Sesóstris I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sesóstris I
Quepercaré, Senuserete I, Senuoserete I
Estátua de Sesóstris I no Museu do Cairo, Egito
Estátua de Sesóstris I no Museu do Cairo, Egito
Faraó do Egito
Reinado 1971–1 926 a.C.XII dinastia egípcia
Corregência Amenemés II
Predecessor Amenemés I
Sucessor Amenemés II
Esposa(s) Neferu III
Filhos Amenemés II, Sebat
Pai Amenemés I
Mãe Nefertitanen
Falecimento 1919 a.C.
Tumba Pirâmide em Lixte
Monumentos Capela Branca, Pirâmide de Sesóstris I
Estátua osírica de Sesóstris I. Museu de Luxor, Egito
Pirâmide de Sesóstris I em ruínas, em Lixte
Pedra com o cartucho de Sesóstris I

Sesóstris I ou Senuserete I foi o segundo Faraó da Décima Segunda Dinastia do Egito. Sesóstris I governou a região por trinta e quatro anos (de 1920 a.C. a 1875 a.C.) após a morte do pai, Amenemés I, e foi um dos reis mais poderosos desta dinastia. Seu reinado corresponde ao auge da literatura e artesanato egípcio. Sesóstris I era conhecido por seu prenome, Quepercaré, que significa "A Ka de Rá vem a ser". Já seu nome de nascimento significa "Homem da deusa Wosret" e pode ter sido também o nome de seu avô materno. Os historiadores não têm certeza da data de nascimento de Sesóstris I.[1][2]

Sesóstris continuou as políticas expansionistas agressivas de seu pai para o norte da Núbia, iniciando duas expedições a essa região em seus décimo e décimo oitavo anos, com pelo menos duas operações militares, ele estabeleceu a fronteira sul do Egito, perto da segunda catarata, onde ele colocou uma guarnição.[1] Ele também organizou uma expedição a um oásis no Deserto Ocidental. Sesóstris estabeleceu relações diplomáticas com alguns governantes de cidades da Síria e Canaã. Ele também tentou centralizar a estrutura política do país apoiando os monarcas, que eram leais a ele. Sua pirâmide foi construída em Lixte. Sesóstris I é mencionado na Aventuras de Sinué, onde encontrava-se no caminho de regresso de uma operação militar no deserto da Líbia depois de ouvir sobre o assassinato de seu pai, Amenemés I.

Muitos o consideram o faraó associado à história bíblica de Abrão e Sara.[1]

Família[editar | editar código-fonte]

As relações familiares do rei são bem conhecidas. Sesóstris I era o filho de Amenemés I. Sua mãe era uma certa rainha com o nome Neferitatenen. Sua esposa principal era Neferu III, que também era sua irmã e mãe de seu sucessor Amenemés II. As crianças conhecidas são Amenemés II e as princesas Itakayt e Sebat. Sebat era provavelmente uma filha de Neferu III, pois ela aparece com Neferu III em uma única inscrição.

O rei Sesóstris I repetiria mais tarde os mesmos processos de transição introduzidos por seu pai ao nomear seu filho Amenemés II como seu corregente. Além de Amenemés II, Sesóstris teria pelo menos uma filha com sua esposa, a rainha Neferu, conhecidas como princesas Itakayt e Sebat. Sebat era provavelmente uma filha de Neferu III pois ela aparece com Neferu em uma única inscrição.

Reinado prolongado[editar | editar código-fonte]

É geralmente aceito pelos historiadores que Sesóstris I governou por 44 anos: 10 como corregente de seu pai, 30 como governante e 3 a 4 anos como corregente de seu filho. Os egiptólogos acreditam que Amenemés fizera Sesóstris seu corregente dez anos antes de sua morte. Essa foi a primeira instância de corregência na história registrada do Egito. A maioria dos registros históricos indicam os anos de governo de Sesóstris faraônicos de como pacíficos e prósperos para o Egito, anos que corresponderam o auge da literatura e do artesanato egípcio, apesar dos indícios de uma possível fome durante seu governo. Durante esse tempo, o comércio floresceu e forneceu aos egípcios cedro, marfim e outros bens estrangeiros. Os muitos artefatos de ouro atribuídos ao seu reinado revelam seu domínio como sendo de fortunas e riquezas. Sesóstris I estabeleceu ligações comerciais com cidades sírias para garantir que o Egito tivesse acesso a uma ampla variedade de matérias-primas, pedras preciosas e luxos.[3] As realizações artísticas de seu reinado são exemplificadas pelas requintadas jóias recuperadas dos túmulos das damas reais em Dahshur e Lahun.[3]

Sesóstris gerenciou eficazmente o país através do estabelecimento de limites notórios entre regiões individuais enquanto ele permitia que os governadores regionais continuassem tendo sua autoridade, ele se tornou conhecido como uma autoridade suprema sobre o Egito. Este firme governo deu ao Egito estabilidade e prosperidade.[1]

Programa de construção[editar | editar código-fonte]

Sesóstris começou seus muitos projetos de construção enquanto ainda servia como corregente pelo embelezamento dos principais templos, incluindo os de Carnaque e Heliópolis. Os arqueólogos creditam ao rei Sesóstris mais de três dúzias de grandes projetos. O objetivo do programa de construção do Sesóstris era divulgar seu nome por todas as gerações para segui-lo. Ele foi o primeiro faraó a construir monumentos em cada um dos principais locais de culto religioso no Egito.[1]

Ele foi o primeiro faraó a construir monumentos em cada um dos principais locais de cultos religiosos no Egito.

