Sergey Brin

Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sergey Mihailovich Brin
Sergey Brin em 2010
Conhecido(a) por
Nascimento 21 de agosto de 1973 (47 anos)
Moscou, União Soviética
Nacionalidade norte-americano
soviético (anteriormente)
Fortuna Aumento $108 bilhões USD (2021)[1]
Progenitores Mãe: Eugenia Brin
Pai: Mikhail Brin
Cônjuge
Filho(a)(s) 2[2]
Educação
Ocupação
Assinatura
Sergey Brin google signature.svg

Sergey Mihailovich Brin, mais conhecido como Sergey Brin, (Moscou, 21 de agosto de 1973) é um cientista da computação americano e empreendedor da Internet. Ele foi co-fundador do Google com Larry Page. Brin foi presidente da Alphabet Inc., empresa controladora do Google, até renunciar ao cargo em 3 de dezembro de 2019.[3] Brin e Page ainda são co-fundadores, acionistas controladores, membros do conselho e funcionários da Alphabet. Em junho de 2021, Brin se tornou sétima pessoa mais rica do mundo, com um patrimônio líquido estimado em 108 bilhões de dólares.[1]

Brin imigrou para os Estados Unidos com sua família da União Soviética aos seis anos. Ele obteve seu diploma de bacharel na Universidade de Maryland, College Park, seguindo os passos de seu pai e avô estudando matemática, bem como ciência da computação. Após a graduação, ele se matriculou na Universidade de Stanford para obter um PhD em ciência da computação. Lá ele conheceu Page, com quem construiu um mecanismo de busca na web. O programa se tornou popular em Stanford, e eles suspenderam seus estudos de PhD para iniciar o Google na garagem de Susan Wojcicki em Menlo Park.[4]

Infância e educação[editar | editar código-fonte]

Brin nasceu em 21 de agosto de 1973, em Moscou na União Soviética,[5] filho de pais judeus,[6] Mikhail e Eugenia Brin, ambos graduados pela Universidade Estatal de Moscou (UEM).[7] Seu pai é um professor aposentado de matemática na Universidade de Maryland, e sua mãe uma pesquisadora do Goddard Space Flight Center da NASA.[8][9]

A família Brin morava em um apartamento de três quartos no centro de Moscou, que também dividia com a avó paterna de Sergey.[8] Em 1977, depois que seu pai voltou de uma conferência de matemática em Varsóvia, Polônia, Mikhail Brin anunciou que era hora de a família emigrar.[8] Eles solicitaram formalmente o visto de saída em setembro de 1978 e, como resultado, seu pai foi "imediatamente demitido". Por motivos relacionados, sua mãe teve que deixar o emprego. Nos oito meses seguintes, sem renda fixa, eles foram forçados a aceitar empregos temporários enquanto esperavam, com medo de que seu pedido fosse negado, como foi para muitos recusados. Em maio de 1979, eles receberam seus vistos oficiais de saída e foram autorizados a deixar o país.[8]

A família Brin viveu em Viena e Paris, enquanto Mikhail Brin conseguiu um cargo de professor na Universidade de Maryland com a ajuda de Anatole Katok. Durante esse tempo, a família Brin recebeu apoio e assistência da Sociedade Hebraica de Ajuda ao Imigrante. Eles chegaram aos Estados Unidos em 25 de outubro de 1979.[8][10]

Brin frequentou a escola primária na Paint Branch Montessori School em Adelphi, Maryland, mas recebeu mais estudos em casa; seu pai, um professor do departamento de matemática da Universidade de Maryland, o incentivou a aprender matemática e sua família o ajudou a manter suas habilidades no idioma russo. Ele estudou na Eleanor Roosevelt High School, Greenbelt, Maryland. Em setembro de 1990, Brin matriculou-se na Universidade de Maryland, onde recebeu seu Bacharelado em Ciências do Departamento de Ciência da Computação em 1993 com honras em Ciência da Computação e Matemática aos 19 anos.[11]

Brin começou seu estudo de graduação em ciência da computação na Universidade de Stanford com uma bolsa de pós-graduação da Fundação Nacional da Ciência. Em 1993, ele estagiou na Wolfram Research, os desenvolvedores do Mathematica.[11] Em 2008, ele estava de licença de seus estudos de PhD em Stanford.[12]

