Serguéi Mijáilovich Prokudin-Gorskii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Serguéi Mijáilovich Prokudin-Gorskii
Nascimento 30 de agosto de 1863
Morte 27 de setembro de 1944 (81 anos)
Paris
Sepultamento Cemitério Russo de Sainte-Geneviève-des-Bois
Cidadania Império Russo, França
Alma mater Universidade Técnica de Berlim
Ocupação fotógrafo, química(o), inventor, editor, pedagogo, professor, viajante
Página oficial
http://www.prokudin-gorsky.org/

Serguei Mihailovitch Prokúdin-Górski (em russo: Серге́й Миха́йлович Проку́дин-Го́рский; 30 de agosto de 1863 - 27 de setembro de 1944) foi um fotógrafo russo que se dedicou sua carreira ao avanço da fotografia. Nasceu em Funicova Gora, no Oblast de Vladímir, Rússia, em 1863 e formou-se químico. Estudou com renomeados cientistas em San Petersburgo, Berlim e Paris, desenvolvendo as técnicas para as primeiras fotografia a cores.

Dos seus resultados surgiram as primeiras patentes de filmes positivos a cores e de projecção de filmes com movimento. Em 1905 Prokudin-Gorskii concebeu o grande projecto de documentar, com fotografias a cores, a enorme diversidade de história, cultura e avanços do Império russo, para ser utilizado nas escolas do Império.

O seu processo utilizava uma câmara que tomava uma série de fotos monocromáticas em sequência muito rápida, cada uma através de um filtro de cor diferente. Ao projectar as três fotos monocromáticas com luz da cor adequada era possível reconstruir a cena com as cores originais. No entanto, não dispunha de mecanismo para realizar impressões das fotos assim obtidas.

Para o seu projecto, o Czar Nicolau II pôs à disposição de Prokudin-Gorskii, um vagão de comboio equipado com uma câmara escura e os consumos necessários. Igualmente obteve todas as permissões para visitar áreas de acesso restrito e contar com o apoio da burocracia do Império. Assim equipado, Prokudin-Gorskii percorreu o império entre 1909 e 1915, documentando-o com imagens e dando a conhecer a magnitude deste aos seus habitantes.

Em 1918 Prokudin-Gorskii deixa a Rússia. Depois de saber da morte do Czar e da sua família, estabelece-se em Paris, onde morreu em 1944.

A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos comprou, em 1948, as imagens aos seus herdeiros e, em 2001, organizou a exposição O Império que foi Rússia. Para essa ocasião realizou-se a cópia digital das suas imagens a partir dos três originais monocromáticos de cada foto.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vida pregressa[editar | editar código-fonte]

Prokudin-Gorsky nasceu em Murom, na propriedade ancestral de Funikova Gora, no que é agora o distrito de Kirzhachsky, Oblast de Vladimir. Seus pais eram da nobreza russa e a família tinha uma longa história militar.[1] Eles se mudaram para São Petersburgo, onde Prokudin-Gorsky se matriculou no Instituto Estadual de Tecnologia de São Petersburgo para estudar química sob Dmitri Mendeleev. Ele também estudou música e pintura na Academia Imperial de Artes.

Casamento e carreira em fotografia[editar | editar código-fonte]

Em 1890, Prokudin-Gorsky casou-se com Anna Aleksandrovna Lavrova, e mais tarde o casal teve dois filhos, Mikhail e Dmitri, e uma filha, Ekaterina.[2] Anna era filha do industrial russo Aleksandr Stepanovich Lavrov, um membro ativo da Sociedade Técnica Imperial Russa (IRTS).[2] Prokudin-Gorsky posteriormente se tornou o diretor do conselho executivo das usinas de metal de Lavrov, perto de São Petersburgo, e permaneceu assim até a Revolução de Outubro. Ele também se juntou à mais antiga sociedade fotográfica da Rússia, a seção de fotografia do IRTS, apresentando trabalhos e palestras sobre a ciência da fotografia.[3][4] Em 1901, ele estabeleceu um estúdio e laboratório de fotografia em São Petersburgo. Em 1902, ele viajou para Berlim e passou seis semanas estudando sensibilização e fotografia em três cores com o professor de fotoquímica Adolf Miethe, o praticante mais avançado da Alemanha na época.[5] Ao longo dos anos, o trabalho fotográfico, publicações e apresentações de slides de Prokudin-Gorsky para outros cientistas e fotógrafos na Rússia, Alemanha e França lhe renderam elogios,[2] e em 1906 ele foi eleito presidente da seção de fotografia IRTS e editor do principal jornal de fotografia da Rússia, o Fotograf-Liubitel.[4] Gorsky foi membro da Royal Photographic Society entre 1920 e 1932.[6]

