Sertania

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sertão brasileiro)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: se procura outros significados, veja Sertão (desambiguação).
Em contraposição ao conceito original, mapas das redes urbanas triangulares constituídas ao sul (Vitória da Conquista (BA), Montes Claros (MG) e Teófilo Otoni (MG)) e ao norte (Juazeiro (BA)-Petrolina (PE), Juazeiro do Norte (CE), Sousa (PB)) do sertão brasileiro.[1]

Sertania ou sertão refere-se a uma região afastada dos centros urbanos ou do litoral, distante da ou com pouca "civilização".[2][3][4] Em sentido estrito, o termo costuma ser usado para se referir à região semiárida da Região Nordeste do Brasil.[5] Equivale ao termo australiano outback.[6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo sertão tem etimologia incerta e muitas são as hipóteses de sua origem:

  • pode derivar da expressão "desertão" (ou seja, "deserto grande"), utilizada pelos portugueses para se referir às regiões despovoadas da África Equatorial. Com a eliminação do "de", o termo virou "sertão".[7][8][7]
  • pode provir do quimbundo muchitum pela voz angolana muceltão, cujo significado é "região distante da costa", "interior", "mato".[7]
  • pode provir de Domingos Afonso Sertão, que, em 1676, teria recebido uma sesmaria às margens do rio Gurgueia, no atual estado do Piauí, no Brasil.[7]
  • pode provir da vila de Sertã, em Portugal.[7]
  • pode tratar-se de uma corruptela da palavra "sertã" (frigideira), pelo fato de serem regiões onde se registram altas temperaturas.[9]

Já a utilização do termo para se referir ao interior da região Nordeste do Brasil popularizou-se a partir da publicação do livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, em 1902, que retratou a região.[7]

Generalidades[editar | editar código-fonte]

São consideradas sertanias também regiões distantes das áreas metropolitanas das capitais, onde as mesmas estão incluídas, e distantes do litoral. A construção em 1960 da nova capital do Brasil, Brasília, serviu para "sertanizar" o país, pois até então as capitais federais se situavam todas no litoral (vide Salvador e Rio de Janeiro).

Agricultura[editar | editar código-fonte]

O perfil da agricultura brasileira mudou completamente após a adoção das práticas características da revolução verde. A introdução dos novos conceitos ocorreu durante o regime militar e foi um dos pilares do chamado "milagre econômico". A partir da produção em larga escala, o País passou à condição de exportador de alimentos. Entre os produtos de elevado desempenho estão a soja e o milho.

Com a matriz agrícola voltada para as vendas externas, o Brasil instituiu agências de fomento e pesquisa. Entre as agências abertas nesse período está a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), fundada em 1973.

Pecuária[editar | editar código-fonte]

O Brasil tem um rebanho de aproximadamente 209,13 milhões de cabeças criadas em 167,49 milhões de hectares. A lotação média no país é de 1,25 cab. /ha (unidade de cabeça por hectare)[10]. Com a Lei nº 11.716, de 20 de junho de 2008 foi instituído o Dia Nacional do Pecuarista, a ser comemorado anualmente no dia 15 de julho.[11]

Circuitos pecuários são divisões geográficas estabelecidas no Brasil, reunindo estados com o mesmo status sanitário, favorecendo estratégias específicas de combate à febre aftosa. Existem cinco circuitos pecuários no país que são:

  • Circuito Pecuário Nordeste: Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte;
  • Circuito Pecuário Centro-Oeste: São Paulo, parte do Paraná, oeste de Minas Gerais, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e parte de Tocantins;
  • Circuito Pecuário Sul: parte do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul:
  • Circuito Pecuário Leste: parte de Minas Gerais não incluída no Circuito Pecuário Centro-Oeste, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe:
  • Circuito Pecuário Norte: parte de Tocantins não incluída no Circuito Pecuário Centro-Oeste, Pará, Amazonas, Rondônia, Acre, Roraima e Amapá

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.redbcm.com.br/arquivos/bibliografia/relatorio_ipea_final.pdf
  2. «Sertão». Dicionário Aulete. Consultado em 20 de abril de 2016. 
  3. «Sertão». Dicionário Informal. 8 de junho de 2012. Consultado em 20 de abril de 2016. 
  4. «Sertão». Dicionário Informal. 1º de janeiro de 2012. Consultado em 20 de abril de 2012. 
  5. «Sertão». Dicionário Informal. 8 de junho de 2016. Consultado em 20 de abril de 2016. 
  6. «Outback». thefreedictionary.com. Consultado em 20 de abril de 2016. 
  7. a b c d e f Antonio Filho, Fadel David (Dezembro de 2011). «Sobre a palavra "sertão": origens, significados e usos no Brasil (do ponto de vista da ciência geográfica)» (PDF). Associação dos Geógrafos Brasileiros: Seção Bauru. Consultado em 20 de abril de 2016. 
  8. Faria, Caroline. «Sertão». InfoEscola. Consultado em 20 de abril de 2016. 
  9. «Sertã». Dicionário Aulete. Consultado em 20 de abril de 2016. 
  10. «Evolução e Qualidade da Pecuária Brasileira» (PDF) 
  11. «Lei nº 11.716, de 20 de Junho de 2008 — Portal do Senado Federal». Consultado em 25 de maio de 2009. 
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.