Desenvolvimento do Mecanismo de busca[editar | editar código-fonte]

Durante uma orientação para novos alunos em Stanford, ele conheceu Larry Page. Os dois homens pareciam discordar na maioria dos assuntos, mas depois de passar algum tempo juntos, eles "se tornaram almas gêmeas intelectuais e amigos íntimos". O foco de Brin estava no desenvolvimento de sistemas de mineração de dados, enquanto o de Page estava em estender "o conceito de inferir a importância de um artigo de pesquisa a partir de suas citações em outros artigos".[13] Juntos, eles escreveram um artigo intitulado "A anatomia de um mecanismo de pesquisa hipertextual em grande escala na Web".[14]

Para converter os dados de backlink coletados pelo rastreador da web do BackRub em uma medida de importância para uma determinada página da web, Brin e Page desenvolveram o algoritmo PageRank e perceberam que ele poderia ser usado para construir um mecanismo de busca muito superior aos existentes na época.[15] O novo algoritmo dependia de um novo tipo de tecnologia que analisava a relevância dos backlinks que conectavam uma página da Web a outra e permitia que o número de links e sua classificação determinassem a classificação da página.[16]

Larry Page e Sergey Brin por Graziano Origa

Combinando suas ideias, eles começaram a utilizar o dormitório de Page como um laboratório de máquinas e extraíram peças sobressalentes de computadores baratos para criar um dispositivo que eles usaram para conectar o motor de busca nascente com a rede de banda larga do campus de Stanford.[15]

Depois de encher a sala de Page com equipamentos, eles converteram o dormitório de Brin em um escritório e centro de programação, onde testaram seus novos designs de mecanismo de busca na web. O rápido crescimento de seu projeto causou problemas na infraestrutura de computação de Stanford.[17]

Page e Brin usaram as habilidades básicas de programação HTML do primeiro para criar uma página de pesquisa simples para os usuários, já que eles não tinham um desenvolvedor de página da web para criar nada visualmente elaborado. Eles também começaram a usar qualquer peça de computador que pudessem encontrar para reunir o poder de computação necessário para lidar com pesquisas de vários usuários. Conforme seu mecanismo de busca cresceu em popularidade entre os usuários de Stanford, ele exigiu servidores adicionais para processar as consultas, e eles suspenderam seus estudos de PhD para iniciar o Google na garagem de Susan Wojcicki em Menlo Park.[4] Em agosto de 1996, a versão inicial do Google foi disponibilizada no site de Stanford.[15]

No início de 1997, a página BackRub descreveu o estado da seguinte maneira:

A interligação matemática do site que o algoritmo PageRank facilita, ilustrada pela correlação tamanho-porcentagem dos círculos. O algoritmo foi nomeado após o próprio Page
Algumas estatísticas aproximadas (de 29 de agosto de 1996)

Total de URLs HTML indexáveis: 75,2306 milhões

Total de conteúdo baixado: 207,022 gigabytes

...

BackRub é escrito em Java e Python e roda em vários Sun Ultras e Intel Pentiums rodando Linux. O banco de dados principal é mantido em um Sun Ultra série II com 28 GB de disco. Scott Hassan e Alan Steremberg forneceram uma grande ajuda talentosa na implementação. Sergey Brin também esteve muito envolvido e merece muitos agradecimentos.
— Larry Page page@cs.stanford.edu [18] (em inglês)

O BackRub já exibia as funções e características rudimentares de um mecanismo de busca: uma entrada de consulta foi inserida e forneceu uma lista de backlinks classificados por importância. Page recordou: "Percebemos que tínhamos uma ferramenta de consulta. Ela deu a você uma boa classificação geral das páginas e ordenação das páginas de acompanhamento."[15] Page disse que em meados de 1998 eles finalmente perceberam o potencial de seu projeto : "Em breve, tínhamos 10.000 pesquisas por dia. E imaginamos que talvez isso seja realmente real."[17]

Alguns compararam a visão de Page e Brin ao impacto de Johannes Gutenberg, o inventor da impressão moderna:

Em 1440, Johannes Gutenberg apresentou à Europa a impressora mecânica, imprimindo Bíblias para consumo em massa. A tecnologia permitiu que livros e manuscritos‍ — ‌originalmente replicados à mão‍ — ‌fossem impressos em um ritmo muito mais rápido, espalhando conhecimento e ajudando a inaugurar o Renascimento europeu ... O Google fez um trabalho semelhante.[19]