Gravura de litografia de Liev Tolstói em frente à câmera de Prokudin-Gorsky em Yasnaya Polyana, 1908

Talvez o trabalho mais conhecido de Prokudin-Gorsky durante sua vida tenha sido seu retrato colorido de Liev Tolstói,[7] que foi reproduzido em várias publicações, em cartões postais e como impressões maiores para enquadramento.[2][8] A fama dessa foto e suas fotos anteriores da natureza e dos monumentos da Rússia lhe renderam convites para mostrar seu trabalho ao grão-duque russo Michael Alexandrovich e à imperatriz Maria Feodorovna em 1908, e ao czar Nicolau II e sua família em 1909.[4] O czar desfrutou da demonstração e, com sua benção, Prokudin-Gorsky obteve permissão e financiamento para documentar a Rússia em cores.[9] Ao longo de dez anos, ele fez uma coleção de 10.000 fotos.[10] Prokudin-Gorsky considerou o projeto o trabalho de sua vida e continuou suas viagens fotográficas pela Rússia até depois da Revolução de Outubro.[2] Ele foi nomeado para uma nova cátedra sob o novo regime, mas deixou o país em agosto de 1918.[11] Ele ainda prosseguiu o trabalho científico em fotografia colorida, publicou artigos em jornais de fotografia em inglês e, junto com seu colega S. O. Maksimovich, obteve patentes na Alemanha, Inglaterra, França e Itália.[2]

Vida posterior e morte[editar | editar código-fonte]

Em 1920, Prokudin-Gorsky se casou novamente e teve uma filha com sua assistente Maria Fedorovna, nascida Schedrimo. A família finalmente se estabeleceu em Paris em 1922, reunindo-se com sua primeira esposa e filhos.[4] Prokudin-Gorsky montou um estúdio fotográfico lá junto com seus três filhos adultos, nomeando-o segundo sua quarto criança, Elka. Na década de 1930, o idoso Prokudin-Gorsky continuou com palestras mostrando suas fotografias da Rússia para jovens russos na França, mas interrompeu o trabalho comercial e deixou o estúdio para seus filhos, que o chamaram de Gorsky Frères. Ele morreu em Paris em 27 de setembro de 1944, um mês após a Libertação de Paris. Ele está enterrado no cemitério russo de Sainte-Geneviève-des-Bois.[2]

Técnica de fotografia[editar | editar código-fonte]

Princípio de três cores[editar | editar código-fonte]

Corte de Alleia Hamerops mostrando os canais de cores vermelho, verde e azul, bem como a imagem composta

O método de fotografia colorida usado por Prokudin-Gorsky foi sugerido pela primeira vez por James Clerk Maxwell em 1855 e demonstrado em 1861, mas bons resultados não eram possíveis com os materiais fotográficos disponíveis na época. Imitando a maneira como um olho humano normal percebe a cor, o espectro visível das cores foi dividido em três canais de informação, capturando-o na forma de três fotografias em preto e branco, uma tirada através de um filtro vermelho, outra através de um filtro verde e uma através de um filtro azul. As três fotografias resultantes podiam ser projetadas através de filtros das mesmas cores e sobrepostas exatamente em uma tela, sintetizando a faixa original de cores de maneira aditiva; ou visualizada como uma imagem colorida aditiva por uma pessoa de cada vez através de um dispositivo óptico conhecido genericamente como cromoscópio ou fotocromoscópio, que continha filtros coloridos e refletores transparentes que combinavam visualmente os três em uma imagem colorida; ou usadas para fazer impressões fotográficas ou mecânicas nas cores complementares ciano, magenta e amarelo, que, quando sobrepostas, reconstituíam a cor subtraidamente.[12]

