Sergio Miceli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Sergio Miceli Pessôa de Barros (Rio de Janeiro, 1945) é um sociólogo brasileiro, professor da Universidade de São Paulo[1] e membro da Academia Brasileira de Ciências.[2]

Miceli apresentou as premissas do filósofo, antropólogo e sociólogo Pierre Bourdieu à USP em um momento de dominação das teorias de Karl Marx. Foi o responsável pelo fortalecimento da sociologia da cultura no âmbito paulista e de setores antes pouco privilegiados como a sociologia da arte. Atualmente é docente nos cursos de pós-graduação da Universidade de São Paulo.

Graduado em Ciências Políticas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 1967, é mestre em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1971), com A Noite da Madrinha - Ensaio sobre a Indústria Cultural no Brasil, sob a orientação de Leôncio Martins Rodrigues. A tese, era a primeira a falar de indústria cultural dentro da sociologia da USP e foi um marco para disciplina. Seguindo a tradição de Florestan Fernandes as pautas dos projetos eram até então voltadas para os processos industriais, sindicais e conflitos entre o Brasil agrário Vs moderno sob a dialética materialista de Karl Marx.

Obteve seu doutorado em 1978 pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, com Intelectuais e Classe Dirigente no Brasil, 1920-1945, sob a orientação de Pierre Bourdieu. A tese de doutorado foi inovadora, pois pela primeira vez um sociólogo via a classe intelectual brasileira segundo seus aspectos objetivos da vida material, condições sociais e trajetórias desses autores atrelados as obras produzidas.

Defendeu sua tese de livre-docência, A Elite Eclesiástica Brasileira, 1890-1930, na Unicamp, em 1986.

Autor de diversos livros, entre eles "Intelectuais à Brasileira" (2001), foi professor visitante da Universidade Nacional de Antropologia e História do México, da Universidade da Flórida (1987-1988), da Universidade de Chicago (1991 - 1992), da Universidade Stanford (2001-2002) e da École des Hautes Études en Sciences Sociales (2004-2005). Atualmente é professor titular de sociologia da Universidade de São Paulo. Também é comendador da República e membro da Academia Brasileira de Ciências.

Miceli foi um dos responsáveis pela introdução da obra do seu mestre Pierre Bourdieu no Brasil. Dirigiu a pesquisa "História das ciências sociais no Brasil". É casado com a antropóloga Heloisa André Pontes.

Prêmios e títulos[editar | editar código-fonte]

  • 2012 Prêmio CAPES 2011 de Orientador da Melhor Tese de Doutorado em Sociologia do Brasil (Dmitri Cerboncini Fernandes).
  • 2010 Ganhador da Ordem do Rio Branco.
  • 2010 Eleito membro da Academia Brasileira de Ciências
  • 2005 Ordem Nacional do Mérito Científico - Classe Comendador, Presidência da República/Ministério da Ciência e Tecnologia.
  • 2004 Escolhido para a Cátedra Sergio Buarque de Holanda, Maison des Sciences de l'Homme.
  • 2001 Fellow, Center for Advanced Studies in the Behavioral Sciences, Palo Alto, Califórnia.
  • 1992 Professor-Titular de Sociologia, USP.
  • 1988 Prêmio de melhor obra em Ciências Sociais para o livro A elite eclesiástica brasileira, ANPOCS.
  • 1981 Bolsa para o Projeto The Sociology

Referências

  1. USP. «Sergio Miceli | DS - Departamento de Sociologia». Universidade de São Paulo. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  2. «Membros da Academia Brasileira de Ciências». Academia Brasileira de Ciências. Consultado em 11 de novembro de 2014. Arquivado do original em 11 de novembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.