Sermão do Areópago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
São Paulo ministrando o Sermão de Areópago em Atenas, por Rafael, 1515.
Placa gravada contendo o sermão do apóstolo Paulo, no Areópago, Atenas, Grécia.

O sermão do Areópago refere-se a um sermão proferido pelo apóstolo Paulo em Atenas, no Areópago, e narrado em Atos 17,16-34.[1][2] O sermão de Areópago é o discurso mais dramático e completo da carreira missionária de São Paulo e seguiu um discurso mais curto em Listra, registrado em Atos 14,15-17.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Paulo havia encontrado conflito como resultado de sua pregação em Tessalônica e Bereia, no norte da Grécia, e foi levado para Atenas como um local seguro. Segundo os Atos dos Apóstolos, enquanto esperava seus companheiros Silas e Timóteo, Paulo ficou angustiado ao ver Atenas cheia de ídolos. O comentarista John Gill comentou:

sua alma estava perturbada e seu coração entristecido ... ele estava exasperado e provocado até o último grau: ele estava em um paroxismo; seu coração estava quente dentro dele; ele tinha um fogo ardente nos ossos e estava cansado de tolerar, e não podia ficar; seu zelo queria desabafar, e ele o deu.[4]

Então Paulo foi à sinagoga e à Ágora ( em grego: ἐν τῇ ἀγορᾷ , "no mercado" ) em várias ocasiões ('diariamente'),[5] para pregar sobre a ressurreição de Jesus.

Alguns gregos o levaram a uma reunião no Areópago, o tribunal superior de Atenas, para se explicar. O Areópago literalmente significava o rochedo de Ares na cidade e era um centro de templos, instalações culturais e um tribunal superior. Robert Paul Seesengood acredita que pode ter sido ilegal pregar uma divindade estrangeira em Atenas, o que tornaria o sermão de Paulo uma combinação de uma "palestra de convidado" e um julgamento.[6]

O sermão aborda cinco questões principais:[3]

  • Introdução: Discussão sobre a ignorância do culto pagão (versículos 23-24)
  • O único Deus Criador sendo o objeto de adoração (25-26)
  • O relacionamento de Deus com a humanidade (26-27)
  • Ídolos de ouro, prata e pedra como objetos de adoração falsa (28-29)
  • Conclusão: Hora de acabar com a ignorância (30-31)

Este sermão ilustra o início das tentativas de explicar a natureza de Cristo e um passo inicial no caminho que levou ao desenvolvimento da cristologia.[1]

Paulo começa seu discurso enfatizando a necessidade de conhecer a Deus, em vez de adorar o desconhecido: 
Enquanto andava e olhava atentamente para seus objetos de adoração, até encontrei um altar com esta inscrição: A UM DEUS DESCONHECIDO. Portanto, você é ignorante daquilo que adora - e é isso que vou proclamar a você."

Paulo então explicou conceitos como a ressurreição dos mortos e a salvação, com efeito um prelúdio para as futuras discussões da cristologia.

Após o sermão, várias pessoas se tornaram seguidores de Paulo. Isso incluía uma mulher chamada Dâmaris e Dionísio, um membro do Areópago (que não deve ser confundido com Pseudo-Dionísio, o Areopagita ou Dionísio, o primeiro bispo de Paris).

No século XX, o Papa João Paulo II comparou a mídia moderna ao Novo Areópago, onde as idéias cristãs precisavam ser explicadas e defendidas de novo, contra a descrença e os ídolos do ouro e da prata.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b McGrath, Alister E. (2006), Christianity: an introduction, ISBN 1-4051-0901-7, pp. 137–41 
  2. Schnelle, Udo (Nov 1, 2009), Theology of the New Testament, ISBN 0-80103604-6, p. 477 .
  3. a b Mills, Watson E. (2003), Mercer Commentary on the New Testament, ISBN 0-86554-864-1, pp. 1109–10 .
  4. Gill. «Gill's Exposition of the Entire Bible». Bible hub  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  5. Acts 17:17
  6. Paul: A Brief History by Robert Paul Seesengood 2010 ISBN 1-4051-7890-6 page 120
  7. Miller, Vincent J. (2005). Consuming religion: Christian faith and practice in a consumer culture. [S.l.: s.n.] ISBN 0-8264-1749-3