Documentário do Império Russo[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1905, Prokudin-Gorsky concebeu e formulou um plano para usar os avanços tecnológicos emergentes que foram feitos na fotografia em cores para documentar sistematicamente o Império Russo. Por meio de um projeto tão ambicioso, seu objetivo final era educar os alunos da Rússia com suas "projeções de cores ópticas" da vasta e diversificada história, cultura e modernização do império.[13]

Equipado com uma câmara escura de vagão especialmente equipada, fornecida pelo czar Nicolau II e na posse de duas permissões que lhe concederam acesso a áreas restritas e cooperação da burocracia do império, Prokudin-Gorsky documentou o Império Russo entre 1909 e 1915. Ele conduziu muitas palestras ilustradas de seu trabalho. Suas fotografias oferecem um retrato vívido de um mundo perdido — o Império Russo na véspera da I Guerra Mundial e a Revolução Russa próxima. Seus assuntos variaram das igrejas e mosteiros medievais da antiga Rússia, às ferrovias e fábricas de uma potência industrial emergente, à vida cotidiana e ao trabalho da população diversificada da Rússia.[14][15]

Estima-se, a partir do inventário pessoal de Prokudin-Gorsky, que antes de deixar a Rússia, ele tinha cerca de 3500 negativos.[16] Ao deixar o país e exportar todo o seu material fotográfico, cerca de metade das fotos foram confiscadas pelas autoridades russas por conterem material que consideravam estrategicamente sensíveis para a Rússia em período de guerra.[4] Segundo as anotações de Prokudin-Gorsky, as fotos deixadas para trás não eram do interesse do público em geral.[16] Alguns dos negativos de Prokudin-Gorsky foram distribuídos[13] e alguns ele escondeu em sua partida.[17] Fora da coleção da Biblioteca do Congresso, nenhum foi encontrado ainda.[16]

Na época da morte de Prokudin-Gorsky, o czar e sua família já haviam sido executados durante a Revolução Russa, e o domínio comunista havia sido estabelecido sobre o que antes era o Império Russo. As caixas sobreviventes de álbuns de fotos e frágeis placas de vidro nos quais os negativos foram gravados foram finalmente armazenadas no porão de um prédio parisiense, e a família estava preocupada com o fato de elas serem danificados. A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos comprou o material dos herdeiros de Prokudin-Gorsky em 1948 por US$3.500–US$5.000, por iniciativa de um pesquisador que investigava seu paradeiro.[16] A biblioteca contou 1.902 negativos e 710 álbuns sem negativos correspondentes na coleção.[18]

Renderização digital em cores[editar | editar código-fonte]

Composto de cores simples e intocado de Alim Khan, emir de Bucara, 1911. À direita, o triplo negativo original no vidro, mostrado aqui de forma positiva. Prokudin-Gorsky fotografou as imagens superior, média e inferior através de filtros azul, verde e vermelho.
Versão de "digicromatografia"

Devido aos processos muito especializados e intensivos em mão-de-obra necessários para fazer impressões fotográficas em cores dos negativos, apenas cerca de cem das imagens foram usadas em exposições, livros e artigos acadêmicos durante o meio século após a aquisição da Biblioteca do Congresso.[4] Sua maior exposição foi no livro de mesa de café de 1980 Photographs for the Tsar: The Pioneering Color Photography of Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii Commissioned by Tsar Nicholas II,[19] no qual as imagens coloridas são meio-tons de tinta-sobre-papel amarela, magenta e ciana combinados, produzidos em massa com uma impressora multicolorida da maneira usual.[20]

Foi somente com o advento do processamento digital de imagens que várias imagens puderam ser rápida e facilmente combinadas em uma.[21] A Biblioteca do Congresso empreendeu um projeto em 2000 para fazer digitalizações de todo o material fotográfico recebido dos herdeiros de Prokudin-Gorsky e contratou o fotógrafo Walter Frankhauser para combinar os negativos monocromáticos em imagens coloridas.[22] Ele criou 122 renderizações em cores usando um método que ele chamou de digicromatografia e comentou que cada imagem levava-lhe cerca de seis a sete horas para alinhar, limpar e corrigir as cores.[23] Em 2001, a Biblioteca do Congresso produziu uma exposição a partir delas, The Empire That Was Russia: The Prokudin-Gorskii Photographic Record Recreated.[24] As fotografias foram objeto de muitas outras exposições na área em que Prokudin-Gorsky tirou suas fotos.[25][26][27][28][29][30]