Sesóstris ordenou várias expedições pedreiras ao Sinai e Uádi Hamamate e construiu numerosos santuários e templos em todo o Egito e Núbia durante o seu longo reinado. Ele reconstruiu o importante Recinto de Amon-Rá em Heliópolis, que era o centro do culto do sol. Ele ergueu dois obeliscos de granito vermelhos para celebrar o seu Festival de Sede de 30 anos. Um dos obeliscos ainda permanece de pé e é o obelisco mais antigo do Egito. Está agora na área de Massala (Obelisco em árabe) do distrito de Mataria, perto do distrito de Aim Xamece (Heliópolis). Tem 67 pés de altura (220 metros) e pesa 240.000 libras (120 metros).

Sesóstris I é testemunha de ser o construtor de uma série de grandes templos no Egito Antigo, incluindo o templo de Min em Copto, o Templo de Satet em Elefantina, o Mês-templo em Hermontis e o Mês-templo em At Tod, onde uma longa inscrição do rei é preservada.[4] Seus muitos projetos de construção levaram à disseminação de um “estilo real” de arte e trabalho de assistência em todo o Egito.

Um santuário (conhecido como Capela Branca ou Capela do Jubileu), com relevos de alta qualidade de Sesóstris I, foi construído em Carnaque para comemorar seu jubileu de 30 anos. Ele foi posteriormente reconstruído com sucesso a partir de vários blocos de pedra descobertos por Henri Chevrier em 1926. Finalmente, Sesóstris remodelou o Templo de Quenti-Amentiu Osíris em Abidos, entre seus outros grandes projetos de construção.

Na sua morte, Sesóstris foi colocado em sua pirâmide em Lixte. Localizado a uma milha a sul da pirâmide de seu pai, seu complexo incluía nove pirâmides adicionais para sua esposa e outros parentes.[1]

Operações militares[editar | editar código-fonte]

Sesóstris continuou a expansão de seu pai para o norte da Núbia, com pelo menos duas campanhas militares. Ao colocar uma guarnição militar e uma estela de vitória na fronteira sul do Egito, ele estabeleceu uma forte fronteira militar para a proteção egípcia.

Registros mostram que durante seu governo, pessoalmente liderou várias expedições ao deserto da Líbia para ganhar controle sobre os oásis e proteger a região do Delta. Embora pareça que ele liderou operações militares agressivas, o principal objetivo de suas ofensivas militares era proteger as fronteiras do Egito contra a invasão.[5]

Sucessão[editar | editar código-fonte]

Sesóstris foi coroado com seu pai, Amenemés I, no 20º ano de reinado.[6] No final de sua vida, ele nomeou seu filho Amenemés II como seu corregente. A estela de Wepwawetō é datada do 44º ano de Sesóstris e do 2º ano de Amenemés, assim ele o teria designado em algum momento em seu 43º ano.[7] Pensa-se que Sesóstris morreu durante o seu 46º ano no trono desde que o Papiro de Turim atribui-lhe um reinado de 45 anos.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f «Faraó Sesóstris I» (em inglês). Ancient Egpty Online. Consultado em 5 de março de 2019 
  2. «Senusret I, 2º Rei da 12ª Dinastia» (em inglês). Jimmy Dunn. 2014. Consultado em 5 de março de 2019 
  3. a b «Senusret I Kheperkare - Ancient Egypt Online» (em inglês). Consultado em 28 de março de 2019 
  4. Grajetzki, The Middle Kingdom of Ancient Egypt: History, p. 38–41
  5. «Military Campaigns» (em inglês). Ancient Egpty Online. Consultado em 6 de março de 2019 
  6. Murnane, William J. Ancient Egyptian Coregencies, Studies in Ancient Oriental Civilization. No. 40. p.2. The Oriental Institute of the University of Chicago, 1977.
  7. Murnane, William J. Ancient Egyptian Coregencies, Studies in Ancient Oriental Civilization. No. 40. p.5. The Oriental Institute of the University of Chicago, 1977.
  8. Murnane, William J. Ancient Egyptian Coregencies, Studies in Ancient Oriental Civilization. No. 40. p.6. The Oriental Institute of the University of Chicago, 1977.


Precedido por
Amenemés I
Faraó
XII Dinastia
Sucedido por
Amenemés II