consultado em 18 de setembro de 2016 
  10. a b «There are Mermaids in Africa». Shakti Shiva Academy (em inglês). 15 de agosto de 2016. Consultado em 5 de julho de 2019 
  11. «Introduction || Mami Wata: Arts for Water Spirits in Africa and its Diasporas». africa.si.edu. Consultado em 5 de julho de 2019 
  12. rondon (29 de outubro de 2008). «Angola: Sobre a sereia Kianda e outros seres míticos · Global Voices em Português». Global Voices em Português. Consultado em 5 de julho de 2019 
  13. a b «The Evil Mermaids of Africa». Mysterious Universe (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2019 
  14. «Melusina e a lenda dos Nixes». Sereismo.com. Consultado em 5 de julho de 2019 
  15. «Cornualha, na Inglaterra, tem empanada, hora do chá e paisagem deslumbrante - Guia de Viagem - UOL Viagem». Consultado em 18 de setembro de 2016 
  16. Gliwic, Gizelli (20 de março de 2017). «10 Lendas Polonesas Parte 2». BrasileirasPeloMundo.com. Consultado em 5 de julho de 2019 
  17. «"A Sereia – Lago dos Mortos" apresenta sereias como nunca vistas no ocidente | Midiorama». www.midiorama.com. Consultado em 5 de julho de 2019 
  18. «Criaturas Sobrenaturais – Parte 12: Ningyo, Amabie e Yao Bikuni». Magia Oriental. 8 de junho de 2011. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  19. «Ningyo: As Sereias do Japão». 28 de julho de 2016. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  20. «Será que as sereias existem? - Fatos Desconhecidos». 22 de outubro de 2015. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  21. A sereia de Torres (RS) Portal Terra - acessado em 6 de março de 2018
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sereias