Em 2004, a Biblioteca do Congresso contratou o cientista da computação Blaise Agüera y Arcas para produzir um composto de cores automatizado de cada um dos 1.902 negativos a partir das imagens digitais de alta resolução dos negativos em placas de vidro. Ele aplicou algoritmos para compensar as diferenças entre as exposições e os compostos de cores preparados de todos os negativos da coleção.[31] Como a biblioteca oferece as imagens de alta resolução dos negativos livremente na Internet, muitos outros criaram suas próprias representações de cores das fotos[32] e elas se tornaram uma bancada de teste favorita para cientistas da computação.[33]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Algumas das fotografias de Sergey Prokudin-Gorsky, processadas digitalmente, disponibilizadas pela Biblioteca do Congresso:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Serguéi Mijáilovich Prokudin-Gorskii

Referências

  1. Tatarnikova, Annette (2006-06-16). «Tsarskiy fotograf» (em russo) 
  2. a b c d e f g Garanina, Svetlana (2003). «Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorsky Biography» (PDF) 
  3. Prokudin-Gorsky, S. «Sergey Prokudin-Gorsky: Colorful memories of the Russian Empire». Russia Beyond the Headlines 
  4. a b c d e f Adamson, Jeremy; Zinkham, Helena (2002). "The Prokudin-Gorskii Legacy: Colour Photographs of the Russian Empire, 1905-1915". Comma. International Council on Archives. 3–4 (Archives and Archival Issues of Russia): 107–143. ISBN 3-598-01357-4. Archived from the original (PDF) on 2009-06-24.
  5. A cronologia em Prokudin-Gorsky.org (accessado em 26 de setembro de 2012) relata seis semanas de estudo com Miethe em 1902. Outros relatos dão o ano em 1889, mas uma fonte primária para essa data extremamente precoce não é aparente e não está de acordo com os detalhes biográficos de cerca de 1889 de ambos os homens. A principal fonte em inglês que reportou 1889 (Adamson e Zinkham, p. 108) descreve Miethe como "um jovem professor brilhante da Charlottenburg Technische Hochschule ..." e afirma (nota de rodapé, mesma página) que "Enquanto estava em Berlim, diz-se Prokudin-Gorskii deu cursos técnicos em fotoquímica e análise de espectro na Technische Hochschule ... ", o que evidencia confusão dos fatos em algum momento: as biografias de Miethe concordam que ele, não Prokudin-Gorsky, era o professor de fotoquímica e espectroanálise na Königlich Technischen Hochschule (Universidade Técnica Real) em Berlim, um cargo que ele aceitou por convite em 1899 após a morte súbita (17 de dezembro de 1898) de seu antigo ocupante de longa data, Hermann Wilhelm Vogel, o descobridor da sensibilização de corantes e ele próprio um experimentador de fotografia em cores. Aparentemente, foi a primeira posição de ensino de Miethe e o início de seu envolvimento com a fotografia em cores. Até então, ele havia sido contratado por empresas ópticas como a Voigtländer, mas já era um autor notável, editor de revistas e inventor no campo da fotografia (em preto e branco).
  6. Membership lists of the Royal Photographic Society
  7. Kington, Miles (2001-09-25). «What's the Russian for: Say Cheese?». The Independent 
  8. «Prokudin-Gorsky's Color Photographs of Tolstoy: in Tolstoy Studies Journal». University of Toronto 
  9. Dikovitskaya, Margaret. 2007. «Central Asia in Early Photographs: Russian Colonial Attitudes and Visual Culture» (PDF)  Slavic Eurasian Studies, no. 14: Empire, Islam, and Politics in Central Eurasia. Sapporo: Slavic Research Center.
  10. Garanina, S. P. (1999) «Delo Kantselyarii Soveta Ministrov o priobretenii v kaznoo kollektsii fotograficheskih snimkov dostoprimechatel'nostey Rossii S. M. Prokoodina-Gorskogo, 1910—1912 gg.»  Fundamental Digital Library of Russian Literature and Folklore Predefinição:In lang
  11. «Interview with Orlando Figes, presenter of a BBC documentary about Gorsky». BBC Four 