A comparação também foi notada pelos autores de The Google Story: "Desde Gutenberg ... nenhuma nova invenção deu poderes aos indivíduos e transformou o acesso à informação, tão profundamente quanto o Google."[20] Além disso, não muito depois dos dois ". criaram seu novo mecanismo para pesquisas na web, eles começaram a pensar em informações que na época estavam fora da web ", como a digitalização de livros e a expansão das informações de saúde.[17]

Outros interesses[editar | editar código-fonte]

Brin está trabalhando em outros projetos mais pessoais que vão além do Google. Por exemplo, ele e Page estão tentando ajudar a resolver os problemas mundiais de energia e clima no braço filantrópico do Google, Google.org, que investe na indústria de energia alternativa para encontrar fontes mais amplas de energia renovável. A empresa reconhece que seus fundadores desejam "resolver problemas realmente grandes usando tecnologia".[21]

Em outubro de 2010, por exemplo, eles investiram em um grande desenvolvimento de energia eólica offshore para auxiliar a rede elétrica da costa leste,[22] que eventualmente se tornará um dos cerca de uma dúzia de parques eólicos offshore que são propostos para a região.[23] Uma semana antes, eles introduziram um carro que, com "inteligência artificial", pode se dirigir usando câmeras de vídeo e sensores de radar.[21] No futuro, os motoristas de carros com sensores semelhantes teriam menos acidentes. Esses veículos mais seguros poderiam, portanto, ser construídos mais leves e exigir menos consumo de combustível.[24] Eles estão tentando fazer com que as empresas criem soluções inovadoras para aumentar o fornecimento mundial de energia.[25] Ele é um investidor da Tesla Motors, que desenvolveu o Tesla Roadster (2008), um veículo elétrico a bateria com alcance de 244 milhas (393 km), bem como o Tesla Model S, um alcance de 265 milhas (426 km) veículo elétrico a bateria.[26]

Em 2004, ele e Page foram nomeados "Pessoas da Semana" pelo ABC World News Tonight. Em janeiro de 2005, ele foi nomeado um dos "Jovens Líderes Globais" do World Economic Forum. Em junho de 2008, Brin investiu US$ 4,5 milhões na Space Adventures, empresa de turismo espacial com sede na Virgínia. Seu investimento servirá como depósito para a reserva de um dos voos propostos pela Space Adventures em 2011. A Space Adventures, a única empresa que envia turistas ao espaço, enviou cinco deles até agora.[27]

Brin e Page possuem, em conjunto, um Boeing 767-200 personalizado e um Dornier Alpha Jet,[28] e pagam US$ 1,3 milhão por ano para abrigá-los e dois jatos Gulfstream V de propriedade de executivos do Google no Moffett Federal Airfield. A aeronave teve equipamento científico instalado pela NASA para permitir que dados experimentais sejam coletados em voo.[29][30]

Em 2012, Brin esteve envolvido com o programa Project Glass e demonstrou protótipos de óculos. Project Glass é um programa de pesquisa e desenvolvimento do Google para desenvolver um head-mounted display (HMD) de realidade aumentada.[31] O objetivo pretendido dos produtos do Project Glass seria a exibição de informações em mãos livres atualmente disponíveis para a maioria dos usuários de smartphones,[32] e permitindo a interação com a Internet por meio de comandos de voz em linguagem natural.[33]

Brin também estava envolvido no projeto de carro sem motorista do Google. Em setembro de 2012, na assinatura do California Driverless Vehicle Bill,[34] Brin previu que dentro de cinco anos, os carros robóticos estarão disponíveis para o público em geral.[35]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Brin em 2005 na Web 2.0 Conference

Em maio de 2007, Brin casou-se com a analista de biotecnologia e empresária Anne Wojcicki nas Bahamas.[36][37] Eles tiveram um filho no final de 2008 e uma filha no final de 2011.[2] Brin é judeu e não religioso.[38] Em agosto de 2013, foi anunciado que Brin e sua esposa estavam morando separados depois que Brin teve um caso extraconjugal com a diretora de marketing do Google Glass, Amanda Rosenberg.[39][40][41] Em junho de 2015, Brin e Wojcicki finalizaram seu divórcio.[41]

