Sertanense Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sertanense
Sfc.png
Nome Sertanense Futebol Clube
Fundação 17 de fevereiro de 1934 (84 anos)[1]
Estádio Campo de Jogos Dr. Marques dos Santos
Capacidade 7,500
Localização SRT.png Sertã
Presidente Paulo Jorge Farinha
Treinador Filipe Moreira
Material (d)esportivo Dinamarca Hummel
Competição Campeonato de Portugal
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Sertanense Futebol Clube é um clube português localizado na vila da Sertã, Distrito de Castelo Branco e fundado em 17 de fevereiro de 1934[2] . Tem como principal actividade desportiva o futebol sénior e de formação. Atualmente compete no Campeonato de Portugal estando à perto de duas décadas a competir nos escalões nacionais.

História[editar | editar código-fonte]

Sfcpreto.jpg

Foi fundado com a designado incial de Sertanense Foot-ball Club por um grupo de carolas liderado por Casimiro Farinha, Mário Florim e Manuel António dos Santos.

Primeira gerência[editar | editar código-fonte]

Direcção[editar | editar código-fonte]

Presidente: Casimiro Farinha; Vice-Presidente – Crispim Casimiro; 1.º Secretário – Carlos Firmino; 2.º Secretário – Ricardo Moura dos Reis; Tesoureiro – Manuel António; 1.º Vogal – Joaquim Monteiro; 2.º Vogal – José Farinha.

Assembleia Geral[editar | editar código-fonte]

Presidente – João Esteves; Vice-Presidente – Abílio Gomes; 1.º Secretário – Joaquim Mateus Ribeiro; 2.º Secretário – Rufino Nunes.

Conselho Fiscal[editar | editar código-fonte]

Presidente – António da Silva Lourenço; Relator – António Farinha Júnior; Vogal – Domingos António da Silva.

Ecletismo[editar | editar código-fonte]

Pesca desportiva[editar | editar código-fonte]

O Sertanense é, neste momento, um clube que se dedica, quase em exclusivo, à prática do futebol, no entanto, no seu passado desportivo merece nota de destaque o título coletivo alcançado no Campeonato Nacional de Pesca Desportiva de Rio em águas interiores, em 1983, e a consequente presença na Taça dos Campeões Europeus nesta modalidade.

Atletismo[editar | editar código-fonte]

Uma referência ainda para os feitos alcançados pela secção de atletismo durante a década de 60 e nos primeiros anos do novo milénio (2002 e 2003).

Futebol[editar | editar código-fonte]

Historial de participações[editar | editar código-fonte]

Escalão Nº Presenças Títulos Melhor Classificação
I 0 0 Nunca participou
II 0 0 Nunca participou
III 8 0
IV 18 1
V - - -
VI - - -
VII - - -
Taça de Portugal 29 - 3ª Elim.
Taça da Liga 0 0 Nunca participou
inclui época 2018/2019;

Classificações[editar | editar código-fonte]

Escalão 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18 18/19
Primeira Liga - - - - - - - - -
Segunda Liga - - - - - - - -
II Divisão B / Campeonato de Portugal -
III Divisão - - - - - - - - -
1º Escalão Dist. - - - - - - - -
2º Escalão Dist. - - - - - - - - -
3º Escalão Dist. - - - - - - - - -

Palmarés[editar | editar código-fonte]

  • Campeonato Nacional da III Divisão: 1 (2008/2009)
  • Campeonatos Distritais: 2 (1999/2000, 1987/1988)
  • Taças de Honra AFCB clubes provas nacionais: 1 (2018/2019)

Plantel[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de Maio de 1971, o Sertanense realizou o seu primeiro jogo oficial, em competições futebolísticas. A partida, a contar para a 1.ª jornada do Campeonato Distrital de Castelo Branco, opôs a equipa da Sertã ao Sport Benfica e Castelo Branco, com a vitória (3-1) a pertencer à formação albicastrense. Segundo os relatos da época, o jogo foi muito bem disputado, com os homens da Sertã a darem boa luta, mas a serem impotentes para travar o maior domínio dos benfiquistas, um conjunto já muito habituado a estas andanças do Distrital e também dos Nacionais. O Sertanense alinhou nesta partida com José Luís, António João, Dionísio, Pires, Matiota, Zé Maria, Amâncio, Armando, Joca Barreto, Aníbal e Camilo. No segundo tempo, Vítor Cavalheiro entrou para o lugar de Armando e João César rendeu Camilo. O único golo do conjunto da Sertã foi apontado por Pires, já perto do final do encontro (87’).[3]