  12. Coe, Brian, Colour Photography: The First Hundred Years 1840-1940, Ash & Grant, 1978. Also published in the U.S., this excellent and amply-illustrated overview of the history of color photography before Kodachrome nevertheless, like other books on the subject, includes a few wrong dates and repeats entrenched but demonstrably erroneous conventional wisdom about the color sensitivity of pre-1906 photographic materials.
  13. a b Dennis, Nadia. Tsvyeta ooshyedshyego mira. Predefinição:In lang
  14. «The Prokudin-Gorskii Photographic Record Recreated: The Empire That Was Russia - Ethnic Diversity». Library of Congress 
  15. «The Prokudin-Gorskii Photographic Record Recreated: The Empire That Was Russia - Exhibition Home». Library of Congress 
  16. a b c d Minachin, Victor (2003). "The Splendors of Russia Collection" in the Library of Congress. "Restavrator-M" Restoration Center.
  17. «By appointment to the tsar». The Independent on Sunday. pp. 24–25. Tantalisingly, he hid a dozen or so color plates of the Romanovs but never disclosed where (most likely in St Petersburg) They may yet surface. 
  18. Robb, Andrew. May 2001. "Albums, Photos, Glass Plate Negatives." Conservation Corner - Library of Congress Information Bulletin, May 2001 - Vol 60, No. 5.
  19. Allshouse, ed. (1980). Photographs for the Tsar: The Pioneering Color Photography of Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorskii Commissioned by Tsar Nicholas II. Sidgwick & Jackson. London: [s.n.] ISBN 0-283-98678-6 
  20. Goldsmith, Arthur (1980). In Photographs for the Tsar. London: Sidgwick & Jackson.
  21. Hubička, Jan (2008). Modern reproductions of photographs by Prokudin-Gorskij
  22. Digitizing the Collection. Library of Congress Prints & Photographs Online Catalog - Prokudin-Gorskii Collection
  23. Austen, Ian. (2001-06-14). "Colors of a Lost Empire Are Reborn, Digitally." The New York Times.
  24. «All Exhibitions - Exhibitions (Library of Congress)». www.loc.gov 
  25. Library of Congress Exhibition of Russian Photographs Opens in St. Petersburg on April 12, 2003. Library of Congress.
  26. Osipov, Georgy (2003). «"Miracles of the Tsar's Photographer"» . The New Times.
  27. Teterin, Igor (2005-06-03). «"Kakoy ti bila, Rossiya!"». Consultado em 26 de março de 2009. Cópia arquivada em November 21, 2007  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |arquivodata= (ajuda). Pärnu Express. Predefinição:In lang
  28. «"Rossiya: vzglyad chyeryez stolyetiye"». Consultado em 26 de março de 2009. Cópia arquivada em November 21, 2007  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |arquivodata= (ajuda). Pärnu Express, 28.04.2006. Predefinição:In lang
  29. "Sergei Mikhailovich Prokudin-Gorsky. A Selection from the Collection 'The Splendors of Russia in Natural Color'—Color Photographs from the Years 1905–1916'" Šechtl & Voseček Museum of Photography, 2006.
  30. "Exhibition of Sergei Prokudin-Gorskii’s at TBC Bank Places History in Full Color Arquivado em 2009-08-18 no Wayback Machine.." U.S. Embassy Georgia, January 18, 2007.
  31. Blaise Agüera y Arcas. «Reconstructing Prokudin-Gorskii's Color Photography in Software». Library of Congress  Regarding exposure times, although the author states (Figure 1) that "each exposure" in the example appears to have taken "upward of 20 seconds", it is plain from the animated pair of images that, as is more clearly expressed at the start of the same sentence, most of the moon's motion occurred between the exposures; the actual exposures account for only a minor fraction of that time. Various causes for an unusual delay or atypically slow operation of the camera's plate-shifting mechanism may be imagined. The moon is effectively invisible in the blue-filtered exposure, in which the sky appears as if white, so the author must necessarily be extrapolating a total time based on the other two exposures.
  32. "Color Photography Method." Library of Congress Prints & Photographs Online Catalog - Prokudin-Gorskii Collection
  33. Girvan, Ray (2005). "The color of the past." Scientific Computing World, July/August 2005.