Em 2018, ele se casou com Nicole Shanahan, uma fundadora de tecnologia jurídica. Eles têm uma filha, nascida no final de 2018.[42]

A mãe de Brin, Eugenia, foi diagnosticada com doença de Parkinson. Em 2008, ele decidiu fazer uma doação para a Escola de Medicina da Universidade de Maryland, onde sua mãe está sendo tratada.[43]

Brin e Wojcicki, embora divorciados, ainda dirigem conjuntamente a The Brin Wojcicki Foundation.[44] Eles doaram extensivamente para a The Michael J. Fox Foundation e em 2009 doou 1 milhão de dólares para apoiar a Sociedade Hebraica de Ajuda ao Imigrante.[10]

Sergey Brin é um doador para candidatos e organizações do Partido Democrata, tendo doado 5 mil dólares para a campanha de reeleição de Barack Obama e 30.800 dólares para o DNC.[45]

De acordo com a CNBC, Brin se interessou pela tecnologia blockchain após construir um computador para jogos com seu filho para minerar o ethereum.[46]

Em 10 de agosto de 2015, Brin foi eleito o novo presidente da Alphabet Inc. fundada naquele mesmo dia, após a reorganização do Google, onde passou a comandar o Google X.[47] Mas renunciou ao cargo em 3 de dezembro de 2019.[3]

Prêmios e reconhecimento[editar | editar código-fonte]

2002–2009[editar | editar código-fonte]

  • Em 2002, Brin, junto com Larry Page, foi nomeado no MIT Technology Review TR100, como um dos 100 maiores inovadores do mundo com menos de 35 anos.[48]
  • Em 2003, Brin e Page receberam um MBA honorário da IE Business School "por dar corpo ao espírito empreendedor e dar impulso à criação de novos negócios...”.[49]
  • Em 2003, Brin e Page foram premiados e finalistas nacionais do prêmio EY Empreendedor do Ano.[50]
  • Em 2004, eles receberam o Prêmio da Marconi Foundation, o "Prêmio Mais Alto em Engenharia", e foram eleitos Fellows da Marconi Foundation na Universidade de Columbia. "Ao anunciar sua escolha, John Jay Iselin, o presidente da Fundação, parabenizou os dois homens por sua invenção, que mudou fundamentalmente a maneira como as informações são obtidas hoje."[51]
  • Em 2004, Brin recebeu o Golden Plate Award da American Academy of Achievement com Larry Page em uma cerimônia em Chicago, Illinois.[52]

2009–presente[editar | editar código-fonte]

  • Em novembro de 2009, Forbes decidiu que Brin e Page eram as quintas pessoas mais poderosas do mundo.[53]
  • No início daquele mesmo ano, em fevereiro, Brin foi nomeado para a National Academy of Engineering, que está "entre as mais altas distinções profissionais concedidas a um engenheiro ... [e] homenageia aqueles que fizeram contribuições notáveis para a pesquisa de engenharia, prática...". Ele foi selecionado especificamente, "pela liderança no desenvolvimento de indexação rápida e recuperação de informações relevantes da World Wide Web".[54]
  • Em seus "Perfis" de Fellows, a National Science Foundation incluiu uma série de prêmios anteriores:
ele foi um palestrante destacado no World Economic Forum e na Conferência de Tecnologia, Entretenimento e Design. ... PC Magazine elogiou o Google nos 100 principais sites e mecanismos de pesquisa (1998) e concedeu ao Google o prêmio de excelência técnica por inovação no desenvolvimento de aplicativos da Web em 1999. Em 2000, o Google ganhou um Webby Award, um People's Voice Award por realizações técnicas e, em 2001, foi premiado com Outstanding Search Service, Melhor Image Search Engine, Melhor Design, Mais Webmaster Friendly Search Engine e Best Search Feature em o Search Engine Watch Awards.[55]
  • Em 2012, a Forbes classificou Sergey Brin como a 24.º pessoa mais rica do mundo, com 18,7 bilhões de dólares.[56]
  • Em 2014, foi eleito pela Forbes, o 17.º mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em 32,8 bilhões de dólares.[57]
  • Em outubro de 2018, Brin era a 13ª pessoa mais rica do mundo de acordo com a Forbes, com um patrimônio líquido estimado em 50,5 bilhões de dólares.[58]
  • Em julho de 2020, Brin se tornou o sétimo homem mais rico do mundo de acordo com a Forbes, com um patrimônio líquido estimado em 68 bilhões de dólares.[59]
  • Em janeiro de 2021, Brin era a nona pessoa mais rica do mundo, com um patrimônio líquido estimado em 80,6 bilhões de dólares.[60]
  • Em junho de 2021, Brin se tornou sétima pessoa mais rica do mundo de acordo com a Bloomberg, com um patrimônio líquido estimado em 108 bilhões de dólares.[1]