O Sertanense foi por duas vezes (1987/1988 e 1999/2000) campeão distrital de Castelo Branco, contando igualmente no seu currículo com várias passagens pela 3.ª Divisão Nacional portuguesa e com uma presença (na época de 2002/03) na 2.ª Divisão "B". Em 2007, chegou aos oitavos de final da Taça de Portugal, onde foi eliminado pelo FC Porto.

Na época 2008/09, o Sertanense sagrou-se campeão nacional de futebol da 3.ª divisão, série D, e subiu à 2ª divisão. tendo como treinador nessa temporada: Eduardo Hungaro. Os jogadores que representaram o emblema sertaginense durante essa época foram (jogos e golos entre parênteses): André Moretto (16 jogos), Fábio (11 jogos), Artur (9 jogos), Hugo Lopes (22 jogos e 2 golos), Salgueiro (19 jogos), Pedro Miguel (32 jogos e 3 golos), Américo (30 jogos e 3 golos), Daniel (10 jogos), Bruno Xavier (36 jogos e dois golos), Leandro (33 jogos e 2 golos), Tiago (33 jogos), Marco Farinha (33 jogos e 17 golos), Joca (31 jogos e 16 golos), Babá (31 jogos e 2 golos), Filipe Avelar (33 jogos e 3 golos), Hygor (24 jogos e 2 golos), Santana Maia (5 jogos), Igor Luís (29 jogos e 13 golos), David Facucho (9 jogos),Bruno (30 jogos 18 golos Anderson (26 jogos), Diego (6 jogos), Fernandinho (4 jogos e 2 golos) e Magalhães (16 jogos).[4]

Taça de Portugal[editar | editar código-fonte]

Até 2008, o Sertanense participou em 30 edições da Taça de Portugal em futebol. Em 51 jogos registou 24 vitórias, 7 empates e 20 derrotas, tendo marcado 67 golos e sofrido 64. O primeiro jogo do Sertanense na Taça de Portugal disputou-se na temporada de 87-88. A equipa da Sertã foi afastada, logo na primeira eliminatória (derrota por 2-1), pelo Fátima. Entre os maiores feitos, destaque para a "fabulosa" campanha da época de 2007-08, onde foi apenas eliminado pelo F.C. Porto, nos oitavos-de-final (derrota por 4-0). Na época de 2006-07, a equipa chegou à quinta eliminatória (afastada pelo Varzim), ao passo que nas temporadas de 92-93 e 96-97 atingiu a quarta eliminatória.

Cultura[editar | editar código-fonte]

No campo cultural, além de várias iniciativas ao longo dos anos, a escola de música (actualmente desactivada) foi a "menina dos olhos bonitos" da colectividade.

Corpos gerentes[editar | editar código-fonte]

Direcção[editar | editar código-fonte]

Presidente: Paulo Jorge Costa Farinha

Vice-presidentes: Ezequiel Oliveira, Vítor Manuel Dias, Fernando Jorge Martins, António Xavier, José Alexandre Monteiro, Fernando Gaspar da Silva

Secretário: Paulo Henrique Monteiro

Tesoureiro: António Martins Soares

Mesa da Assembleia Geral[editar | editar código-fonte]

Presidente: Rui Vidigal Vaz
1° secretário: Manuel Fonseca Ferrão
2° secretário: Adelino Ferreira

Conselho Fiscal[editar | editar código-fonte]

Presidente: Luís Martins Ribeiro
Vice-presidente: Jorge Coelho da Silva
Relator: António Antunes Simões
Suplente: Arminda Miranda Magalhães

Notas e referência[editar | editar código-fonte]

  1. Na imagem que acompanha este verete, a data de 1933 está errada.
  2. Ver Februaries: Webster’s Quotations, Facts and Phrases, pág. 235 aqui.
  3. Fonte: Rui Lopes
  4. [1]
Bandeira de PortugalSoccer icon Este artigo sobre clubes de futebol portugueses é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.