Serge Gainsbourg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Serge Gainsbourg
Serge Gainsbourg
Informação geral
Nome completo Lucien Ginzburg
Também conhecido(a) como Julien Grix
Nascimento 2 de abril de 1928
Local de nascimento Paris, île-de-France
 França
Data de morte 2 de março de 1991 (62 anos)
Local de morte Paris, île-de-France
 França
Gênero(s) Chanson
Jazz
Funk
Reggae
Rock
pop
new wave[carece de fontes?]
Instrumento(s) piano, vocal
Período em atividade 1957 - 1991
Outras ocupações compositor, ator e diretor
Afiliação(ões) Jane Birkin
Página oficial Página Oficial

Serge Gainsbourg, nome artístico de Lucien Ginzburg (Paris, 2 de abril de 1928 — Paris, 2 de março de 1991) foi um músico, cantor, ator, diretor, pintor, poeta e compositor francês. Famoso por ser uma das figuras mais importantes da música popular francesa, ele era frequentemente famoso pelos seus trabalhos provocativos e escandalosos. Também era conhecido por ser um artista talentoso que trabalhou com diversos gêneros da música, tais como jazz, mambo, rock and roll, reggae, disco, new wave, pop e yé-yé e funk. Gainsbourg tinha um estilo musical único e individualista difícil de categorizar. Escreveu canções para diversos intérpretes, dentre os quais destacam-se Juliette Gréco, Françoise Hardy, France Gall, Brigitte Bardot, Jacques Dutronc, Catherine Deneuve, Alain Chamfort, Alain Bashung, Anna Karina, Isabelle Adjani, Vanessa Paradis e para sua esposa Jane Birkin, mãe da sua filha Charlotte Gainsbourg.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Paris, França, Gainsbourg era filho de migrantes judeus-ucranianos, que fugiram para Paris após a revolução russa de 1917. Joseph Ginsburg, seu pai, era músico de formação clássica, cujo trabalho era tocar piano em cassinos e cabarés da cidade luz. Este ensinou seus filhos a tocaram piano, Gainsbourg e sua irmã gêmea Liliane.

A infância de Gainsbourg foi profundamente afetada pela ocupação da Alemanha Nazista sob a França na segunda guerra mundial. A estrela amarela, usada como símbolo para identificar judeus, assombrou o jovem Gainsbourg, somente anos mais tarde ele foi capaz de usar o símbolo e as experiências vividas como inspiração criativa para sua obra.

Durante a ocupação alemã, a família judia foi capaz mover se de Paris para Limoges, viajando com documentos falsos. Limoges estava na zona livre sob a administração do governo Vichy, porém a mesma era ainda um refúgio perigoso para os judeus. Após a guerra, Gainsbourg conseguiu trabalho ensinando música e pintando em uma escola fora de Páris, em Mesnil-Le-Roi. A escola foi criada sob supervisão dos rabinos locais, para as crianças órfãs de deportados assassinados. Aqui Gainsbourg escutou relatos nazistas sobre perseguição e genocídio. Antes dos 30 anos de idade, Gainsbourg foi um pintor desiludido, mas que ganhava a vida tocando piano em bares.

Morte e legado[editar | editar código-fonte]

Morreu em 2 de março de 1991, de ataque cardíaco. Foi sepultado na seção judaica do cemitério Montparnasse em Paris. O presidente francês, François Mitterrand disse sobre ele na ocasião "Ele foi nosso Baudelaire, nosso Apollinaire... Ele elevou a música ao nível de arte". Sua casa é um endereço bem conhecido, frequentemente é coberta por grafitis e poemas.

Desde sua morte, a música de Gainsbourg tem alcançado status de lendária na França. Ele também têm ganhado seguidores no mundo da língua inglesa, com inúmeros artistas influenciados pelo seus arranjos.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1958: Du Chant à la Une!
  • 1959: N°2
  • 1961: L'Étonnant Serge Gainsbourg
  • 1962: N°4
  • 1963: Gainsbourg Confidentiel
  • 1964: Gainsbourg Percussions
  • 1967: Anna (trilha sonora)
  • 1968: Bonnie & Clyde (com Brigitte Bardot)
  • 1968: Initials B.B. (com Brigitte Bardot)
  • 1968: Jane Birkin & Serge Gainsbourg
  • 1971: Histoire de Melody Nelson
  • 1973: Vu de l'Extérieur
  • 1975: Rock Around the Bunker
  • 1976: L'Homme à Tête de Chou
  • 1979: Aux Armes et Cætera (Versão Reggae da Marseillaise)
  • 1980: Enregistrement Public au Théâtre le Palace
  • 1981: Mauvaises Nouvelles des Étoiles
  • 1984: Love on the Beat
  • 1985: Serge Gainsbourg Live (Casino de Paris)
  • 1987: You're Under Arrest
  • 1988: Le Zénith de Gainsbourg
  • 1989: De Gainsbourg à Gainsbarre (coletânea, Coffret 9 CDs)
  • 2001: Gainsbourg Forever (caixa integral)
  • 2001: Le Cinéma de Gainsbourg (caixa com 3 CDs)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

(Obras escritas por [ou em colaboração com] Serge Gainsbourg)

  • 1968: Chansons cruelles
  • 1971: Melody Nelson
  • 1980: Evguenie Sokolov
  • 1980: Au pays des malices
  • 1981: Bambou et les poupées
  • 1983: Black out, avec Jacques Armand (História em quadrinhos)
  • 1986, 1992: Gainsbourg, com Alain Coelho e Franck Lhomeau
  • 1987], 1991: Mon propre rôle (2 tomes)
  • 1987: Où es-tu Melody ?, com Iusse (História em quadrinhos)
  • 1991: Mauvaises nouvelles des étoiles
  • 1994: Dernières nouvelles des étoiles

Biografias[editar | editar código-fonte]

(Obras de referência sobre Serge Gainsbourg)

1994: Gilles Verlant & Isabelle Salmon, Gainsbourg Et Caetera 2000: Gilles Verlant, Gainsbourg 2004: Serge Gainsbourg - Um Punhado de Gitanes

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Como diretor[editar | editar código-fonte]

Como ator[editar | editar código-fonte]

  • 1959: Voulez-vous danser avec moi ??
  • 1961: La Révolte des Esclaves
  • 1961: Sansone
  • 1962: Hercule se déchaîne
  • 1963: Strip-Tease
  • 1966: Le Jardinier d'Argenteuil, de Jean-Paul Le Chanois
  • 1967: Toutes folles de lui
  • 1967: Estouffade à la Caraïbe
  • 1967: Trilha sonora da sua comédia musical Anna
  • 1968: L'Inconnu de Shandigor
  • 1968: Vivre la nuit
  • 1968: Le Pacha, de Georges Lautner
  • 1968: Ce sacré grand-père
  • 1969: Erotissimo
  • 1969: Slogan, de Pierre Grimblat
  • 1969: Les Chemins de Katmandou, d eAndré Cayatte
  • 1969: Mister Freedom, de William Klein
  • 1969: Paris n'existe pas, de Robert Benayoun
  • 1970: Cannabis, de Pierre Koralnik
  • 1971: Le Voleur de Chevaux, de Abraham Polonsky
  • 1971: Le Traître ?
  • 1972: Trop jolies pour être honnêtes
  • 1972: La dernière violette
  • 1974: Les Diablesses
  • 1975: Sérieux comme le plaisir
  • 1980: Je vous aime, de Claude Berri

Curta-metragens e clips[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Artigos relacionados[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Serge Gainsbourg
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.