Aparecimentos em filmes[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem
2013 The Internship[61] Ele mesmo (camafeu)

Nota[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Bloomberg Billionaires Index: Sergey Brin». Bloomberg. Consultado em 14 de junho de 2021 
  2. a b Welch, Liz (29 de maio de 2012). «Building a Genetic Testing Giant». Inc.com (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  3. a b Thorbecke, Catherine (3 de dezembro de 2019). «Google founders Larry Page and Sergey Brin stepping down as CEO and president». ABC News (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2019 
  4. a b Kim, Eugene (18 de setembro de 2015). «Larry Page and Sergey Brin paid $1,700 a month to rent the garage where Google was born». Business Insider. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  5. Jimison, Robert (19 de junho de 2018). «Nine immigrants who helped make America great». CNN. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  6. «Sergey Brin». Jewish Virtual Library. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  7. Rolnik, Guy (22 de maio de 2008). «'I've been very lucky in my life'». Haaretz (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  8. a b c d e Malseed, Mark (fevereiro de 2007). «The Story of Sergey Brin». Moment Magazine. Consultado em 10 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2013 
  9. Smale, Will (30 de abril de 2004). «Profile: The Google founders». BBC News (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  10. a b Strom, Stephanie (24 de outubro de 2009). «Billionaire Aids Charity That Aided Him (Published 2009)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  11. a b «Sergey Brin (7-Jan-1996)». infolab.stanford.edu. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  12. «Sergey Brin: Executive Profile & Biography». Business Week. Consultado em 10 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 8 de março de 2009. He is currently on leave from the PhD program in computer science at Stanford university... 
  13. «Enlightenment man». The Economist. 6 de dezembro de 2008. ISSN 0013-0613. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  14. Brin, Sergey; Page, Lawrence (1 de abril de 1998). «The anatomy of a large-scale hypertextual Web search engine». Computer Networks and ISDN Systems. Proceedings of the Seventh International World Wide Web Conference (em inglês) (1): 107–117. ISSN 0169-7552. doi:10.1016/S0169-7552(98)00110-X. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  15. a b c d Battelle, John (13 de agosto de 2005). «The Birth of Google». Wired (em inglês). ISSN 1059-1028. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  16. Woodford, Chris (2005). The Internet: A Historical Encyclopedia (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 48. ISBN 9781851096596 
  17. a b c «Enlightenment man». The Economist. 6 de dezembro de 2008. ISSN 0013-0613. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  18. «Downloaded 11 – February 2009». Backrub.c63.be. Consultado em 10 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 22 de abril de 2008 
  19. «Google the Gutenberg». Information Technology. Consultado em 10 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2015 
  20. Vise, David A.; Malseed, Mark (15 de novembro de 2005). The Google Story (2018 Updated Edition): Inside the Hottest Business, Media, and Technology Success of Our Time (em inglês). [S.l.]: Random House Publishing Group. p. 3. ISBN 9780440335702 
  21. a b «Cars and Wind: What's next for Google as it pushes beyond the Web?». The Washington Post. Outubro de 2010. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  22. Needham, Rick (11 de outubro de 2010). «The wind cries transmission». Google Blog Official (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  23. Malone, Scott (12 de outubro de 2010). «Google joins $5 billion U.S. offshore wind grid project». Reuters (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  24. Markoff, John (9 de outubro de 2010). «Google Cars Drive Themselves, in Traffic (Published 2010)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  25. «Google's Schmidt, Page and Brin hold court at Zeitgeist». Los Angeles Times (em inglês). 17 de setembro de 2008. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  26. Kolakowski, Nicholas (9 de março de 2009). «Tesla Motors Model S Backed by Google Founders Brin, Page». eWEEK. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  27. Schwartz, John (11 de junho de 2008). «Google Co-Founder Books a Space Flight (Published 2008)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  28. Helft, Miguel (23 de outubro de 2008). «A New (Fighter) Jet for Google's Founders?». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  29. Helft, Miguel (13 de setembro de 2007). «Google Founders' Ultimate Perk: A NASA Runway (Published 2007)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  30. Kopytoff, Verne (12 de setembro de 2007). «Google founders pay NASA $1.3 million to land at Moffett Airfield». San Francisco Chronicle (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  31. Goldman, David (4 de abril de 2012). «Google unveils 'Project Glass' virtual-reality glasses». Money CNN. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  32. Albanesius, Chloe (4 de abril de 2012). «Google 'Project Glass' Replaces the Smartphone With Glasses». PC Magazine (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  33. Hubbard, Amy (6 de abril de 2012). «Sergey Brin wears Project Glass; Google specs spur fear, punch lines». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  34. «California Legislature Approves Driverless Vehicle Bill – Senator Padilla's Legislation Establishes Performance and Safety Standards | Senator Alex Padilla». sd20.senate.ca.gov. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 29 de setembro de 2012 
  35. Tam, Donna. «Google's Sergey Brin: You'll ride in robot cars within 5 years». CNET News (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  36. Argetsinger, Amy; Roberts, Roxanne (13 de maio de 2007). «Amy Argetsinger and Roxanne Roberts - Oprah Winfrey's Degrees of Communication at Howard». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  37. «Anne Wojcicki Marries the Richest Bachelor». Cosmetic Makeovers. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 28 de outubro de 2007 
  38. Bloom, Nate. «Jews in the News: Diane Von Furstenburg, Michael Kors and Barbara Hershey». Tampa Jewish Federation. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  39. «Google Co-Founder Sergey Brin and 23andMe Co-Founder Anne Wojcicki Have Split». AllThingsD (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  40. «Google: Men Apparently Do Make Passes At Girls Who Wear Glasses». ABC News (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  41. a b Grigoriadis, Vanessa. «Sergey Brin and Amanda Rosenberg: Inside the Google Co-Founder's Romance with the Google Glass Marketing Manager». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  42. «Google's Sergey Brin has been married to the founder of a legal tech startup since 2018». Business Insider. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  43. Helft, Miguel (19 de setembro de 2008). «Google Co-Founder Has Genetic Code Linked to Parkinson's (Published 2008)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  44. «The Brin Wojcicki Foundation». Foundation Center. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 26 de setembro de 2013 
  45. «Sergey Brin - Search». OpenSecrets (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  46. Aiello, Chloe (9 de julho de 2018). «Sergey Brin says Google 'failed to be on the bleeding edge' of blockchain». CNBC (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  47. Statt, Nick (4 de dezembro de 2019). «The rise, disappearance, and retirement of Google co-founders Larry Page and Sergey Brin». The Verge (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  48. «2002 Young Innovators Under 35: Sergey Brin, 28». Technology Review. 2002. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  49. «Brin and Page Awarded MBAs». IE Business School. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2009 
  50. «15 Local Business Leaders Receive Awards for Their Success in Business». PRNewswire. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 14 de abril de 2015 
  51. «Sergey Brin, 2004». The Marconi Society (em inglês). 26 de outubro de 2004. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  52. «Sergey Brin Biography and Interview». achievement.org. American Academy of Achievement. Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  53. «#5 Sergey Brin and Larry Page». Forbes. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 29 de julho de 2017 
  54. «National Academy of Engineering Elects 65 Members and Nine Foreign Associates». National Academies (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2020 
  55. «Sergey Brin - NSF Graduate Research Fellowships Program (GRFP)». National Science Foundation. 13 de maio de 2011. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 13 de maio de 2011 
  56. «50 pessoas mais ricas do mundo». Terra. 2012. Consultado em 21 de abril de 2012 
  57. Dolan, Kerry (8 de março de 2014). «Os maiores bilionários de 2014». Forbes Brasil. Consultado em 13 de agosto de 2014. Arquivado do original em 12 de setembro de 2014 
  58. «Sergey Brin profile». Forbes. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  59. «Sergey Brin | 2020 Forbes 400». Forbes (em inglês). Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  60. «Sergey Brin profile». Forbes. Consultado em 24 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2021 
  61. Kelly, Heather (5 de junho de 2013). «Why Google loves 'The Internship'». CNN. Consultado em 12 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias